Home Transe Tudo Estudo comprova que existe mesmo “Fome de Méqui”

Estudo comprova que existe mesmo “Fome de Méqui”

Big Mac é capaz de provocar maior ativação cerebral e salivação, mostrou estudo

Méqui conseguiu provar que, além de ser o hambúrguer mais popular, é capaz de provocar reações neurobiológicas diferentes no público. O Instituto Forebrain, empresa pioneira em serviços de pesquisa na área de Neurociência do Consumo, realizou um experimento no Brasil que constatou que a #FomeDeMéqui é um fato neurocientífico, não apenas uma campanha publicitária.

Dezenas de voluntários brasileiros participaram da pesquisa – homens e mulheres  com idades entre 18 e 59 anos e de diferentes classes sociais. Foram mostrados dois vídeos de um minuto cada. Dois estímulos exatamente iguais com apenas uma diferença: um deles mostrava o consumo de um Big Mac e o outro de um hambúrguer duplo comum. Como resultado, foi verificado uma maior salivação, uma resposta que indica maior apelo apetitivo, e uma maior ativação cerebral relacionada a uma predisposição comportamental de preferência em relação ao filme que continha o Big Mac. Tudo mensurado a partir de uma metodologia neurocientífica atestada pelo Instituto Forebrain. A partir desse experimento, fica claro que a preferência pelo Big Mac é real, uma vez que os resultados do número 1 são consideravelmente mais positivos do que os de um sanduíche comum.

“A gente sempre ouviu dos consumidores que existe uma vontade que só Big Mac consegue satisfazer. Por isso, fomos entender um pouco mais sobre essa relação do público com o nosso produto e descobrimos que o Big Mac é mais do que o sanduíche preferido dos brasileiros”, explica João Branco, Chief Marketing Officer do McDonald’s Brasil.

Para divulgar essa descoberta, o Méqui lança uma nova campanha, criada pela DPZ&T, que traz um filme produzido pela Fauna e dirigido por Thiago Espeche. A comunicação reproduz passo a passo os bastidores do experimento com muito bom humor. O  filme se passa dentro de um laboratório que comprova a #FomeDeMéqui.

Como a comprovação neurocientífica foi feita?

Trata-se de um estudo comparativo branded vs. unbranded, composto pelos testes de “Appetite Appeal” e “Motivação Neural”. Os estímulos foram controlados quanto a ambientação, personagem, acting, iluminação, corte de cenas e sincronia, diferindo somente na presença ou ausência da marca e de seu sanduíche número 1.

APPETITE APPEAL (Salivação): neste teste foram encontradas diferenças significativas entre o lanche duplo comum e o Big Mac, com o vídeo que apresenta o astro do McDonald’s provocando muito mais salivação.

MOTIVAÇÃO NEURAL (Eletroencefalografia | EEG):  no eletroencefalograma, ondas elétricas ligadas ao comportamento de motivação foram medidas e o Big Mac atingiu um índice positivo, já o sanduíche duplo comum apresentou resultado negativo.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com