Home Colunistas Coluna Roberto Azevedo O remédio contra o coronavírus

O remédio contra o coronavírus

O remédio contra o coronavírus

Roberto Azevedo

Não espere medidas de pouco impacto a partir da reedição do decreto que propõe o isolamento social. Por mais sete dias, com a não circulação de transporte coletivo, intermunicipal e interestadual, o fechamento do comércio não essencial e da redução de outras atividades.
O governador Carlos Moisés reúne-se nesta terça (24) com oficiais do Exército Brasileiro para assegurar que as pessoas não circulem em praças, parques, ruas ou frequentem praias, conforme pedido feito ao Ministério da Defesa.
Outra frente será uma teleconferência com o presidente Jair Bolsonaro, uma solicitação dos governadores do sul e do sudeste.
O número crescente de casos, 86 confirmados na última divulgação oficial, sustenta a máxima de que quanto mais severa é a doença, mais forte e amargo deverá ser o remédio.

ÁLCOOL EM GEL E O BLOQUINHO

O notebook do governador Carlos Moisés, durante a teleconferência com os governadores do Sul e do Sudeste, nesta segunda, que formam o Cosud, dividia espaço com um tubo de álcool em gel e um bloquinho para anotações, e ele fez muitas. Junto com Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Carlos Massa Ratinho Junior (Paraná), João Dória (São Paulo), Wilson Witzel (Rio de Janeiro), Romeu Zema (Minas Gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo), Moisés decidiu que as divisas ficarão abertas ao transporte de produtos essenciais para evitar o desabastecimento. O ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) revelou que a União busca uma unidade sobre o tema entre os Estados, impedindo que qualquer determinação mais abrangente impeça a circulação de mercadorias e remédios, com especial atenção aos motoristas, que vivem dificuldades entre eventuais consertos e até na alimentação.

Adiamento
Não só a ideia de adiar as eleições deste ano em função da pandemia de Coronavírus avança como também sugestões práticas que poderiam aliar a participação de partidos políticos e do Congresso no processo.
O senador Esperidião Amin (PP), entusiasta da tese de postergação da disputa para o ano que vem, acredita que os partidos deveriam doar os R$ 2 bilhões do Fundo Eleitoral, mais os R$ 2 bilhões do dia da eleição e outros R$ 4 bilhões que são 50% do valor destinado à Justiça Eleitoral para o pleito, já que não haveria a necessidade de gastos com a organização da escolha.

Adiamento ganha adeptos
Nas contas de Amin, esses R$ 8 bilhões seriam doados à saúde do país, ato “muito mais importante do que termos a eleição este ano”. O grande ponto de interrogação é o de como se comportará o Congresso, que seria o caminho natural para que uma Proposta de Emenda Constitucional alterasse o calendário este ano e propusesse o adiamento para 2021 ou mesmo aquecesse o debate em torno da unificação das eleições, de vereador a presidente da República, em 2022.

Para lembrar
Amin faz a defesa do adiamento das eleições em meio a uma situação bastante caseira. A mulher Angela, deputada federal, é lembrada para disputar a prefeitura da Capital, o que parece não fazer diferença na hora de propor o repasse dos recursos à saúde.

Fez coro
O senador Dário Berger (MDB) também defende que o Fundo Eleitoral seja utilizado para o combate do vírus. A destinação, garante o senador, deveria ser direta para estados e municípios aplicarem no SUS, mais os R$ 5 bilhões aprovados pelo Congresso.

Outra ideia
No quesito proposta, uma que agrada o pessoal das redes sociais, é a do deputado federal Rodrigo Coelho (PSB), pré-candidato à prefeitura de Joinville, que sugere a diminuição dos salários de deputados federais e senadores pela metade, ou seja, de R$ 33.763 passaria para R$ 16.881,50. O valor que sobra, R$ 10, 027 milhões por mês, seria encaminhado ao enfrentamento do Covid-19. O parlamentar espera o apoio dos demais colegas congressistas.

Funciona
Com 2500 policiais nas ruas para garantir as medidas restritivas de circulação por conta do Coronavírus, o presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública, o delegado-geral de Polícia Civil Paulo Koerich apresentou números que demonstram que nem mesmo os bandidos estão dispostos a encarar a pandemia. Os dados da Gerência de Estatística e Análise Criminal mostram que, de 16 de março para cá, o número de furtos e roubos diminuiu 65,4 %, enquanto a violência doméstica 35,6% no Estado, caso clássico de temor pela ação dos órgãos de segurança pública.

Mais uma
A segunda sessão virtual ordinária da foi transferida para esta terça para a realização de ajustes no sistema que será utilizado pelos deputados para deliberar, desenvolvido pela
Diretoria de Tecnologia e Informações da Assembleia com mais participantes. O presidente Julio Garcia (PSD) reúne-se em teleconferência com os deputados, pela manhã, para definir como se dará a nova deliberação, a partir de uma plataforma similar à usada pelo Senado Federal.

O remédio contra o coronavírusRoberto Azevedo Não espere medidas de pouco impacto a partir da reedição do decreto que propõe o isolamento social. Por mais sete dias, com a não circulação de transporte coletivo, intermunicipal e interestadual, o fechamento do comércio não essencial e da redução de outras atividades.O governador Carlos Moisés reúne-se nesta terça (24) com oficiais do[...]Assine o Diarinho
Conteúdo ilimitado do site por apenas
R$ 0,53 por dia no plano anual.
Se já possui cadastro ou é assinante faça o login
Acesso a 10 matérias por mês.
Faça o cadastro e tenha acesso a
10 matérias por mês.
Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com