Home Colunistas Coluna Roberto Azevedo Gean escolhe destino eleitoral até o fim do ano

Gean escolhe destino eleitoral até o fim do ano

Gean escolhe destino eleitoral até o fim do ano

Roberto Azevedo

O prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, que se desfiliou do MDB em maio passado, afirma que só escolherá o partido a que pretende se filiar no fim do mês que vem.
É uma resposta às especulações que já o colocaram em várias siglas, sem que o prefeito confirme seu destino para se candidatar à reeleição, em 2020.
Assediado por vários líderes de agremiações políticas, Gean cita o DEM, o Republicanos (ex-PRB), o PSB e o Podemos, além do próprio MDB, entre os que o procuraram para conversar, portanto, opções não faltam para quem comanda o segundo maior colégio eleitoral do Estado.

APOIO EM CRICIÚMA
O deputado federal Eduardo Bolsonaro, líder do a Câmara, declarou que apoia qualquer movimento da advogada Julia Zanatta e do senador Jorginho Mello e não teria por que não apoiar já que “eles sempre foram amigos leais ao governo (de Jair Bolsonaro)”. Julia aparece como pré-candidata à prefeitura de Criciúma pelo PL, presidido por Jorginho. Foi a primeira agenda de Bolsonaro em Santa Catarina, antes da palestra que fez na maior cidade do sul do Estado, em Criciúma, no Teatro Elias Angeloni, onde falou sobre a História do Brasil e o Conservadorismo.

De olho no trabalho
O prefeito, que chegou a enfrentar momentos difíceis em uma prisão não efetivada na Operação Chabu, da Polícia Federal, aparentemente única situação que o deixa vulnerável e na mira dos adversários, dedica-se integralmente à administração. O foco que Gean assegura manter é a prioridade máxima, com a inauguração de obras e muitos projetos, que vão de operações de calçamento de centenas de ruas, revitalização de rodovias estaduais, o alargamento da faixa de areia de Canavieiras, despoluição da Beira-Mar Norte, praças nos bairros, reforma e entrega de novos prédios de unidades de saúde, escolas e creches.

Por ele
Gean tem pesquisas nas mãos que mostram que ele não deve atrelar o nome a velhos caciques, como Dário Berger (MDB), Esperidião e Angela Amin, ambos do PP ou mesmo o governador Carlos Moisés (PSL) ou ao presidente Jair Bolsonaro (ainda no PSL), pois, em todos esses cenários, perde espaço pela “contaminação” da imagem. “Dependo só do trabalho da administração, dependo de mim”, sentencia Gean.

Não somam
Procurado pelo presidente estadual do MDB, o deputado federal Celso Maldaner, para retornar ao partido, semana passada, Gean declarou que não há hipótese nenhuma. Nem mesmo com a eleição do deputado federal Baleia Rossi (SP) para comandar o diretório nacional, pois não crê que isso retire do processo a cúpula (Michel Temer, Romero Jucá, entre outros) acusada de corrupção.

Em debandada?
Sobre a decisão do diretório estadual em nomear o vereador Rafael Daux para comandar o a Capital, que defende a candidatura própria à prefeitura, Gean considera o ato um desastre. Declarou que, em 2020, não quer o apoio do partido e acredita que os filiados do MDB que estão em sua administração caminham para sair da sigla, o que acredita dificultará a formação de chapas emedebistas à Câmara de Vereadores, principalmente sem a possibilidade de coligação.

STF abre as portas para a protelação
Se você não é um advogado e tem um cliente enrolado, pronto para ir à prisão por ter sido condenado por um tribunal colegiado, no segundo grau, não há motivos práticos para estar feliz com o soco no estômago dado pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal, na quinta que antecipou a “Black Friday da impunidade”. Centrar o benefício direto da decisão apertada tão somente ao ex-presidente Lula (PT), solto da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba ontem, condenado por corrupção, é alimentar a disputa ideológica e política que cerca o caso, um pingo d’água no Oceano que liberará criminosos, do narcotráfico às facções criminosas ou milicianos que voltarão à ciranda de protelações que levam, pela morosidade do Judiciário, à prescrição dos delitos. O julgamento acerta como um torpedo a limpeza que foi feita pela Operação Lava Jato e outras correlatas que enviaram para a prisão maus empresários, operadores do crime, como doleiros e “paus mandados”, e um grupo de políticos que fez dos cargos para que foram eleitos uma plataforma para fugir das barras da lei.

Conceito X Realidade
Sob o ponto de vista técnico, assegurar a execução da pena após transitado em julgado, o último grau, depois de esgotados os muitos e muitos recursos, ou assegurar a presunção de inocência como parâmetro jurisdicional e garantia ao indivíduo, também significa resgatar pressupostos. Mas o julgamento tinha endereço certo e os abusos cometidos pelo Ministério Público Federal, na pessoa do chefe da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, o procurador da república Deltan Dallagnol, citado várias vezes durante o julgamento, e responsabilizado por prisões preventivas que se transformaram em sentença pela demora na soltura dos acusados.

É fato
O ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, e outros no primeiro grau na Justiça Federal, exageraram e cometeram excessos em diversas sentenças, sempre na defesa do remédio amargo para um crime contra o mau uso do dinheiro público. Porém, o resultado deveria ser melhor considerado pela maioria dos ministros da mais alta corte e não particularizado, caso a caso. Se é errado entender que os fins justificam os meios, alimentar círculos de assalto ao bem comum da sociedade também o é.

Nas ruas
Os admiradores e aliados de Lula foram às ruas para exigir a imediata libertação dele, enquanto os advogados do ex-presidente já haviam protocolado o pedido de habeas junto ao TRF-4, com sede em Porto Alegre, para a soltura, naõ efetivada até o fechamento desta coluna. O pensamento dominante entre os apoiadores do petista é o de que Lula foi injustiçado e mudaram a Constituição para isso e agora corrigem, com a volta das premissas básicas, entre elas a presunção da inocência e prisão somente após o término do processo.

Gean escolhe destino eleitoral até o fim do anoRoberto Azevedo O prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, que se desfiliou do MDB em maio passado, afirma que só escolherá o partido a que pretende se filiar no fim do mês que vem.É uma resposta às especulações que já o colocaram em várias siglas, sem que o prefeito confirme seu destino para se candidatar à reeleição, em 2020.Assediado [...]Assine o Diarinho
Conteúdo ilimitado do site por apenas
R$ 0,53 por dia no plano anual.
Se já possui cadastro ou é assinante faça o login
Acesso a 10 matérias por mês.
Faça o cadastro e tenha acesso a
10 matérias por mês.
Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com