Home Notícias Voz do Povo Diz que recebeu casa defeituosa

Diz que recebeu casa defeituosa

Moradora promete ir à justiça. Empresa diz que quer fazer o conserto da casa, mas que a reclamante não deixa

Fiação elétrica está comprometida por conta das infiltrações

A vigilante Marisol Vieira, 40 anos, quer providências da construtora Dinâmica, que fez a obra da casa dela, na rua José Francisco, no bairro Santa Regina, em Itajaí.
Conforme a moradora, há diversas infiltrações na moradia. Mesmo com reparos feitos pela empresa, ela sofre com o mofo, umidade e vazamentos.
Por causa da infiltração, as paredes da casa estufaram e parte do reboco caiu. Na cozinha, um cano mal instalado se desprendeu e fez água inundar tudo. Em outro ponto, a construtora teria deixado um prego fincado em uma tubulação, gerando mais vazamentos.
“A água escorre pela parede da cozinha e sai pelo chão da casa inteira”, conta. O problema também afetou a rede elétrica. Marisol diz que apenas duas tomadas no quarto e duas na sala estão funcionando. Ela reclama ainda que o fio terra do chuveiro não pode ser ligado, ou cai a energia do resto da casa.
Os vazamentos também trouxeram prejuízos financeiros. Marisol conta que já perdeu eletrodomésticos e que um guarda-roupa apodreceu ao ser atingido pelos vazamentos. Segundo a vigilante, a construtora trocou a fiação, mas nada de resolver a infiltração.
“A umidade está em todas as paredes. As tomadas e o chuveiro continuam queimando e minando a água do piso da casa”, completa.
Em setembro, houve uma audiência conciliadora entre a moradora e representante da construtora no Escritório Modelo de Advocacia (EMA) da Univali. A construtora, segundo Magali, esperaria um laudo da Caixa Econômica Federal, que financiou o imóvel, para ver o que seria feito. Marisol diz que pretende processar a construtora caso a questão não seja resolvida imediatamente.

Diz que quer arrumar
O dono da construtora Dinâmica, Luiz Plácido Correa Junior, garante que a empresa tem interesse em arrumar a casa, mas que encontra resistência da própria moradora.
De acordo com Junior, depois da primeira audiência na Univali, a mulher resolveu contratar um advogado particular e não houve continuidade no acordo.
O construtor garante que tá aberto a conversar, mas gostaria que o acerto ficasse formalizado num documento. Por isso, pode marcar uma segunda audiência na Univali. Segundo Junior é preciso que o engenheiro responsável pela obra faça uma vistoria e aponte as intervenções necessárias. A construtora bancaria todos os consertos. Durante os serviços, a moradora ficaria em um hotel pago pela construtora.
Junior observa que a infiltração é causada pela umidade. Ele acha que não há problema estrutural. O empresário informou que a empresa já eliminou alguns pontos de infiltração, refez a pintura e o reboco.

Compartilhe: