Home Notícias Voz do Povo Deques do molhe da Atalaia tão destruídos

Deques do molhe da Atalaia tão destruídos

Secretaria de Obras tá cobrando a empresa que ganhou pregão pra conserto

Quem caminha no molhe precisa tomar cuidado pra não cair em armadilhas

Quem aproveitou o domingo ensolarado para passear pelos molhes da Atalaia, em Itajaí, teve uma surpresa desagradável. Os deques estavam quebrados, faltam tábuas, corrimão e há trechos interditados.
Para caminhar pelo local o cuidado precisa ser redobrado, pois há verdadeiras armadilhas. “Reparos nos deques dos molhes esrão incompletos. O serviço está pela metade”, reclamou um morador.
Uma placa informa que a execução de reparos custou aos cofres públicos R$ 21 mil. Em outubro, a empresa Schaffer & Piazza Construções assinou a ordem de serviço para fazer o serviço em 30 dias.
O secretário de Obras, Márcio Dedé, informou que a parte externa dos molhes, que foi feita pelo pessoal da secretaria, foi concluída. Já a parte interna, entre a praia da Atalaia e a boca da Barra, não tem previsão para ser arrumada.
O secretário informou que a empresa não está cumprindo o contrato e já foi notificada três vezes. “Estamos buscando resolver essa situação o mais breve possível”, disse.
Dedé explica que quando a empresa começou a trabalhar cosntatou que tinha mais tábuas podres nos deques. “Eles vieram pedindo aditivo, e a gente vai analisar. O problema é que eles começaram a atrasar o andamento da obra. Notifiquei eles três vezes porque não estavam trabalhando e já tem uma quarta notificação para entregar”, conta.

Mal feito
O secretário reclama da qualidade da obra. “Na entrada colocaram madeiras e pintaram, mas está com problema. Não quero pagar enquanto não voltarem a trabalhar e arrumar o que não está de acordo”, explica.
Dedé se reuniu com a Controladoria da prefeitura para buscar uma solução para o problema.
“Se a empresa não voltar, a gente vai procurar reincidir o contrato. O que me deixa mais indignado é que com quatro dias de serviço resolveria tudo e estamos nesse impasse”, lamenta.
O DIARINHO ligou várias vezes para os telefones da Schaffer & Piazza Construções e ninguém atendeu as chamadas na tarde de ontem. fm n

franciele
Formada em Jornalismo pela Univali, com MBA em Gestão Editorial. fran@diarinho.com.br
Compartilhe: