Home Notícias Voz do Povo Academia fecha as portas e dá calote em clientes

Academia fecha as portas e dá calote em clientes

Dono levou todos os equipamentos embora

Academia fecha as portas e dá calote em clientes
Faz duas semanas que a academia Titans, no bairro São Vicente, em Itajaí, fechou as portas sem dar nenhuma explicação aos clientes. Quem pagou o pacote de três meses de mensalidade adiantado não sabe o que fazer pra ter o dinheiro de volta.
A academia ficava numa sala alugada na avenida Campos Novos, 358, bairro São Vicente. Uma das clientes, C.M., 28 anos, disse que a academia fechou as portas no fim de semana do dia 6, sem avisar.
Quando o pessoal chegou para malhar na segunda-feira, encontrou as portas fechadas, sem nenhum aviso. Todos os equipamentos tinham sido retirados do local. Até o cavalete que ficava na frente da sala e identificava a localização da academia, foi levado embora.
C. pagou R$ 150 por três meses de mensalidade e agora não pode mais usar a academia. Ela conta que tem colegas que fizeram pacotes de seis meses. O dono da academia estaria devendo R$ 10 mil de aluguel ao dono da sala.
O DIARINHO tentou contato por telefone com a academia, mas os dois números indicados não atendem. Ninguém respondeu o contato na página do Facebook. A última postagem na rede social foi feita no dia 3 de maio.

Acionar o Procon
Raphael Willian Rosengarten Fonseca, chefe do Procon de Itajaí, explica que o órgão pode abrir um processo administrativo contra a academia pra pedir o ressarcimento do que foi pago adiantado.
Se tiver várias denúncias contra a academia, é melhor ainda, porque o Procon faz uma reunião conciliatória, pra tentar resolver o perrengue de todo mundo de uma vez só.
O consumidor lesado deve procurar o Procon munido de documento de identidade, cópia do comprovante de residência e comprovante de pagamento da academia. “O consumidor tem o direito, qualquer um que paga por um serviço e ele não é prestado, tem o direito de ressarcimento desse valor”, reforça Raphael. Caso a academia não responda ao Procon, o jeito é entrar na justiça.

Compartilhe: