Home Notícias Polícia Preso falsificador que usava loja de celular como fachada

Preso falsificador que usava loja de celular como fachada

Golpista e funcionário foram presos na frente da loja

Berly Carvalho da Costa, 31 anos, foi preso nessa semana em Penha, após uma operação que fechou uma loja de celulares na avenida Eugênio Krause, no centro da cidade, perto da Câmara de Vereadores. O local servia de fachada para a venda de documentos falsos, entre carteiras de motorista e de identidade. O funcionário da loja, C.W.P., 32, também foi preso.
Na batida, ainda foram apreendidas uma moto Honda Biz com registro de furto, 19 celulares, diversos documentos de veículos, duas impressoras, dois notebooks, dois relógios, dois tabletes, folhas de cheques em branco e embalagens para plastificar documentos, além de R$ 614 em dinheiro e outros materiais. Vários documentos em nomes de terceiros com pedidos de carteira de motoristas também foram achados.
A polícia chegou ao endereço depois de informações da agência de Inteligência da PM. As denúncias eram que a loja tava servindo de fachada para a venda de documentos. Na batida, a polícia descobriu que a loja não tinha nem alvará para funcionamento. Durante a fiscalização, Berly, dono da loja, e o funcionário foram detidos. Diante das irregularidades, todos os produtos da loja foram apreendidos.
Na casa de Berly, a polícia ainda foram encontrados diversos documentos falsificados, além de documentos em branco prontos para serem clonados e materiais usados nas fraudes. Na casa, a PM ainda localizou uma Biz preta roubada. Os dois homens e os materiais apreendidos foram levados para a delegacia de Piçarras.
Ligação com o maior falsificador do Brasil
Com extensa ficha criminal, Berly já teve ligação com Rui Menin, tido como o maior falsificador do Brasil, preso em abril do ano passado, em Curitiba, no Paraná. Conhecido pela habilidade na falsificação de documentos, Rui chefiava uma quadrilha que fabricava e vendia a papelada fajuta. O esquema forjava desde CPF até atestados médicos e contas de luz.
Rui chegou a ser preso com Berly, em setembro de 2010, em Piçarras, após investigação da polícia Civil. A esposa de Rui e outros dois caras metidos no esquema também foram presos na época. Rui mantinha uma casa no balneário, onde foram apreendidos diversos equipamentos e papeis clonados. Na operação, Berly e outros dois envolvidos foram flagrados comprando documentos falsos no local.
Eles ainda tentaram fugir para acabaram detidos. Rui e a esposa responderam por falsificação e uso de documentos falsos, enquanto Berly e outros dois caras caíram por receptação e uso de documentos falsos.

Os materiais apreendidos
177 capas de telefone (diversos);
189 películas de vidro (diversos);
15 cabos de celular;
5 carregadores veiculares;
09 fones de celular;
10 cabos USB;
03 carregadores universais;
08 carregadores de celular;
08 cabos de áudio/vídeo;
01 máquina de cartão de crédito;
614 reais em espécie;
02 tablet;
19 aparelhos de telefone celular;
02 notebook;
04 CNH;
02 relógios de pulso;
02 folhas de cheque totalmente em branco;
08 Doc de Veículo;
02 impressoras;
01 RG,
166 plásticos para plastificar documentos;

Fran Marcon
Formada em Jornalismo pela Univali, com MBA em Gestão Editorial. fran@diarinho.com.br
Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com