Home Notícias Geral Vereadores estendem debate sobre o projeto da Cosip

Vereadores estendem debate sobre o projeto da Cosip

Proposta vai gerar aumento da taxa da iluminação pública

Até perto das 22h de ontem os vereadores de Balneário Camboriú debatiam de forma acalorada o projeto que muda a forma da cobrança da Contribuição para Custeio dos Serviços de Iluminação Pública (Cosip). O projeto, de autoria do prefeito Fabrício Oliveira (PSB), recebeu ontem a terceira proposta de modificação no valor das alíquotas. Uma emenda apresentada por nove parlamentares, baixou valores, mas, mesmo assim, a taxa será aumentada, afirma a oposição.
Desde o primeiro semestre a prefeitura vem tentando mudar a forma da Cosip. A intenção era fazer a cobrança conforme o valor do consumo. Mas a proposta recebeu muita rejeição, já que os comerciantes, por conta de propagandas luminosas, em especial do centro da cidade, iriam pagar um valor muito superior.
Por isso, a prefeitura apresentou duas outras tabelas pra definir a nova cobrança. Pela última, por exemplo, quem tem imóvel comercial em regiões como o centro chegaria a pagar R$ 32,90 por mês. Para imóveis residenciais, na mesma região, a taxa seria de R$ 29,90.
Com a emenda apresentada ontem, comércios e indústrias podem pagar uma taxa de contribuição da Iluminação Pública com valores R$ 19,90 e R$ 14,90, nas áreas centrais, e R$ 9,90 nas demais.
Já para os imóveis residenciais há uma proposta de duas faixas de cobrança no ano que vem. Em duas regiões, que são centrais, será de R$ 19,90. Nas demais, 12,90.
Para o vereador Marcelo Achutti (PP), um dos autores da emenda de ontem, não haverá aumento da Cosip. Já para o vereador Leonardo Piruka (também do PP), o resultado do projeto é o aumento da taxa. “O que o governo irá é mexer no bolso do contribuinte, que neste momento de crise econômica do país, não merece ter a carga tributária aumentada por conta da incompetência administrativa”, criticou Piruka.
Perto das 22h de ontem, os vereadores nem tinham ainda debatido o projeto. Estavam decidindo se acatariam ou não o pedido de vistas de um dos parlamentares.

Sandro Silva
Tem 31 anos de jornalismo, formado em pedagogia pela Udesc e com MBA em Gestão Editorial. geral@diarinho.com.br
Compartilhe:

Deixe uma resposta