Home Notícias Geral Prefeitura de Navegantes perde ação contra o Sindifoz

Prefeitura de Navegantes perde ação contra o Sindifoz

Prefeitura pedia que Sindifoz fosse multado pela greve.

O sindicato dos Servidores Públicos Municipais da Região da Foz do Rio Itajaí (Sindifoz) ganhou, com unanimidade de votos, a ação contra a prefeitura de Navegantes que tramitava no Tribunal de Justiça de Santa Catarina.
Na ação, que discutia a greve dos servidores que começou em 2017, a prefeitura contestava a extinção do processo movido por ela no período da greve e pedia que o sindicato pagasse R$ 50 mil de multa. Os três desembargadores que julgaram o caso negaram o pedido do município.
Na época da greve, a prefeitura pediu que a paralisação dos servidores fosse considerada ilegal, o que não foi atendido. Em dezembro de 2018, a justiça determinou que a ação fosse extinta, já que a greve se encerrou depois de um acordo entre o Sindifoz e a prefeitura.

 

Em janeiro, a prefeitura insistiu que o TJ considerasse a greve de 2017 ilegal e que o sindicato fosse penalizado por isso.
O tribunal entendeu que o término da paralisação, por meio do acordo feito entre as duas partes, justificava a extinção do processo e negou, de novo, o pedido da prefeitura.

Sindicado dos servidores vai fazer nova assembleia
Como não conseguiram negociar com a prefeitura de Navegantes, o servidores públicos vão fazer mais uma assembleia geral na noite desta quarta-feira.
A pauta, mais uma vez, vai ser o descumprimento do acordo de greve por parte da prefeitura, ainda referente a paralisação de 2017.
O encontro dos servidores acontece a partir das 18h30, na sede da associação de Moradores Verde Mar, no centro.
A última assembleia foi no dia 6 de fevereiro. O Sindifoz tentou buscar uma nova negociação, mas a prefeitura não deu uma resposta oficial.
Em outubro do ano passado, os servidores já tinham feito uma contraproposta, que o Sindifoz levou até o governo.
Só em fevereiro deste ano foi que a prefeitura se manifestou.
O município afirmou que seria inviável acatar o pedido da categoria porque o pagamento dos servidores teria um alto impacto financeiro nas contas públicas.
O município não apresentou orçamento que comprovasse tal impacto. A prefeitura ainda não terminou de elaborar o estatuto do servidor e a revisão das bolsas de estudos. Esses são dois itens que foram reivindicados na greve de 2017 e já expiraram o prazo de conclusão.

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com