Home Notícias Geral PM fez orçamento único para a compra do helicóptero de R$ 8,3 milhões

PM fez orçamento único para a compra do helicóptero de R$ 8,3 milhões

Segundo comandante do batalhão aéreo, teria havido apenas “pesquisas informais” de preços

Por Hyury Potter – Especial para o DIARINHO

O helicóptero PR-HGH, comprado por R$ 8,35 milhões em acordo extrajudicial firmado pelo ministério Público de Santa Catarina com construtoras e a prefeitura de Balneário Camboriú, foi o único a ter orçamento apresentado para que fosse comprado pelas autoridades catarinenses. O orçamento foi elaborado pelo Batalhão Aéreo da PM (BAPM), órgão que recebeu a doação da aeronave em fevereiro deste ano.
O comandante do BAPM, tenente-coronel Luiz Eduardo Ardigó, disse à reportagem do DIARINHO que fez “pesquisas informais” em outros modelos e citou as características do aparelho comprado da empresa Volare Táxi Aérea, que pertence ao grupo Helisul, como justificativa para ter feito apenas um orçamento. Não ocorreu licitação nem outros orçamentos oficiais para avaliar se havia outras aeronaves com preços mais baixos.
Em nota enviada pela assessoria de imprensa da PM, o Batalhão Aéreo informa que “outras aeronaves foram consultadas”. Porém, não há outros orçamentos no documento entregue ao promotor Isaac Sabbá Guimarães, responsável pela 5ª Promotoria do Meio Ambiente de Balneário Camboriú.
O acordo prevê cerca de R$ 14 milhões em compensações para encerrar uma ação civil pública de 2015 sobre outorgas irregulares na construção civil no município. O valor da ação era de R$ 70 milhões. Alguns bens foram comprados para a polícia Civil, que entregou três orçamentos para os itens que pediu em doações.
A PM, no entanto, não fez isso no caso do helicóptero, que era o objeto mais caro do acordo. “Nós fizemos pesquisas informais ligando para alguns revendedores de aeronaves e não encontramos nenhum modelo que tivesse as características necessárias para uso da PM”, argumenta o tenente-coronel Ardigó. E completa: “O da Helisul era único no país e fizemos apenas o orçamento dele. Em momento algum houve pedido da promotoria para que fizéssemos outro orçamento”.

Valorizou 420%
Antes de ser vendida para ser doada à PM, a aeronave foi comprada por cerca de R$ 1,5 milhão pela empresa Helisul em 2011, após 10 anos de uso pela polícia da Califórnia, nos EUA. A aeronave já chegou ao Brasil equipada para serviços de segurança. Desde então foi alugada a administrações estaduais do Pará e Rondônia, além de empresas privadas.
Segundo a documentação analisada, cinco dias após a assinatura do acordo em Balneário Camboriú, em 18 de dezembro, o helicóptero PR-HGH foi vendido pela empresa Helisul para a Volare Táxi Aéro por R$ 680 mil, de acordo com documentos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) obtidos pela reportagem. As duas empresas pertencem ao mesmo grupo econômico. Já em janeiro de 2019, a mesma aeronave foi revendida para Santa Catarina por mais de R$ 8,3 milhões.
Sobre o preço ter subido 420%, o tenente-coronel Ardigó defendeu o modelo comprado: “Esse helicóptero tem diversos equipamentos para uso de forças de segurança que encarecem o preço final. Além disso, ele já vem com dois anos de garantia e de manutenção. Tudo isso tem que ser levado em consideração”.
A reportagem entrou em contato com a Helisul por e-mail e telefone, mas não obteve resposta.

Coronel acusa jornal
Após silenciar na semana passada em contatos feitos pela reportagem do DIARINHO, que pedia esclarecimentos sobre a indicação de compra do helicóptero PR-HGH, o coronel Evaldo Hoffmann, ex-comandante da PM de Balneário Camboriú, usou as redes sociais ontem para criticar a reportagem e o jornal.
Entre acusações de direcionamento político e ofensas à equipe do DIARINHO, o coronel afirmou que a reportagem ignorou a nota enviada pela PM. A afirmação do coronel não é verdadeira. A reportagem transcreveu os principais trechos da nota do texto publicado ontem:“PM justifica a compra do helicóptero: ‘oportunidade única’”.
A reportagem do DIARINHO voltou a ter contato com o coronel Evaldo Hoffmann na tarde de ontem. Dessa vez, por Whatsapp.
Questionado sobre ter sido o representante da PM a apresentar o orçamento único do helicóptero da Helisul ao Ministério Público, o coronel Evaldo escreveu que o BAPM seria o responsável pelo levantamento de preços.
“Você tem que fazer a pergunta ao Batalhão de Aviação da Polícia Militar de Santa Catarina. Não sou técnico na área pra saber qual aeronave é a mais indicada para o voo policial”, escreveu o coronel, que terminou a conversa com novas acusações e ameaça de entrar com processo na justiça contra o jornal.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com