Home Notícias Entrevistão Fernando Delatorre

Fernando Delatorre

Fundador do Museu da Imagem e do som de Balneário Camboriú

“Numa época em que Balneário de Camboriú não tinha sinal de TV, a diversão de final de semana era ir ao Cinerama assistir um filme”

‘Essa ideia de construir o museu tem 30 anos. 
Agora, as peças, o acervo, eu estou guardando há mais de 40 anos”

 
O advogado e empresário Fernando Delatorre praticamente viveu dentro de uma sala de cinema. Seu pai, Eduardo Delatorre, inaugurou em Balneário Camboriú três dos maiores cinemas do país: o Cinerama, o Autocine e o Cine Itália. E com equipamentos que, na época, eram considerados de ponta quando o assunto é tecnologia em exibição de filmes. Apaixonado pela sétima arte assim como o pai, Fernando foi além: durante 40 anos garimpou pelo mundo 2,8 mil peças que fazem parte do futuro Museu da Imagem e do Som de Balneário Camboriú, que será inaugurado na sexta-feira que vem ocupando totalmente um prédio de sete andares. Nesta conversa com o jornalista Sandro Silva, Fernando conta como surgiu a ideia de fazer um museu dessa magnitude e relembra a importância dos três cinemas da família. Os cliques são da jornalista Franciele Marcon

DIARINHO – A história da família Delatorre se confunde com a história da cultura de Balneário Camboriú, em especial a sétima arte. Conte um pouco essa história pra gente?
Fernando Delatorre – A história do cinema se confunde com a história da minha família porque o meu pai foi um apaixonado pela sétima arte, construiu os três maiores cinemas do estado. O Cinerama, que foi inaugurado em 1967 e tinha capacidade para 1200 pessoas, quando a população de Balneário Camboriú não chegava a 10 mil habitantes. Veja só, praticamente 12% da população dava pra ser acomodada nas dependências do Cinerama. Foi um empreendimento que teve, assim, um sucesso muito grande, uma frequência muito grande e numa época em que Balneário de Camboriú não tinha sinal de TV, a diversão de final de semana era ir ao Cinerama assistir um filme. Posteriormente, ele construiu o Autocine, em 1973. O Autocine tinha capacidade para abrigar 350 automóveis. A pessoa assistia o filme, comodamente, dentro do seu próprio automóvel e sintonizava o som do filme através do rádio do carro, porque ele montou uma miniestação de transmissão dentro do Autocine. Então também foi uma inovação na época. E outra coisa, na época só existia um outro autocine em Brasília e outro em Porto Alegre. Quer dizer, Balneário Camboriú foi o terceiro a ter um autocine. E finalmente, em 1984, ele construiu o Cine Itália na avenida Central esquina com a rua 700, onde hoje foi construído e futuramente vai ser aberto ao público o Museu da Imagem e do Som. O Cine Itália tem capacidade para 700 pessoas. Os projetores foram importados da Polônia e como houve uma diminuição na frequência de pessoas aos cinemas de rua, porque hoje o que está mais em voga são os cinemas de shopping e os cinemas menores, então o cinema continua aberto ainda, mas só para eventos, apresentação de shows, com cantores, com peças teatrais. Mas as instalações, desde 1984, elas continuam em perfeitas condições como na data da sua inauguração. [Se a gente fosse rodar um filme hoje seria possível?] Nós temos condições de rodar um filme hoje. E já vou te adiantar, até um dos filmes que nós temos lá e estamos preparando para futuramente fazer parte do projeto do Museu da Imagem e do Som, é o filme original, em 35 milímetros, é o ‘Cinema Paradiso’ [Filme italiano de 1988, que se tornou um dos clássicos do cinema mundial].

DIARINHO – Você lembra do primeiro filme exibido por seu pai, lá no Cinerama? Você estava no dia da inauguração do Cinerama Delatorre?
Fernando Delatorre – Eu tive o prazer de estar lá na inauguração. O primeiro filme exibido foi um filme de 70 milímetros e naquela época, nos anos 60, havia muita dificuldade de se conseguir os filmes de 70 milímetros, que era o tamanho do filme do cinerama [método que usa projetores simultâneos e telas gigantes e curvas]. Então ele conseguiu um filme russo, de guerra, que era a ‘Epopeia dos anos de fogo’. Então eu lembro bem da inauguração. Foi com esse filme, em 70 milímetros, cinerama, e tavam presentes na solenidade de inauguração o ex-prefeito Higino João Pio [Que morreu, assassinado, depois, pela ditadura…] É, pela ditadura, teve aquele final triste, né? E, além dele, quem fez o discurso de inauguração, foi um advogado de renome em Itajaí, o doutor Vilfredo Eugênio Curlin. O cronista social que fez toda a cerimônia de inauguração foi o Sebastião Reis. Então essa é, em rápidas palavras, a história da inauguração do Cinerama, que nos fins de semana sempre lotava as suas dependências. A população de Balneário era pequena, mas todos os veranistas de Blumenau, de Itajaí, de toda a região do Vale do Itajaí, de Camboriú, Itapema, Tijucas, todos eles, nos finais de semana vinham assistir aos filmes no Cinerama, né?

DIARINHO – O equipamento para rodar filmes 70 milímetros eram equipamentos diferenciados. Onde seu pai os conseguiu?
Fernando Delatorre – Era bem diferenciado o equipamento. Outra coisa, esse equipamento foi fabricado em Milão, na Itália. E ele fez a importação direto de Milão, numa época que era difícil fazer uma importação. Não tínhamos aqui o porto de Itajaí para importar aquele tipo de equipamento. Essa importação foi feita através do porto de Santos. E era um equipamento 70 milímetros, cinerama, fabricado na Itália, em Milão. [Havia outros iguais no Brasil?] Tinha só um igual a esse, que era o Cine Comodoro, em São Paulo. E depois o Cine Comodoro fechou e foi invadido por moradores de rua e foi incendiado. E os equipamentos foram consumidos pelo fogo. Então, hoje, no Brasil, nós só temos esse equipamento de 70 milímetros, que faz parte do futuro Museu da Imagem e do Som.

DIARINHO – Seu pai foi um empreendedor de Balneário Camboriú. Um dos primeiros a acreditar na cidade como potencial turístico e chegou a ter prédios. No entanto, por três oportunidades optou por montar cinemas na cidade. Foi possível, para sua família, ganhar dinheiro com a sétima arte ou era uma paixão que só dava prejuízo?
Fernando Delatorre – Na verdade, ele uniu as duas coisas: a grande paixão que ele tinha pela sétima arte e financeiramente era viável. Todos os três cinemas foram viáveis nas suas épocas. O cinema, 35 milímetros, o auge dele foi exatamente nas épocas em que ele construiu os cinemas. Foi nas décadas de 60, 70 e 80. Então ele ganhou dinheiro também com o negócio dos cinemas. E esse dinheiro, também, é um fato importante, ele não investiu nenhum centavo fora. Todo o investimento que ele fez foi em Balneário Camboriú. Porque ele acreditava demais na cidade.

DIARINHO – O seu pai teve alguma relação com o fato de Balneário Camboriú se emancipar?
Fernando Delatorre – O meu pai teve participação muito ativa na emancipação do município de Balneário Camboriú. Antes da emancipação, no ano de 1963, eram feitas reuniões seguidas entre os políticos e as pessoas envolvidas na emancipação e o meu pai foi um deles. E, nessas reuniões, participavam ele, o primeiro presidente municipal da câmara de Vereadores de Balneário, o senhor Álvaro Silva, o Domingos Fonseca e o ex-prefeito Higino João Pio. E todos esses aí coordenados pelo chefe político deles, que era o deputado na época, Nilton Kucker, itajaiense.

DIARINHO – Dos três cinemas da sua família, o Cinerama Delatorre, o Autocine e o Cine Itália, qual realmente marcou a cidade e foi um diferencial não só em Balneário Camboriú, mas para o sul do país?
Fernando Delatorre – Olha, o cinema que foi o grande diferencial no sul do país e que me marcou muito e que marcou a cidade também foi o Cinerama. Porque o Cinerama, nos fins de semana, era o ponto de encontro das personalidades de toda a região, dos prefeitos da região. Foi muito frequentado por ex-governadores, dois deles, o Ivo Silveira e o Antônio Carlos Konder Reis frequentemente estavam lá no Cinerama. A ex-miss Brasil, a Vera Fischer, também era uma frequentadora assídua do Cinerama. E outro fato muito importante é que o único presidente que até hoje fez uma visita oficial a Balneário Camboriú, foi recepcionado lá no Cinerama, que foi o João Figueiredo. Isso foi nos anos 80, mais ou menos nessa época. E os grandes congressos de Lions, de Rotary, na época, eram realizados todos nas dependências do Cinerama. As transmissões de cargos públicos, de prefeitos, de vereadores, já que na época as dependências da câmara de Vereadores e da prefeitura eram muito pequenas, eram realizadas também nas dependências do Cinerama.

DIARINHO – Você chegou a ser vereador quando Balneário Camboriú ainda era uma criança. Como é que foi essa experiência de ser uma parlamentar de uma cidade que acabara de nascer?
Fernando Delatorre – Eu recém tinha me formado em direito. Então, pra mim, foi uma experiência muita válida. Fui por três anos vereador. Naquela época, a gestão era por três anos e foi durante a segunda legislatura. Então eu fui eleito em 1969. Só pra você ter ideia do número de eleitores, fui na época o vereador mais votado do município, com 204 votos. O município tinha na época quantos habitantes? Devia ter aproximadamente uns seis mil habitantes e tinha 1,7 mil, 1,8 mil eleitores. Foi mais de 10% dos eleitores. [O que fez você ser aquele fenômeno de voto?] Porque eu estava recém-formado e tinha o único escritório de advocacia fixo na cidade, né? Acho que isso pesou muito na minha eleição. [O sobrenome Delatorre ajudou?] Ajudou bastante o sobrenome Delatorre e o próprio Cinerama, né? O candidato Fernando do Cinerama. Isso ajudou muito.

DIARINHO – E por que você não continuou na política?
Fernando Delatorre – Olha, eu não tomei muito gosto pela política. Não. Pela política, não. Só que posteriormente eu exerci o cargo de assessor jurídico na administração do senhor Armando César Ghislandi. Mas aí na política eu meio que perdi o gosto por ela. [O que é que não lhe agradou?] É porque eu tinha, assim, mais um pensamento empresarial. E eu queria ver as coisas acontecerem rapidamente. E, na política, não é assim não. Então eu preferi partir para essa área do empresariado, onde você projeta uma coisa e executa, faz e ela acontece.

DIARINHO – Você é advogado, tem seus próprios negócios, mas montou o instituto Cultural Delatorre. No próximo dia 20, abre as portas do Museu da Imagem e do Som de Balneário Camboriú. Como é que nasceu essa ideia?
Fernando Delatorre – Essa ideia nasceu há mais ou menos uns 30 anos, quando eu fui fazer uma viagem para o exterior. Eu estava na companhia da esposa e da minha mãe. E fazendo essa viagem para o exterior eu comecei a visitar alguns museus. E aí me despertou o interesse. Aí na viagem de volta, naquela viagem monótona do avião, eu peguei um caderno e comecei a rascunhar todos os projetos do museu, o que é que eu podia fazer, o que eu não podia. E como o meu pai já tinha uma quantidade de equipamentos de cinema antigos, eu pensei em fazer. Então, essa ideia não é uma ideia recente. Essa ideia de construir o museu tem 30 anos. Agora, as peças, o acervo, eu estou guardando há mais de 40 anos. [Seu pai também era colecionador?] Não. Meu pai nunca foi colecionador. Ele só tinha algumas peças. Tinha uns gravadores antigos, umas filmadoras antigas. Tudo ligado a cinema.

DIARINHO – Qual é o acervo do museu e como você está conseguindo as peças? Quem é o curador dele e quem faz o trabalho de garimpar o acervo?
Fernando Delatorre – Olha, não é fácil. E sabe, quando a gente toma gosto por uma coisa e quer atingir um objetivo, a gente consegue. E eu tive esse sonho de construir o museu e agora vai se concretizar esse sonho no dia 20. E quem garimpava e quem garimpou fui eu. E quem montou todo o museu fui eu. O que tem no museu, a maneira que foi feito o museu, o acerto que se conseguiu, foi visitando feiras de antiguidades, antiquários. Em feiras de antiguidades, por exemplo, aqui no Brasil a cada dois, três meses, eu ia fazer uma viagem de final de semana, de passeio a São Paulo, e naquelas feiras de antiguidade do Masp [Museu de Arte de São Paulo], da praça Benedito Calixto, lá do bairro italiano do Bexiga, conseguia muitas peças. Na feira da praça XV, do Rio de Janeiro. Em Curitiba mesmo, ali no Largo da Ordem, e na praça Espanha. Em Porto Alegre, no brique da Redenção. Isso no Brasil. E no exterior, então, eu estive em feiras de antiguidades, em antiquários em Nova Iorque, em Miami. Aqui na América do Sul eu tive na feira de Santelmo diversas vezes, lá em Buenos Aires. Na feira da rua Tristão Narvaja, em Montevidéu. E na Europa, então, estive em diversas feiras também. Em Lisboa, na feira da Ladra. [De todas você trouxe equipamentos?] De todas essas feiras eu sempre conseguia alguma coisa. Fazia um trabalho de garimpagem e sempre trazia alguma.

DIARINHO – Hoje o acervo do museu está com quantas peças que serão expostas ao público?
Fernando Delatorre – Olha, expostas, hoje, o total acho que passa de 2,8 mil peças. Porque o museu foi idealizado com sete andares, o projeto. Ele foi executado os sete andares e o projeto é para uso exclusivo do museu. Então cada andar tem uma temática do museu. Então nós temos o térreo, com uma exposição ali de projetores do Cinerama, do Autocine e do Cine Itália. No primeiro andar nós temos os projetores e as lanternas mágicas, que eram os antigos projetores de slides metálicos. Isso dos anos de 1800. Essas peças todas compõem outro andar. Depois, em outro andar, nós temos só rádios antigos e vitrolas antigas. E em todos esses andares nós temos uma pequena mostra de projetores. Temos duas salas de projeção, dentro do museu, funcionando. São salas pequenas. Uma deles para grupos de 25 pessoas. Nessa sala de projeção para 25 pessoas nós exibimos os filmes do tempo do cinema mudo, preto e branco, exclusivo, do Charles Chaplin. Enquanto os visitantes passeiam pelo museu, eles vão ter a oportunidade de assistir esses filmes do Charles Chaplin. E num outro andar nós temos um outro com capacidade para 50 pessoas, para realizar alguns eventos e também sala de projeção com exposição de projetores antigos em funcionamento. [E aquelas sessões da obra de Charles Chaplin são os velhos filmes 35 milímetros exigidos através de um projeto antigo ou já é uma tecnologia de projeção moderna?] Já é uma tecnologia moderna, mas estão expostos lá os projetores de época, né? Os projetores de 1920, que era a época do cinema mudo. Porque o cinema falado, com som, só surgiu em 1927. Os projetores que nós temos lá são de 1920, da época do cinema mudo.

DIARINHO – Quem vai bancar a sobrevivência do museu? Você tem verbas públicas ou algum projeto nesse sentido?
Fernando Delatorre – Olha, nós construímos lá o prédio de sete andares e adquirimos todo o acervo, montamos todo o prédio e aqui eu quero até expor um detalhe, a maneira com que foi construído e que estão expostas as peças é nos padrões dos museus internacionais. E a mão de obra utilizada foi toda nossa do Vale do Itajaí e da região. Nós não trouxemos ninguém de fora. Todos locais. De Balneário Camboriú, de Camboriú, Itapema, Tijucas, aqui de Itajaí, de Blumenau. E tudo isso foi feito com recursos próprios. Nós não pegamos, assim, nenhuma importância a título de incentivo, de dinheiro público. Não pegamos. Só que agora para manter o museu nós estamos estudando um projeto para levar as escolas ao museu. Então, cada município poderá participar com uma pequena importância só para manter. Nós só queremos manter, porque é um instituto. Não tem fins lucrativos. [A personalidade jurídica que toca o museu é mesmo o instituto?]É o instituto, o instituto Delatorre. [Não é a sua empresa, então…] Não, não é a empresa. A única coisa é que a empresa tem uma participação financeira na execução das obras. Teve uma participação e ainda continua tendo.

DIARINHO – Quem vai ser o público do museu?
Fernando Delatorre – Balneário Camboriú é uma cidade cosmopolita e nós temos ali muitas pessoas com curso superior e que vão ter interesse em visitar o museu. Mas o nosso projeto principal é que nós queremos ver se conseguimos fazer um convênio com as prefeituras para levar os estudantes, os alunos ao museu. Porque o museu, além da imagem e do som, nós temos mais um andar que é totalmente sobre o sistema monetário nacional. Então nós temos todas as moedas e cédulas emitidas pelo Banco Central, desde a época de Dom Pedro. [Além de numismata você é filatelista também?] Sim, numismata e filatelista. E na filatelia nós temos um pequeno espaço, lá, onde nós temos expostos os três primeiros selos emitidos pelo Brasil, os Olho-de-boi, que foram emitidos por decreto de Dom Pedro II. E temos o primeiro selo emitido no mundo. O primeiro selo emitido no mundo foi pela Inglaterra, o Penny Black. E depois fomos o segundo, né? Esses alunos vão ter, assim, uma aula sobre o sistema monetário nacional. Com a filatelia também tem essa parte do tema geográfico, porque as economias dos países são retratadas nos selos. Isso aí tudo vem a ser cultura e uma aula prática para os alunos.

DIARINHO- O museu vai ficar aberto de quando a quando, durante a semana? Vai ter o padrão internacional de abrir aos finais de semana e só fechar na segunda-feira?
Fernando Delatorre – Exatamente. Está seguindo todos os padrões internacionais. Então o museu vai ficar aberto a partir do dia 20, de terça-feira a domingo. Segunda é fechado para manutenção e descanso para o pessoal que vai trabalhar no museu. [Qual o custo de entrada?] O custo de entrada, o ingresso inteiro é R$ 20 e meio ingresso para idosos, professores e estudantes R$ 10. Aproveito a oportunidade para convidar toda a população para visitar o museu a partir do dia 20 e tenho certeza que as pessoas irão ficar impressionadas e verão um museu com qualidade internacional.

“A história do cinema se confunde com a história da minha família porque o meu pai foi um apaixonado pela sétima arte, construiu os três maiores cinemas do estado”

 

PERFIL

Nome completo: Fernando Humberto Delatorre
Local de nascimento: Tangará/SC
Idade: 72
Estado civil: Casado
Filhos: Uma
Formação: Direito
Experiências profissionais e na vida pública: Advogado, empresário, vereador na segunda legislatura de Balneário Camboriú, já atuou como assessor jurídico da prefeitura de Balneário Camboriú, numismata, filatelista e criador do instituto Delatorre.

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com