Home Notícias Quentinhas Preço do material escolar em Itajaí tem variação de até 900%

Preço do material escolar em Itajaí tem variação de até 900%

Sete estabelecimentos da city foram pesquisados nos dias 13 e 14 de janeiro. A Havan não topou participar

Com o objetivo de ajudar as famílias a economizar o suado dindim na hora da compra do material escolar, o Procon de Itajaí realizou, nos dias 13 e 14 de janeiro, a tradicional pesquisa de preços em sete comércios da city peixeira. O levantamento abrange os preços de 25 itens mais comuns da lista pedida pelas escolas, com variações que chegam a quase 900%.
O Procon divulgou o resultado da pesquisa no saite da prefa em 16 de janeiro. Na lista, constam materiais como lápis, borracha, apontador, caderno, caneta, lápis de cor, tinta guache, régua, papel ofício A4 branco, entre outros produtos bastante procurados nesta época do ano. Segundo o procurador-chefe do Procon peixeiro, Rafael Martins, a comparação de preços foi feita com base apenas nos valores encontrados nos estabelecimentos.
“Ressaltamos que na pesquisa não é levada em consideração a qualidade nem a marca dos produtos. Avaliamos somente os menores preços praticados para cada item da lista, uma das razões para tanta variação. Conforme a pesquisa, a diferença média entre os menores e os maiores preços é de 258,87%”, explica o chefão.
De acordo com o levantamento do Procon, o produto com a maior variação foi o papel almaço. Enquanto em um local o produto é adquirido pelo valor mínimo de R$ 0,10, em outro o preço é de R$ 0,89, representando uma variação de 890%. Também foram registradas variações significativas nos preços do apontador de plástico (750%) e caderno brochura pequeno com 60 folhas (700%).
Já as menores diferenças de preço foram encontradas no caderno de capa dura com 48 folhas, que pode custar de R$ 1,69 a R$ 2,25 (133,14%) e na caixa com 12 canetinhas hidrográficas grandes, cujo preço varia de R$ 2,40 até R$ 3,95, uma diferença de 164,58 %.
Ainda conforme a pesquisa, se o consumidor optasse por comprar um item de cada da lista somente onde fosse mais caro teria que desembolsar R$ 82,32 contra R$ 70,70 do ano passado. Um aumento de 16,40% neste ano em relação a 2013. Já o consumidor que comprasse somente os produtos mais baratos pagaria R$ 31,80 contra R$ 24,99 do ano anterior, o que totaliza um aumento de 27,25%.

Loja de departamentos Havan não aceitou bizolhada
Lá no saite da prefa, consta a informação de que os pesquisadores não foram autorizados a fazer a vasculhada nos preços dos produtos oferecidos pela Havan. Mas a reportagem do DIARINHO foi até a loja dar uma fuçada e tentar entender a razão de tanto mistério. Alguns produtos, cujos preços foram apontados na pesquisa em unidades, lá só se achavam em pacotinhos de três, como a borracha, a caneta esferográfica e o lápis. Os mais caros, em comparação com os itens pesquisados, foram o caderno de espiral pequeno com 96 folhas, na Havan vendido a R$ 6,49, enquanto na papelaria mais cara o valor é de R$ 4,62; a folha de cartolina custando R$ 2,19, enquanto a mais careira da lista cobra R$ 0,75. No restante, não havia grandes discrepâncias, portanto, nenhum motivo pra siscapar da bizolhada.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com