Home Notícias Quentinhas Iniciativas pra reduzir acidentes

Iniciativas pra reduzir acidentes

Direção defensiva, educação dos motoristas e sinalização adequada das vias dão segurança ao trânsito

Karine Mendonça
geral@diarinho.com.br

Os números apresentados pelo DIARINHO esta semana na série “Na contramão da vida” sinalizam que a segurança no trânsito pede passagem. Até agora foram quase seis mil acidentes e 16 mortes em Itajaí. Para finalizar a série de reportagens especiais, apresentamos hoje três iniciativas que buscam diminuir a quantidade de ocorrências, minimizar os impactos dos acidentes e criar um ambiente mais seguro nas estradas: o programa com o nome traffic calming, educação e direção defensiva.
O nome estrangeiro que significa “acalmar o trânsito” é uma espécie de sossega-leão das vias públicas. O traffic calming usa técnicas para mudar o volume de tráfego e o comportamento dos motoristas, que passam a conduzir os veículos de forma menos apressada. O doutor em sistemas de transporte, Gilmar Cardoso, destaca que esse sistema busca moderar o trânsito para aumentar a segurança das vias. A medida estimula ainda a circulação em veículos alternativos.
Algumas medidas que fazem parte do traffic calming e que já podem ser vistas pelas ruas de Itajaí é a implantação das travessias elevadas na região central. A colocação de mini-rotatórias, algumas apenas com pintura no asfalto e sinalizadas com taxões, também já são realidade na avenida Nilo Bittencourt, no São Vicente. Ainda tem a demarcação reforçada dos 42 quilômetros das ciclovias e ciclofaixas. De acordo com Gilmar, essas estratégias organizam o tráfego e deixam os motoristas mais atentos aos outros.
Apesar da iniciativa positiva que iniciou na Europa na década de 1970 e agora se dissemina pelaqui, o sabichão ressalta que a técnica não pode ser banalizada e também não deve ser entendida como uma solução generalizada. Gilmar aponta que a implantação do traffic calming é recomendada em áreas próximas a escolas, hospitais e onde se registra grande circulação de pessoas.
“Se você banalizar, a estratégia perde o efeito. O condutor precisa ter uma percepção do risco que um local tem em relação ao outro. Ele precisa ter mobilidade, mas também entender que há locais onde precisa de atenção redobrada. É para isso que foi criado o traffic calming”, comenta.
De acordo com o coordenador de Trânsito de Itajaí, Albanir dos Santos, é feita uma análise técnica dos locais onde se pretende colocar uma travessia elevada. O chefão concorda que nem toda faixa de segurança deve virar lombada. “Debaixo de uma sinaleira não há necessidade de se ter uma faixa elevada. Os veículos já vão parar ali no sinal. Esse obstáculo só iria atravancar o fluxo”, avalia.

Educação é o caminho
“Falta conscientização e mudança de comportamento dos adultos. Por isso, tentamos atingi-los a partir das crianças”, explica o agente de trânsito e responsável pelo projeto “Edutran”, da Codetran, Jean Simas. Na opinião dele, a estratégia tem dado certo. Com duas frentes de trabalhos realizados com estudantes, o órgão tem capacitado a gurizada sobre o comportamento adequado no trânsito.
Um dos trabalhos de conscientização é o Aluno Guia. A iniciativa é com alunos da quarta série da escola Gaspar da Costa Moraes. O time é formado por 14 crianças, sendo sete no matutino e sete no vespertino. O Projeto Aluno Guia, criado em 2011, é encarregado de controlar a travessia de pedestres em frente às escolas. Sempre supervisionado por um guardinha, o estudante segura plaquinhas de “Pare” e auxilia na segurança dos colegas durante a travessia no início e final das aulas.
“O resultado é visível. A gente vê uma mudança dos outros alunos na forma de se comportar, eles atravessam na faixa, descem da bicicleta e repassam isso pros familiares”, comenta Jean. Segundo o agente de trânsito, alguns pais até comentam que o desempenho escolar do filho e o comportamento em casa melhoraram. “As crianças passam a compreender melhor o trânsito e também cobram mudanças de atitudes dos pais”, pontua.
Outra iniciativa é a formação de “Agentes Mirins”. O trabalho é desenvolvido em parceria com o Parque Dom Bosco e atende crianças na faixa etária dos 11 anos. Os pré-adolescentes passam por treinamento para aprender sobre as leis de trânsito e acompanham a Codetran em diversas ações e blitze educativas. “Queremos conscientizá-los para termos estatísticas mais positivas”, garante Jean.

Direção com atenção
Dirigir sempre com atenção, para poder prever o que fazer na direção e evitando acidentes. Esse é o princípio básico da direção defensiva. O departamento Nacional de Trânsito (Denatran) afirma que nenhum acidente acontece por acaso, por obra do destino ou por azar. Na grande maioria dos acidentes, o fator humano é determinante. Ou seja, cabe aos condutores e aos pedestres a respectiva dose de responsabilidade.
De acordo com o agente de trânsito Jean Simas, geralmente os acidentes ocorrem por causa da pressa, falta de atenção ou de simples gentilezas. Quando uma situação de risco não é percebida, ou quando uma pessoa não consegue visualizar o perigo, aumentam as chances de acontecer um acidente.
Além da atenção redobrada na hora de dirigir, faz parte da direção defensiva também manter o veículo em condições seguras. É dever de todo motora criar o hábito de fazer periodicamente a manutenção preventiva. Ela é fundamental para minimizar o risco de acidentes de trânsito. Uma manutenção feita em dia evita quebras, custos com consertos e, principalmente, acidentes.

Boas ideias da iniciativa privada
Enquanto o poder público se dedica à conscientização da gurizada, a multinacional Volvo se debruça há quase 30 anos na mobilização de empresas ligadas aos serviços de transportes. Com o programa Volvo Segurança no Trânsito, a firma busca estimular o segmento de transporte a agregar o valor “segurança” na gestão dos negócios para reduzir o número dos acidentes e mortes no trânsito. A multinacional tem até um simulador de tombamento de caminhões, que comprova, na prática, a eficácia do uso do cinto de segurança. O simulador fez parte da programação da Semana de Trânsito de Itajaí e Navegantes. O povo pode experimentar a sensação de tombar de caminhão.
O seminário regional “Volvo de Segurança 2014” será realizado em Balneário Camboriú no próximo dia 16 de outubro. Serão abordados três temas voltados às transportadoras de cargas: como a sociedade observa o Transporte Rodoviário de Cargas; desafio Zero Acidentes; ISSO 39001 que trata do gerenciamento da segurança no trânsito. O encontro é gratuito e rola no Infinity Blue, na Estrada da Rainha. As inscrições podem ser feitas pelo saite www.pvst.com.br, clicando em “eventos”. 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com