Home Notícias Quentinhas Bergoglio e os teimosos-renitentes-resistentes

Bergoglio e os teimosos-renitentes-resistentes

Já escrevi (e muito) sobre a questão estética da última escolha de Papa ocorrida no Vaticano. O Conclave escolhera, pela primeira vez que se tenha notícia, um “franciscano”, ou melhor, um jesuíta. Na época muita expectativa havia a respeito do primeiro papa latino-americano.
Pois Jorge Mario Bergoglio, o atual Francisco, está causando impressões das mais diversas com seus posicionamentos. Primeiro, foi a entrevista à jornalista brasileira no avião fretado pelo Vaticano em que, ao vivo e a cores (sem trocadilho), afirmou que a igreja deve acolher os gays, porque quem seria ele para julgá-los. Evidente que tal síntese de pensamento causou furor aos mais conservadores.
Depois, o argentino Bergoglio causou “estranheza” ao mundo estabelecido (capitalista, liberal, moderno) quando teria dito em sua visita à Bolívia: “Reconhecemos que esse sistema impôs a lógica dos lucros a qualquer custo, sem pensar na exclusão social ou na destruição da natureza? […] Se é assim, insisto, digamos sem medo: queremos uma mudança, mudança real, uma mudança de estruturas. Esse sistema já não se aguenta, os camponeses, trabalhadores, as comunidades e os povos tampouco aguentam. e tampouco o aguenta a Terra, a irmã Mãe Terra […]”.
Puxa! Se tal frase viesse da cabeça de Marx, Lênin, Castro, Hugo Chávez, Mao, Gramsci, algum “imperador” vietnamita, norte-coreano, cambojano, ou sei lá, mas veio de um discurso pensado (porque pré-escrito) diante de uma plateia de “miseráveis”.
Tenho uma porção de amigos conservadores, alguns altos estudiosos professores universitários, dentre os quais, selecionei uma de suas frases: “Muito bom em matérias espirituais, obviamente um perfeito idiota em matérias terrenas”… pois, com todo respeito à ácida crítica, não consigo ver tamanha “obviedade”, talvez por ser também (eu) um idiota. Mas também tenho amigos mais oxigenados, progressistas, que depois de tal fala, disse: “Eu voto nesse Papa”.
Enfim, ainda transitam nesse mundo pessoas que enxergam para além da névoa poluidora do consumo industrial segregador. Mas quando essas pessoas além de enxergarem, expressam ideias e ideais como essas, e, em especial, quando ocupam “cargos” desta sociedade a ser superada, inevitavelmente causa furor.
Há uma teimosia latente. Em Blumenau, acreditem, há pessoas que, nesta quadra histórica, insistem em fazer um festival internacional (!), universitário (!!) de teatro (!!!). Só a proposta, a ideia, já emociona, é de aplaudir de pé tal iniciativa. Que bom que há ainda essa teimosia em não aceitar o estabelecido, em não engolir a seco o posto.
Aplausos! E viva a teimosia e a contrariedade (ainda minoritárias)!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com