Home Colunistas Memórias & Fatos Minha infância e a guerra

Minha infância e a guerra

Eu tinha apenas cinco anos e me lembro de quando o seu João Maria vinha conversar com o meu pai sobre a Guerra. Eu ficava meio assustado com o trauma que isso causava. As notícias eram poucas e todos ficavam preocupados com os possíveis ataques do inimigo em nossa costa. Quando enfim surgiu o Repórter Esso, aonde havia um rádio enchia de gente para saber as notícias da Guerra. E assim foi anunciado que um destacamento militar ia se instalar em nossa região para garantir a segurança. E não demorou para chegar um batalhão chefiado por um jovem sargento formando dois postos de vigilância – um na Ponta da Vigia e ou na Ponta da Estrela. O jovem sargento era Milton Fonseca que veio a se casar em Armação com Maria Gertrudes da Costa – a popular Santinha do Bastião Mariana. Em apoio aos Aliados o Pelotão de Armação integrou-se à Força Expedicionária Brasileira e embarcou para os campos de batalha na Itália. O seu João Maria era um homem de muitas posses com suas terras abrangendo uma área que ia do Morro do Ouro limitando onde veio a se instalar o Parque Beto Carrero, estendendo-se à beira-mar desde a Fortaleza ao núcleo dos primeiros veranistas da região. No governo do prefeito Paulo Bauer, em Itajaí, ele foi encarregado de abrir o acesso que passou a ser a avenida São João que parte do entroncamento da avenida Itapocorói até a Praia Grande. Mais tarde vendeu as terras para um grupo imobiliário de Curitiba que transformou em centenas de lotes. João Maria foi o pioneiro abrindo posto de gasolina no município de Penha. Quando a Guerra terminou em 1945, eu tinha 10 anos e cursava o 3º ano primário. Com a perspectiva de que tudo ia melhorar, meu pai comprou um barco motorizado para atender melhor os serviços da pesca. Realmente foi uma fase próspera para o Brasil, que passou a viver a expectativa dos anos dourados. Já então os bate-papos do seu João Maria com meu pai eram referentes ao progresso e avanços tecnológicos, desenvolvimento político e o fim da ditadura Vargas. O general Eurico Gaspar Dutra fora eleito presidente do Brasil pelo voto direto, o primeiro logo após o término da Segunda Grande Guerra Mundial.

Memórias & Fatos
Cláudio Bersi de Souza é um escritor, romancista, historiador e cronista brasileiro. Considerado o mais prolífico autor de Penha, Bersi começou a publicar nos anos 1980, após uma carreira como marinheiro em embarcações pesqueiras. Seu primeiro livro foi lançado em 1984, "Um beijo na Tempestade". A esses se seguiram "Uma Luz na Solidão" (1988), "Muralhas de Água" (1992), "Penha: A história para Todos" (1995), "Pirajá" (1999) e "Piçarras de Todos os Tempos" (2000).
Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com