Home Colunistas Coluna do Frei Betto Bahia acolhe a Santa dos Pobres

Bahia acolhe a Santa dos Pobres

A Bahia, e todo o Brasil, recepcionam a primeira santa genuinamente brasileira, Santa Dulce dos Pobres, como a qualificou o papa Francisco.
Elevar aos altares uma mulher que dedicou a sua vida aos excluídos é ligar o alarme à consciência de uma sociedade acomodada que, infelizmente, aprendeu a viver com a desigualdade social como se fosse natural. Herança de 350 anos de escravatura, a mais longa das três Américas.
Em 2018, o rendimento da fatia mais rica da população subiu 8,4%, enquanto os mais pobres sofreram uma redução de 3,2%. Brasileiros que estão no 1% mais rico ganharam 33,8 vezes mais que o total dos 50% mais pobres, segundo dados divulgados pelo Ia última quarta-feira (16/10).
Ora, ninguém escolhe ser pobre. Todo pobre foi levado, involuntariamente, à privação de acesso à vida digna. E este direito é central na mensagem de Jesus, que afirmou “vim para que todos tenham vida e vida em abundância” (João 10,10).
Por isso, ele curou doentes, repartiu pães e peixes, denunciou opressores (Mateus 23) e adotou como símbolo de sua missão o mais elementar e universal alimento humano: o pão, a ponto de proclamar “eu sou o pão da vida”. Ou seja, aquele que veio quebrar as barreiras que instalam a desigualdade e promovem a exclusão.
Irmã Dulce é a santa de todos, porém realçada como aquela que merece veneração e devoção universal por dedicar a sua vida para que outros tivessem vida.
Ela é exemplo de como devemos imprimir às nossas existências um sentido solidário. E, sobretudo, atacar as causas da pobreza.
Em futuro próximo, se Deus quiser, teremos outro santo nordestino, Dom Helder Camara, que a ditadura militar chamava de “bispo vermelho “. Quando perguntado, em suas viagens ao exterior, o motivo de tal epíteto, ele respondia: “Quando falo dos pobres, todos me chamam de cristão. Quando denuncio as causas da pobreza, me chamam de comunista”.

Frei Betto é escritor, autor de “Minha avó e seus mistérios” (Rocco), entre outros livros.

Coluna do Frei Betto
É um escritor e religioso dominicano, esteve preso por duas vezes sob a ditadura militar e essas experiências foram relatadas em diversos livros. Frei Betto recebeu vários prêmios por sua atuação em prol dos direitos humanos e a favor dos movimentos populares.
Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com