A ARTE E A POLÍTICA

A ARTE E A POLÍTICA / EDUARDO BALDUINO

CONTORNOS DE BRASÍLIA

DIA D DO PSB DE SC
Hoje, tem executiva nacional do PSB, em Brasília. A pauta principal é decidir a encrenca do PSB de Santa Catarina…

INOCENTE OU CULPADO?
O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, disse esta semana que seu cliente é inocente e que eles continuam em busca de sua absolvição. Mas, por dúvida das vias, o mesmo advogado afirma que vai aceitar o regime semiaberto que o Ministério Público entendeu ser cabível para o ex-presidente, por ele ter cumprido tempo na prisão que lhe permite a progressão da pena. A sentença final caberá ao STJ, onde os advogados do líder petista poderão argumentar a favor do benefício a seu cliente. Uma oportunidade boa para esses advogados provarem como um inocente pode ter direito a progressão de pena.

PÔSAGORA!
Enquanto isso, o pastor, produtor e jornalista Edilásio Barra Jr., cotado para assumir a Secretaria do Audiovisual no governo de Jair Bolsonaro, defende a adoção de uma cota para filmes brasileiros em serviços de streaming como Netflix e cobra o direito de obras evangélicas terem acesso a verbas públicas em um sistema “sem viés ideológico”. Até aí, tudo muito bom, tudo muito bem. Mas a coisa perde o nexo quando o democrático senhor diz que “a esquerda tem de entender que a direita assumiu esse país.” A pergunta em cartaz é: com ou sem “viés ideológico”?

BRUMADINHO NO DIVÃ
Mais de quatro meses depois da tragédia da Vale, em Brumadinho (MG), o Corpo de Bombeiros encontrou, na última terça-feira (4), um corpo completo perto da área do rompimento da barragem. A tragédia material continua viva para as pessoas atingidas por ela e assim será por um tempo difícil de ser precisado. Sabe-se que, emocional e psicologicamente, o desastre não sairá dos corações e das mentes das pessoas. Movido por este sentimento é que a Federação Brasileira de Psicanálise – Febrapsi, que realiza seu 27º Congresso Nacional em Minas Gerais de 19 a 22 de junho, vai realizar um evento especial em Inhotim. “Tomamos a decisão, com o mais profundo respeito, para nos alinharmos à população de Brumadinho que, lentamente, vai retomando a vida, com uma ferida que não vai cicatrizar porque não pode e não deve ser esquecida”, afirmou Silvana Rea (SBPSP), da comissão organizadora.

ELES NÃO DESISTEM
O presidente do Senado, Davi Acolumbre – conhecido quando deputado federal como o Homem do Norte – deixou “caducar” a Medida Provisória, já aprovada na Câmara dos Deputados, que modificava o Código Florestal com a força de algumas motosserras. Mas ainda não dá para as florestas brasileiras respirarem aliviadas. O presidente Bolsonaro já anunciou que vai reeditar a MP que, segundo especialistas em meio ambiente, se tivesse sido aprovada faria o Brasil perder uma área equivalente à da Dinamarca em floresta, já que o Código Florestal obriga os proprietários a preservarem 80% de suas terras, caso estejam na Amazônia.

FUTEBOL NÃO PODE, PRESIDENTE…
O futebol brasileiro, mais precisamente a seleção brasileira, notadamente seu mais saliente jogador, enfim, Neymar, foi tema de apaixonado debate nesta quarta-feira, no plenário da Câmara dos Deputados. Envolvido em mais uma de suas “calientes” peripécias fora das quatro linhas, o jogador chegou a Brasília com um apoio federal: ninguém menos que o presidente da República manifestou sua crença no talento futebolístico – e tão somente, não tocou em outros seus conhecidos talentos – do jovem artilheiro. O que, segundo um não tão talentoso deputado federal do PT é inadmissível. É isso: sua excelência o deputado disse que não é papel do presidente da República do país do futebol comentar se acredita ou não em um jogador…

PECADO VIROU CRIME ELEITORAL
Agora é lei, o que já era pecado. O presidente Bolsonaro sancionou lei que tipifica como crime a calúnia com finalidade eleitoral. Ou seja, candidato que espalhar mentiras sobre adversários, além de ter que se penitenciar no confessionário, vai para a cadeia. Fica assim: mentiu sobre o outro candidato? Reza três Pai Nosso e fica de dois a oito anos preso…

Ideologicamente, a arte conta a história a partir do ponto de vista do narrador. É o que faz a premiada cineasta Petra Costa, em seu documentário “Democracia em Vertigem” que será lançado nacionalmente no próximo dia 19, na Netflix. Petra traz sua vivência política a partir da primeira eleição de Lula como presidente da República, quando ela tinha 19 anos, e mostra sua – e de tantos outros brasileiros – perplexidade com o melancólico final da era lulopetista, com o impeachment de Dilma Rousseff. O set central do filme é o Senado Federal, durante os debates que antecederam o veredito do processo.

* Eduardo Balduino é jornalista, consultor de comunicação política em Brasília

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com