Home Colunistas Coluna do Cláudio Humberto “Sem qualquer 
medida extrema”

“Sem qualquer 
medida extrema”

“Sem qualquer 
medida extrema”

Cláudio Humberto

Vice Hamilton Mourão, no Grupo de Lima, acredita na volta da 
Venezuela à democracia

Maia é aliado melhor 
que ‘líder do governo’
O presidente da Câmara tem se revelado “melhor que a encomenda”, segundo ministros com gabinete no Palácio do Planalto. Enquanto parlamentares ligados ao governo batem cabeça, é Rodrigo Maia quem atua como se fora Líder do Governo, dando soco na mesa pedindo foco para aprovar a reforma da Previdência. Maia tem tomado a iniciativa de ocupar espaços nos meios de comunicação para apontar caminhos e advertir para erros do governo na condução do processo.

Brigar é um erro
Maia está entre os que advertem para “não errar na comunicação”, como já ocorreu antes: usar os espaços, em vez de brigar com a mídia.

Agregando apoio
Enquanto governistas coçam a cabeça, duvidando de apoio suficiente à reforma, Rodrigo Maia usa a liderança na Câmara para agregar apoio.

Agenda antiga
A atitude do presidente da Câmara não deveria surpreender: há anos faz parte da sua pregação reformar a Previdência como deve ser.

Força no Senado
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, também tem ajudado o governo. Como Maia, promete agilizar a tramitação da reforma.

Denatran
A burla de resolução do Denatran está na origem da suspensão de atividades da Tecnobank, empresa ligada a B3 (ex-Bolsa de Valores de São Paulo). A resolução 689/17 regulamentou o registro de contratos de financiamento de veículos, proibindo por exemplo que uma empresa que faz gravame, na proteção aos interesses dos bancos, faça também registro de contratos, que protege o consumidor. Mas uma “nota técnica” marota do Denatran permitiu a burla da sua própria resolução.

Burla consentida
A nota técnica 32/2018, atribuída ao assessor Carlos Magno, acabou referendada por Mauricio José Alves Pereira então diretor do Denatran.

Sob encomenda
A manobra, jamais publicada, foi usada para habilitar a B3, que faz gravame, a fazer também registro de contrato através da Tecnobank.

Padrinho poderoso
Ligado ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), investigado por corrupção na PF, Mauricio Pereira foi nomeado por João Dória diretor do Detran-SP.

Tel Aviv
Diplomatas brasileiros já trabalham em Israel nos preparativos para a visita oficial do presidente Jair Bolsonaro, prevista para o fim de março. Antes, ele fará visitas oficiais aos Estados Unidos e ao Chile.

Portunhol em comum
O espanhol do vice Hamilton Mourão, em discurso na reunião do Grupo de Lima, ontem, provocou comparações com o portunhol do ator e militante petista Wagner Moura, na série “Narcos”, do Netflix.

Lobby é forte
A turma das loterias acusa o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, de pretender “desvalorizar” ativos do setor, a fim de atrair os compradores na baixa. Conversa de quem quer impedir a privatização das loterias.

Sem pão não dá
O desabastecimento de Nicolás Maduro não teria futuro no Brasil, se ele fosse ditador aqui. Ontem, a falta do famoso pão com manteiga no cafezinho dos deputados quase provocou uma rebelião.

<ba pauta
A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado sabatina nesta terça Roberto Campos Neto, para o Banco Central. O ex-ministro Delfim Netto não o conhece, mas lembra seu “excelente DNA”.

Transparência opaca
A nota média da avaliação do Portal da Transparência dos municípios brasileiros ficou abaixo das notas de capitais e estados, segundo o Ministério da Transparência. A nota média é 6,5. Nos Estados, é 8,08.

Que vexame
Em Brasília, bandidos destruíram o 56º posto policial, a maioria por incêndio. O governo do DF construiu em três anos 131 postos a R$ 150 mil cada. A PM/DF abandonou um a um. Hoje usa apenas 18.

Paciência alheia
Estava prevista para esta semana a instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para começar a correr prazos da reforma da Previdência. Os líderes enrolam e pedem “paciência”.

Pensando bem…
…a bola da reforma está nas mãos do o Congresso.

PODER SEM PUDOR
Homem-bomba
Prolixo e confuso, o ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP) tirou a paciência do então líder do Po Senado, Arthur Virgílio (AM), que caiu na besteira de conceder-lhe um aparte. O tucano reclamou:
– O senhor é o verdadeiro homem-bomba. Está explodindo meu discurso!…
Com André Brito e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com