Home Colunistas Coluna do Cláudio Humberto “Lavagem de dinheiro 
ainda está em curso”

“Lavagem de dinheiro 
ainda está em curso”

“Lavagem de dinheiro 
ainda está em curso”

Cláudio Humberto

Raquel Dodge, procuradora-geral da República 
sobre a prisão de Luiz Fernando Pezão

PODER SEM PUDOR
Longe das passarelas
Ainda governador, o admirado senador pernambucano Jarbas Vasconcelos (MDB) já não parecia à vontade na reputação de namorador de jovens misses. Nessa época, em Brasília para conversar com o então presidente Lula, ele se livrou da tarefa de pôr a faixa na vencedora do “Miss Pernambuco 2005”, após cancelar um coquetel para as candidatas alegando “corte de despesas”. Foi nele inspirado, naquele ano, até o enredo de um bloco de carnaval do Recife. Mas Jarbas deplorou o “concurso” em que a vencedora ganharia “a faixa, o cetro e …o coroa”.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br

Ministro e nº 2 da Fazenda travam guerra pessoal
O ministro Gilberto Occhi (Saúde) e a secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, têm travado uma guerra de contornos pessoais que foi parar na Justiça. Após Occhi deixar a presidência da Caixa, passou a ser investigado em auditoria a mando de Vescovi, que preside o conselho de administração do banco, ignorando trâmites usuais. Revoltado, Occhi decidiu processar Vescovi por dano moral.

À espera de convite
Membros do conselho acreditam que Vescovi criou a auditoria para se cacifar junto a Bolsonaro esperando convite para presidir a Caixa.

De olho no cargo
Tem sido atribuída a Ana Vescovi manobra para alterar o estatuto a fim de retirar do Planalto a prerrogativa de nomear presidente da Caixa.

Palavra de delator
O doleiro Lúcio Funaro acusou Occhi, em delação, sem apresentar provas, de ter “meta de propina” quando vice-presidente na Caixa.

Segredo de Justiça
O ministro Gilberto Occhi deixou a Caixa em abril e disse não poder se pronunciar sobre o caso, por tramitar em segredo de Justiça.

‘Bolsonarista demais’
O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) se aproximou tanto do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), com o objetivo de garantir sua reeleição como presidente da Câmara, que aliados mais antigos já ameaçam desembarcar do seu projeto. Deputados do PT, PDT e do MDB já acham Maia “bolsonarista demais”, por isso consideram apoiar outro postulante. Caso não abra o olho, Maia pode até perder o cargo.

Nem pensar
Perderá quem aposta em briga de Bolsonaro e Rodrigo Maia: fazem política no Rio, convivem há anos na Câmara, torcem pelo Botafogo.

Votos e intrigas
Os candidatos a presidente da Câmara estão em campanha aberta desde o fim do segundo turno. Pedem votos e fazem intrigas.

Ramalho na luta
Um dos mais ativos rivais de Maia na disputa é o atual primeiro-vice-presidente, deputado Fábio Ramalho (MDB-MG).

Corrupção contagiosa
Estão com as barbas de molho os governantes estaduais que optaram por adesão a ata de preços em contratos do governo Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro. No DF, dois ex-secretários de saúde foram presos nesta quinta (29). Teriam sido abduzidos pela ladroagem de Cabral.

Falta de pedir…
Em um mês, o governador eleito do DF, Ibaneis Rocha, foi mais vezes ao Palácio do Planalto que o atual, Rodrigo Rollemberg, em quatro anos. Só para Saúde, ele já garantiu um reforço de R$ 840 milhões.

Faltou ousadia a Bolsonaro
Ex-ministro da Infraestrutura do governo Collor, quando a palavra ainda era separada por hífen, João Santana acha que a pasta recriada por Bolsonaro está “fraquinha”, apenas com a área de transportes. Na sua opinião, deveria ganhar o reforço de Comunicações e Minas e Energia.

Agora é tarde
Quando desceu a rampa interna do Planalto para a festa do Mérito Cultural, quarta (28) à noite, o presidente Michel Temer foi saudado por grande parte do PIB paulista. Alguns até sapecaram um “fica, Temer”.

Parece tradição
Presidentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, Jorge Picciani e Paulo Melo, e governadores do estado, Cabral, Luiz Pezão e o casal Garotinho; todos passaram pela cadeia.

Rio 40 milhões
O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, recebeu entre 2007 e 2014 mais de R$ 40 milhões, em diversos pagamentos, mensalões, comissões, todo tipo de safadeza, dizem investigadores da Lava Jato.

Cidade-fortaleza
Buenos Aires virou uma cidade-fortaleza, para receber a reunião do G-20, nesta sexta (30). Donald Trump (EUA), Vladimir Putin (Rússia) e Xi Jinping (China), além de Michel Temer, são esperados no encontro.

Ponto final
A última data da Eleição 2018 é 18 de janeiro de 2019, data a partir da qual urnas são deslacradas, mídias apagadas, papéis descartados. É o fim de tudo que não estiver sendo discutido na Justiça.

Pensando bem…
…democracia é prender governador investigado por corrupção e não soltar ex-presidente corrupto.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com