“Ele é maluco”

“Ele é maluco”

Cláudio Humberto

Deputado Alexandre Frota (PSL-SP) sobre 
o polemista Olavo de Carvalho

Câmara ameaça ressuscitar a reforma de Temer
O Palácio do Planalto anda tão desarticulado que aliados do governo já defendem a aprovação do substitutivo de reforma da Previdência do deputado Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), do governo Michel Temer, que não chegou a ser votado. “A proposta Bolsonaro é melhor, mas para a Câmara aprovar o texto de Arthur Maia seria uma questão de afirmação do parlamento”, define o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

Lição no governo
A ideia dos deputados é aprovar seu próprio projeto de reforma da Previdência só para dar uma lição no governo.

Algumas alterações
A intenção é alterar o substitutivo de Arthur Maia no plenário, para se aproximar da meta de economia de R$ 1 trilhão em 10 anos.

Pronto para votar
A proposta de reforma do governo Temer já superou várias etapas de tramitação e está praticamente pronta para ser votada.

Economia evaporou
Se a reforma de Temer tivesse sido aprovada em outubro de 2017, como se pretendia, o país já teria economizado R$ 8,1 bilhões.

Comunicação de Bolsonaro
O empresário e advogado Fábio Wajngarten, 43, deve reforçar a comunicação social do governo Jair Bolsonaro. Sua chegada coincide com críticas sobre o desempenho da área, a exemplo do ministro Paulo Guedes (Economia) nesta segunda (25). Wajngarten se define como “completamente louco por televisão”, meio do qual é um estudioso, e já teve passagens por várias emissoras, como SBT, Rede TV e Record.

Destravar é preciso
Uma das missões de Wajngarten será pôr ordem nas redes sociais e destravar a divulgação e a propaganda do governo federal.

O homem do ‘VDM’
Espera de Fábio Wajngarten também assessoria informal chamada em Brasília de “VDM”, iniciais de “Vai Dar M(*)”, presidente.

Chegando com atraso
A presença do especialista Fábio Wajngarten na área de comunicação de Bolsonaro era esperada antes mesmo do início do governo.

Chance oferecida
Ministros do STF souberam que o desembargador Antonio Ivan Athié só decidiu sobre a soltura de Michel Temer ontem (25) para dar chance ao juiz Marcelo Bretas de se retratar da ordem de prisão. Ele não o fez.

Assim não dá
Alexandre Frota (PSL-SP) contou ter ouvido de um indignado colega deputado que esperou por duas horas para ser recebido por Onyx Lorenzoni (Casa Civil). E que, ao ser recebido, o ministro foi logo dizendo: “Você tem um minuto. Preciso sair para uma reunião”.

Intermediários, não
Governistas começam a acertar boicote a reuniões marcadas com ex-deputados escalados por Onyx Lorenzoni para fazer “articulação”. Um deles afirmou à coluna que cansou de conversar com prepostos.

Velha política
Rodrigo Maia já se articula para partir para cima do governo nas próximas votações. Nesta segunda, teve longas conversas de pé de orelha com lideranças do PR e do PP. Tutti buona gente.

Aliados de sempre
As caneladas de Rodrigo Maia em Jair Bolsonaro levam à loucura os grupos de comunicação hostis ao governo, cujas esperanças de retorno aos tempos de vacas obesas estão depositadas no deputado.

Não é Marielle
A polícia Militar encontrou o vereador Wendel Coelho (PTdoB) morto a tiros, dentro do seu carro, em Japeri, região metropolitana do Rio de Janeiro. Até agora, silêncio das ONGs, Anisitia Internacional etc.

Autofagia
Instalou-se a autocensura “politicamente correta” na imprensa na Nova Zelândia, após o ataque terrorista. Até a SkyNews local censurou o canal “irmão” SkyNews Austrália, que mostrava imagens do ataque.

Jornal sem máscara
Segundo o jornal inglês Financial Times, a “máscara do guru de Bolsonaro [o escritor Olavo de Carvalho] escorregou”. Antes “plácido e educado” o “ideólogo hardcore explodiu em insultos”.

Pensando bem…
…muita calma nesta hora: crise política de verdade viveu o país no impeachment de Dilma e durante todo o governo Temer. O resto é fichinha.

PODER SEM PUDOR
Chimarrão e rapadura
Para quebrar o gelo na CPI dos Correios, o então senador e presidente da comissão Delcídio Amaral (PT-MS) brincou com o senador Ney Suassuna (PMDB-PB) quando o viu experimentar o chimarrão do deputado Onyx Lorenzoni (PFL-RS). “É meio amargo… “, reagiu Suassuna. Ideli Salvatti (PT-SC) não gostou da observação do colega: “Esse aí só gosta de água de coco e rapadura…”

Com André Brito e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com