Home Colunistas Artigos “Não precisa esse alarde que se está fazendo agora”

“Não precisa esse alarde que se está fazendo agora”

Cunhado de qualidade

“Não precisa esse alarde que se está fazendo agora”

Presidente da Associação dos Juízes Federais, Roberto Veloso, sobre o julgamento de Lula

Eleição terá recorde de candidatos desde 1989
A eleição presidencial de 2018 deve bater o recorde de 1989, no número de candidatos a presidente da República. Até agora já são 18 os pré-candidatos ao Planalto, incluindo nomes que se deixaram “lançar”, como o ex-presidente Lula (PT), o deputado Jair Bolsonaro (PSC), e outros como o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, deputado Rodrigo Maia (DEM) e até do presidente Michel Temer (MDB), que negam candidaturas. Em 1990 foram 20 candidatos.

Pré-candidatura discreta
Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB) se preparam discretamente, mas são considerados candidatos oficiais.

Nomes tradicionais
Também estão em campanha Ciro Gomes (PDT), Rui Pimenta (PCO), Cristovam Buarque (PPS), Manuela Dávila (PCdoB) e Zé Maria (PSTU).

Novatos
O ministro Henrique Meirelles (PSD), o ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC) e João Amoedo (Novo) ensaiam candidaturas.

DEM por fora
Os pré-candidatos do Democratas (ex-PFL) devem ser candidatos aos governos de seus estados: Ronaldo Caiado (GO) e Rodrigo Maia (RJ).

‘Escadas e Corredores’
Sem saber o que fazer com dezenas de diplomatas beneficiados pela “PEC da Bengala”, que alterou de 70 para 75 anos o prazo para aposentadoria, nem com aqueles cuja cúpula deseja “encostar”, o Ministério das Relações Exteriores oficializou o seu tradicional “Departamento de Escadas e Corredores (DEC)” criando por meio de portaria, publicada em 18 de dezembro, o Departamento de Assistência Administrativa e Operacional (Gaoa), para “depositar” esses servidores.

Expediente no porão
Diplomatas malquistos pela cúpula terão de assinar ponto eletrônico no Gaoa, a partir do dia 1º, no porão (subsolo) do anexo 2 do Itamaraty.

Ponto dos encostados
Quinze diplomatas, até embaixadores, receberam carta assinada por um Terceiro Secretário despachando-os para o porão dos encostados.

Histórico de perseguições
O “DEC”, agora rebatizado de Gaoa, faz a delícia do serpentário pelas histórias de perseguição da chefia a diplomatas e outros servidores.

Nem pensar
O comandante do Exército, general Eduardo Vilas Boas, deu risada quando soube do suposto almoço de oficiais generais, dia 25, para analisar o julgamento de Lula. “Não tem o menor cabimento”, disse.

Pendurado no passaporte
A menos que a Justiça recolha o passaporte, Lula viaja no dia 25 para Etiópia, que não tem acordo de extradição com o Brasil. Passagem de classe executiva de São Paulo-Adis Abeba custa R$ 15.600.

A sangria continua
Rogério Carlos, segurança de Lula, viaja para a Etiópia dia 23, véspera do julgamento. Os outros, Valmir Moraes e Ricardo Bessias Azevedo, viajam com Lula, dia 25. Passagens e diárias são por nossa conta.

Alckmin no muro, claro
Indagado sobre apoio a seu vice Márcio França (PSB) na disputa para governador, como prometeu, Geraldo Alckmin subiu no muro: “O Pão deliberou, vamos aguardar as convenções”, desconversou.

Pendurado na brocha
Os insultos a Gilmar Mendes parecem divertir os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a julgar pelo constrangedor silêncio e falta de solidariedade, inclusive da presidente, Cármen Lúcia. Gilmar ontem citou versos de Bob Dylan para advertir: “Amanhã pode ser você”.

Ferro passa bem
Às 17h desta segunda (15), uma ambulância do Samu parou no comércio da quadra 103 Sul, em Brasília, para a salvação de um ferro de engomar. Entregue à assistência técnica, o “paciente” passa bem.

Test-drive
Um ano após operar os joelhos, José Carlos Araújo (PR-BA) percorreu os 8km da procissão de Lavagem no Bonfim, em Salvador. O ex-presidente do conselho de ética da Câmara que cassou Eduardo Cunha disse, ao final, que passou no “test-drive”.

PODER SEM PUDOR
Cunhado de qualidade
O ex-governador de Alagoas Guilherme Palmeira, ministro do Tribunal de Contas da União, conversava com o deputado Nelson Costa, que entrou para o folclore político ao pedir, como souvenir, a guimba do cigarro que o general João Figueiredo acabara de fumar, durante uma audiência.
– Sinceramente, não sei o que seria de mim sem o meu cunhado – disse Costa a Palmeira – Ele me ajuda muito.
– Desculpe, amigo, mas que cunhado?
– Aquele ali, pendurado no crucifixo.
Era como ele se referia a Jesus Cristo, orgulhoso da irmã, que, freira, casou-se com o filho de Deus.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br

Compartilhe: