O Barroso não deve lamentar apenas o ponto perdido com o gol sofrido aos 49 minutos do segundo tempo diante do Criciúma. O Almirante deixou no sul do estado três pontos importantes na luta da equipe pela permanência na Série A. A postura extremamente defensiva, principalmente na etapa final, fez com que a equipe de Itajaí atacasse pouco a frágil defesa do Tigre e, com isso, deixasse a vitória no Heriberto Hülse. Se entrasse da mesma forma que jogou contra JEC e Figueirense, o Barroso tinha condições de vencer.

Perdeu o meio campo
Quem acompanha meus comentários aqui no DIARINHO e na rádio Univali FM, sabe o quanto elogio o trabalho do técnico Renê Marques desde quando começou a carreira, na Série C do Catarinense. Porém, desta vez, vou ter que criticá-lo. Renê desfez o meio de campo do Barroso ao tirar Rodrigo Couto e Safira, dois principais jogadores do setor. As entradas de Eduardo Sapinho, Pedro Hulk e Abner, que teriam como função puxar os contra-ataques, não funcionaram, tanto é que o Almirante só chegou perto do gol no segundo tempo aos 47 minutos, em uma chance incrível perdida por Hulk. Com muitos erros de passe sem Couto e Safira, o Barroso não conseguiu prender a bola na frente, fazendo com que o Tigre pressionasse o ferrolho barrosista. O castigo veio em um pênalti desnecessário cometido por Lucena, no último lance do jogo.

Falta reposição
Uma ressalva precisa ser feita: a limitação do elenco do Barroso. Não é de hoje que tenho falado que o alviverde precisa de reforços no meio e na frente. Com Schwenck e Dolem no departamento médico, o Barroso se viu sem reposição no banco de reservas. Quando Renê tirou Jefferson Paulista, Rodrigo Couto e Safira, ficou evidente a necessidade de jogadores com mais qualidade para suprir o elenco. Nos jogos contra Tigre e Metrô, em que foi preciso atletas para mudar a história da partida, os reservas decepcionaram.

Próximo jogo
O Barroso enfrenta o Brusque nesta quarta-feira, às 20h30, fora de casa. É mais um confronto direto, tendo em vista que o Bruscão tem nove pontos, três a mais que o Barroso. Embora tenha melhorado muito sob o comando de Pingo, o Brusque não é imbatível e o Almirante pode conquistar um bom resultado no Augusto Bauer, mas vai precisar de uma postura mais corajosa em campo.

Sócio Marinheiro
A novidade que o Marcílio Dias guardou para este domingo é o plano de sócio-torcedor ao preço de R$19,19, que pode ser feito pelo site: www.sociomarinheiro.com.br. Entre outras vantagens, esse plano dá acesso aos jogos na descoberta do Marinheiro. Nessa terça-feira, às 12h10, o vice-presidente Mauro Pereira estará no programa Show de Bola, da Rádio Univali FM, para contar todas as novidades. Sintonize na 94,9 FM ou pelo site: www.univali.br/radio.
 

Domingo tem novidades
O Marcílio Dias lançou esta semana em suas redes sociais a campanha 1919 (ano de fundação do rubro-anil). Sem revelar do que se trata, o clube apenas divulgou que no próximo domingo, às 19h19, fará uma transmissão ao vivo em seu Facebook (www.facebook.com/marciliodiasoficial) com o presidente Lucas Brunet e o vice Mauro Pereira para explicar as novidades. Quem quer receber as informações em primeira mão, pode se cadastrar no site: www.19e19.com.br. No último mês a diretoria concedeu uma coletiva de imprensa em que revelou os projetos em andamento. Além do lançamento do novo uniforme, também estava sendo preparada uma renovação total no programa de sócio-torcedor. Lembrando que no dia 19, faltará um mês para o 98º aniversário do clube.

Ânimo ao torcedor
Independente do que for divulgado no domingo, as ações do Marcílio Dias estão rendendo comentários positivos. Além de alimentar a esperança dos torcedores marcilistas, que estão vendo mais uma Série A sem o Marinheiro, o clube tem se mantido em evidência na mídia, gerando pautas mesmo sem atividade dentro de campo.
Lista falsa
Circulou esta semana pelos grupos de WhatsApp e redes sociais uma lista de jogadores que supostamente teriam pré-contrato com o Marcílio Dias para a Série B do Catarinense. Segundo a diretoria do clube, a lista é falsa. Não há nenhum jogador acertado com o Marinheiro ainda, embora alguns nomes da lista agradem aos próprios dirigentes.

Barroso x Criciúma
O Barroso vai ao Sul do Estado neste domingo para enfrentar o Criciúma pela sexta rodada do Campeonato Catarinense. Depois do empate contra o Metropolitano em Itajaí, o alviverde precisa mais do nunca pontuar nessa visita ao Tigre para não começar a ficar para trás na tabela de classificação. E a missão não é impossível. O Criciúma, do técnico Deivid, tem sido inconstante neste Estadual. Pressionando a saída de bola do Tigre, o Figueirense conseguiu goleá-lo na última rodada. Se o Almirante fizer o mesmo, tem boas chances no Heriberto Hulse.

Desfalque e reforços
O desfalque deve ser o atacante Schwenck, que deixou o jogo do último domingo machucado e está em tratamento, assim como o meia Diogo Dolem. Sem outro centroavante no elenco, Renê Marques utilizou Pedro Hulk na posição contra o Metrô, mas não teve êxito. Com cinco rodadas passadas, ficou claro que o Barroso ainda precisa de reforços, especialmente para o ataque e o meio de campo. Contra o Criciúma são três pendurados: Van Basty, Safira e Rodrigo Couto, todos titulares absolutos no meio alviverde. Por enquanto, nada de contratações confirmadas.

O Almirante Barroso não repetiu a grande atuação que teve contra o Figueirense e ficou em empate sem gols com o Metropolitano no Camilo Mussi, no último domingo. A equipe do Barroso foi morosa durante boa parte do jogo, não teve velocidade e conseguiu pressionar apenas durante um período do segundo tempo, mas não foi suficiente para vencer. Apesar dos erros graves de arbitragem, faltou atitude ao Almirante. E só não foi pior porque Rodolfo fez ótimas defesas nos contra-ataques do adversário.

Arbitragem terrível
Quem acompanha meus comentários no programa Show de Bola, da Rádio Univali FM, já estava avisado que a Federação Catarinense de Futebol estava pecando em escalar André Luiz Back para uma partida tão importante como Barroso x Metropolitano. Dito e feito. Back fez uma péssima arbitragem, desagradando as duas equipes. Usou critérios diferentes para aplicar cartões amarelos, não se impôs com os jogadores e demorou demais para assinalar faltas claras. O gol anulado do Barroso, no segundo tempo, foi outra falha grave. O lance foi legal, tanto quando Abner recebeu o lançamento, quanto quando Pedro Hulk tocou para as redes. Se o Barroso não jogou o suficiente para vencer, a arbitragem tirou da equipe itajaiense um gol em uma das poucas jogadas de perigo do jogo.

Expulsão do goleiro
As polêmicas de arbitragem não pararam por aí. No segundo tempo de jogo, Abner, do Barroso, driblou o goleiro fora da área, mas Vilar afastou o perigo com um tapa na bola. Back assinalou a falta, mas deu apenas cartão amarelo para o arqueiro blumenauense. Na minha opinião, era lance para expulsão. Vilar impediu com falta uma chance clara de gol, tendo em vista que Abner entraria na área com a bola dominada, com um companheiro esperando o passe e dois defensores em cima da linha. Em Brusque, na partida do Brusque contra a Chapecoense, o goleiro Artur Moraes, da Chape, também impediu um ataque com a mão, fora da área, e recebeu o cartão vermelho. A diferença é que o árbitro era Braulio da Silva Machado.

Interpretação sim, regra não
Respeito a opinião de quem acha que o lance do goleiro Vilar era para cartão amarelo, afinal é uma jogada de interpretação. Mas quem argumentou que pela nova recomendação da FIFA lançada ano passado, o goleiro não poderia ser expulso, está muito mal informado. A recomendação coíbe cartão vermelho para o jogador que comete pênalti. Faltas fora da área seguem passíveis da exclusão do atleta da partida. No jogo contra a Chapecoense, por exemplo, se a falta de Robenval fosse dentro da área, o árbitro não deveria expulsá-lo.

Os torcedores do Barroso e os apaixonados pelo futebol itajaiense que foram ao estádio Camilo Mussi, na tarde desta quinta-feira, não esquecerão tão cedo o show que presenciaram. Mais que uma goleada histórica do Almirante Barroso, por 4 a 2 em cima do Figueirense, o que se viu foi um domínio amplo sobre a equipe da capital, do primeiro ao último minuto. O alviverde criou inúmeras chances de gol, e poderia ter feito um placar ainda mais elástico, não fossem as falhas defensivas nas bolas aéreas. Além da pintura de Diogo Dolem, no terceiro gol, também não posso deixar de destacar a grande atuação de Safira. O camisa 10 foi o maestro do time em campo e, além de um gol, deu duas ótimas assistências.

Dedo do técnico
Se dentro de campo os jogadores do Barroso deram o sangue pela vitória, fora dele Renê Marques foi o grande mentor da goleada. Foi cirúrgico nas alterações, colocando Abner e Diogo Dolem, os dois jogadores que mudaram o jogo na etapa final. Renê também teve méritos por bancar a titularidade de Jefferson Paulista, que não foi bem nas três primeiras rodadas e se recuperou contra o Figueirense, fazendo uma grande partida e anotando um dos gols da vitória. O treinador mostrou muito conhecimento do adversário e deu um nó em Marquinhos Santos, que não conseguiu fazer o alvinegro sair de trás, onde ficou encurralado durante praticamente os 90 minutos. Aliás, segundo um levantamento feito pelo apresentador Jean Pablo, do programa Show de Bola da Rádio Univali FM, Renê tem um aproveitamento de quase 70% a frente do Litoral e do Barroso, nas Séries C, B e A do Catarinense.

Atenção redobrada
A vitória contra o Figueirense foi gigante, mas o Campeonato Catarinense está só começando. Neste domingo, às 10h, o Almirante recebe o Metropolitano em um confronto direto. As duas equipes brigam pela permanência na Série A e a vaga na Série D em 2018, por isso derrotar os blumenauenses no Camilo Mussi é obrigação do Barroso. Mas a atenção deve ser redobrada, porque o time do Metrô tem feito boas partidas e vem a Itajaí jogando muita bola para surpreender os donos da casa. Contra o Inter de Lages, o Barroso entrou em campo depois de uma ótima partida contra o JEC e atuou com total displicência, pagando caro por isso. Espero que o jogo de Lages tenha servido de lição.

Base do Marinheiro
Começaram esta semana os trabalhos das categorias sub-15 e sub-17 do Marcílio Dias. Mais de 60 garotos foram pré-selecionados nas peneiras e agora terão que mostrar no dia-a-dia que têm potencial para permanecer no clube para a disputa do Catarinense. Conversei com os técnicos Marcelo Silva (Sub-15) e Tony Monteiro (Sub-17) e eles estão bastante otimistas com relação à montagem das equipes. Certamente teremos bons valores vestindo a camisa rubro-anil neste ano.

O Almirante Barroso conquistou um ponto importantíssimo no último sábado, ao empatar em 1 a 1 com a Chapecoense fora de casa. O alviverde teve Robenval expulso ainda na primeira etapa e, mesmo com um homem a menos, segurou a pressão do Verdão do Oeste. Renê Marques foi obrigado a tirar Schwenck para recompor a zaga com Lucena e armou um esquema para neutralizar as investidas dos donos da casa, especialmente pela escalação de Buru na cabeça da área, ao lado de Van Basty.
Mesmo que Tulio de Melo tenha aberto o placar no início do segundo tempo, o Barroso seguiu na sua postura defensiva e não se desorganizou. A equipe de Renê ficou à espera de uma bola para empatar o jogo e conseguiu, através da precisão de Pedro Hulk, na única finalização dos visitantes no segundo tempo. Um ponto que poucos acreditavam que era possível, mas que veio graças ao posicionamento tático do treinador. Méritos do time itajaiense, mas também incompetência da Chape, que com o plantel que tem, não soube aproveitar as chances que criou ao longo de todo o jogo.

Horário
A diretoria do Barroso instalou uma estrutura nova de iluminação no estádio Camilo Mussi para tentar alterar o horário do jogo contra o Figueirense de 17h para 20h30, na quinta-feira. Até o fechamento desta coluna, o clube ainda aguardava o aval da Federação Catarinense de Futebol para oficializar a mudança. Mais informações no programa Show de Bola desta terça-feira, às 12h10, na Rádio Univali FM (94,9).

A força do Hulk
Com três partidas disputadas, o técnico Renê Marques usou praticamente a mesma equipe, fazendo alterações parecidas ao longo das partidas. Nos três jogos Pedro Hulk entrou bem, movimentou o ataque e mostrou boa finalização. Por outro lado, Jefferson Paulista segue deixando a desejar, com dificuldades para prender a bola na frente e ficando muitas vezes em impedimento. Contra o Figueirense, Pedro Hulk pode ser uma boa opção para começar jogando, deixando Jefferson no banco e mudando o panorama ofensivo da equipe. O meio de campo também precisa criar mais, já que Schwenck, contratado para ser o “matador” do alviverde, recebeu poucas bolas em condição de finalizar na competição (e quando teve, desperdiçou). Safira e Rodrigo Couto são bons passadores, mas o Barroso tem sido perigoso, principalmente nas bolas aéreas. A opção para o setor seria o jovem Bruno Meurer, prata do futebol local, que ainda não teve oportunidade de estrear no Catarinense.

O Almirante Barroso foi a Lages nesta quarta-feira e acabou derrotado pelo Inter por 2 a 0. Havia uma esperança muito grande de que o alviverde conquistasse pontos na Serra Catarinense, mas o que se viu em campo foi um time irreconhecível.
Nem sombra daquela equipe que empatou com o JEC na estreia e que foi campeã da Série B em 2016. Totalmente displicente, o Almirante perdeu para os próprios erros e para um adversário fraco tecnicamente e ainda desentrosado. Os dois gols do colorado saíram em falhas do Barroso. No primeiro, Schwenck perdeu um gol cara a cara com o goleiro e no contra-ataque, Jefinho entrou como quis na defesa itajaiense. Já no segundo, Téssio saiu jogando errado e entregou a bola nos pés do ataque do Inter, que trocou passes até encontrar Enercino para fechar o placar.
Próximo jogo
O Almirante Barroso segue sua excursão pelo estado e enfrenta a Chapecoense neste sábado, às 19h30, na Arena Condá. É impossível voltar para Itajaí com ao menos um empate? Não. Se jogar de forma organizada e o time estiver em uma noite inspirada, o alviverde do Litoral pode surpreender a Chape, que já tem duas vitórias na competição. O Barroso mostrou contra o Joinville que pode render muito mais. Certamente o jogo contra o Inter servirá de lição de como não disputar uma partida da Série A. Na elite do futebol catarinense, cada erro defensivo custa caro, assim como cada oportunidade na frente não pode ser desperdiçada. Renê Marques sabe disso mais do que ninguém e deve estar batendo nessa tecla com os seus jogadores.
Barroso x Figueira
A Federação Catarinense de Futebol definiu que a partida entre Barroso x Figueirense, pela quarta rodada, será na quinta-feira, dia 9, às 17h. O horário foi escolhido por causa da iluminação deficitária do estádio Camilo Mussi. A diretoria alviverde ainda busca uma solução para jogar a partida à noite, facilitando a vida do torcedor, mas dificilmente a FCF irá abrir uma exceção e alterar o horário do jogo. De todos os defeitos apontados para o Camilo Mussi, que considero em sua maioria injustos, a iluminação é o calcanhar de Aquiles do estádio. É necessária a contratação de uma estrutura extra de iluminação para que o local possa receber partidas oficiais noturnas.
Dia Rubro-Anil
Fiquei muito feliz de participar no último final de semana do Dia Rubro-Anil. A ação organizada pela diretoria do Marcílio Dias reuniu sócios, torcedores, diretores, imprensa e ex-jogadores no estádio Dr. Hercílio Luz, com uma partida amistosa envolvendo os participantes e um almoço no clube. Além de valorizar os ex-atletas que honraram a camisa do Marinheiro, a ação ainda proporcionou uma atividade diferente aos sócios que estão em dia com suas mensalidades, mesmo que o clube não esteja disputando competições. Pelo sucesso que foi, certamente o Dia Rubro-Anil será repetido outras vezes no ano.

O Barroso surpreendeu em vários aspectos quem foi ao estádio Camilo Mussi, no último domingo, para a estreia no Catarinense. A começar pelo público, que lotou as dependências do estádio e fez uma bela festa, entoando coro de apoio e incentivando até o apito final do jogo. Dentro de campo, o Almirante surpreendeu também. O primeiro tempo teve domínio total do alviverde, enquanto a segunda etapa alternou entre momentos bons das duas equipes. Por ser uma primeira rodada de estadual, os dois times fizeram muito bem o seu papel e o torcedor deixou o estádio sonhando com voos maiores do Barroso. Alguns jogadores ainda podem render mais, como o lateral Nei e o próprio Schwenck, enquanto taticamente Renê Marques mostrou por que o considero um treinador de grande futuro. Saber armar a equipe e também alterar seu esquema de acordo com as adversidades da partida.
Jogo de seis pontos
O Barroso volta a campo nesta quarta-feira, às 20h30, contra o Inter de Lages, na Serra Catarinense. Será um jogo muito difícil, já que o Inter é forte em casa e parece ter montado uma equipe qualificada. No campeonato dos times menores contra o descenso, é um jogo de seis pontos e o empate será um grande resultado para o time de Itajaí.
As polêmicas linhas
Se o Barroso está no seu primeiro ano de Série A após 46 anos, as linhas amarelas do campo já se encarregaram de fazer a fama nacional do Almirante. O clube foi um dos assuntos mais comentados na internet e em canais de esporte neste domingo pelas marcações usadas no Camilo Mussi. É preciso deixar claro que as linhas estão dentro da regra e são autorizadas pela FIFA, por se tratar de uma grama sintética. Esteticamente é legal? Não, mas financeiramente é fundamental para o clube. O que não pode acontecer é o JEC querer culpar as linhas ou o campo sintético pelo empate. O Joinville jogou de igual para igual e cometeu muitas falhas defensivas, caso contrário poderia ter levado os três pontos. Para quem joga ou assiste a uma partida no Camilo Mussi, as linhas dificilmente interferem em algo inclusive para a arbitragem.
Súmula carregada
As linhas não foram pauta da súmula do jogo, mas o delegado da partida, Paulo Cesar Gonçalves, numerou várias falhas do estádio Camilo Mussi. Cobertura precária e muito próxima do campo para a mesa do delegado; vestiário da arbitragem sem ventilação e sem sanitário; estrutura metálica para a torcida visitante; falta de controle no acesso de pessoas à área de imprensa; portão da ambulância aberto onde há circulação de torcedores; são alguns dos pontos levantados. Curiosamente, o delegado já havia comandado partidas na segunda divisão no mesmo estádio e não recordo de críticas tão acintosas antes.

Enfim, a bola vai voltar a rolar pelo Catarinense da Série A em Itajaí. Desde 2015 que o torcedor itajaiense não tinha uma equipe na elite e o Barroso – com todos os méritos – conquistou este direito de representar a região neste ano. A estreia está marcada para domingo, às 17h, contra o JEC, no Camilo Mussi, e a presença do torcedor será fundamental para que o alviverde largue com vitória. Já falei nas colunas anteriores sobre a minha expectativa do Barroso, que manteve a base da Série B e, por isso, chega um pouco à frente da maioria em termos de entrosamento e preparo físico. Esta deve ser a grande vantagem do Almirante, além da grama sintética do Camilo Mussi. O próprio lateral Nei, recém contratado, admitiu que estranhou o piso no primeiro jogo-treino no estádio. Isso mostra que outros times – por melhor nível que tenham, como é o caso do Nei – também podem sentir dificuldades.

Novos mares para o Marinheiro
A ‘promessa de campanha’ de Lucas Brunet e Mauro Pereira quando assumiram a presidência do Marcílio Dias, está sendo cumprida. Os novos dirigentes garantiram que iriam promover uma renovação completa no clube e estão fazendo. O quadro diretivo apresentado nesta segunda-feira prova isso. Nada de figurões de diretorias antigas do clube, mas sim torcedores que estão assumindo cargos pelos quais possuem experiência profissional. Na ocasião Lucas e Mauro também foram transparentes com relação à situação financeira do clube, uma postura diferente em relação à gestões anteriores, que se trancavam no Gigantão das Avenidas e não davam explicações. Aliás, o Profut foi um dos temas da coletiva: o clube não aderiu a tempo no ano passado e deixou de pagar um parcelamento mensal de cerca de R$ 11 mil. Agora, as parcelas para um financiamento das dívidas do clube saem em torno de R$ 90 mil. Isso é uma mostra do tamanho do prejuízo que os irresponsáveis da última direção deixaram.

Roupa nova
Na ocasião também divulgaram a atualização no escudo e a nova fornecedora do uniforme, a mineira Kickball. Mesmo que o campeonato comece só em junho, a diretoria tem se adiantado em relação às novas camisas e em breve elas serão lançadas – incluindo o início das vendas para a torcida. Um novo programa de sócio-torcedor também está próximo. A situação do departamento de marketing do clube também já foi resolvida e uma nova agência está trabalhando pelo Marinheiro. Apesar de ter dado uma escorregada no primeiro material, com um erro de digitação no banner de imprensa (Naútico), já está mostrando um conceito gráfico que inexistiu nos últimos anos. Sobre o erro, o próprio clube brincou nas redes sociais e sequer apagou comentários, mostrando jogo de corpo e simpatia pra tratar do tema.
 

A primeira grande mudança da nova gestão da Federação Catarinense de Futebol foi a demissão do homem de confiança do Dr. Delfim de Pádua Peixoto na comissão de arbitragem: Júnior Moresco. Com 15 anos de trabalho na FCF, sendo os últimos cinco no departamento de arbitragem, Moresco concedeu uma entrevista no programa Esporte Debate, na Rádio Guarujá, e não poupou criticas ao presidente Rubens Angioletti, o Rubinho, e sua nova equipe. Diz que foi perseguido nesses dias em que esteve na FCF após a morte do ex-presidente Delfim, sendo proibido inclusive de dar opinião na comissão de arbitragem para o estadual de 2017.

Comando do Criciúma
Moresco foi enfático ao taxar o novo presidente da FCF como uma figura decorativa, assumindo a pedido do ex-presidente do Criciúma, Antenor Angeloni. Segundo ele, são ex-dirigentes do Criciúma, como Lédio D´Altoé e Claudio Gomes quem estão no comando da Federação agora. Além disso, o ex-funcionário da Federação destacou que a nova equipe que está sendo montada não tem conhecimento para administrar o futebol catarinense. E o custo não é baixo: na versão do entrevistado, alguns funcionários do Criciúma estariam hospedados no Hotel Marambaia, em Balneário Camboriú, em plena alta temporada.

Acordo com a CBF
Moresco afirma que Rubinho se aproximou da CBF com o intuito de voltar a receber a mesada mensal que a entidade repassava a FCF antes de romper com Delfim. Ele também revelou que Marco Polo Del Nero já fez um depósito de R$ 152 mil na conta da FCF, mas em contrapartida a Federação tem que afastar as pessoas de confiança de Delfim. Além da sua demissão, Júnior afirma que outros nomes da antiga gestão, como Fábio Nogueira (diretor de competições), Rodrigo Capela (diretor jurídico) e Arlindo Reis (diretor de finanças) também podem ser afastados em breve.

Elogios a Delfim
Em contrapartida, Júnior não poupou elogios ao trabalho de Delfim enquanto esteve à frente da FCF. Para ele, o crescimento do futebol estadual se deve muito a forma como todos na Federação, incentivados por Delfim, ‘vestiam a camisa’ dos clubes catarinenses nas competições nacionais. Além disso, ele também revelou que o interesse de Delfim em dar suporte aos times menores das Séries B e C do Catarinense. “O Delfim gostava de futebol. A CBF só tem interesse em política e contratos comerciais, não está nem aí para o futebol brasileiro”, concluiu.

TVBE Esportes
Uma parceria entre a equipe Show de Bola e a TVBE vai estrear na quinta-feira, dia 26. O programa TVBE Esportes vai ao ar das 11h30 às 12h, de segunda a sexta-feira, com apresentação de Cacá Oliveira, comentários de Nilton Bleichvel e Adão Goulart. Muito sucesso à nossa equipe nesta nova empreitada!

Os jogos do Almirante Barroso no Catarinense devem mesmo ser no estádio Camilo Mussi. Temendo que o local fosse vetado “em cima da última hora” para receber os jogos contra os ditos “grandes” de Santa Catarina, a diretoria do clube procurou o Marcílio Dias para tratar de uma possível locação do Gigantão das Avenidas, mas não houve acordo. A Federação Catarinense de Futebol tentou auxiliar para que o estádio Dr. Hercílio Luz fosse utilizado, mas a questão financeira pesou.
O rubro-anil pediu R$ 15 mil por partida, enquanto a oferta do Barroso era de R$ 2500. Até ventilou-se a possibilidade do Marinheiro ficar uma com porcentagem da bilheteria dos jogos em Itajaí, mas que foi descartada.

Federação deve apoiar o Barroso
Mesmo com algumas manifestações contrárias e uma certa ‘pressão’ da imprensa da capital para que o Camilo Mussi não receba os jogos maiores, a Federação Catarinense de Futebol deve apoiar o Barroso e manter os jogos na casa alviverde. O maior problema para o Almirante é a estrutura para a imprensa, muito pequena para o tamanho da cobertura que o catarinense tem. Jogos com transmissão televisiva, por exemplo, dificultariam ainda mais o trabalho dos demais membros da imprensa, seja rádio, TV, impresso ou digital. Sem contar que a RBS e Globosat (Premiere) pagam pelos direitos de transmissão e fazem uma série de exigências. Além disso, as emissoras podem bater o pé para não fazer os jogos no estádio em TV aberta, o que seria um prejuízo muito grande em termos de visibilidade. O Marcílio Dias, quando mandou jogos no Robertão, em Camboriú, teve uma partida que seria transmitida na RBS vetada pela falta de estrutura.

Condições do gramado e estádio
Outras críticas dizem respeito ao gramado e a estrutura do estádio para torcedores. A preocupação maior é com a recepção a torcidas visitantes, que podem vir em grande número e ocupariam arquibancadas móveis atrás da trave. Já o gramado, por ser sintético, também desperta desconfiança. Até porque a instalação do mesmo deixou algumas falhas que não estavam previstas no projeto inicial. Surgiu inclusive uma notícia na capital que o meia Marquinhos, do Avaí, teria dito que não jogaria aqui pelo tipo de piso. Segundo o presidente do Almirante, Adriano Cipriano, no jogo-treino entre Avaí e Barroso, na última terça, o atleta desmentiu que teria desqualificado desta forma o Camilo Mussi.

Jogo-treino
Por falar no jogo-treino, o Barroso perdeu por 1 a 0 para o Leão da Ilha. O duelo foi disputado em Águas Mornas e interrompido no segundo tempo pelas fortes chuvas. O Almirante teve uma boa atuação e criou até mais chances de marcar. Apenas a defesa deixou a desejar no gol azurra, deixando Diego Jardel livre para fazer de cabeça.

A Federação Catarinense de Futebol alterou mais uma vez a data da estreia do Almirante Barroso no Campeonato Catarinense. O jogo que estava marcado para sábado, dia 28, passou para domingo, dia 29, às 17h, contra o Joinville, no estádio Camilo Mussi. A data foi alterada a pedido do JEC, já que o jogo do tricolor contra a Chape, pela Primeira Liga, passou do dia 25 para o dia 26 deste mês. A mudança na tabela da Primeira Liga ocorreu para não haver conflito com o amistoso da Seleção contra a Colômbia, marcado em homenagem às vítimas da tragédia aérea com o time do Oeste.

Jogos-treino do alviverde
Debaixo de muito calor, o Barroso empatou em 0 a 0 o seu primeiro jogo-treino do ano, contra o Inter de Lages. O duelo foi disputado na última quinta-feira, no campo do São Nicolau, em Penha. Como já era esperado, o técnico Renê Marques manteve a base titular campeã da Série B do Catarinense, incluindo Schwenck na frente. O atacante, inclusive, mostrou estar bem fisicamente. Nos dois estaduais que disputou pelo Marcílio Dias, o camisa 9 não começou o Estadual tão bem preparado como agora. O próximo teste do Barroso será terça-feira, contra o Avaí, na capital.

Lilo Orsi segue à frente
O clube social do Barroso segue sob o comando de Lilo Orsi por mais três anos. Em eleição realizada na última sexta-feira, Orsi foi reeleito com a chapa 01 (Verde e Branco) por 82 votos, contra 44 votos da chapa 02 (Renovação Barrosista). Como presidente, Lilo Orsi tem feito um ótimo trabalho junto de sua diretoria e do Conselho Deliberativo, inclusive apoiando o projeto da volta do futebol profissional ao clube através da parceria com o Litoral, que tem dado uma grande visibilidade para o clube em Itajaí e no estado.

Peneiras marcilistas
Mais de 100 garotos das categorias sub-15 e sub-17 passaram pelas peneiras do Marcílio Dias no último final de semana. Já nos dias 19 e 20, sexta e sábado, será a vez das avaliações das categorias sub-11 e sub-13, com nascimento entre 2004 e 2007. As inscrições já podem ser feitas na secretaria do Marinheiro, no estádio Dr. Hercílio Luz. Ótima iniciativa do departamento de futebol do Marinheiro, que está abrindo espaço para os jovens da região, inclusive em categorias que não são obrigatórias pela Federação Catarinense de Futebol.

Esta semana foi a vez de entrevistar o superintendente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer (FMEL) de Itajaí, Fábio Reginaldo dos Rezes, o Fabinho, no programa Show de Bola da Rádio Univali. Fabinho já foi atleta de Itajaí no JASC e agora ocupa o cargo principal do esporte da cidade. Ele destacou que o foco principal será o fortalecimento ainda maior das categorias de base, para que os atletas da região estejam preparados para representar Itajaí nos próximos anos. Até porque, segundo ele, em virtude da situação econômica do município, a FMEL pode perder até 40% do seu orçamento de R$ 8 milhões. Desta forma, ficaria totalmente inviável investir em contratações de fora para as competições da Fesporte.

Esporte Campeão
O site Esporte Campeão, ancorado pelo comunicador Jean Pablo, vem fazendo um ótimo trabalho em texto e vídeo através do endereço www.esportecampeao.com, cobrindo o esporte local. Para 2017, o Esporte Campeão chega com várias novidades, como um time novo de colunistas (incluindo este que vos escreve), e uma proposta de um programa ao vivo pelo Facebook, que será lançado em breve.

O Camiseteiro
O jornalista Marcelo Nunes lançou recentemente na web a página O Camiseteiro (www.facebook.com/ocamiseteiro), no qual falará de uma das suas maiores paixões: as camisas de futebol. Em parceria com o irmão Matheus Nunes (responsável pela produção de vídeos), Marcelo vai publicar imagens e curiosidades da sua vasta coleção, incluindo as camisas de Barroso e Marcílio Dias, é claro.

Pichu machucado
O Barroso deve perder o lateral direito Pichu para o Campeonato Catarinense da Série A. Em um treinamento esta semana, o atleta teve uma lesão grave no tornozelo e precisará fazer uma cirurgia. O seu substituto na camisa 2 deve ser o lateral Rodolfo Ferreira, de 25 anos. O atleta tem passagem pelo futebol paulista, como Mogi Mirim e Inter de Limeira, e também pelo futebol sul-mato-grossense, se destacando no Comercial. Ferreira foi um dos 11 contratados pelo Almirante para a temporada. Em sua maioria nomes desconhecidos do futebol local.

Buru renova e Paulo Menezes de volta
Se o técnico Renê Marques perdeu Pichu para o estadual, ele tem algumas boas notícias em relação a equipe que disputou a Série B. O volante Buru renovou com o alviverde é uma boa opção para compor o meio-de-campo. Já o lateral esquerdo Paulo Menezes, está recuperado depois de passar por uma cirurgia. O jovem jogador teve algumas oportunidades na Série B, mas se lesionou e perdeu a reta final da competições. Em alguns jogos, Marques chegou a colocar Adriano Chuva no meio para abrir espaço para o atleta da região.

Anunciado no último mês como diretor de marketing do Marcílio Dias, Cristian Peretta deixou o cargo para assumir compromisso profissional com o Almirante Barroso na mesma área. Em entrevista à Rádio Univali FM, que vai ao ar no programa Show de Bola desta terça-feira, às 12h10, ele explica que inicialmente ocuparia um cargo como diretor do Marinheiro a convite do vice-presidente Mauro Pereira, sem remuneração alguma. Porém, dias depois, a Peretta, sua empresa de publicidade e propaganda, acertou uma parceria com o futebol Barroso através do também vice-presidente Neto Custódio. Por se tratar de um compromisso profissional, Peretta se desligou do Marcílio Dias em comum acordo com a diretoria rubro-anil. No time do Camilo Mussi, a sua empresa ficará responsável por ações virtuais com site e redes sociais,
além da captação de recursos. No papo que batemos, Peretta foi muito claro: seu intuito é contribuir com o futebol da região, deixando também as portas abertas no Marcílio Dias para futuras parcerias.

Secretaria de Comunicação
Na última coluna falei um pouco mais sobre a expectativa da FMEL para a nova gestão da prefeitura de Itajaí. Desta vez, gostaria de destacar a nomeação do novo secretário de Comunicação, jornalista Marcelo Roggia. Em sua carreira profissional, Roggia já foi editor de Esporte e de Geral no DIARINHO e fazia um ótimo trabalho na assessoria de imprensa da
equipe de tênis do Itamirim. O prefeito Volnei Morastoni acertou em cheio em apostar em um jornalista ainda jovem, mas com
competência comprovada na área.

Mais uma peneira rubro-anil
Os atletas interessados em fazer parte das categorias sub-15 e sub-17 do Marcílio Dias terão uma nova oportunidade de participar das peneiras do clube. Depois do sucesso em dezembro, o departamento de futebol do Marinheiro realiza uma nova avaliação no estádio Dr. Hercílio Luz na próxima sexta e sábado. Podem participar jovens nascidos nos anos de 2000, 2001 e 2002. Na primeira etapa, 80 garotos participaram, sendo que foram selecionados para esta segunda avaliação 25
do sub-15 e 26 jogadores do sub-17. Os atletas que não foram selecionados na primeira etapa poderão participar novamente, bem como aqueles não estavam na avaliação anterior. Todas as informações e fichas de inscrição estão no site do clube: www.marciliodias. com.br. Nesta fase, já devem estar presentes os técnicos das duas categorias, que serão anunciados em breve pelo rubro-anil. 

Nesta quinta-feira recebi no programa Show de Bola, da Rádio Univali FM, o novo superintendente adjunto da Fundação Municipal de Esporte e Lazer (FMEL), Paulo Maes Júnior. Professor de educação física bastante conhecido em Itajaí, Maes falou sobre as novidades da FMEL nesta gestão que se inicia, destacando principalmente a valorização de projetos de base e também voltados ao social. O esporte de rendimento seguirá com um trabalho forte, mas o desejo é que as equipes sejam formadas por mais atletas locais. Neste primeiro momento, o foco está nas competições de verão e nos editais anuais da FMEL, como Bolsa Atleta e Lei de Incentivo ao Esporte. Paulo também frisou que a FMEL buscará parcerias com os clubes de futebol profissional da cidade (Barroso, Marcílio Dias e Atlético Itajaí), o que é muito salutar para todas as partes. Depois do belo trabalho deixado pela equipe anterior da fundação, gostei muito da primeira entrevista do secretario adjunto. Ele reconheceu tudo o que foi feito até aqui na pasta, mas mostrou também que tem muito conhecimento na área, com ideias articuladas e inovadoras para o desafio que aceitou do prefeito Volnei Morastoni.

Barroso sem assessoria
A menos de um mês do início da competição, o time de futebol do Almirante Barroso está momentaneamente sem assessoria de imprensa. Profissional que assumiu a assessoria na Série B, a jornalista Cristielle Pereira anunciou seu desligamento da equipe nesta quinta-feira, ficando responsável apenas pela comunicação do técnico Renê Marques e o do clube social do Barroso. Espero que o alviverde reponha com urgência e à altura a sua assessoria, pois é um momento crucial na projeção do time, que já está sendo destaque estadual. A imprensa de várias cidades tem buscado informações sobre o representante itajaiense na Série A, especialmente no que diz respeito ao estádio Camilo Mussi. A estrutura do estádio e a grama sintética foram recentemente alvo de criíticas do comunicador da capital Polidoro Júnior. Entre alguns pontos, ele chamou de “várzea” as marcações em amarelo no campo do Camilo Mussi, usadas por escolinhas e para locação da quadra. Polidoro se baseou em fotos para tecer seus comentários.

Amistoso marcado
O Inter de Lages anunciou um amistoso contra o Barroso para o próximo dia 12, às 16h, no estádio Camilo Mussi. Embora o Almirante não tenha oficializado ainda o jogo, deve ser o primeiro teste da equipe alviverde na preparação para a Série A. Uma coisa é certa: o Barroso está voando fisicamente. Acompanhei alguns testes esta semana, e os atletas estão em estágio de meio de temporada. O colorado será o segundo adversário do Barroso no Campeonato Catarinense, mas o duelo acontecerá em Lages. 

O Barroso segue sem anunciar seus novos contratados para a disputa do Catarinense da Série A, mas aos poucos vamos descobrindo quem são as caras novas. Especulado desde o final do ano passado, o atacante Schwenck chegou ao Barroso nesta segunda-feira. O atleta ainda irá assinar o contrato com o clube, mas já treinou no Camilo Mussi. O jogador já disputou dois estaduais pelo Marcílio Dias e é – até agora – o principal reforço para o ataque alviverde em 2017. O setor apresentou algumas dificuldades na Série B de 2016, principalmente na finalização, especialidade de Schwenck, que também já vestiu as camisas de Figueirense, Criciúma, Joinville e Inter de Lages em Santa Catarina. Como já conhece bem a cidade, o “rei da grande área” deixou o futebol carioca para voltar a jogar em Itajaí. Outro nome para a linha de frente é Thales, atacante que em 2016 passou pelo PSTC e o Maringá, ambos no futebol paranaense. Ele estava treinando no Camilo Mussi na última semana, conforme apurou Cacá Oliveira, da rádio Univali FM.

Rony no Naviraiense
O técnico Rony Aguilar, campeão da Série C catarinense pelo Atlético Itajaí, será o técnico do Naviraiense. Aguilar já foi anunciado pela equipe do Mato Grosso do Sul, que no ano passado teve como treinador Renê Marques. Como técnico, Rony também tem passagem vitoriosa pelo Camboriú, onde conquistou o acesso para a Série A em 2015. Ele treinou o Camboriú também no estadual de 2016.

Novo Centro Esportivo
Na última quarta-feira a comunidade da Itaipava recebeu da secretaria Municipal de Obras o novo Centro Esportivo do bairro. O centro conta com um campo de futebol em grama esmeralda, com medidas oficiais, vestiários equipados com chuveiro e sanitários. Além da iluminação que possibilita a prática esportiva à noite. Nomeado Hélio Wippel, o centro está localizado na rodovia Antônio Heil, esquina com a rua Alexandre Moser. O espaço será utilizado pela comunidade da Itaipava e servirá também de casa para o mando de campo dos jogos do Cruzeiro Esporte Clube nos campeonatos amadores. Mais uma ação do agora ex-secretário Tarcízio Zanelato, que nunca escondeu sua proximidade com o esporte e o futebol. O campo na Itaipava também pode se tornar uma boa opção para treinamentos para as equipes de futebol profissional da cidade, como Marcílio Dias e Atlético Itajaí. Além disso, no local há espaço para a construção de um estádio no futuro.