Cansei – O matagal da foto vem crescendo desde que o governo FO/CH assumiu. Fica em frente a escola Giovania de Almeida, no Estaleirinho. Esperei cinco meses para fotografar e sempre relevando… “Ah estamos assumindo agora. Dê tem ao tempo.” Dei, mas agora cansei. Detalhe é que crianças circulam diariamente no local

O matagal da foto vem crescendo desde que o governo FO/CH assumiu. Fica em frente a escola Giovania de Almeida, no Estaleirinho. Esperei cinco meses para fotografar e sempre relevando… “Ah estamos assumindo agora. Dê tem ao tempo.” Dei, mas agora cansei. Detalhe é que crianças circulam diariamente no local

Reestruturação…
… administrativa. É assim que o governo define o trabalho de reforma administrativa que vem realizando desde o início do ano. Uma comissão liderada pelo presidente da Compur, João Luis Demantova, vem desenvolvendo estudos que iniciaram pelo diagnóstico, passando pelo prognóstico e, por fim, a validação das propostas.

Mais horizontal
Demantova revela que a proposta de reestruturação será matricial, ou seja, um modelo onde as secretarias “conversam” sobre os projetos e ações governamentais. A forma hierarquizada e fechada que rege as secretarias será definitivamente descartada. A lógica dos estudos vai em busca de uma administração “eficiente, coerente e prática”, conforme frisou o presidente da Compur.

Dificuldades
O presidente da Compur falou das dificuldades encontradas durante o processo de diagnóstico. O problema era a bagunça. A lei original de 1991 foi toda remendada e sem qualquer critério. Por isso a proposta visa começar tudo do zero, com a revogação de todas as leis que envolvam criação de cargos e contratações de funcionários. O trabalho tem o objetivo de se formular um projeto eficiente que sirva como base para pelo menos os próximos 15 anos.

Sobre a Compur
Resume-se a uma frase do atual presidente que encara como um desafio: “A Compur sofreu muito desgaste popular com os desvios. É difícil recuperar sua imagem e dar credibilidade a Compur”.

Tem prazo
Segundo Demantova, o prefeito FO trata o assunto como prioritário. Por isso, tem prazo estabelecido para o projeto de lei seguir para a Câmara: julho. Em processo de validação das propostas, o trabalho da comissão pretende envolver técnicos da UDESC para ajudar no texto final da reestruturação administrativa da prefeitura de BC.

Incrível
Por mais que o prefeitão queira, seus colaboradores sempre que concedem entrevistas falam da “herança maldita” deixada pelo governo ERD. Demantova não teve como esconder a bagunça generalizada no setor de pessoal, assim como o responsável pelo CPD da prefeitura revelou o “ninho de rato” do setor de TI e o presidente da Emasa, Carlos Haacke, revelou sobre o embargo da Fatma ao Canal do Marambaia desde os tempos que ERD “entubou” parte do canal no peitaço.

Comunicadores
Encerra hoje o prazo de inscrição para profissionais da comunicação se inscreverem para participar da comissão de licitação da agência de publicidade da prefa. A última agência a prestar serviço para a prefa ficou cinco anos lá dentro, uma eternidade. A verba destinada à comunicação será de 3 milhões de reais.

Silêncio
A Operação 30 graus, deflagrada semana passada, envolvendo vereadores de BC parece ter passado batida pela casa legislativa. Estão todos quietos, até mesmo os calouros. O único que se manifestou foi um dos acusados, Asinil Medeiros, que, branco feito uma cera, tentou articular um discurso sem qualquer nexo. Ainda soube que Asinil teria sido motivo de uma reunião da família Medeiros para suas devidas explicações a respeito da acusação.

Ushhh
Matutei e matutei que loteamento (condomínio, sei lá) no Estaleiro estaria na pauta da 30 graus. Depois caiu a ficha. É de uma família sem poder aquisitivo, mas que tem uma grande área lá na praia. Isso desde as antigas. E digo mais, acho que não teria grana para pagar qualquer propina ou mesmo bancar um especialista em meio ambiente. Ou seja, o “grande negócio” ainda é um mistério.

Tecnicista
Ao Edson Kratz perguntei se o governo voltará com a taxa de contribuição de melhoria. Kratz respondeu que ele gostaria, mas que o governo não deverá retomar a cobrança. O secretário acha justa a contribuição, porque valoriza os terrenos e casas. Classe média nas praias agrestes logo será expulsa, de acordo com este raciocínio imobiliário. O IPTU dos terrenos entre a praia e Interpraias é mais caro do que apartamentos de milhões de frente pro mar. Isso num bairro sem água, esgoto, calçamento.

Não é assim…
O vereador Nilson Probst, secretário de Segurança quando foi criada a GM, disse em matéria publicada no DIARINHO que ‘não é assim que se faz’ para a intervenção do Bairro do Mumu, mais precisamente na Corupá. Gostaria de saber como faz então. Enquanto foi secretário não lembro de nada de extraordinário no combate ao tráfico. Deve ser por causa de meus abatidos neurônios.

Preconceito
Não satisfeito com o ‘não é assim que se faz’, Probst destilou preconceito ao condenar o jeito de se vestir do atual secretário de Segurança, Gabriel Castanheira. Certamente ele desconhece o ditado popular ‘o hábito não faz o monge’. Posso traduzir: não se deve julgar as pessoas somente pela aparência.

A resposta
Semana passada escrevi que só a GM pode avaliar se o secretário de Segurança está fazendo um bom trabalho. Um dos guardas da corporação leu e respondeu: “A figura dele ali como líder faz a diferença. A boa liderança supera muitas vezes a falta de estrutura. Ele está bem positivo”. É claro que o vereador Nilson Probst dirá que é opinião de um pau mandado como ele desqualificou a nota em defesa do secretário assinada pelo sindicato estadual – cujo dirigente é da GM local – e divulgada no último final de semana. Mas, entretanto, segundo o GM, este é o sentimento de pelo menos 75% da corporação.

Desvio de função
Falando em segurança, você sabia que a atuação dos agentes de trânsito nas duas rótulas das marginais configura-se desvio de função por conta da jurisprudência federal destas vias? Pois é, fiquei sabendo há pouco. Parece piada.

Cuma?
O orçamento com pessoal para 2017 é de R$ 361.700 e poucos “milhões”. Um poquito mais do que a metade do orçamento anual da prefa. É muita grana, uma média mensal de de 27 milhões gastos com pessoal. Normal se considerarmos que o orçamento foi feito pelo ex-governo com aquilo lá inchadaço. Mas o atual governo gastar isso tudo? Uma incoerência de discurso. Mas é começo do ano. Bom aguardar até o fim do ano para conferir o “tota”, como diria Harold Schultz.

Chama a puliça
Capa do DIARINHO de hoje tá fervendo.

 

Vai demorar – Membros da Associação dos Moradores do Estaleiro estiveram com o secretário do Planejamento, Edson Kratz, e o chefão da Emasa, Carlos Haake, e saíram meio desanimados. Pouco provável que água, esgoto e pavimentação de ruas aconteçam este ano. O cenário tem que estar super favorável para que a comunidade possa comemorar alguma inauguração. E dizer que a placa anunciava a inauguração da água e do esgoto para 2015. Povo sofre, mas paga

Visite BC e região – Esse buso chiquetoso está na estrada desde domingo com representantes de 20 empresas, das 52 envolvidas com material de divulgação. O roteiro do Visite BC e Região prevê quatro cidades de São Paulo e mais três de Minas Gerais

Mais treta
Um festerê alusivo ao dia do Trabalhador, no bairro Nova Esperança, causou muita treta. A festa foi devidamente melada pela PM por não ter obedecido o trâmite legal. Alvará, só da prefeitura. A PM deu aquela batida básica e causou o maior berreiro.

Indignados
Os vereadores Gelson Rodrigues e Marcelo Achutti gravaram um vídeo indignadoa por causa da atuação da PM. Achutti chegou a se exaltar afirmando que a PM deve explicações. Já o comandante Evaldo Hoffmann se defendeu afirmando que a festa estava irregular e que a não intervenção da PM seria negligência.

Política
Agora tudo que a PM faça e que não seja do agrado político acham um motivo: o suposto desagrado de Hoffmann com o estilo do secretário de Segurança do município Gabriel Castanheira.

Tá difícil
Achutti alega que defendeu o governo no episódio e não admite que subalternos o critiquem pelo seu posicionamento. Ainda mais sendo o CC de médio escalão Laurindo Ramos, para Achutti, o responsável pela cagada de não buscar as outras assinaturas necessárias para o cumprimento do TAC. O vereador diz que isso acontece porque falta comando ao prefeito FO. Ele avisa que não vai conviver com este tipo de coisa por muito tempo…

Choradeira
Em duas horas na rua encontrei três barnabés decepcionados com as novas ideias. Uma choradeira, desde críticas a CC incompetentes e malandros fazendo serviço de efetivo até o corte do leitinho dos funcionários da secretaria de Obras.

Não pode
Repercuti a choradeira com um CC de alto escalão e ele afirmou que a questão do leite não tem base legal e foi cortado mesmo. Não haverá mais licitação. Acho engraçado que o leitinho vinha de anos assim. E fica tudo como antes no quartel de Abrantes. Sem responsabilidades.

Fotinho mostra o ex-secretário de Segurança e ex-presidente da Câmara, Nilson Probst, todo sorrisos, ao lado do comandante da PM, Evaldo Hoffmann, que não esconde as saudades que sente da GM do governo anterior

Fritura I
O comandante da PM de BC, Evaldo Hoffmann, não esconde de ninguém seu desgosto com o secretário de Segurança Gabriel Castanheira. Nos grupos de WhatsApp que participa com bastante assiduidade, Hoffmann é direto. No rumoroso episódio da perseguição de guarnições da GM a um motoqueiro que acabou em território da vizinha cidade de Camboriú, Evaldo não deixou quieto afirmando que “eles brincam de polícia”.

Fritura II
Evaldo tem saudades do modelo da GM do governo anterior. A atual gestão enquanto “brinca de polícia”, a PM tem que prender ladrãozinho agindo na passarela. Se for levar ao pé da letra, tenho que concordar com o PM. Na gestão anterior da GM, durante um período fui incomodado por perturbação nas madrugadas dos finais de semana, graças a um bailinho funk ao lado de casa. Sempre que chamei o 190, ão apareceu. A GM, mesmo no fim do baile, até que chegava.

Fritura III
Este posicionamento do comandante pode ser uma campanha de “fritura” ao secretário de Segurança de BC, uma figura até hoje não digerida pelo seu aspecto estético e pelo comportamento de policial de rua que vem incomodando alguns oficiais da PM. Outra hipótese é a resistência de oficiais da PM com relação a GM, enquanto instituição.

Patrimônio público
Castanheira justificou a ação polêmica afirmando que o maior patrimônio público de uma cidade são seus moradores e continuará priorizando a segurança das pessoas. Podem espernear. Ponto final.

Chama o Batman
Fiz um texto sobre a “ilegalidade” cometida pela GM com o título: A bandidagem dá risada dos teóricos a respeito do episódio. Repercuti no Facebook e a mais genial reação foi de um GM que comentou: “Os teóricos que chamem o Batman”. Aliás, seria interessante perguntar aos policiais da GM se eles estão, ou não, aprovando o estilo adotado pelo secretário de Segurança. Afinal, se eles tivessem parado a perseguição no Peroba, não seria insubordinação, certo?

Mais fritura
Essa eu já comentei aqui em ocasiões passadas. Edson Kratz, o super-secretário do prefeito FO, continua sofrendo com o fogo amigo. Agora estão querendo desqualificar o cara. Seja lá quem esteja plantando cizânia, uma coisa é certa: estão atirando no alvo errado.

Nas ruas
Continuo a observar que o governo FOão está nas ruas. O aspecto da cidade continua o mesmo do governo passado, mesmo com a cidade sendo lavada com cheirinho de lavanda. Lembro de ter visto matéria que a prefa iria atacar as publicidades irregulares em espaço público, mas nem isso foi consumado.

E os secretários?
Eles não andam pelas ruas? Não observam o que nós, mortais, observamos? Cadê o sentimento de indignação tão aflorado quando não estavam no poder? Vamos lá, rapazes. Tem placa quebrada, canteiro estrebuchado, faixa de segurança em saída de rótula (nem vou falar do mato, ihhh.. falei). Coisas tão simples de se fazer …

A arte de Maurício Loureiro na Praça – Começou no sábado passado e tem previsão de terminar no próximo sábado o mural do artista plástico Maurício Loureiro numa das paredes da Praça da Bíblia (da Cultura). A obra está tomando forma, tudo no pincel. Para ficar perfeito, só falta tirar aqueles outdoors, verdadeiros poluidores visuais

Esgoto I
Conversando com especialista em esgoto, ele foi taxativo ao afirmar que a região dos bairros do Município, Iate Clube e Vila Real são equipadas com rede de esgoto, mas a grande maioria dos imóveis não está ligada à rede. Resultado: as residências transformam as gamboas (braços do Camboriú) em verdadeiros esgotos in natura.

Esgoto II
As caixas de esgoto estão nas calçadas, mas observa-se que são “peças de decoração”. Perguntei ao especialista por que o Estado não intervém e ele respondeu que o Estado não pode acessar à propriedade do cidadão.

E a solução?
A solução é atacar a rede pluvial. Como? A Emasa teria que filmar a tubulação, quadra por quadra, e identificar as saídas estranhas à rede cuja função é receber a água da chuva. Devidamente identificado, pode lacrar uma a uma. Isso vale também para a bacia do Marambaia que atinge boa parte do bairro das Nações.

Marambaia
Falando no Marambaia, um grupo de moradores vizinhos ao canal vem se reunindo para discutir a busca de uma solução ao foco de poluição. Já escrevi uma vez e não custa repetir. Fosse num país civilizado, aquele trecho do Marambaia próximo a rua Osmar Nunes seria um cartão postal. Pois bem. Na semana passada o prefeito FO recebeu o grupo para uma reunião. Quem sabe coisas boas sejam realizadas a partir deste diálogo entre o poder público e a população.

Desafio
Para resolver a situação do esgoto, somente uma ação radical como esta que vem sendo feita na cidade de Curitiba. O desafio está colocado, Emasa. Se não encarar o desafio continuaremos no faz de conta.

Ufa!!
Há pouco mais de um ano e meio, a rede Koch de supermercados vem tentando abrir sua primeira loja em BC, onde era a agência da Caixa, na avenida Brasil. Vem pagando aluguel do imóvel e durante todo esse tempo o governo ERD enrolou os proprietários, mais parecendo porta voz de uma reserva de mercado branca. Outros estabelecimentos abriram, mas o “estranho” Koch, não. Mas agora vai! Os caras estão trabalhando dia e noite para poder inaugurar a nova loja.

Ao vivo I
Robertinho Souza, presidente do Legislativo, me encheu o saco, porque não comentei a transmissão ao vivo das reuniões das comissões. Dei a desculpa que não pego o sinal da TV Câmara, até que estava dia desses na Câmara e estava iniciando umas das reuniões.

Ao vivo II
Achei genial a ideia, até porque as comissões tinham fama de não se reunirem. O relator relatava e os outros dois membros assinavam. Agora não mais. Não gostei muito do formato, porque achei muito produzido (deveriam proibir os vereadores de olharem para as câmeras). Mas a ideia foi muito boa. Conta a lenda que teve vereador que desistiu de participar de comissão porque não é muito chegado ao trabalho, ops, às câmeras. Deve ser lenda mesmo. Não acredito nisso… hehehe.

Destaque
A vereadora Juliethe Nitz vem se destacando nestes primeiros meses de legislatura. É a tal coisa: Juliethe cercou-se da ex-vereadora Remi Osório e do advogado Marcelo “Mala” Machado e boas ideias estão sendo propostas. Se control C control V.

Maldade
Foi só o ex-prefeito ERD tomar posse da SDR para a maldade destilar veneno: seus primeiros decretos seriam romper com a Amfri e Fecam.

Quem sou Eu, a biografia de Klaus Fischer. Está programada para a próxima terça-feira, às 17h, na Câmara de Vereadores de BC, sessão solene para conceder o título de cidadão honorário a Klaus Fischer que, na sequência, lança sua biografia. Participei diretamente na produção do livro, junto com o veio Klaus, e aproveito para convidar a todos que se interessam pela história da cidade. O livro eu banco… hehehe.

A expectativa
Lembro logo após a eleição da chapa FO/CH todo o entusiasmo de transformar a cidade. Muitas ideias colocadas na mesa e penduradas nas paredes. Pintava-se o cenário ideal para poder começar a transformar a cidade, tipo enxergar além do muro, como eu muito ouvia. Era o clima de novas ideias como sugeria o slogan de campanha.

A realidade I
Passada a posse, a tão falada transição e a enxurrada de decretos de nomeação, os membros do governo caíram na real. Sentiram na pele que o cenário ideal não existia na prática. O governo em retirada deixou um legado bem desagradável, repleto de armadilhas capazes de engessar qualquer boa intenção.

A realidade II
Passados os 100 dias e a expectativa criada não se confirmou. O governo, ao invés de acelerar tudo que vislumbrou, foi obrigado a arrumar a casa esculhambada e correr atrás de demandas imediatas como se fosse um bombeiro. Um governo bombeiro que nestes primeiros meses muito atuou em resposta a denúncias da população.

A realidade IV
Lembro bem quando FO chamou a imprensa – acho que foi no início de fevereiro – para um balanço do primeiro mês. Na oportunidade falou-se dos 100 dias, também, em especial a reforma administrativa que acabou não se consolidando neste período (e já nem sei mais se acontecerá). Na oportunidade, FO foi aplaudido por parcelas dos jornalistas presentes, algo impensável na convivência democrática entre um governo constituído e representantes da imprensa.

Sem presença…
… nas ruas. Este foi meu argumento ao vice prefeito CH em conversa na semana passada. Ele tentou minimizar minha constatação apontando algumas realizações do novo governo. Concordei com ele, mas contestei a não presença do poder público nas ruas. Os canteiros continuam abandonados, largados e sem plantinhas; o mato continua a grassar pelas ruas da cidade; aquelas flâmulas ridículas que infestam as calçadas continuam tremulando (imagina se cada comerciante inventar de colocar um na frente de sua loja), enfim uma realidade criticada no governo anterior e que continua da mesma forma.

Apesar de tudo…
… o crédito ao governo continua firme e forte. Os jornalistas, oposicionistas e viúvas de plantão pintam um cenário desastroso, mas parece que o governo FO/CH continua com sua popularidade em alta, bem avaliado. Estão prestigiados FO e CH.

Bocha
Vi uma crítica de Marcelo Brigadeiro sobre os 15 mil destinados à modalidade da bocha. Procurei saber o que está rolando e me foi confirmado que a bocha receberá 22 mil neste ano contra os 52 do ano passado. É bocha de competição, como foi informado, e não os “bocheros” de praia.

Perda
O tênis catarinense perdeu Edson “Fuba” Heusi. Convivi com Edson nos velhos tempos, quando Blumenau e Itajaí rivalizavam no tênis. Figura querida de todos, sempre de bom humor. Fuba fará muita falta.

Enfrentamento – O Teatro Municipal amanheceu com nova pichação na segunda-feira. E pela mensagem, foi um recado de muito mau gosto. Não sei se é criança desmiolada ou adulto imbecil que faz esse tipo de coisa. Desprezível.

Repercussão
Com relação a foto publicada semana passada mostrando o carro multado logo após a pintura da faixa de proibido estacionar, pintada com ele estacionado e tudo, o prefeito FO teria ido ao local e decidido voltar atrás. Fica proibido estacionar ali somente veículos pesados.

Réplica I
Sobre as críticas ao esporte, recebi as seguintes informações: Bilo Wetter não fez prova; faixa roxa pode vencer um faixa preta na seletiva e no basquete, bem, no basquete, a coisa não está boa.

Réplica II
Envolvi também a secretaria de Educação nas críticas afirmando que não há diálogo com a fundação de esportes. Foi alegado que há diálogo sim. Só que para o esporte ocupar os ginásios das escolas só após o horário letivo, ou seja, a partir das 17 horas.

Contra turno
A secretaria de Educação comemora o incremento de 40% com relação ao ano passado do Projeto Oficinas. São 39 professores, 28 oficinas e 3400 alunos matriculados. Isto quer dizer que a secretaria está com o a faca e o queijo na mão para a educação integral ser oficializada em breve em pelo menos seis escolas da rede pública.

Falta de decoro
O secretário de Planejamento, Edson Kratz, teria sido xingado pelo vereador Asinil Medeiros em reunião com toda a base de sustentação do governo na Câmara, deixando os presentes boquiabertos.

Escárnio
Um dos assuntos em pauta foi aquele escândalo representado por apartamentos populares aos funcionários públicos. Para quem não sabe, a Câmara aprovou, no apagar das luzes, o projeto para que o Planejamento decida. Em miúdos: o projeto envolvendo o sindicato e um particular (dono do terreno) fede. É direcionado aos funcionários públicos em situação vulnerável. Ou seja, que a renda familiar seja de no máximo 1600 reais. Se bobear nenhum funcionário poderá ser habilitado para ter seu apartamento. Detalhe: se não vender os apartamentos ficam alienados ao dono do terreno que faz o que bem entender com as unidades não comercializadas. Socorro!!

Coincidência…
… ou não, o mesmo Medeirinhos chamou o presidente do Sindicato para discutir o assunto na Câmara na sessão de ontem. Outro detalhe: se depender de Kratz o projeto não sai do papel. Porraxx, Kratz, assim continuarás sendo xingado homi!!

Aliás…
… Edson Kratz está sendo fritado no alto da Dinamarca. Espero que o prefeito FO banque seu secretário diante de tanta mediocridade que se movimenta nas sombras.

Marchiori no gabinete
Não durou muito Fernando Marchiori na secretaria de Compras. Braço direito do prefeito FO, Gaúcho, como é conhecido, foi chamado para ficar mais perto, ocupando o cargo do TPC. Será uma atuação política, coisa que está precisando. No seu lugar assume Edson Linhares Cruz, uma indicação técnica, bem longe da política.

Sobre Piruka
Sim, é verdade. O funcionário do vereador Leonardo Piruka voltou atrás. Foi retirar a denúncia acompanhado do pai do vereador, o advogado Álvaro Machado, sem qualquer publicidade. Na mesma hora recebi ligação da Câmara avisando que eles estavam lá. Trata-se de uma situação bem nebulosa. O funcionário alega que foi motivado pela raiva. O vereador comenta nas redes sociais que mais coisas estão por vir, mas não fala o quê. Faz mistério. Enquanto isso a Comissão de ética da Câmara dá continuidade a denúncia. O MP parece que também. Tem gravação do depoimento do funcionário e movimentação bancária. Se ele for chamado novamente e desmentir vai complicar pro seu lado. Estranho, muito estranho tudo isso.

TI vulnerável
Conversei com o Márcio Castellain, responsável pelo TI da prefa, e ele foi incisivo com relação ao seu setor: “Parecia a casa da mãe joana”. Equipamentos obsoletos tiveram vida longa no reinado do prefeito ERD. Nada de investimento. E o pior: sistema totalmente vulnerável, sem qualquer política de segurança, sem qualquer gestão. Um parque de diversões para hackers de todos os níveis. Altos investimentos e muito trabalho pela frente pra dar jeito nessa bagaça.

Parece piada, mas não é – Os iluminados da prefa decidiram proibir o estacionamento em um dos lados da rua 2900, entre a Brasil e Atlântica. Sem avisar nada pintaram a faixa amarela com um carro estacionado, como mostra a foto. E, pior, pintaram de manhã e à tarde canetearam o carro. Eleitor de FO e CH, imagina se o cara não ficou muuuito p…

Pois é
O Fumtran teve uma baixa logo na chegada do novo governo com a exoneração não desejada de Emerson Dias. Não sei quem assumiu, mas a coisa anda tão esculhambada quanto nos idos tempos do prefeito ERD. Continua a profusão de placas sem qualquer sentido ocupando nosso espaço público e, quando atuam, fazem desse jeito da 2900. A reação dos moradores e comerciantes foi péssima para a imagem do novo governo. Até abaixo-assinado está rolando.

Também o esporte
Outro setor que não vem agradando é o esporte. O “diálogo” entre o esporte e educação parece não progredir. Há escolinhas da mesma modalidade sendo tocadas pelo esporte e pela educação, o que gera confusão. Conversei com um cara bem próximo do esporte e ele afirma que estão é batendo cabeça. Há problemas no basquete, no judô (onde faixa roxa foi contratado em detrimento de faixa preta), a não contratação de Bilo Wetter, uma verdadeira lenda do surfe que vinha tocando a escolinha, isso sem contar com a perda irreparável do campeoníssimo handebol para Itajaí.

Boatos
Por tudo isso, o nome de David “La Barrica” Fernandes vem sendo “buxixado” para assumir a secretaria. Procurei David e ele reconheceu que há rumores, mas negou qualquer conversa como o prefeito FO.

Mesma m…
Aí conversei com um funcionário do Dona Ruth e perguntei: – Como está o Dona Ruth? Melhorou? Piorou? Ou tá a mesma merda? – A mesma merda, respondeu ele.

Maquiagem
Ele revelou que a ala nova (nova?) está descoberta porque todos os equipamentos novos, tipo camas, macas e afins foram destinados para a ala velha. Ah… ele anda preocupado com o prefeito FO. Segundo ele, o prefeito precisa dar uma resposta mais rápida às demandas da saúde. E os boatos sobre a privatização (ou seria terceirização?) seria retornar ao tempo do prefeito ERD que, segundo ele, não deixou nenhuma saudade.

Atitude
Christina Barichello continua demonstrando muito gás no comando da secretaria do Idoso. Ela faz o que o governo ainda não conseguiu. Dar visibilidade positiva através de ações palpáveis. Os velhinhos estão adorando tudo isso.

Xará presidente
Semana que vem acontece a convenção dos tucanos de BC. Será escolhido o novo diretório e a executiva hoje comandada por Júnior Pavan. O vereador Aldemar “Bola” Pereira tem 95% de chances de assumir a executiva. Bola pode ser trabalhado como opção dos tucanos para a próxima eleição. E será um nome forte se o governo FOão emplacar.

Recesso
Falando no xará parece que sua proposta de reduzir o recesso parlamentar de 56 para 37 dias vai dar samba. Oito vereadores já assinaram, o suficiente para colocar a discussão em plenário. Lembrando que em Itajaí os vereadores rejeitaram a proposta.

Cidade Limpa
A vereadora Juliethe Nitz protocolou projeto de lei criando o Disque Cidade Limpa com o objetivo de resolver a situação dos entulhos urbanos de BC. No governo anterior e no atual é comum ver de tudo nas calçadas: sofá, TV, armários, enfim, ficam lá em exposição indesejável por dias e dias. Falta só organizar até para punir os porcões. Com um disque tipo os disponíveis na área de segurança fica muito mais fácil organizar essa suruba de entulhos.

Sobre…
… a semana passada. O caminhão das fotos era da secretaria deObras e não da Emasa. O pau roncou lá na secretaria. Mijadaria… hehehe

Projeto de lei
Ligada na situação enfrentada pela população não servida pelo sistema de esgoto, a vereadora Juliethe Nitz apresentou projeto de lei regulamentando a prestação do serviço público. Para evitar a taxinha que não se sabe pra onde vai, a vereadora cria um calendário para os dois caminhões de esgoto da Emasa. O interessado irá programar o esgotamento com antecedência. Uma, duas, três vezes ao ano, sempre com antecedência e pagando uma taxa, aí sim oficial, com valor a ser definido. Serviços de emergência não serão permitidos.

Já vem tarde
A iniciativa chega com um grande atraso, afinal é bem provável que o governo FO/CH instale o sistema de água e esgoto de uma vez por todas. Sistema já “inaugurado” pelo governo ERD. Isso dizia a placa na Interpraias. Mas bem ao contrário, o que se sabe é que a tubulação foi largada a moda c… pelo ex-governo. Para que possa inaugurar de verdade o sistema, o governo FO/CH terá que abrir tudo de novo para encaixar direitinho os tubos.

Saiu
O ex-vereador e candidato a vice-prefeito Fábio Flôr não é mais presidente do PP. Ele teria entregue uma carta afastando-se da presidência. Leonardo Piruka é o novo presidente.

PP do Piruka
Mesmo estremecido pelas recentes denúncias, o vereador Leonardo Piruka deve tomar conta do PP. Seu colega de vereança, Marcelo Achutti, está só esperando a abertura da janela de transferências (parece futebol) para saltar fora. Piruka fica livre e solto até para tentar a presidência estadual do partido. Basta combinar com o capo Amin.

Debruçado
Quem está debruçado no parapeito da janela aguardando que ela se abra é o vereador Moacir Schmidt. Vai bater asa. Seu destino pode ser o PSD.

Ave virtual 1
Quem está na ativa virtual é o ex-prefeito ERD. Andou beliscando o prefeito FO em situações como a tempestade em copo de água do pediatra (a falta de) no pronto atendimento e o elevador da passarela Trato Feito quebrado por usuários presos lá dentro. Só fala o que lhe convém e sem muita substância.

O que diria…
… ERD sobre uma comissão de auditoria do patrimônio público que teria consumido cerca de um milhão de reais sem sequer um resultado? Pois é. Colaboradores do prefeito FO sabem e não tornam público. Muito bonzinhos. FO pretende contratar empresa privada para realizar esta auditoria.

Nem insista
Como mamãe já dizia: se a pessoa não quer ser ajudada, não adianta insistir. É perda de tempo.

Na quarta-feira
À pedido da chefia, a “calúnia” passa a ser publicada às quartas-feiras.

Com os dias contados – Quem mora nas regiões não servidas com sistema de esgoto em BC conhece bem como funciona para esgotar o esgoto (redundância?) de sua propriedade. Paga-se – bem – pelo serviço particular ou se submete a pagar uma taxinha de 100 contos para o serviço oficioso da Emasa. Sei por que moro em área sem serviço de esgoto e já recebi a sugestão de pagar o 100zinho. As fotos são deste ano, na Barra.

Piruka 1
Tenho acompanhado a atuação de Leonardo Piruka, vereador reeleito como o mais votado nas últimas eleições. Vem realizando uma oposição sistemática dentro do legislativo e, fora, através das redes sociais. Semana passada vi um pronunciamento dele na Câmara, onde diz sempre ter sido oposiçãoao ex-prefeito ERD. Como não sou – ainda – caduco, coloquei meus poucos neurônios para funcionar e tentei buscar sua tal atuação como oposição ao ex-prefeito ERD e não consegui. Na verdade sua atuação foi de situação e antes mesmo de ser eleito vereador, Piruka – puxando pela memória – foi cargo de confiança do primeiro governo de ERD.

Piruka 2
Na sexta-feira passada, seu ex-apoiador, Leandro Vieira Silva, cargo de confiança na Câmara de Vereadores como responsável da Câmara Mirim, chutou o balde denunciando oficialmente o vereador na Câmara e no MP. A reação de Piruka foi de que a denúncia tem motivação política porque está incomodando e, também, que é represália do autor porque já o havia denunciado por extorsão.

Piruka 3
Leandro teve o cuidado de registrar em cartório diálogos no WhattsApp com o vereador e um companheiro de trabalho de apelido “Gui” envolvendo o período de campanha eleitoral, quando tudo eram rosas até os primeiros dias de 2017 quando só sobraram os espinhos. Mas isto é problema deles.

Piruka 4
O que é problema nosso é que os diálogos são recheados de trocas de mensagens sobre cestas básicas durante a campanha eleitoral, além do “patrocínio” de cerveja para, pelo menos, um encontro com os eleitores cheios de sede e fome. Com o “Gui”, Leandro fala muito sobre o suposto pagamento de parte de seu salário para cumprir compromissos políticos de seu patrão na Câmara.

Piruka 5
Algo que sempre me incomodou foi a atuação do ônibus assistencialista do Instituto Piruka até mesmo durante a campanha eleitoral, mas como nem os adversários reclamaram… Eu sempre achei uma concorrência desigual com os demais candidatos. Nos diálogos fica evidente que a funcionária do Instituto seria paga com a parcela do salário do denunciante. Esse “pedágio” teria se prorrogado durante os quatro anos de mandato do vereador, conforme Leandro conversa com “Gui”.

Piruka 6
O fato é que os diálogos expõem duas situações. 1) eleitoral com as citações de cestas básicas e 2) moral por causa do repasse de salário que pode muito bem ser comprovado na movimentação das contas bancárias. O interessante disso tudo é que Leonardo Piruka foi relator da denúncia contra o ex-vereador Elton Garcia, cassado por “tomar” grana de seus funcionários.

Ahhh…
… tem um segundo funcionário do vereador que fica se insinuando. Mas para denunciar oficialmente quer alguma vantagem. Ixe!

Defecção tucana
E o ninho tucano continua em crise. Mais um peso pesado tá de malas prontas. Trata-se do ex-presidente Paulo Farias, candidato a vereador e, até então, fiel a Leonel Pavan. Está bem descontente com o líder e, tudo indica, vai mudar de asas. Seu destino oficial ou oficioso é o PSB.

Secretário de estado
Falando em tucano quem confirmou presença no Programa de terça-feira na Transamérica é o secretário de Cultura do Estado, Leonel Pavan. Se pensas que vamos falar de política, mofas com a pomba na balaia. O assunto é cultura. Às 10 da noite na 99.7, trans99fm.com.br. Até lá.

Frase
“Está incontrolável”, disse o prefeito Fabrício Oliveira sobre o mato nas ruas de BC. Continua achando que é uma situação controlável, afinal há ruas no centro da cidade que não recebem uma roçadeirazinha desde que o prefeito assumiu. Basta querer.

SACO CHEIO – A rótula do túnel da Terceira avenida é um teste de paciência para os motoristas. Não tem horário para aquilo lá estar completamente parado. Os condutores se arriscam a cruzar as marginais. Aquilo lá está defasado. Não serve mais, a não ser que se mantenham guardas de trânsito permanentemente. Desde que o prefeito FO assumiu, as coisas só pioraram. A presença de agentes de trânsito foi reduzida por economia. Obs: a placa de Pare, para anões, continua lá, firme e forte

Contenção
Até onde eu sei a redução de tempo dos agentes de trânsito nas ruas é por conta da contenção de despesas. Se pagava muita hora extra para os agentes. Ora essa, o interesse público não pode ficar refém de problemas administrativos da prefa. Se não pode pagar hora extra então que se arranque aquela rótula e busquem uma solução urgente.

Sabias?
Que o ex-governo cometeu lambança jurídica continuada ao colocar o cargo de analista de comunicação na listagem de contratação de ACTs no esporte para acomodar jornalistas amigos?

Sabias?
Que as licitações para a compra de pães e massinha para a petizada na rede pública eram vencidas por empresas de fora, tipo Jaraguá do Sul?

Sabias?
Que o ex-governo deixou no pincel com a empresa responsável pelo PA da Barra uma dívida de 600 mil reais?

Pois é…
… essas e outras informações estão lá dentro da prefeitura e não sei porque cargas d’água não são tornadas públicas.

Pra frente
Está parecendo um slogan famoso adaptado. Ao invés de andar é olhar… para frente. Discordo. Para se trabalhar o presente e planejar o futuro, deve-se esmerilhar o passado. Poder público tem o princípio da ampla e irrestrita publicidade do que acontece lá dentro. Ou não?

Desperdício…
… do dinheiro público é noticiar a lavação e o lacre de uma casa do governo do Estado na Alvin Bauer e mantê-la abandonada como está há anos. Não seria mais fácil a prefeitura requisitar o uso ao governador? Tem secretário do novo governo agoniado em alugar imóveis. Utiliza aquele, ora essa.

Sem CPI
O líder do governo na Câmara, Marcelo Achutti, deu uma trégua de 30 dias ao governo que representa para a abertura da CPI da morte do engenheiro da prefa. É que o governo está com uma comissão para investigar o rumoroso caso. O prazo é de seis meses, mas Achutti aguarda só 30 dias. Aliás, ontem perguntei ao vereador como foi a reunião do secretariado e ele, na lata, respondeu: “Não fui convidado”. É né, pois é.

Prazo do amor
Estão se aproximando os tais 100 dias. Não vejo, não ouço nada a respeito do que será anunciado nos 100 dias. Me garantem que estão trabalhando para anunciar ações de governo. Se for assim, estão guardadas a sete chaves. Se nada acontecer surge aquele grito de guerra das torcidas: o amor acabou!!

Na Transamérica
Hoje, às 10 da noite, na Transamérica, recebo os rapazes do Mercado Pirata, bar de rock que está bombando em BC. Mas ão é só bar, e sim um movimento cultural que surgiu na cidade. Na terça estarei com Osmar Nunes Filho que falará sobre o Marambaia e suas histórias, além de relembrar como foi oficializada a cultura do naturismo em BC.

Não convidem…
A responsável pela Comunicação da prefa, Renata Furlanetto, e o jornalista Waldemar Cezar Neto para sentar na mesma mesa. A jornalista sofre um fogo cruzado ferrenho e incansável do colega.

SACO CHEIO – A rótula do túnel da Terceira avenida é um teste de paciência para os motoristas. Não tem horário para aquilo lá estar completamente parado. Os condutores se arriscam a cruzar as marginais. Aquilo lá está defasado. Não serve mais, a não ser que se mantenham guardas de trânsito permanentemente. Desde que o prefeito FO assumiu, as coisas só pioraram. A presença de agentes de trânsito foi reduzida por economia. Obs: a placa de Pare, para anões, continua lá, firme e forte

Festival Lume de Cinema – Começa hoje no Teatro Bruno Nitz o Festival Internacional Lume de Cinema. Serão sete dias de projeções de curtas e longas metragens de diferentes nacionalidades. É a primeira vez que o Lume acontece em BC.

Para reflexão
O filme iraniano, O Apartamento, vencedor do prêmio do público na última edição do CineramaBC, foi eleito o melhor filme estrangeiro na cerimônia do Oscar.

Oportunista I
Ex-primeiro escalão do governo ERD está p… da vida com o vereador Leonardo Piruka que, segundo ele, faz uma política oportunista de oposição chamando para si a “autoria” de tudo que está sendo realizado pela atual governo. Se está fazendo isso, foi ele que indicou. Se está fazendo aquilo foi ele que requereu…

Oportunista II
Segundo o mesmo ex-primeiro escalão a prática do vereador não é nova. Na questão do estacionamento pago ele se vangloriou como autor do fim da cobrança, o que não é verdade. O ex-secretário credita o rompimento com a empresa ao Observatório de Imprensa que chamou a atenção do prefeito ERD sobre o não pagamento da empresa concessionária. O próprio prefeito teria determinado que o contrato fosse interrompido. O que Piruka fez, na realidade um escritório de advocacia fez, foi impedir que novas vagas pagas fossem criadas.

Oportunista III
Diante do exposto perguntei porque o governo não contrapôs o discurso de Piruka naquela época e ele respondeu na lata: “É que ele ainda era meio situação”. Tóim!!

Carnaval
Ouvi três opiniões a respeito do carnaval de BC. A primeira de um folião que sai todos os anos num dos blocos. Ele achou maravilhoso porque a avenida estava cheia ao contrário dos anos passados quando o espírito de carnaval de rua foi abafado pelos shows da Barra Norte. A segunda opinião foi de uma moradora da Barra Norte. Ela ficou feliz da vida porque acabou a muvuca dos shows e das passagens de som que irritavam o dia todo. A terceira foi de um turista que assistia o desfile dos blocos. Pela primeira vez na cidade aprovou tudo que viu. Portanto, é de pensar seriamente em investir nesta nova fórmula, inclusive incentivando os hotéis a envolver seus hóspedes na festança.

Sem sentido
A prefeitura noticiou a respeito da farra das comissões: “Muitas comissões existentes no município não tinham a devida finalidade que justificasse a sua existência”. “Em algumas situações, o número de participantes era desproporcional, tendo comissões com 20 membros”; “em muitas, o servidor nomeado já exercia essa função no seu cargo”. Enfim, que será tudo revisado. Mas faltou o essencial. Dar publicidade a dimensão do que ocorria no governo anterior em números. Ou seja quanto foi gasto dos cofres públicos para beneficiar servidores. Como diria o saudoso Evilásio Vieira, Lazinho, não era coisa de “mil, mas de ´milões´.

De peso
Após o assassinato do engenheiro da prefa Sérgio Silva a repercussão foi unicamente política. A prefa criou uma comissão de peso para investigar todas as m… apontadas por amostragem em relatório realizado no final do ano passado. É composta pelo procurador do município José Alberton, o secretário da Transparência, Victor Domingues, e o secretário do Planejamento, Edson Kratz (embora ache que Kratz deveria ficar de fora). A Câmara, ou parte dos vereadores, quer abrir uma CPI e apurar os fatos. De concreto até agora nada. Não se sabe quem matou o engenheiro e, enquanto a população não é informada, as especulações se expandem em forma de boato envolvendo até mesmo uma construtora da cidade.

Invasões
E continuam as invasões e ocupações irregulares na cidade. Enquanto não trancafiar um dos responsáveis por esta corretagem clandestina as equipes de fiscalização terão que fazer plantão todos os feriados e finais de semana.

O fato “político” que agitou o início da semana foi um áudio que viralizou no Whats. Na segunda à noite começou a correr a rede. Um famoso vereador de BC, ex-presidente da casa, discutindo com um rapaz por causa de um flato. Isso mesmo. O vereador havia “cometido” um sopro (no latim: flato) e o rapaz teria feito um escarcéu por causa do fedor. O vereador parecia muito brabo argumentando que escapou e que a sala era sua, como quem dissesse: “faço o que quero”.
Risadas
A reação na rede de whats foi cômica. Muita risada foi teclada e o inevitável apelido de peidão.
Baixa 1
O presidente da Câmara Robertinho Souza retornou de Brasília com muita dor de cabeça e sensações estranhas no corpo. A suspeita seria de febre amarela, mas foi confirmado que ele está com gripe A.
Baixa 2
O secretário de Planejamento Edson Kratz nem apareceu para trabalhar na segunda-feira. Direto no médico com deslocamento de retina. Motivo: estresse.
Insaciável
Postei algumas coisa no Face sobre mato na rua e ele próprio respondeu educadamente (coisa rara no poder público os caras responderem na rede social). Também mandou mensagem no whats sobre as dificuldades que vem encontrando para imprimir o ritmo desejado e logo em seguida uma mensagem convocando a equipe da obras e Emasa para uma reunião de emergência. Dia da reunião domingo.
O que acho
A dupla FO/CH vendeu a ideia de gestão para a população. Por enquanto não se vê produtos de gestão nas ruas. Até placa de Pare da altura de um anão está lá na rótula do túnel da Terceira avenida.
Falta cooperação
O secretariado de governo nada mais é do que uma equipe, portanto o trabalho deve ser em equipe. Nos bastidores ouço muitas reclamações deste ou aquele secretário que parece não querer trabalhar em cooperação. Uns por não serem pró ativos e outros, os piores, que só querem holofote para seus umbigos, tipo de gente que só atrapalha.
Efeito Alok
Conversei com algumas pessoas que se dirigiram até a Barra Sul para assistir o show do famoso DJ. Unanimidade: todos espantados com a quantidade de jovens com garrafas de vodca, bebendo no gargalo. Por coincidência falei com o plantonista do Dona Ruth na segunda-feira. Ele revelou que havia fila de ambulância descarregando borrachos em estado de over. E dá-lhe glicose nesta juventude destilada. Pedi a confirmação pelas vias oficiais. Estou no aguardo.
Showzaço
Vi imagens do ambiente do show – algumas aéreas. Imagens impressionantes para fazer inveja a muitas cidades por aí afora. Céu de brigadeiro, muitos barcos atracados e em circulação e aquela multidão em volta do trio elétrico. Faltou só logística para evitar a barbárie de alguns bárbaros.
Errei brabo
Semana passada grafei Castanharo ao invés de Castanhera. Que infelicidade a minha, pois um Casta não tem nada a ver com o outro. Sorry.
E aí pahhh!
Aí aquele empresário que ajudou ERD a se eleger adere a campanha eleitoral do FO, faz parte de grupo de apoio, palpita, não falta uma reunião, participa da festa de comemoração do eleito prefeito e aí…. pahhh… fez tudo isso por um motivo: cobrar uma precatória que dorme nas gavetas da prefa desde os tempos de Spernau.
Na Transa
Hoje, às 10 da noite, recebo o vice-prefeito CH na Transamérica. Ele é autor do mais lúcido comentário sobre o que aconteceu no sábado, após o show da Barra Sul. Vamos conversar sobre isso com trilha sonora regada a rock e blues. Ouve lá? “Ovo”. Então tá.

O polêmico Marcel Huss – O artista plástico responsável pelas primeiras obras de arte nas fachadas dos prédios de BC está de volta à cidade depois de 15 anos. Huss é meu convidado para uma entrevista cheia de veneno, hoje à noite, na Transamérica FM, às 22hs. O papo será sobre arte urbana tão em voga nos dias de hoje, graças ao neo prefeito de SP, João Dória

Recebo um release da prefa de BC informando sobre um desconto de 70% na taxa de ocupação da orla pelos milheiros. Pagou em dia o valor que seria de 9 mil reais, passa a ser de 2 mil e poucos reais. Pasmem, leitores e comerciantes de BC! Enquanto um proprietário de restaurante ou loja de frente para a Atlântica mergulha em taxas, impostos, alvará e aluguel, os milheiros comem filé mignon por dois mil reais no ano.
Inacreditável 2
Aluguel de 9 mil ao mês na Atlântica não existe, mas quem ocupa o espaço público na areaia da praia paga isso por ano, ops, com 70% desconto. Eu considero isso renúncia de receita, mas a tal discrepância está prevista em lei. Vou procurar saber mais sobre a lei coberta de imoralidade.
45 dias
Hoje completam 45 dias de novas ideias. Entre os agentes políticos, novas ideias é coisa de ficção. Ciumeira, intriga e fofoca são alguns ingredientes presentes no cotidiano da relação de poder. Pouco me lixando com os pobres de espírito, mas arrisco destacar algumas peças do novo governo.
Christina
A ex-vereadora Christina Barichello, que chegou a ser colaboradora do ex-governo, é o grande destaque nestes 45 dias. Mudou toda a lógica da secretaria dos velhinhos, lançando oficinas produtivas como a de inclusão digital. Fez uma limpa na vadiagem e parece estar há anos no comando da secretaria, tamanho o traqueho, mas, na verdade, está há apenas 45 dias.
Castanharo
O policial paranaense Gabriel Castanharo parece ser a grande estrela do novo governo. Quieto, na dele, quando está em público não se furta a tirar selfies com pessoas que o reconhecem. Tem um árduo trabalho pela frente, mas isso não parece ser problema. Acostumado com broncas, está focado no que ele chama de missão ao aceitar o convite para assumir a secretaria.
Gaúcho…
… só para os mais íntimos. Seu nome é Fernando Marchiori, o responsável pelo setor de compras. Chato ao extremo com a coisa pública, nestes 45 primeiros dias vem analisando contratos e achando muitas coisas erradas herdadas pelo governo ERD. É peça chave na política de contenção de despesas determinada pela dupla FO/CH.
Os demais
Calma, rapazes. Destaco três, mas não quer dizer que os demais são ruins. Claro que tive algumas – poucas – decepções, mas acredito no time do primeiro escalão pelo simples fato de que a grande maioria não está trabalhando para obter votos. Esta semana assumiu José Alberton na procuradoria. Mais um nome reconhecido na equipe da dupla dinâmica FO/CH. A cidade torce pelo time. A população já sofreu demais nestes últimos anos de retrocesso. Os urubus continuam atrás de carniça. É do seu caráter.
Mais do mesmo
E o prefeito FO foi a Brasília para tratar de alguns assuntos de interesse da cidade (prédio da secretaria de Saúde e pontes das duas marginais da BR) e levou a tiracolo quatro vereadores. Ouvi, não sei de quem, que no Brasil as pessoas estão devendo, as famílias estão devendo, o governo está devendo, mas para nós aqui tudo a mil maravilhas. Poderiam dar o exemplo. E outra: essas reuniões são as mais improdutivas. Se fecham na sala, tiram fotos com a autoridade da pasta que promete tudo de bom, mas quando saem da sala, as reivindicações vão para a gaveta. É uma prática republicana.
O que é aquilo?
Que “esculhambation” que está na Barra Sul em frente a passarela? Colocaram um piso novo na gestão ERD e não terminaram na gestão FO. Tá tudo jogado. Rua fechada virou estacionamento de carros. Vamos terminar, vamos? Como diria FHC, assim não dá, assim não pode.

Simples assim – Estava tomando um café na padaria do vascaíno, na Terceira avenida, e vejo um cara trepado na escada lavando uma placa de sinalização com sprayzinho e pano. Simples, não? Coisa que não se fazia há anos! Agora falta fazer uma limpa nas placas. BC está poluída de publicidade e de placas desnecessárias, como aquelas de tolerância de 15 minutos de estacionamento em frente da loja do tio do ex-prefeito.

Mais um vereador resolveu bater na ponta de faca. Depois de Moacir Schmidt propor a redução do número de vereadores para a próxima legislatura, agora Bola Pereira quer reduzir o recesso parlamentar de 56 para 37 dias. A proposta de Schmidt recebeu duas assinaturas de apoio. A de Arlindo e do próprio Bola. Os demais nem tchans. Vamos acompanhar o esforço do vereador tucano em busca de assinaturas de apoio para poder propor o projeto. Sei não…
Bancada da bíblia
Na estreia da nova legislatura, o vereador Asinil Medeiros passeava nos corredores tentando arregimentar seus colegas de fé para se criar uma espécie de bancada da bíblia. Nada contra, desde que não queiram impor seus valores religiosos, afinal, a sociedade convive com diferenças, com o contraditório. Se quer ovelhas, que fique no templo.
Rota de colisão
Flertado para ser o líder do governo FO/CH, o vereador pepista Marcelo Achutti não está nada satisfeito com a articulação política do prefeito. Na reunião das comissões ele sentiu-se isolado em detrimento as articulações do governo junto ao PSDB. Achutti vem denunciando coisas da Emasa (sempre na base da orientação, conforme ele diz). Ele quer saber detalhes do aditivo das obras do centro de eventos que Leonel Pavan assinou assim que assumiu, enfim, vem buscando independência, embora dizem que ele tem indicados no governo. Ele afirma que não e, se quiserem, que demitam os que dizem ser seus indicados.
Bastidores online
Está mais do que na cara que o vereador Leonardo Piruka posiciona-se como opositor ao governo FO/CH. Qualquer situação de risco ao governo lá está ele tirando uma casca política. Mas não só na esfera pública se manifesta. Nas bastidores online, também. O sub-procurador do município, Lucas Zenatti, enrolado numa ação eleitoral nos tempos da candidatura de Rubens Spernau, enviou recado via whatts para um assessor de Piruka: “Já que você convidou muita gente para curtir a página Deolhoembc deve saber quem postou matéria a meu respeito, inclusive patrocinando o post. Segue minha absolvição, abraço”. Ops!!
Novos tempos
O prefeito FO ficou 20 minutos fazendo um live no Facebook, colocando a cara para bater. Foi uma enxurrada de perguntas que, pelo tempo, não foram todas respondidas. Agora é pensar em responder a todas que ficaram no vácuo. Foi bem no improviso, sem produção alguma. Valeu, e muito, pela atitude. Enquanto o ex-prefeito se isolou (contava a lenda que se achava um mito), FO está em todas, dando de ombros as críticas da viuvada.
Velhos tempos 1
Incrível como tem pessoas em BC com padrinhos tão fortes. Até mesmo em cargos decorativos, onde o cara trabalha só quando há eventos. Quando não tem, não trabalhava, pelo menos na época de governo ERD. E agora no novo governo será o mesmo encosto?
Velhos tempos 2
Falando em encosto, ontem encontrei Altair Hoppe, mestre do Photoshop e que realiza eventos de fotografia na cidade e pelo país. Ele me falou da rasteira que recebeu da Fundação de Cultura, que cobrou a diária do teatro pelo seu evento e em cima da hora exigiu 10% de cada inscrito, além de querer saber detalhes sobre os inscritos. Fiquei boquiaberto.
Na Trans99
Na terça-feira comecei um novo projeto de falar sobre a cultura de BC com convidados na Transamérica POP. Estiveram lá os Coiotes do Deserto, João Pereira e Fabrício Oliveira, cantando e relembrando bons tempos de BC. Para hoje chamei Beto Moser, responsável pela programação do Didge e responsável pelo Projeto Garage Band que revela novos talentos do rock e do pop. Na terça, o convidado é Juan Carlos Amaya, uma lenda viva dos bons tempos da boate do Baturité. Procure no dial, 99.7. Ou baixe o aplicativo tunein radio. Também tem o site transfm99.com.br. Começa às 10 da noite.