Meu cabelo está caindo e agora?

14/05/2019 14:59

Tratamentos para a calvície

A alopecia pode ter várias causas, e para a androgenética há dois tratamentos consagrados, que são com minoxidil e finasterida, existem também outras formas de terapêutica, como com a mesoterapia capilar, e como última alternativa, há o transplante capilar, cujo preço varia a depender do grau da calvície e de outros fatores relacionados ao profissional que o executará.

mulher-com-o-cabelo-caindo
Créditos da imagem: https://tricosalus.com.br/

Na mesoterapia aplica-se substâncias no couro cabeludo, inclusive, o próprio minoxidil, o protocolo de tratamento geralmente demanda uma sessão mensal durante cerca de 6 meses, porém, isso varia de acordo com o paciente.

Alguns dermatologistas prescrevem aplicação de minoxidil duas vezes ao dia em todo o couro cabeludo, e um comprimido de finasterida 1mg todos os dias, com uso contínuo.

Os resultados não são imediatos, e podem ser notados geralmente com três a quatro meses de tratamento, pois o cabelo demora certo tempo para crescer.

Efeitos colaterais

Não é comum ter efeitos colaterais decorrentes do uso do minoxidil, porém, alguns sentem discreta irritação nos locais de aplicação do produto, se isso ocorrer suspenda a administração do medicamento e consulte um dermatologista para avaliar a possibilidade de voltar a utilizá-lo.

Com relação à finasterida, trata-se de um remédio bastante seguro, há décadas usado para tratar câncer de próstata. Na bula da medicação, consta que como reação adversa pode haver alteração em relação ao desempenho sexual masculino, mas que na maioria das vezes os homens que reportaram esse efeito eram ansiosos, e então há dúvida se esse ele é de fato gerado pelo medicamento. Independente dessa polêmica, se suspendida a medicação, cessam os efeitos colaterais.

Texto relacionado: descubra qual o melhor remédio para queda de cabelo feminino.

Usar chapéu faz cair cabelo?

Não, porém, alguns têm micose no couro cabeludo, e o boné serve como forma de transmissão dela. Isso ocorre mais frequentemente em crianças. Mas esses acessórios não têm associação com a alopecia de padrão genético.

Compartilhe: