Bateu a saudade

19/04/2019 16:24

(Ao saudoso e fenomenal Carlinhos Niehues, que tão cedo nos deixou)

A música é a melhor coisa inventada pela espécie humana. É um bálsamo para a alma. O mundo sem a magia da música seria bem menos interessante e a vida muito mais inóspita! (Émerson Ghislandi)

Não é piso, é subsolo

17/04/2019 19:37

 

A atividade intelectual neste país decididamente não é e nunca foi valorizada. O piso salarial de professores e jornalistas, por exemplo, não é piso, é subsolo. É preciso urgentemente modificar este quadro caótico no sentido de que se conceda uma existência digna a estes profissionais, imprescindíveis para a cidadania e desenvolvimento do pais. Professor é a profissão das profissões. Todos que se formaram em qualquer curso de qualquer faculdade, precisaram passar pelos conhecimentos transmitidos pelos professores. E ao jornalista cabe o papel não só de manter a sociedade informada, mas também o de fiscalizar os atos dos poderes constituídos da nação, denunciando desvios de conduta ou qualquer ato que atente contra a idoneidade necessária no gerenciamento do bem público. Sem educação e informação de qualidade nunca chegaremos a ser cidadãos em sua plenitude. E nunca teremos o país que merecemos.

A demonização de um só

08/04/2019 17:40

Acreditar nesse panfleto vergonhoso denominado jornaldacidadeonline, criado exclusivamente para propagar fake news sobre Lula e o PT, é coisa de subdesenvolvido político. Só no Brasil mesmo um veículo desse circula nas redes impunemente. Bom, aqui é por excelência a terra da impunidade.

Só prendem a quem incomoda o establishment e ao tio Sam. Este, por sinal, já tomou para si a Base de Alcântara, a Embraer, está roendo a Amazônia, e o mais importante, que é seu objetivo maior (por isso arquitetou e treinou juízes e membros do Ministério Público para que fosse criada a Lava-Jato, que acabou com a economia brasileira, descapitalizando e quebrando centenas de empresas que forneciam para a Petrobras, deixando centenas de milhares de desempregados), que é botar as mãos no pré-sal, uma das maiores reservas de petróleo de altíssima qualidade do planeta.

E isso tudo com a ajuda de crédulos incultos e manipulados pela mídia, por aqueles que se deixam levar pela superfície dos fatos. E a realidade brasileira vai ganhando contornos surrealistas quando nos damos conta de que a Lava-Jato, por intermédio de instâncias que a operação foi criando, transformou-se numa das maiores gestoras de um fundo bilionário. Só da Odebrecht estão sob sua guarda mais de R$ 6 bilhões decorrentes de acordos com a empreiteira.

Aliás, o que está sendo feito dos recursos oriundos da ex-maior empreiteira do país? Estão sob a gestão de quem? Quanto rende uma soma fabulosa como essa, mesmo aplicada em produtos do mercado mais conservadores? A Odebrecht quase quebrou, mas a Lava Jato, se uma empresa fosse, seria uma das mais poderosas do país. Quem tem o caixa disponível que ela tem?

Tem gente dos mais diversos partidos presa. Não é só do PT, demonizado em todas as instâncias e entre todos os públicos. Claro, não existe nenhum político apto a ser candidato à canonização. Todos, ou a maioria, têm pecados. Agora, tem que prender com base em provas irrefutáveis, como reza a Constituição. E não em indícios de crime ou em delação de desesperados para se livrar do cárcere.

O Iraque explodiu, tinha e tem muito petróleo. O Brasil está explodindo. Todo o resto é cortina de fumaça. Enquanto os índios aqui embaixo se matam, o imperialismo americano vai comendo pelas beiradas…E viva Bolsonaro, o entreguista-mor das riquezas do Brasil varonil.

Temos que aprender com a história

31/03/2019 16:52

 

Há exatos 55 anos o Brasil mergulhava num período de escuridão com o golpe que instaurou a famigerada ditadura militar no País. Perseguições, prisões, torturas, mortes, fechamento do Congresso Nacional, cerceamento das liberdades individuais e coletivas, censura à imprensa etc. O “Estado de Exceção” perduraria por longos 21 anos, certamente um dos períodos mais conturbados da história política brasileira.

Os militares literalmente sangraram o povo brasileiro, produzindo centenas de desaparecidos ou mortes em nome do regime. Esse foi o preço de não encontrarmos no Brasil, em sua história, uma tradição democrática que pudesse coibir a monstruosidade que é um regime militar, aonde generais, sem qualquer compromisso com a democracia e sem qualquer oposição institucional, eram perigosamente livres para estabelecer as regras de conduta a serem observadas pela sociedade.

O Brasil viveu das “verdades” dos porões, aonde em nome da manutenção de uma ditadura os militares utilizaram-se – lamentavelmente com grande intimidade e despudor – da tortura como forma de interrogatório. Os ideais democráticos foram totalmente vilipendiados pelos militares.

Porém, em que pesem as duras críticas ao regime ditatorial, ele contribuiu de certa forma para a concretude das mudanças inseridas no texto constitucional de 1988, fruto de uma deliberação com aberta participação popular sem precedentes no constitucionalismo nacional.

Chamo atenção para tal pelo fato de que no Brasil houve um longo e tenebroso processo de transição democrática, ou seja, de um regime autocrático, de natureza militar-empresarial, para um sistema de governo democrático. Esse foi o legado positivo dos anos de ditadura, a redemocratização sólida de uma Nação, em patamares jamais vistos.

Cabe agora a todos nós preservar esse legado conquistado com tanta obstinação e luta por todo o povo brasileiro. A história só se repete como farsa! Certamente não é o que o povo deseja, mas a instabilidade política levada aos extremos pode desaguar no imponderável.

Dura lex sed lex

13/02/2019 18:56

Legislação esdrúxula esta que ao invés de punir premia os togados que incorrem em crime. Justo estes, incumbidos de julgar os meros mortais e penalizá-los de acordo com a gravidade dos crimes cometidos, não têm a decência de se submeterem a julgamento.

O judiciário brasileiro se acha acima da lei. Mais um absurdo na extensa lista de benesses a que são agraciadas as autoridades dos três poderes da República. Vergonha! A civilização decididamente ainda está distante da terra Brasilis.

Pena máxima a magistrados que são flagrados em atividade criminosa: aposentadoria compulsória. Vão continuar a receber os polpudos salários às custas do erário público, sem trabalhar. Um verdadeiro escárnio para com o trabalhador, que labuta de sol a sol para sustentar a família, sem privilégio de qualquer ordem. Acorda Brasil!

A paranoia que se alastrou

Realmente a corrupção é endêmica no Brasil. Abrange e atinge a sociedade como um todo, independente de classe social. É mais danosa quando envolve aqueles que elegemos para nos representar, mas que na verdade representam sim interesses escusos e inconfessáveis. Por isso o descrédito na classe política e a desilusão do eleitor, que mostrou nesta eleição que quer mudanças.

Os escândalos de corrupção têm demonstrado que políticos de todos os partidos são venais. Só não concordo com o discurso de que o PT é o único responsável por tudo de ruim que vem ocorrendo no país. Um balanço da corrupção nos últimos 15 anos revela que em número de políticos flagrados em ilicitudes, o PT está posicionado em oitavo lugar.

Mas a propaganda midiática feita de forma massiva nos últimos anos, procurou demonizar e desqualificar apenas, ou preferencialmente, o PT – Partido dos Trabalhadores e a esquerda de modo geral, inculcando o medo da instauração de um regime comunista que levaria a nos tornarmos uma Venezuela. Pura lavagem cerebral.

O propalado comunismo nunca vingará no Brasil, e nem intenção existe por parte da esquerda em instalá-lo. Eu me posiciono à esquerda, mas não sou e nem pretendo ser comunista, um regime ultrapassado e que já mostrou ser ineficaz.

O que quero é que haja mais justiça, mais humanidade, menos desigualdade social e que todos possam viver com o mínimo de dignidade. Mas pensar assim parece ser pecado, e adepto do comunismo. Triste!

Futuro sangrento

21/01/2019 17:18

O grande problema da liberação de armas é que quando se tem um revólver nas mãos, tudo parece alvo. (EG)

Insensibilidade social marca primeiro ato do novo governo

11/01/2019 15:57

Bolsonaro já disse como pretende governar: penalizando o coitado do trabalhador. Acaba de assinar decreto diminuindo de R$ 1.006,00 para R$ 998,00 o salário mínimo proposto por Temer para 2019.

Penaliza o pobre, já tão aviltado economicamente. Durante seus oito anos de governo Lula praticamente duplicou o poder de compra do salário mínimo. Essa é a primeira decisão do ‘sensível’ governo Bolsonaro.

Já se vê que o foco não é de forma alguma o social, o povo, o sofrido e espoliado trabalhador, que aos poucos assiste o seu já minguado salário despencar.

Dia desses presenciei na fila de um supermercado uma cena a princípio insólita: uma senhora, catadora de lixo, discutia pelo troco de três centavos a menos. Num primeiro momento achei exagero, mas depois, pensando bem, ponderei: essa senhora tem que juntar um monte de latinhas para ganhar um real. Logo, para ela, cada centavo é dinheiro.

Essa mesma lógica deve ser aplicada a quem (sobre) vive do salário mínimo. Cada real a menos é sentido no bolso daqueles que pouco ganham. Para a maioria absoluta dos que aqui fazem seus comentários, oito reais não é nada. Mas tenha um minuto de empatia e se coloque no lugar de um trabalhador que recebe salário mínimo. Pois é!

Numa tarde chuvosa e demasiado nostálgica

21/12/2018 17:15
 
AO MEU PAI E MESTRE PROF. PEDRO GHISLANDI
 
Sei que desejavas, querido pai, que eu fosse grande, notável de alguma forma, culto, que tivesse lido toda a enciclopédia literária já escrita pelo gênero humano. Gostaria de tê-lo orgulhado ainda enquanto vivias, meu pai. Mas a vida do teu filho ainda é uma estrada aberta para o universo infinito do conhecimento. Busco acrescentar e multiplicar a cada dia tudo que aprendo e apreendo, produzir algo de bom para mim e aos que consigo alcançar com minhas parcas palavras.
 
E um dia, quem sabe, daí onde estás, possas abrir aquele teu reservado sorriso e dizer: – Nunca se baste meu filho, porque a vida nunca basta! A cada dia ela traz novos ensinamentos, experiências e emoções que modificam o teu olhar e as tuas atitudes diante do vasto mundo em que vives. Vá em frente sempre, não desperdices o teu exíguo tempo com fraquezas e lamentos vãos, pois a bom lugar não vão te levar.
 
– E filho, não esqueça nunca de olhar para os lados e dar as mãos àqueles que têm te acompanhado no tortuoso e extenuante caminho que vens trilhando. Àqueles que estiveram contigo nos dias bons e naqueles em que a tristeza turvou sombriamente tua alma.
 
– Demonstrarás, assim agindo, que és humano. E é de humanidade, acima de tudo, que o mundo necessita. Conhecimento é importante e necessário, mas pouco valor terá a sabedoria se ela não estiver impregnada do nobre sentimento chamado Humanidade. E tenhas a certeza, filho querido, que daqui onde estou, vou te aplaudir e me orgulhar de ti. E estarei confortado eternamente.
 
-Beijos e um abraço apertado meu filho amado! Até mais…
 
Beijos meu pai! E cuida bem da minha mãezinha, a amada dona Luiza, que aí contigo está, tua companheira de uma vida inteira. Amo vocês demais!!!
 
Saudades imensas, seu filho Émerson Ghislandi.

Quero ver Moro mandar o MPF investigar

11/12/2018 17:51

A suspeita é que Flávio Bolsonaro tenha cobrado um pedágio de seus funcionários na Assembleia Legislativa.

A explicação do presidente para vários depósitos, num total de R$ 24 mil, para a futura primeira-dama Michelle, é plausível: tratar-se-ia de pagamento de um empréstimo, que não foi declarado no Imposto de Renda. Até aí, nada grave.

É normal ajudar funcionários em dificuldade, e receber pagamentos parcelados, tudo de maneira informal. Não declarar no IR pode ser uma falha, nunca um crime. A coisa começa a pegar quando o presidente, e seu futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, consideram que, com a explicação, o caso sai de suas alçadas e vai para a do próprio Fabrício.

Nem mesmo do filho Flávio é cobrada qualquer explicação para a movimentação de dinheiro de seus funcionários na Assembleia Legislativa, onde atuava como deputado estadual.

É claro que, mesmo que tenha dado uma explicação para o caso de sua mulher, o comportamento dos filhos alcança o presidente, assim como as acusações contra Lulinha alcançam Lula, mesmo que as quantias conhecidas sejam consideravelmente menores.

À boca pequena sabe-se, sem que tenha sido investigado e comprovado ainda, que parlamentares de maneira geral, com raras exceções, e em todos os níveis de representação, costumam, e não é de hoje, cobrar um pedágio de seus funcionários.