Favoritos vencem na abertura da 46ª Semana internacional de Vela de Ilhabela

14/07/2019 18:43

Em dia de vento fraco, a 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela estreou com regata de percurso médio neste domingo (14).

Com vento fraco e uma regata de percurso mais curta, a estreia da 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela consagrou alguns dos favoritos na competição, neste domingo (14). A raia foi aberta com uma briga entre os dois últimos recordistas da competição, na classe ORC. O Pajero de Eduardo Souza Ramos levou a melhor sobre o Crioula de Renato Plass, com o atleta olímpico Samuel Albrecht na equipe.

“Conseguimos velejar bem neste domingo e tomamos decisões acertadas. Importante abrir com um resultado positivo”, disse André Fonseca, tático do Pajero.

Para driblar os ventos fracos, a prova de estreia foi “encurtada”, com 12 milhas náuticas para as classes ORC, IRC e C30, levando a uma disputa mais técnica. As demais categorias fizeram 8 milhas náuticas até o Farol dos Moleques.
O Montecristo foi o campeão da prova de abertura na classe IRC. “A gente estava esperando a Alcatrazes, mas a comissão escolheu fazer a prova no canal. Conseguimos andar bem mesmo nessas condições de vento fraco”, contou Wallace Attie, do Montecristo.

Já na classe C-30, uma das mais equilibradas, o vencedor foi o Caballo Loco, comandado por Mauro Dottori, também diretor do Yacht Club de Ilhabela.
Entre os RGS, vitória para o veleiro Rainha Empresta Capital, equipe de Leonardo JP. Vitória também para o Bacana IV (Christian Lundgren) na Bico de Proa, 854 Jacaré (Pedro Fukui) na Mini Transat e Pick Nick (Francisco Matos) na Multicascos.

Homenageado desta edição após a campanha impecável no ano passado, o Madrugada de Niels Rump foi o vencedor da regata entre os Clássicos. Já os HPE-25 disputaram a regata Renato Frankenthal, de 10 milhas náuticas. O vencedor, mais uma vez, foi o Ginga, de Breno Chvaicer.

“Foi uma regata difícil com vento fraco. A prova foi encurtada até a laje dos moleques. Agora vamos treinar para abrir a pontuação da Semana de Vela”, explicou Marcos Ashauer, do Takeashauer, terceiro colocado entre os HPE-25. A regata Renato Frankenthal não soma pontos para o campeonato. Para a classe, a competição começa para valer nesta terça-feira (16), dia de descanso para as demais categorias.

Inscrições abertas para Ilhabela em 15/4; Itajaí Sailing Team tem sido o primeiro

08/04/2019 11:01

As inscrições para a 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela abrem no dia 15 de abril por meio do site oficial do evento, o www.svilhabela.com.br.

As provas serão disputadas de 13 a 20 de julho de 2019.

Nos últimos três anos, o Itajaí Sailing Team foi o primeiro a se inscrever!

Os valores para as regatas de 2019 são os mesmos do ano passado e podem ser pagos em duas vezes, uma novidade nesta temporada.

As equipes que correm nas classes RGS, Bico de Proa e Clássicos terão desconto especial de 30% nesta edição. Os velejadores integrantes dos barcos das categorias ORC, IRC, HPE 30, HPE 30 e HPE 25, que não necessitam usar poitas ou a marina do Yacht Club de Ilhabela pagam R$ 100.

O valor por integrante com uso de poitas fica em R$ 200 e para os veleiros nas vagas do YCI será de R$ 320.

As equipes da RGS, Bico de Proa e Clássicos pagam por tripulantes os valores de R$ 70 (sem vagas em poitas e marina), R$ 140 (baga em poitas) e R$ 230 (vaga na marina).

”Aos velejadores das classes RGS, Clássicos e Bico de Proa estaremos dando uma atenção especial, com desconto de 30% na taxa de inscrição, além de raias exclusivas e mais regatas”, disse Mauro Dottori, organizador da 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela”.

”Isso sem esquecer as demais classes convidadas – IRC, ORC, C30, HPE25, nas quais são esperadas grandes disputas”.

O primeiro lote de inscrição vai de 15/04 a 10/06. A abertura das regatas começa com o tradicional Desfile das Embarcações, que ocorre no píer do centro de Ilhabela no domingo (14) antes da largada a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

 

 

 

 

Foto: Aline Bassi | Balaio

 

 

 

 

Data confirmada da Semana de Vela de Ilhabela

31/03/2019 12:28

Edição 2019 do maior evento náutico da América do Sul será de 13 a 20 de julho.

A organização da Semana Internacional de Vela de Ilhabela, formada pelo Yacht Club de Ilhabela (YCI) e Prefeitura de Ilhabela, confirmou a realização das regatas para o período de 13 a 20 de julho.

A principal competição da modalidade no Brasil chega à sua 46ª edição.

Nos últimos anos, o Itajaí Sailing Team participou da prova com seu Soto40.

Uma curiosidade: a equipe sempre a primeira a se inscrever.

A primeira prova será a tradicional Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil no domingo. A regata é a mais longa da competição e tem mais de 65 milhas náuticas.

No mesmo dia, só que para os barcos menores, saem no mesmo horário a Ilha de Toque-Toque por Boreste e a Renato Frankenthal.

As largadas e chegadas são em frente ao píer da Vila, onde a Prefeitura de Ilhabela montará um amplo espaço com uma programação especial com atrações, palestras e workshops. Todas as premiações serão no local!

O tradicional desfile dos barcos antes da regata de abertura está confirmado!

”Um evento desse porte é impossível fazer sem um planejamento prévio. O trabalho já começou no ano passado e agora a gente trata de vários aspectos, dentro e fora d’água”, disse Mauro Dottorri, organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

O comitê organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela se reuniu na sede de São Paulo (SP) neste mês para definir o planejamento final da regata.

O Aviso de Regata, principal documento contendo as regras e detalhes do evento, deve ser anunciado no mês de abril. As classes C-30, HPE25, RGS, Clássicos, ORC, IRC e Bico de Proa serão convidadas.

O processo de inscrição começa nos próximos dias.

Gaúchos quebraram tudo na Semana de Vela de Ilhabela 2018

20/02/2019 11:17

Hoje o espaço no A bordo vai para a equipe de vela mais profissional do Brasil, o Crioula. Os gaúchos foram os grandes campeões da Semana de Vela de Ilhabela 2018.

Além dos títulos Sul-Americano, Ilhabela Cup e da Semana de Vela de Ilhabela (classes IRC e ORC), eles bateram a marca histórica da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil. 

O recorde da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, prova que abriu a Semana de Vela de Ilhabela, foi de 6 horas, 1 minuto e 42 segundos.

55 milhas de percurso!

O recorde anterior era do Camiranga, um Soto65, que completou em 6 horas, 4 minutos 03 segundos, em 2015.

O Camiranga é da mesma equipe gaúcha do Veleiros do Sul.

O veleiro Crioula é um Soto 40 comandando por Eduardo Plass e timoneado pelo atleta olímpico Samuel Albrecht.

Samuel, inclusive, está andando de vento em popa na classe NACRA ao lado de Gabriela Nicolino Sá.

Foram vice-campeões da etapa de Miami da Copa do Mundo e já garantiram vaga da NACRA em Tóquio-2020

Veja o vídeo da abertura da Semana de Vela de Ilhabela de 2018 produzido pela On Board Sports e Duna Filmes

Mais infos no site da On Board

Por falar em Semana de vela de Ilhabela, o evento está marcado para o período de 13 a 20 de julho de 2019

Será a 46ª edição.

 

Foto: Fred Hoffmann

Vela se mobiliza no Dia Mundial da Limpeza

14/09/2018 00:49

Ação de limpeza dos mares será realizada no mundo todo. Vela se mobiliza, principalmente em Ilhabela, local da Semana de Vela de Ilhabela

No próximo sábado, dia 15, comemora-se o dia Mundial de Limpeza. Em Ilhabela, local da tradicional Semana de Vela de Ilhabela, o Yacht Club, organizador do evento, faz sua parte e se junta à milhares de pessoas que trabalham para um planeta mais limpo.

A ação está se espalhando para vários pontos da cidade do litoral paulista e a mobilização será grande.

Semana de Vela de Ilhabela no Dia Mundial de Limpeza
Semana de Vela de Ilhabela no Dia Mundial de Limpeza

Os voluntários irão realizar a limpeza de praias, rios, costeiras, trilhas e cachoeiras em 35 pontos diferentes da cidade.

O YCI irá colaborar com a limpeza do mar nas proximidades do clube e na Praia de Santa Tereza.

A Mar e Vida Ecotrip, uma das parceiras para a limpeza da área submersa da Marina,  vai também realizar a limpeza da praia do Curral, no sul da Ilha.

A ação na cidade vai ser realizada das 8h às 12h.

A iniciativa, que é coordenada pela Diretoria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do YCI, tem apoio de Costa Pereira e Di Pietro Advogados, Kia Motors,  MGN – Marítimo Náutica, Secretaria de Meio Ambiente, Prefeitura Municipal de Ilhabela e da Sea Sheperd Brasil – Guardiões do Mar.

A On Board Sports é a agência oficial da Semana de Vela de Ilhabela

 

Saiba mais sobre o World Cleanup Day

As inscrições de voluntários, para as ações do YCI, estão sendo feitas na secretaria social do YCI, com Bruna: social@yci.com.br, (12) 3896-2300 ou no link:  www.yci.com.br/diamundialdelimpeza.

Semana de Vela 2018

Na semana de Vela de Ilhabela 2018, o Yacht Club promoveu uma ação ambiental inédita.

O grupo liderado pelo diretor de meio ambiente Júlio Cardoso retirou o excesso de lixo boiando no mar.

A ação foi voluntária e aberta ao público e aos barcos participantes da competição.

Saiba mais AQUI sobre a ação.

—–

 

Semana de Vela de Ilhabela 2019 será de 13 a 20 de julho

03/08/2018 10:23

A organização da Semana de Vela de Ilhabela já começa a trabalhar para a edição 2019 do maior evento náutico da América do Sul.

A data da competição no ano que vem está definida! Será de 13 a 20 de julho no Yacht Club de Ilhabela (YCI).

O campeonato de 2018 terminou no último sábado (28) com números expressivos. Foram 120 barcos espalhados em oito classes diferentes. A Semana de Vela de Ilhabela foi marcada por recordes e provas apertadas.

A expectativa para 2019 é aumentar o número. Fora d’água, a Race Village, sucesso levando milhares de pessoas ao centro histórico de Ilhabela com shows e atrações culturais, está garantida.

A Semana de Vela de Ilhabela é um dos eventos esportivos do País mais tradicional e já realizou 45 edições desde 1972.

”Conseguimos unir os três players e realizar um campeonato de excelência em Ilhabela. Yacht Club de Ilhabela, Prefeitura e os próprios velejadores mantiveram a tradição do evento, referência esportiva no Brasil e na América do Sul. O objetivo para 2019 é levar mais barcos para a raia”, disse o velejador e diretor do YCI, Mauro Dottori. ”Foi uma festa muita bonita e o tempo ajudou também”.

Veja o resumo do último dia de regatas

O grande campeão deste ano foi o Crioula, que além dos títulos Sul-Americano, Ilhabela Cup e da Semana de Vela de Ilhabela (classes IRC e ORC), bateu a marca histórica da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

”Tivemos condições de velejada lá fora e aqui dentro. Chegar até Alcatrazes com bastante mar e vento foi muito bom e a gente fez o recorde. Conquistamos todos os títulos e estamos satisfeitos”, disse o atleta olímpico Samuel Albrecht, tático do Crioula.

O Torneio por Equipes foi vencido pelo CIZ formado pelo trio San Chico(ORC) Inaê 40 (IRC) e Zeus (RGS).

Os campeões

BDP A – Tranquilo II
BDP B – Cambada 1
Clássicos – Madrugada
HPE25 Geral – Ginga
HPE25 Silver – Espetáculo
C-30 – Caiçara U.V.Line
IRC Geral – Asbar IV
IRC A – Crioula
IRC B – Asbar IV
ORC Geral – Crioula
ORC A – Crioula
ORC B – Mad Max
ORC e IRC – Crioula
RGS Geral – Rainha Empresta Capital
RGS A – Zeus
RGS B – BL3
RGS C – Rainha Empresta Capital
Multicascos – Mente Sã

Sul-Americano – Crioula

Brasileiro de C-30 – Caiçara U.V.Line

Semana de Vela de Ilhabela premia vencedores das tradicionais regatas de abertura

24/07/2018 17:19

A Cerimônia de premiação dos vencedores da Semana de Vela de Ilhabela será na Race Village a partir de 20h

A cerimônia de premiação dos vencedores das regatas de abertura da 45ª Semana de Vela de Ilhabela será realizada nesta terça-feira (24), a partir de 20h, na Race Village, montada no centro histórico de Ilhabela.

A Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil conheceu no último sábado seu novo recordista. O Crioula fez a melhor marca para as 55 milhas com o tempo de 6 horas, 1 minuto e 42 segundos. A equipe, além de Fita Azul (barco que chega primeiro) foi a vencedora no tempo corrigido nas categorias ORC e IRC.

Marcada por ventos fortes e mar pesado, a regata teve ainda o Team Mussulo Angola Cables com melhor desempenho na RGS. Depois de vencer a principal regata de percurso da Semana de Vela de Ilhabela, parte da tripulação trocou o tradicional Bavaria 55 e a classe RGS pelo HPE 25.

Nesta segunda-feira (23), o quarteto formado por José Guilherme Caldas, Leo Chicourel, Rafael Martins e Beto Vita participou das primeiras provas da Ilhabela Cup, competição paralela à Semana de Vela de Ilhabela.

”Nós corremos de HPE 25 em algumas regatas de Salvador (BA) e treinamos para a Semana de Vela de Ilhabela”, disse José Guilherme Caldas. ”O evento é uma grande oportunidade de correr com os melhores do Brasil. Nós decidimos correr de HPE 25 e tirar o melhor resultado possível, mas dentro de nossas limitações. Queremos aprender! É impossível andar na frente de quem está há muitos anos correndo nessa classe”.

O destaque da Toque-Toque, outra regata de percurso longo que abre a competição todos os anos, foi o Madrugada (Niels Rump). O tradicional barco brasileiro mede na Clássicos e também será homenageado no palco da Race Village.

O estreante Sirius 4 (Aziz Constantino) faturou na Bico de Proa, o Maré xx (Benoit Joufflineau) na Multicascos e o Xiliki (Leonardo Leal) na RGS C.

As regatas de abertura da Semana de Vela de Ilhabela para a classe C-30 também não foram realizadas em função do mal tempo. A categoria tem limite de até 25 nós de vento. No sábado (21), os ventos passaram dessa marca.

Resultados

Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil

ORC e IRC
1. Crioula (Samuel Albrecht)
2. Maximus (Ralph Rosa)
3. Boto V (André Sobral)

RGS A e B
1. Mussulo III (José Caldas) – RGS A
2. Libertas (Clauberto Andrade) – RGS A
3. BL3 (Pedro Rodrigues) – RGS B

Ilha de Toque-Toque por Boreste

Clássicos
1. Madrugada (Niels Rump)
2. Vendetta (Marcelo Faro)
3. Beiramar (Marco A. Aleixo)

Bico de Proa
1. Sirius 4 (Aziz Constantino) – BDP A
2. Newport (Ruy Mendes Vita) – BDP B
3. Seu Pimenta (Flávio Farkouh) – BDP A

Multicascos
1. Maré xx (Benoit Joufflineau)
2. Brasuka (Wellington)
3. Mente Sã (Gilberto R. Camargo)

RGS C
1. Xiliki (Leonardo Leal)
2. Prozak (Márcio Finamore)
3. Rainha (Leonardo Pacheco)

 

Wa Wa Too III e a história da vela brasileira

11/07/2018 16:08

A premiação aos vencedores da Semana de Vela de Ilhabela guarda a própria história da modalidade no Brasil.

Os troféus são modelos de barcos que brilharam nas principais competições no País e no mundo.

Para a edição 2018, o escolhido pela organização foi o Wa Wa Too III. Com uma trajetória de mais de 40 anos, ele foi um dos grandes destaques dos anos 70.

O veleiro de 54 pés foi projetado pelo arquiteto naval argentino German Frers e construído nos Estados Unidos.

Sob o comando de Fernando Nabuco, um importante corretor da Bolsa de Valores de São Paulo e expoente da vela de oceano paulista na época, o Wa Wa Too III foi o Fita Azul da regata Santos-Rio em 1976, baixando em 1h o recorde do Vendaval II, detentor do recorde de 24h desde 1951.

Tornou a fazer história no ano seguinte, vencendo as 1.200 milhas da regata Buenos Aires-Rio de Janeiro em 7 dias, 4 horas, 3 minutos e 30 segundos, no tempo corrigido.

O Wa Wa Too também marcou presença na Admiral’s Cup na Inglaterra, conhecida por muitos anos como o campeonato mundial não oficial de regatas oceânicas, já que a disputa era entre países, cada um com seus três melhores barcos.

Em 1973, o veleiro integrou a equipe brasileira com o Cangaceiro IV e o Saga II, campeão da Fastnet Race, uma das mais importantes regatas mundiais, realizada dentro da Admiral’s Cup.

Voltou a disputar a Admiral Cup pelo Brasil em 1975, além de importantes regatas nos Estados Unidos, como a Bermuda Race e a SORC.

Para o velejador Carlos Eduardo Souza e Silva, integrante da comissão organizadora da Semana de Vela de Ilhabela, a homenagem ao Wa Wa Too III ajuda a resgatar as conquistas e a importância do veleiro, detentor de recordes em regatas importantes como a Buenos Aires-Rio de Janeiro e a Santos-Rio.

“A década de 70 foi o auge para os barcos verdadeiramente de oceano como o Wa Wa Too e o Saga. O Brasil mandava equipes para regatas internacionais. Hoje o domínio é dos monotipos como os TP52”.

Reformado pela última vez em 2009, o Wa Wa Too III conquistou o segundo lugar na tradicional Refeno, a regata Recife-Fernando de Noronha, na categoria Bico de Proa. Hoje, o veleiro está em Vitória (ES).

Para elaborar o molde para o troféu da 45ª Semana de Vela de Ilhabela exigiu um verdadeiro trabalho de “arqueologia”.

Foram usadas a planta de um veleiro gêmeo do Wa Wa Too, com o mesmo modelo, e fotos da década de 70.

Homenagens

As homenagens aos barcos antigos na Semana de Vela de Ilhabela começaram em 2006.

Os veleiros participantes da America’s Cup, competição esportiva mais antiga do mundo, foram os primeiros transformados em troféu. Quem abriu a fila foi o Rainbow, vencedor da prova em 1934.

Depois vieram Intrepid, Courageous, Stars and Stripes, Black Magic e Alinghi.

Mais recentemente, a organização da SVI decidiu homenagear veleiros brasileiros e embarcações da mesma época do Wa Wa Too III, como o Saga e os mais antigos Cairu II e Vendaval.

A última edição trouxe uma situação inédita para a Semana de Vela, com a escolha do Áries III como troféu: pela primeira vez, um barco homenageado disputou a competição. E a equipe ainda conquistou o título da Clássicos.

As regatas começam em 21 de julho com a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil e terminam no sábado, dia 28.

O evento chega à sua 45ª edição com as seguintes classes convidadas: ORC, IRC, BRA RGS, Clássicos, C-30, HPE30, HPE25 e Bico de Proa. Será realizado em paralelo o Campeonato Brasileiro de C-30 e a Regata por Equipes.

As inscrições seguem abertas e os velejadores devem fazer o processo exclusivamente por meio do site www.svilhabela.com.br.

 

Classe HPE 25 segue como um das mais numerosas da Semana de Vela de Ilhabela

26/06/2018 21:29
Disputa dos HPE25 (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

A classe HPE 25 está confirmada na Semana de Vela de Ilhabela 2018, marcada para o período de 20 a 28 de julho. Com 61 barcos construídos, a categoria é muito procurada pelos velejadores brasileiros e deve levar a maior parte de sua flotilha de monotipos para as regatas no litoral norte paulista.

O atual campeão da HPE 25 em Ilhabela é o Ginga, uma das tripulações mais entrosadas da categoria. Campeonatos estaduais, nacionais e outras competições, incluindo a Copa Suzuki, colocam a classe no calendário de provas.

Velejadores medalhistas olímpicos como Robert Scheidt e Bruno Prada sempre participam das regatas ao lado dos amadores.

Em 2018, a tripulação argentina do Gualicho del Sur alugou um barco para disputar o evento. A equipe geralmente participa de provas em categorias de barcos maiores e agora estreia no HPE 25. ”Pelo que sei, o HPE 25 é um barco ágil, mas não para atletas. É possível de alugar também!”, disse Gustavo Raiberti.

Pajero (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

O Gualicho del Sur terá outros três argentinos correndo: Cecilia von Reichenbach, Josefo Serra e Federico Asnaghi.”Esperamos ter uma regata divertida e sem a regra do rating. Em Ilhabela, certamente teremos bom clima e provas interessantes, melhor do que o de La Plata, uma cidade vizinha de Buenos Aires”, completou Gustavo Raiberti.

Outra equipe que vai correr de HPE 25 é o Mussulo Angola Cables. Comandada pelo médico angolano|brasileiro José Guilherme Caldas, a tripulação se dividirá em dois barcos na Semana de Vela. Para a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, o Mussulo usado será o Bavaria 55, por se tratar de uma regata de longo percurso. Já nas demais provas do calendário, o veleiro escolhido será o HPE 25.

”As regatas de percurso menor são difíceis para um Bavaria 55, um barco grande, pesado e que demora muito para retomar velocidade. Vamos apostar as fichas na Alcatrazes, somente. Mas esse ano vamos correr de HPE 25 com uma tripulação de Salvador. Já estamos treinando em regatas do Circuito Baiano para a Semana de Vela de Ilhabela”, disse José Guilherme Caldas. Os parceiros dele serão Leo Chicourel, Rafael Martins e Beto Vita.

Ginga (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

Ouça o PODCAST com José Guilherme Caldas

O time do Mussulo Angola Cables fará um treino intensivo em julho com um especialista na categoria HPE 25. ”Realmente será uma coisa diferente. Faz anos que não faço vela em barcos menores. Será importante para eu e o Leo Chicourel treinarmos para regatas em duplas, como a Transat Jacques Vabre”.

Sobre a HPE 25

A HPE 25 foi idealizada por Eduardo Souza Ramos e Felipe Furquim. Após criação do projeto pelo argentino Javier Soto Acebal, a construção do primeiro barco da Classe HPE 25 foi consolidada nas dependências de uma fábrica automobilística no interior de São Paulo.

”Eu queria um barco simples, moderno, veloz, divertido, acessível e versátil. E o HPE 25 superou as minhas expectativas”, disse o velejador Eduardo de Souza Ramos ao site oficial da categoria.

A categoria tem um ranking próprio chamado de Gil Souza Ramos, que contará com a maior premiação já oferecida na história da vela nacional. O vencedor levará um HPE25 novo fabricado pela RIO STAR!

O evento final será no Iate Clube do Rio de Janeiro, entre 10 e 11 de novembro de 2018, uma semana antes do brasileiro da classe. O vencedor deve, obrigatoriamente, entregar o seu HPE 25 para receber o prêmio conforme regulamento.

Mais informações aqui

Mussulo (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

A Semana de Vela de Ilhabela conta com outras duas classes de design único: C-30 e HPE30.

As inscrições seguem abertas e os velejadores devem fazer o processo exclusivamente por meio do site www.svilhabela.com.br.

Veja a lista de pousadas

O evento ocorre no Yacht Club de Ilhabela e chega à sua 45ª edição com as seguintes classes convidadas: ORC, IRC, BRA RGS, Clássicos, C-30, HPE30, HPE25 e Bico de Proa. Será realizado em paralelo o Campeonato Brasileiro de C-30 e a Regata por Equipes.

José Guilherme e Leo (FOTO | Flávio Perez | On Board Sports)

Mulheres ganham espaço na Semana de Vela de Ilhabela

12/07/2017 16:38

A 44ª edição da Semana de Vela de Ilhabela, que está sendo disputada no Litoral Norte Paulista, se mostra especial para um grupo específico de velejadores. Considerando os 123 barcos participantes, cerca de 130 atletas, ou 15% dos tripulantes, são do sexo feminino e entre elas quatro são comandantes. A tendência de crescimento não ocorre só na competição brasileira! A regata de Volta ao Mundo, por exemplo, mudou suas regras de tripulação para ter mais mulheres a bordo.

Na Semana de Vela de Ilhabela 2017, uma equipe é praticamente toda delas! O BL3 colocou um Felci 315 com velejadoras formadas pela escola de vela da ilha. Apenas o comandante, o experiente Edgardo Vieytes, com participações em regata de ponto, é homem. O evento também marca o retorno de Tatiana Almeida às regatas. A carioca venceu a batalha mais difícil de sua vida superando um câncer de pâncreas com metástase no fígado, descoberto em 2015, e agora integra o time do Kaikias, barco escolhido pela Marinha do Brasil para competir na classe C30. “É uma emoção muito grande poder voltar à velejar, era tudo o que eu queria”, contou Tati.

Assista o vídeo com a história de Tati Almeida

Ao lado de Tatiana estão as irmãs Renata e Fernanda Decnop, que fizeram campanha olímpica em 2012 na classe Match Race. Para a Rio 2016 cada uma tomou um rumo após o fim da categoria e Fernanda ganhou a vaga na classe Laser. ”É muito bom reunir o time novamente, tivemos muitas histórias juntas e somos amigas. Eu não velejava desde a última regata olímpica no Rio de Janeiro”, contou Fernanda Decnop.

Histórias como essa e também o crescimento do número de mulheres velejando inspiram a jovem Brenda Furlin de 13 anos. A mirim do Itajaí Sailing Team, equipe de Santa Catarina na regata, está aprendendo muito nas regatas da classe IRC. ”Minha função é aprender! Eu dou suporte à tripulação nas manobras e fico sempre observando. Gostei muito dessa minha experiência na vela oceânica”.

A Semana de Vela de Ilhabela é um evento democrático, com opções de barcos e regatas para todas as equipes e tripulações. E nessa onda vários times femininos fizeram sucesso. Um deles foi o Jazz, quando era comandado por Valéria Ravanni. Em depoimento na edição passada, a velejadora lembrou que foi uma das pioneiras em dar oportunidade às mulheres. ”A vela é uma modalidade predominantemente masculina, mas houve um aumento no número de velejadoras nos últimos anos. Fora do Brasil não tem isso de vela masculina e feminina! Quando comprei meu primeiro barco, eu convidei outras meninas para velejar comigo e ter a mesma oportunidade. Não tenham nenhum tipo de pudor, venham correr a Semana de Vela”.