Saiba como foi o primeiro dia da regata Transat Jacques Vabre 2019

28/10/2019 16:50

As primeiras 24 horas da regata Transat Jacques Vabre Normandie Le Havre mostraram que a travessia promete ser novamente complicada para os velejadores.

As condições de navegação no Canal da Mancha após a largada deste domingo (27) ocasionaram algumas avarias em vários dos 59 barcos que disputam a prova entre a França e o Brasil.

A regata conta com atletas de 11 países e tem um percurso de 4.350 milhas náuticas ou 8 mil quilômetros entre Le Havre, na França, e Salvador, na Bahia.

Pelo menos cinco veleiros relataram problemas técnicos graves nas embarcações e o pior deles foi o Class40 Lamotte – Module Création, que liderava a disputa na sua categoria. A dupla comunicou, na madrugada desta segunda-feira (28), que a embarcação teve o mastro quebrado na passagem pelo Canal da Mancha.

“Foi por volta das 7h da manhã, antes do nascer do sol, que aconteceu. Algo incompreensível mesmo, pois as condições não eram dantescas. Recuperamos tudo, não deixamos nada no mar, o topo do mastro se foi e depois se partiu pela metade. Estamos a caminho de Roscoff. Estamos realmente decepcionados com todos, especialmente porque estávamos na liderança naquele momento”

Apesar do grave problema, o inglês Luke Berry e o francês Tanguy Le Turquais estão seguros a bordo.

Os japoneses do barco Kiho também sofreram com o vento contra nas primeiras horas de regata! Os asiáticos informaram que a vela balão foi totalmente danificada enquanto navegavam com 30 nós de vento.

”Tentamos empurrar o barco ao máximo, mas a vela balão explodiu após uma grande onda… Impossível corrigir”, disse Hiroshi Kitada, que faz dupla com Takeshi Hara. ”Receio que sem a vela não possamos realmente competir de igual para igual. Primeiro descansaremos um pouco e depois refletiremos sobre o resto”, explicou Luke Berry.

Saiba mais em https://onboardsports.net/primeiras-24-horas-da-transat-jacques-vabre-2019-provocam-quebras-e-pit-stops/

Outros veleiros como os IMOCAs VandB Mayenne e Advens for Cybersecurity chegaram a fazer uma parada ainda na França, com avarias no outrigger e piloto automático, respectivamente.

Os barcos mais rápidos já estão no Golfo de Biscaya, parte do mar entre a França e a Espanha. Na Multi50, o líder, segundo os dados oficiais da prova, é o Solidaires en Peloton ARSEP. Entre os IMOCAs, disputa mais esperada da Transat Jacques Vabre 2019, o Charal é o primeiro colocado. Ao todo são 29 veleiros na regata desta categoria.

Já entre os Class40, o Leyton é o primeiro de acordo com a atualização da tarde desta segunda-feira.

Dificuldades previstas

Tradicionalmente, a Transat Jacques Vabre Normandie Le Havre sempre apresenta os principais problemas nos primeiros cinco dias de regata, justamente na passagem pelo trecho.

Especialistas explicam que as zonas de alta pressão ocasionadas pela aproximação do inverno no hemisfério norte causam esse fator de preocupação para as equipes.

Na prática, o vento nessa época sopra contra os barcos no meio do percurso, obrigando os velejadores a andar mais para danificar menor o equipamento.

“Está tudo bem, estamos no Golfo de Biscaia em condições muito fortes, com o mar de 20 a 25 nós de vento! Essas são condições que já experimentamos em treinamento”, contou Christopher Pratt – Charal (IMOCA).

”Nessa noite, tivemos muitas manobras e passamos um tempo no convés. Normalmente, iremos sair da área de frente fria para uma área com menos vento”.

Os barcos devem começar a chegar em Salvador (BA) a partir da segunda semana de novembro. A Vila da Regata soteropolitana abre as portas no dia 6 de novembro, no Terminal Turístico da Bahia.

PalmaVela reúne equipes de 23 países na Espanha

07/05/2019 13:01

Nesta quinta-feira (9) começa nas águas de Palma de Maiorca, a primeira grande prova da temporada de regatas do Mediterrâneo em 2019.

A 16ª edição da PalmaVela terá 124 equipes de 23 países para correr em umas das 14 classes.

O Brasil não mandou representantes, mas a América do Sul tem barcos da Argentina e do Chile. Saiba todos os barcos inscritos.

Os barcos mais rápidos da vela oceânica serão divididos em categorias como ORC e IRC, ambas com presença em provas brasileiras como a Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

A novidade deste ano vem da classe Viper, categoria de cruzeiro exclusiva para mulheres.

Os TP52 estão na disputa também na chamada BoxRule.

As regatas somam pontos para o Mediterranean Vela Circuit.

Os clubes náuticos de Barcelona e Valência se uniram ao de Palma de Maiorca e criaram o evento.

Além do PalmaVela (8 a 12 de maio), as provas do circuito serão  Caixabank Conde de Godó Sailing Trophy (23-26 de ,aio) e o Troféu SM La Reina (5 a 7 de julho).

Restrito à participação de cruzeiros de ORC, o Circuito de Vela do Mediterrâneo terá uma classificação para cada classe, na qual será adicionada a pontuação correspondente à posição que cada barco obteve na classificação geral final de cada prova, sem qualquer descarte.

Todos os barcos participantes em qualquer uma das três competições que compõem o torneio farão o mesmo, mas apenas os barcos que participaram em pelo menos duas das três regatas serão elegíveis para o título de vencedor do Circuito de Vela do Mediterrâneo.

A 16ª PalmaVela é organizada pelo Real Club Náutico de Palma, com a aprovação da Real Espanhola Sailing Federation, patrocinado pela Sail Racing, patrocínio institucional do Governo de les Illes Balears Conselho e Palma City, e a colaboração da Federação Balear de Vela, Club Náutic SArenal e da Autoridade Portuária das Ilhas Baleares.

 


The Ocean Race ganha prêmio internacional da indústria do esporte

28/04/2019 18:10

A Ocean Race, antiga Volvo Ocean Race, ganhou dois prêmios da indústria esportiva, o chamado BT Sport Industry Awards

A regata levou o prêmio Cutting Edge Sport e o de Desenvolvimento Social e Sustentável.

A campanha de sustentabilidade da edição de 2017-18 da The Ocean Race, com foco na redução da quantidade de plástico que entra nos nossos oceanos, foi coroada

O Prêmio de Desenvolvimento Social e Sustentável foi apresentado pelo ex-primeiro ministro britânico Tony Blair e pela velejadora Dee Caffari em uma cerimônia ocorrida em Londres na quinta-feira passada

”Nós usamos nossa influência e plataforma para inspirar milhões de pessoas em um evento esportivo global de nove meses e estamos honrados por ter sido reconhecido pelo impacto desta campanha inovadora”, disse Richard Brisius, co-presidente da The Ocean Race.

”Ao envolver políticos e líderes empresariais para implementar mudanças nas políticas e práticas para enfrentar a crise do plástico oceânico, buscamos compromissos claros e de longo prazo para um mar mais limpo e saudável e estamos orgulhosos de ter deixado um legado duradouro”.

“A sustentabilidade está integrada no DNA da The Ocean Race e prometemos usar o momento que construímos como um catalisador para continuar nossa missão de restaurar a saúde oceânica”.

A Ocean Race anunciou recentemente que a 11th Hour Racing, parceira fundadora do programa de sustentabilidade, retornaria para a próxima edição da regata como parceira.

© Getty Images para o Grupo da Indústria do Esporte

A Bluewater também confirmou que retornará como fornecedora oficial de água potável, em uma tentativa de reduzir a dependência global de plásticos de uso único, baseando-se no trabalho já iniciado.

 

Os juízes do prêmio da Cutting Edge Sport disseram que “admiraram o uso avançado da tecnologia para melhorar a cobertura da navegação pela mídia, tornando-a um esporte mais imersivo e acessível”.

A Ocean Race inscreveu a primeira cobertura social ao vivo e a narração de histórias “RAW” da regata – destacando os primeiros sucessos, como cenas de drone ao vivo no Oceano Antártico.

A próxima edição da Ocean Race está programada para começar no segundo semestre de 2021 em Alicante, na Espanha.

Itajaí confirmada como sede do VelaShow 2020

25/04/2019 12:47

Os organizadores do VelaShow confirmaram a realização da feira exclusiva dedicada à modalidade em 2020 em Itajaí (SC), município que recebeu por três vezes a Volvo Ocean Race e por duas vezes a Transat Jacques Vabre.

O evento, que incluiu regatas, workshops, palestras e expositores do setor, fez sua primeira edição na cidade entre os dias 19 a 21 de abril.

Para o ano que vem, o objetivo é a realização de mais provas para as classes de oceano e monotipos, incluindo as classes Laser, Hobie Cat 14 e 16, Optimist, Shellback e Ibis Rubra.

Além disso, o VelaShow vai consultar as flotilhas do Centro-Sul e Sudeste para a uma regata de oceano inédita entre Ilhabela (SP) até Itajaí (SC).

”O objetivo é atrair os barcos do litoral de São Paulo e promover uma regata forte tecnicamente junto aos barcos do Sul. As provas em Ilhabela, como o Circuito de Vela Oceânica e a Semana Internacional de Vela de Ilhabela reúnem grandes equipes e tripulações de alto nível”, disse Edilberto Almeida, diretor comercial do VelaShow. ”Vamos convidar também equipes do Rio de Janeiro, Espírito Santo e do Nordeste”.

O VelaShow promoveu o Velejaço, trazendo diversos barcos de São Francisco do Sul e Florianópolis, ambos de Santa Catarina. A Marina Itajaí, anexa ao local da feira, ficou com 100% de suas vagas ocupadas, ou seja, as 200!

Em 2019, o VelaShow teve mais de 60 barcos competindo em dois dias de prova. Na sexta-feira (19), o evento promoveu, no Saco da Fazenda, provas de Optimist (classe de introdução à vela) e de Shellback | Ibis Rubra (barcos de madeira construídos na cidade).

No sábado (20), teve a regata VelaShow, com 40 barcos de oceano na disputa. Veleiros de 19 a 42 pés participaram da regata marcada pelo vento fraco. O vencedor foi o Mandinga A equipe de Marcos Andrade ainda foi a Fita-Azul (primeiro barco a chegar sem contar o rating) e ganhou na categoria de 19 a 23 pés.

”O VelaShow está sacramentado no calendário de Itajaí! Tanto na parte da exposição quanto no esporte. Já está definido pela Federação Náutica Catarinense a regata para o mês de abril, seja Páscoa ou não”, contou Marcelo Gusmão, atleta olímpico e presidente da Federação Náutica Catarinense.

”Nosso foco será nas classes de cruzeiro e oceano, sem contar as categorias de monotipos, que correm no Saco da Fazenda e Cabeçudas”.

O Mandinga fez o percurso em 1h38. Em segundo lugar na Regata VelaShow ficou o Nest (1h53)e em terceiro o Alebrijo (1h57).

As regatas tiveram supervisão da Federação Náutica Catarinense, da ANI – Associação Náutica de Itajaí e da CBVela – ConfederaÇão Brasileira de Vela.

”Vamos nos reunir e ver o que podemos fazer para melhorar o evento no ano que vem! A expectativa é grande, pois sabemos que tem muita coisa para impulsionar a vela no País. Estamos entrando num novo momento”, disse Paulo Cardoso, organizador do VelaShow.

Fotos: Marlon Delai

 

Regata histórica em Itajaí reúne 30 barcos

21/04/2019 21:07

A primeira edição da Regata VelaShow foi disputada neste sábado (20) em Itajaí (SC).  A prova fez parte do calendário de atividades da inédita feira voltada para veleiros no Brasil e teve 31 barcos de oceano na disputa.

Veleiros de 19 a 42 pés participaram da regata marcada pelo vento fraco.

A comissão esperou mais de 90 minutos para dar a largada na Praia de Cabeçudas.

O percurso teve ao todo 4.5 milhas, passando pelas praias Brava e Laranjeiras (Balneário Camboriú). Apenas no final da prova que as rajadas passaram de 10 nós.

Fotos: Marlon Delai

”O maior desafio da regata foi o vento fraco. Isso para todos, velejadores e comissão de regatas. Os barcos estavam boiando no início e a gente teve que prever quando as rajadas entrariam. Depois, com vento, tudo ficou animado e muito competitivo!”, explicou Rodrigo Kelm, gerente de regata.

O vencedor foi o Mandinga teve o melhor desempenho e conquistou o título geral da primeira edição da Regata VelaShow. A equipe de Marcos Andrade ainda foi a Fita-Azul (primeiro barco a chegar sem contar o rating) e venceu na categoria de 19 a 23 pés.

”Deu um vento fraquinho na regata, mas conseguimos regular o barco e chegar lá. Ganhamos pois treinamentos muito, Deus abençoou e estamos aí”, contou Marcos Andrade, comandante do Mandinga, um Skipper 21. ”O VelaShow é o início de uma coisa grande que está por vir e mudar o cenário nacional da vela. Foi um grande evento para a cidade”.

O Mandinga fez o percurso em 1h38. Em segundo lugar na Regata VelaShow ficou o Nest (1h53)e em terceiro o Alebrijo (1h57).

Vencedores por classe

Categoria 19 a 23 pés 
1º Mandinga – 1 ponto
2º Veneza – 20 pontos
3º Kussy -25 pontos

Categoria 24 a 30 pés 
1º Tarooa – 13 pontos
2º Spray – 14 pontos
3º Tron -15 pontos

Categoria 21 a 36 pés 
1º Alebrijo – 3 pontos
2º Blade Runner – 5 pontos
3º Batuta -6 pontos

Categoria acima de 37 pés 
1º Nest – 2 pontos
2º Beleza Pura –4 pontos
3º Habeas Corpus- 8 pontos

Geral 
1º Mandinga – 1h38min
2º Nest -1h53min
3º Alebrijo – 1h57min21

Regatas da sexta-feira 

Na sexta-feira (19), o Saco da Fazenda reuniu barcos de Optimist, Shellback e Ibis Rubra para regatas de confraternização.

Mais de 30 velejadores participaram do evento. A ANI – Associação Náutica de Itajaí organizou as regatas.

O vento demorou a entrar no início da tarde e, depois que a bandeira de recon (adiamento) baixou, as classes tiveram três regatas cada com percurso em forma de quadrado.

A intensidade dos ventos foi de 6 a 8 nós na direção nordeste. A tarde de sexta-feira foi de muito sol e termômetros perto dos 30 graus em Itajaí.

Mais de 60 barcos de Shellback e Ibis Rubra foram construídos na cidade em mais de uma década.

O VelaShow recepcionou também em Itajaí o Velejaço, flotilha de veleiros com saída de Florianópolis e São Francisco do Sul, ambas em Santa Catarina.

O VelaShow reuniu além das regatas, workshops, exposição de barcos, produtos e serviços náuticos.

Mais de 40 expositores estava presentes, incluindo fabricante de velas de regata, estaleiros e empresas do segmento de turismo.

Para saber mais sobre o evento, acesse o site: www.velashow.com.

 

 

VelaShow: Dia de regatas para crianças e adultos em Itajaí

19/04/2019 18:07

O VelaShow, primeira feira náutica dedicada à veleiros do país, começou nesta sexta-feira (19), com a disputa de regatas para crianças na categoria Optimist e para os adultos na Shellback e Ibis Rubra, embarcações de madeira construídos na própria Itajaí (SC).

Mais de 30 velejadores participaram do evento realizado no Saco da Fazenda, ao lado do Centreventos, que recebe o VelaShow. A ANI – Associação Náutica de Itajaí organizou as regatas.

O vento demorou a entrar no início da tarde e, depois que a bandeira de recon (adiamento) baixou, as classes tiveram três regatas cada com percurso em forma de quadrado.

A intensidade dos ventos foi de 6 a 8 nós na direção nordeste. A tarde de sexta-feira foi de muito sol e termômetros perto dos 30 graus em Itajaí.

”Foi muito legal. Esperamos o horário para o vento entrar, e com paciência, deu certo. Regata é assim!”, disse Rodrigo Kelm, gerente de regatas do VelaShow.

”Apesar das regatas serem corridas por crianças e velejadores amadores, todos respeitaram as regras e as provas foram bem disputadas”.

A classe Optimist é de introdução à vela e atrai atenção de crianças e adolescentes até os 15 anos.

Os barquinhos foram usados nas três edições do Volvo Academy, evento paralelo à regata de volta ao mundo, para promover a modalidade nas cidades-sede.

”Temos que incentivar a cultura náutica ainda mais em Itajaí e aproveitar o legado da Volvo Ocean Race e agora do VelaShow. Ver adultos e crianças dividindo a raia é muito importante para a nossa modalidade”, disse Cláudio Copello, organizador das regatas do VelaShow.

A vencedora no geral do Optimist foi a catarinense Sofia Rocha de Faria, de 12 anos. A atleta veio de Florianópolis.

”Gostei muito de competir em Itajaí no VelaShow”, contou Sofia Rocha de Faria. ”Eu aprendo tudo no Optimist, mas quando sair da classe vou pra prancha à vela”.

Na categoria Shellback e Ibis Rubra, formada por barcos de madeira construídos na cidade, o grande vencedor das regatas foi Alvaro Albuquerque, com 11 pontos perdidos. O segundo lugar ficou para Joaquim Roberto Nanhomi (13 pontos) e o terceiro foi Rodrigo Zaleski (15 pontos).

”O mais importante pra gente é o encontro entre amigos, é mais uma brincadeira. O objetivo é promover a flotilha e não a competição”, Wilson José da Silva, um dos fundadores do projeto e coordenador das oficinas de construção naval.

Mais de 60 barcos de Shellback e Ibis Rubra foram construídos na cidade em mais de uma década.

No sábado (20), o evento promoverá a regata VelaShow nas proximidades da Praia de Cabeçudas, com percurso a ser definido pela comissão de regata.

Essa prova será realizada para prestigiar os veleiros de oceano participantes e presentes em Itajaí.

A reunião de comandantes será às 12h no auditório após a palestra da Família Schurmann. A largada da regata VelaShow está marcada para 14h.

Veja o aviso aqui. 

Velejaço

O VelaShow recepcionará em Itajaí o Velejaço, flotilha de veleiros com saída de Florianópolis e São Francisco do Sul, ambas em Santa Catarina.

Ao todo, mais de 50 barcos divididos entre monotipos, oceano e multicasco são esperados no Centreventos durante todo o evento.

O VelaShow vai reunir além das regatas, workshops, exposição de barcos, produtos e serviços náuticos.

As palestras lotaram o auditório do Centreventos, como a de Beto Pandiani — https://onboardsports.net/palestra-beto/

Mais de 40 expositores, incluindo fabricante de velas de regata, estaleiros e empresas do segmento de turismo.

Para saber mais sobre o evento, acesse o site: www.velashow.com.

Velejador Beto Pandiani abre palestras do Velashow

O velejador Beto Pandiani abriu, nesta sexta-feira (19), o ciclo de palestras do VelaShow, feira exclusiva para a modalidade.

O evento ocorre em Itajaí (SC), cidade que abrigou as últimas três edições da Volvo Ocean Race.

O navegador contou os detalhes de suas sete viagens pelo mundo, como as travessias do Pacífico e do Atlântico a bordo de catamarãs.

As outras expedições foram Rota Austral, Travessia do Drake, Entre Trópicos, Atlantic 1.000 e Rota Boreal. Saiba mais aqui https://www.robertodiaspandiani.com.br/

O paulista contou os maiores perrengues passados a bordo e histórias sobre o mar, como quebras, recepções e alimentação no barco.

O planejamento, segundo o velejador, foi sempre a principal parte das viagens, que passaram por Groenlândia, Cidade do Cabo, Ushuaia, Ilha de Páscoa e muitas outras.

”Quem abre mão do planejamento está muito afim de expor ao risco desnecessário. No caso da nossa viagem tem o risco de não voltar pra casa”, disse Beto Pandiani. ”O planejamento otimiza sua vida!”.

Sobre o VelaShow, Beto Pandiani acredita que o evento exclusivo para veleiros veio para ficar.

”É aquela máxima do biscoito tostines…se você não der o primeiro passo, não vai. O Edilberto percebeu que tem um mercado para a vida no mar”, explicou Beto Pandiani.

Beto Pandiani já projeta a próxima travessia.

Em 2021, o navegador fará a Passagem Noroeste, entre o Norte do Canadá e o Alasca.

A equipe vai fazer a regata no sentido Pacífico para Atlântico, saindo do Alasca e indo para Groenlândia.

Entre as atrações estão 40 expositores, além de três regatas, workshops, exposição de barcos, produtos, serviços e palestras. Entre as palestras, no primeiro dia, Beto Pandiani

Mais palestras do VelaShow

19/04 – Adriano Plotzki e Aline Sena #SAL – ”O que descobrimos com a simplicidade e o mar”
20/04 – Vilfredo Schurmann –  ”Construção do Veleiro Kat”
21/04 – Adriano Plotzki e Aline Sena #SAL – ”O que descobrimos com a simplicidade e o mar”
21/04 – Beto Toledo e Thais Cañadó – Sailing Around the World – ”Há mares que vem para o bem”

O VelaShow

A feira traz em sua programação regatas, palestras, workshops, exposição de barcos, produtos e serviços, a possibilidade de se hospedar em um veleiro e muito mais.

Na programação estão três regatas: a Optimist, Ibis Rubra (ambas no dia 19 de abril) e a VelaShow (20 de abril).

A exposição ocorre das 12h às 21h, nos três dias de evento.

Mais informações em http://www.velashow.com”>www.velashow.com</a>

Agora com o VelaShow, Itajaí se consolida no setor náutico

09/04/2019 17:32

A cidade de Itajaí (SC) se consolida cada vez mais como uma das mais importantes cidades náuticas do país.

Depois de sediar regatas importantes como a Volvo Ocean Race e a Transat Jacques Vabre, o município catarinense recebe entre os dias 19 e 21 de abril, o VelaShow.

O evento, que vai reunir regatas, palestras, workshops, exposição de barcos, produtos e serviços náuticos é a primeiro do tipo no país, destinado exclusivamente para os veleiros.

O Secretário de turismo de Itajaí, Evandro Neiva comenta sobre o ótimo momento que a cidade vive no cenário náutico.

“Sediar essa primeira edição do VelaShow mostra que Itajaí conseguiu transmitir a imagem que queria, embora seja uma cidade de médio porte, ela conseguiu por meio da Volvo Ocean Race mostrar que é uma cidade que tem capacidade logística, técnica, e que ela tem uma capacidade de absorver eventos corporativos e eventos esportivos”, disse Evandro Neiva.

”Os empresários do VelaShow começaram a saber da cidade através da Volvo e viram aqui um potencial de entrega grande”.

”Estamos muito feliz em sediar essa primeira edição, estamos felizes em começar a sermos vistos como uma cidade de negócios, de entretenimento e que tem qualidade e capacidade em sediar grandes eventos esportivos”.

Além disso, o secretário Evandro Neiva lembra que a cidade possui uma tradição na construção naval de grande porte, e que está agora se inserindo na construção naval de médio.

“Temos aqui na cidade uma das melhores mãos de obras da construção naval do país, temos muito estaleiros também”.

”Com todo esse contexto, estamos prontos para receber eventos náuticos, esportivos e corporativos”.

”Logisticamente estamos muito bem localizados e isso da uma segurança muito grande para que o VelaShow esteja aqui, faça bons negócios e ainda continue no calendário da nossa cidade”.

“A cidade está de braços abertos para receber, no mesmo nível de grandes capitais, e oferecer um bom retorno para quem escolher Itajaí”, reforça.

Próxima regatona?

Itajaí está na briga para ser novamente a parada brasileira na The Ocean Race, edição de 2021/22.

“Fico feliz de estarmos concorrendo novamente para a próxima edição. Estamos nas tratativas comerciais, fazendo reuniões, e esperamos que a competição continue na nossa cidade”, finaliza.

O VelaShow já tem confirmado cerca de 40 expositores, incluindo fabricante de velas de regata, estaleiros e empresas do segmento de turismo.

Além de trazer na sua programação três regatas: a Optimist, Ibis Rubra (ambas no dia 19 de abril) e a VelaShow (20 de abril).

Para saber mais sobre o evento, acesse o site: www.velashow.com.

Inscrições abertas para Ilhabela em 15/4; Itajaí Sailing Team tem sido o primeiro

08/04/2019 11:01

As inscrições para a 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela abrem no dia 15 de abril por meio do site oficial do evento, o www.svilhabela.com.br.

As provas serão disputadas de 13 a 20 de julho de 2019.

Nos últimos três anos, o Itajaí Sailing Team foi o primeiro a se inscrever!

Os valores para as regatas de 2019 são os mesmos do ano passado e podem ser pagos em duas vezes, uma novidade nesta temporada.

As equipes que correm nas classes RGS, Bico de Proa e Clássicos terão desconto especial de 30% nesta edição. Os velejadores integrantes dos barcos das categorias ORC, IRC, HPE 30, HPE 30 e HPE 25, que não necessitam usar poitas ou a marina do Yacht Club de Ilhabela pagam R$ 100.

O valor por integrante com uso de poitas fica em R$ 200 e para os veleiros nas vagas do YCI será de R$ 320.

As equipes da RGS, Bico de Proa e Clássicos pagam por tripulantes os valores de R$ 70 (sem vagas em poitas e marina), R$ 140 (baga em poitas) e R$ 230 (vaga na marina).

”Aos velejadores das classes RGS, Clássicos e Bico de Proa estaremos dando uma atenção especial, com desconto de 30% na taxa de inscrição, além de raias exclusivas e mais regatas”, disse Mauro Dottori, organizador da 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela”.

”Isso sem esquecer as demais classes convidadas – IRC, ORC, C30, HPE25, nas quais são esperadas grandes disputas”.

O primeiro lote de inscrição vai de 15/04 a 10/06. A abertura das regatas começa com o tradicional Desfile das Embarcações, que ocorre no píer do centro de Ilhabela no domingo (14) antes da largada a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

 

 

 

 

Foto: Aline Bassi | Balaio

 

 

 

 

Semana Internacional de Vela de Ilhabela: Alcatrazes volta a ter percurso original

05/04/2019 12:21

Uma das novidades da 46ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela é a volta do percurso original da regata de abertura do evento, a tradicional Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

A prova está marcada para o domingo (14) e terá 65 milhas náuticas, 10 a mais do que a versão de 2018.

A regata é a mais longa da competição e os barcos vão contornar o arquipélago do litoral norte de São Paulo, um dos mais preservados do País.

No mesmo dia, só que para os barcos menores, saem no mesmo horário a Ilha de Toque-Toque por Boreste e a Renato Frankenthal. As largadas e chegadas são em frente ao píer da Vila.

O percurso original da Alcatrazes tem o recorde do veleiro ESPN Brasil batido em 1998. O tempo foi de 9h34min53s.

”Voltando ao formato original, a regata ficará ainda mais difícil, pois novamente com o percurso completo, navegando mais horas à noite, e dentro do canal, onde o vento costuma rondar bastante e até mesmo parar em alguns locais, e, a correnteza, que, de aliada, pode se tornar adversária dos velejadores, são fatores que tornarão a prova deste ano um verdadeiro jogo de xadrez”, disse Marcos Ferrari, que comandou o ESPN Brasil, um um Farr 42.

Em 2018, a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil foi histórica com a marca do Crioula.

A equipe, a bordo de um Soto 40, fez o percurso em 6 horas, 1 minuto e 42 segundos e bateu o recorde no percurso não chegando na vila com 55 milhas.

”Acho muito difícil [quebrar esse recorde] e pra falar a verdade nem me passa pela cabeça fazer isso novamente com o Crioula”.

”Precisaríamos de uma condição perfeita”, disse o velejador olímpico Samuel Albrecht, que foi o tático do Crioula na quebra do recorde anterior.

Além dos títulos Sul-Americano, Ilhabela Cup e da própria competição (classes IRC e ORC), os gaúchos bateram a marca histórica da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

”A largada e a chegada no canal vão exigir mais das tripulações. O show está garantido com tudo acontecendo na frente da vila”, disse CucaSodré, presidente da comissão de regatas.

A edição passada da Semana Internacional de Vela de Ilhabela reuniu 120 barcos de oito categorias diferentes.

As inscrições para o evento serão abertas em 15 de abril por meio do site oficial