Direto para o estaleiro! Vestas 11th Hour Racing chega a Itajaí

16/04/2018 18:50
Leg 7 from Auckland to Itajai, Vestas 11th Hour Racing arrives in Itajai. 16 April, 2018.

Depois de perder o mastro e abandonar a sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, o Vestas 11th Hour Racing conseguiu chegar a Itajaí (SC) para iniciar os reparos no barco. O veleiro azul chegou na manhã desta segunda-feira (16) à Vila da Regata. A bordo estavam integrantes da equipe de terra do veleiro norte-americano/dinamarquês e o velejador Damian Foxall. Os outros tripulantes na viagem das Ilhas Malvinas até Itajaí foram o espanhol Diego Torrado, o norte-americano Andres Guerra Font, o neozelandês Spencer Loxton e o uruguaio Diego Turell.

A viagem entre as Ilhas Malvinas (Argentina) até a cidade catarinense durou nove dias. O barco saiu no sábado, 7 de abril, e percorreu 1.600 milhas náuticas.

”É uma perna maravilhosa, uma stopover incrível. Depois de mais de 1.600 mil milhas náuticas das Ilhas Malvinas em nove dias, estamos aqui em Itajaí. Adaptamos um mastro para fazer essa travessia e agora temos um desafio para colocar um mastro novo e deixar tudo pronto para a próxima etapa”, disse o irlandês Damian Foxall, velejador e chefe de sustentabilidade da Volvo Ocean Race. ”Aqui somos bem recebidos, é um prazer estar aqui pela terceira vez”.

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 21 on board Vestas 11th Hour. 06 April, 2018. Mast Accident – Farkland Islands

O atleta esteve na cidade outras vezes, com o Groupama 4 (edição 2011-12) e com o Oman na Transat Jacques Vabre 2013. Damian Foxall correu a primeira etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 entre Alicante (Espanha) e Lisboa (Portugal). O Vestas 11th Hour Racing foi o vencedor da prova.

”Itajaí é importante na área de sustentabilidade, estive aqui e vi como a comunidade encara o desafio de ser sustentável e reduzir o uso do plástico. O programa da regata no setor é importante”, falou Damian Foxall, chefe de sustentabilidade da equipe norte-americana/dinamarquesa.

Poste de luz improvisado

A operação de adaptar um novo mastro e seguir viagem até Itajaí começou assim que a tripulação do Vestas 11th Hour Racing anunciou que perdera a principal peça do barco na disputa da sétima etapa. A equipe foi a segunda a contornar o Cabo Horn e estava próxima do pódio.

Mas como manda a tradição da perna pelos mares do sul,  pelo menos um barco sofre desmastreação. Dessa vez foi o Vestas 11th Hour Racing.

O problema ocorreu em 30 de março, a cerca de 160 quilômetros a sudeste das Malvinas. A tripulação viajou de automóvel até o arquipélago e começou a procurar materiais para construir um mastro de fortuna (termo usado na vela para a adaptação). Foi improvisado um poste de luz.

”Penso que a sorte existe, mas temos que enfrentar as dificuldades. Temos que seguir trabalhando, é a única maneira de chegar. Estávamos navegando na segunda posição, estáveis, cômodos e escutamos um ruído e imediatamente caiu o mastro. São coisas que acontecem no esporte, as vezes sem muita explicação. O que nos resta a fazer é seguir a diante, continuar a lutar para fazer o melhor possível”, disse o espanhol Diego Torrado.

O estaleiro da Volvo Ocean Race, chamado de The Boatyard, assumiu o barco para trocar o mastro do veleiro. A operação deve ser concluída até a sexta-feira (20), quando ocorre a In-Port Race.

Falta apenas o SHK / Scallywag para completar a flotilha dos barcos da Volvo Ocean Race. A equipe está a caminho de Itajaí e deve chegar durante a semana.

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 14 on board Vestas 11th Hour. 30 March, 2018. Mast Accident

Nova Zelândia coloca grana alta para America’s Cup

15/04/2018 15:49
21/11/17- The 36th America’s Cup class boat concept of the AC75.

Detentores do título da America’s Cup, a Nova Zelândia promete aportar 127 milhões de euros nas instalações para sediar as regatas.

A próxima edição, a 36ª da copa, será em 2021 em Auckland. E como manda a regra, o vencedor escolhe o local das provas e o modelo do barco a ser utilizado.

Após seis meses de negociações entre o governo da Nova Zelândia, o conselho da cidade e o Emirates Team New Zealand, defensor do título e chefe da organização, o projeto apresentado pela mesma equipe foi finalmente aceito.

Localizado perto do famoso Viaduct Harbour, a área local é conhecida como Wynyard Hobson e sua construção vai representar uma grande modernização

A equipe da Nova Zelândia instalará o Centro de Eventos do Viaduct no Halsey Pier. Isso, essencialmente, elimina a necessidade de uma extensão do cais Halsey, levando a uma redução significativa de custos.

O plano prevê a construção de sete edifícios para acomodar os diferentes equipamentos. Após o final do evento, o prédio de três andares seria a sede permanente da equipe da Nova Zelândia.

Para financiar o plano, o Conselho da Cidade de Auckland contribuirá com 59 milhões de euros. Esse número inclui um fundo direto de 34 milhões de euros para o evento e outros 25 milhões de despesas operacionais a parte de contribuição do Conselho dos 127 milhões de euros do orçamento para sediar a 36ª Copa América.

O governo da Nova Zelândia contribuirá com os 68 milhões de euros restantes, incluindo os 24 milhões pagos ao Emirates Team New Zealans como parte do contrato como a cidade anfitriã do evento.

A Nova Zelândia deve gerar mais de 8 mil empregos por causa da regata.

Temperaturas começam a cair na Volvo Ocean Race

20/03/2018 18:13
Leg 7 from Auckland to Itajai, day 04 on board Dongfeng. Daryl Wislang driving the bus trough the Pacific. 19 March, 2018.

As temperaturas já começam a cair durante a sétima etapa da Volvo Ocean Race, percurso entre Auckland, na Nova Zelândia, e Itajaí (SC), no Brasil. As sete equipes que partiram no fim de semana da Oceania descem a todo vapor para o sul.  A partir daí a situação deve ficar cada vez mais complicada, com termômetros beirando zero e ventos fortes!

“Já está muito molhado”, disse a brasileira Martine Grael, do team AkzoNobel. “Vai ficar muito mais frio também. Vamos ver como lidar com uma semana inteira molhada. Não vai ser fácil, mas estou ansiosa para entrar na ‘avenida’ que nos leva até a América do Sul”.

Segundo o Race Control, os termôemtros já batem 10 graus na descida pelos mares da Oceania.

A equipe do AkzoNobel estava em segundo lugar na atualização da tarde desta terça-feira (20). O Vestas 11th Hour Racing lidera a prova de 7.600 milhas náuticas náuticas, mas os outros barcos estão tão rápidos quanto, velejando as últimas 24 horas mais de 500 milhas náuticas.

À medida que os barcos se aproximam das zonas de alta pressão, a direção do vento e o estado do mar ficam fora de alinhamento, de modo que o melhor timoneiro vai levar vantagem.

“Nós notamos que está começando a esfriar, especialmente a água”, disse Carolijn Brouwer, do Dongfeng Race Team. “Estamos indo direto para o sul de maneira bastante rápida – cerca de 20 nós. Há muito para avançar – isso é apenas um aquecimento, ou um resfriamento”.

A etapa é marcada por muito frio e passagem próxima à zona de exclusão do gelo. O vencedor pelos mares do sul ganhará pontuação dobrada quando cruzar a linha de chegada em Itajaí (SC).

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 3 on board AkzoNobel. 19 March, 2018. Simeon Tienpoint and Nicolai Sehested getting ready to shake the reef in the main sail.

“Essa perna provavelmente é a coisa mais gratificante e mais estressante que nós vamos pegar. É uma pressão geral. Sobre os patrocinadores, sobre mim, sobre relacionamentos … É muito difícil”, disse Dave Witt, líder do Sun Hung Kai / Scallywag, que está na lanterninha por enquanto da etapa.

Com a zona de exclusão de gelo situada abaixo de 50 graus sul, as equipes estão efetivamente reduzindo a distância que terão para navegar. Eles enfrentarão então uma semana desafiadora de tempo pesado com ventos entre 30 e 40 nós.

Os barcos devem chegar até 6 de abril ao Brasil.

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 3 on board Turn the Tide on Plastic. Bleddyn Mon. The fleet sails south through the roaring forties. 19 March, 2018.

Etapa da Volvo Ocean Race até o Brasil começa intensa

19/03/2018 21:23
Leg 7 from Auckland to Itajai, day 02 on board Dongfeng. Akzonoel passing in front of us at East Cape. 18 March, 2018.

A sétima etapa da Volvo Ocean Race começou de acordo com a previsão meteorológica da largada em Auckland, na Nova Zelândia. Ventos de até 30 nós na descida pela costa da Oceania e muita ação nas primeiras horas. A regata de 7.600 milhas náuticas deve ser assim – com mais tons de intensidade e frio – até Itajaí (SC), destino final da prova.

Os barcos se revezaram na ponta com destaque para o Vestas 11th Hour Racing, que mantém a liderança na tarde desta segunda-feira (19). A etapa pelos mares do sul deve ser concluída até 6 de abril.

Com a previsão da brisa de leste provocada por um anticiclone, as táticas dos times no início da perna são relativamente simples: mergulhar para o sul o mais rápido possível.

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 2 on board Turn the Tide on Plastic. The fleet says goodbye to New Zealand. 19 March, 2018.

O Vestas 11th Hour Racing volta a correr a Volvo Ocean Race depois de perder duas etapas por causa de um acidente. “É bom poder voltar para a água”, disse o comandante  Charlie Enright. “Estamos um pouco atrás dos outros, mas acho que isso era esperado. Nós sabemos que tem muita coisa pela frente! É tudo ou nada”.

Mark Towill, co-skipper do Vestas, acrescentou: “Será uma regata de trabalho árduo e determinação”. A etapa tem pontuação dobrada e quem contornar o Cabo Horn em primeiro ganhará um extra.

“A regata nos próximos três dias deve ser bastante simples”, disse Kevin Escoffier, do Dongfeng. “Nós vamos direto para o sul em direção ao limite de gelo, depois viramos para os pontos de alta pressão. Então, temos uma frente para passar e será uma história completamente diferente depois disso”.

A liderança da Volvo Ocean Race é por enquanto do MAPFRE, seguido por Dongfeng Race Team. O AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, está em quarto.

Sétima etapa da Volvo começa amanhã

16/03/2018 19:08
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 05 on board AkzoNobel. Photo by Sam Greenfield/Volvo Ocean Race. 06 January, 2018.

As sete equipes que disputam a Volvo Ocean Race estão preparadas para o maior desafio na regata de Volta ao Mundo até agora! A etapa sete entre Auckland, na Nova Zelândia, e Itajaí (SC), no Brasil, é apontada como a mais complicada de todas.

Os barcos terão pela frente 7.600 milhas náuticas – 14 mil quilômetros pelos mares do sul, famosos por fortes ventos, ondas gigantes e o frio na maior parte do percurso.

A largada será na tarde de domingo (18) na Oceania, noite de sábado (17), no Brasil. A bordo do team AkzoNobel, a campeã olímpica Martine Grael representa os brasileiros nesse desafio, repetindo o feito de seu pai, o também multicampeão Torben Grael.

”Essa é uma das pernas mais icônicas, os ventos e as ondas não param nunca. Para mim, a maior dificuldade será o frio, pois como brasileira não sou muito acostumada com temperaturas baixas, então vou ter que fazer o meu melhor e saber escolher as roupas certas!”, disse Martine Grael. Sua equipe venceu a última etapa e está motivada para sair do quarto lugar no geral.

A regata vale pontuação dobrada por passar pelos mares do sul. O barco que contornar o Cabo Horn em primeiro ganhará um ponto extra. Esse ponto é chamado de Santo Graal da vela oceânica.

A perna passa pelo chamado “Furious Fifties”, as inóspitas e distantes águas a sul de 50 graus de latitude que circundam a Antártica.

”Contornar o Cape Horn dá uma grande motivação psicológica, pois os mares do sul ficam distantes e a cada milha acima o calor aumenta”, disse Bouwe Bekking, velejador holandês com oito participações na Volvo Ocean Race. O atleta comanda o Team Brunel.

A regata clássica será decisiva para o campeonato, que tem o espanhol MAPFRE liderando a classificação geral após seis etapas. Dongfeng Race Team e Scallywag apertam atrás!

“Sinto que eles [adversários] estão cada vez mais próximos, mas só podemos fazer uma coisa – empurrar o barco, navegar bem e tentar ganhar essa etapa”, disse o skipper do MAPFRE, Xabi Fernández, mais um campeão olímpico correndo o evento.

O vencedor da etapa até Itajaí em 2015 foi o Abu Dhabi, que se tornou campeão ao final da competição.

Leg 02, Lisbon to Cape Town, day 3, on board AkzoNobel. Photo by James Blake/Volvo Ocean Race. 07 November, 2017.

Últimas milhas da sexta etapa da Volvo Ocean Race

26/02/2018 18:10
Leg 6 to Auckland, day 20 on board Sun hung Kai/Scallywag. AkzoNobel, only 0.1 miles away, after 20 days of racing. 26 February, 2018.

A madrugada desta terça-feira (27) pode ser histórica para o esporte brasileiro. A sexta etapa da Volvo Ocean Race será decidida em Auckland (Nova Zelândia) com dois barcos com chances reais de vitória. Um deles é o AkzoNobel, da campeã olímpica Martine Grael, que disputa milha a milha com o Sun Hung Kai / Scallywag. Seria a primeira vitória da brasileira na regata de Volta ao Mundo.

Os dois times citados acima estavam separados por apenas 1 milha náutica na atualização de placar da tarde desta segunda-feira (26). Em terceiro, 10 milhas náuticas atrás, está o Turn the Tide On Plastic. Ou seja, a chegada à Cidade das Velas, como é conhecida Auckland, deverá decidir a configuração do pódio. Faltam menos de 200 milhas para a linha final.

 A equipe de Martine Grael adotou nas últimas 24 horas o modo invisível e segurou a liderança, mesmo que pequena. Mas ao contrário de aumentar a sua vantagem, o AkzoNobel viu os adversários no retrovisor literalmente.

Leg 6 to Auckland, day 20 on board Sun hung Kai/Scallywag. Annemieke Bes, who originally started training on AkzoNobel, now doing the race on Scallywag, looking the match racing unfolding for the last few miles to the finish. 26 February, 2018.

“Nós temos uma pequena vantagem, mas ir do Cabo Norte para Cape Brett não vai ser fácil”, disse Brad Farrand, do Akzonobel. “As próximas 12 horas serão cruciais”.

A bordo do segundo colocado, o skipper Dave Witt estava contente por ver a diferença para o Akzonobel reduzir com cada relatório de posição. “A brisa vai desaparecer no topo da Nova Zelândia”, disse o comandante do Scallywag. “O AkzoNobel vai chegar primeiro e serão empurrados pela maré durante algumas horas. E nós não. Pode estar aqui a chave para nos reagruparmos novamente”.

O dilema que enfrentam as três principais equipes é forçar passar mais perto da costa e ter a corrente contra numa rota mais curta, ou ir para o fora com uma corrente favorável, mas fazer mais milhas.

Enquanto o Turn the Tide on Plastic persegue o seu primeiro pódio, a skipper Dee Caffari disse que estava preparada para levar o barco ao limite.

“Quando o sol nascer, vamos fazer um turno extra, com isto vamos ter mais pessoas para ajudar nas manobras. Quando o vento entrar, vamos estar todos no deck prontos para qualquer coisa. Vamos dar tudo por tudo, até ao fim”, falou Dee Caffari.

Enquanto isso, o MAPFRE e o Dongfeng continuam na sua regata privada para ver quem tem melhor desempenho. Os dois lideram a competição na classificação geral, mas não devem fazer pódio na sexta etapa.

Team AkzoNobel abre vantagem e tem chance real de vitória em Auckland

25/02/2018 17:39
Leg 6 to Auckland, day 19 on board AkzoNobel, Cecile in action on boat, 25 February, 2018.

O barco team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, retomou a liderança da sexta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, caminho entre Hong Kong e Auckland (Nova Zelândia). A equipe da campeã olímpica na Rio 2016 abriu ainda mais de 20 milhas de vantagem para o segundo colocado, o Turn the Tide on Plastic.

O curinga na tabela de classificação no momento é o Scallywag, que adotou o modo invisível no início desta manhã de domingo (25).  No momento em que sumiram do mapa, eles tinham uma pequena vantagem na liderança.

O team AkzoNobel já contorna o Cabo Reigna e navega pelo norte da Nova Zelândia. Os líderes estão cada vez mais rápidos e a turma retardatária sofre para andar.

Leg 6 to Auckland, day 19 on board AkzoNobel, Chris Nicoholson at sunrise, 25 February, 2018.

“Eles estão indo três ou quatro nós mais rápido que nós. Eu não acho que haja algo que possamos fazer para passar”, disse o comandante do Dongfeng Race Team, Charles Caudrelier. A equipe está em segundo na classificação geral, que tem o MAPFRE como líder.

A previsão de chegada, segundo os dados enviados pela organização da Volta ao Mundo, é na terça-feira (27). Se o resultado se confirmar será a primeira vitória em etapa do barco de Martine Grael.

Dia com três líderes e um barco invisível na Volvo Ocean Race

23/02/2018 19:38
Leg 6 to Auckland, day 17 on board Turn the Tide on Plastic. Lucas Chapman and his shadow. 22 February, 2018.

A disputa da sexta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, percurso entre Hong Kong e Auckland (Nova Zelândia), entra na sua reta final com duelo equilibrado entre quatro barcos.

Nesta sexta-feira (23), três barcos sentiram o gostinho da liderança por horas. O Turn the Tide On Plástic abriu o dia na frente, sendo ultrapassado nas primeiras horas da manhã pelo team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael. No primeiro relatório da tarde de sexta, o Sun Hung Kai / Scallywag retomou a ponta.

”Vamos para o sul o mais rápido possível”, contou John Fisher, leme no Scallywag.

O Team Brunel, que está entre os líderes, entrou em modo invisível e ficará fora do radar por 24 horas. Essa opção pode ser usada apenas uma vez por perna. O objetivo na maioria das vezes é adotar uma manobra tática e colocar dúvida na cabeça dos adversários.

A previsão de chegada em Auckland está entre terça-feira (27) e quarta-feira (28). A sexta etapa da Volvo Ocean Race está em seu 17º dia.

Leg 6 to Auckland, day 17 on board AkzoNobel, A happy Martine Grael , 23 February, 2018.

“Estamos numa boa posição, mas ainda há um longo caminho a percorrer!”, disse Cécile Laguette, do team AkzoNobel.

Mais atrás na regata, mas ainda com chances, o MAPFRE espera recuperar terreno e ampliar a liderança na classificação geral.

”Estamos saindo dos Doldrums e os ventos de leste estão entrando”, disse o navegador do MAPFRE, Juan Vila. “Nós temos períodos de 10 nós de vento, alternando com ventos ligeiramente mais fracos de cinco a seis nós. Esperamos que sejam mais consistentes nas próximas horas e amanhã já teremos cerca de 10 a 15 nós de vento”.

Disputa indefinida nos recifes e corais da Oceania

22/02/2018 20:50
Leg 6 to Auckland, day 16 on board AkzoNobel, Team Akzonobel, 22 February, 2018.

A regata de Volta ao Mundo está em sua sexta etapa e os seis barcos na disputa passam pelo Mar de Coral, na Oceania. Quatro equipes seguem com chances reais de vitória na perna da Volvo Ocean Race de Hong Kong a Auckland (Nova Zelândia), que deve ter sua conclusão na semana que vem!

Em terceiro na última atualização da tarde desta quinta-feira (22), o team AkzoNobel segue vivo na disputa pela vitória da etapa. A brasileira Martine Grael disse que foram muitas as dificuldades de navegação enfrentadas na passagem pelos Doldrums – área de calmaria na passagem pelos hemisférios.

“Desde que começamos a perna tivemos muitas decisões táticas, bem fora do rumo que estamos indo, que é a Nova Zelândia. Devido aos sistemas de alta e baixa pressão, acabamos de passar pelas águas do Doldrums, e por isso ainda não sabemos se saímos ou não. Os ventos estão muito fracos, quase não andamos para frente, além de muito calor”, disse Martine Grael.

A liderança provisória da sexta etapa da Volvo Ocean Race é do Turn the Tide on Plastic, seguido pelo Team Brunel. Em quarto, o Sun Hung Kai / Scallywag tenta recuperar a ponta.

”Agora, vamos passar por uma transição, para pegar os ventos alísios. Então, estamos tentando manter a liderança, contra os barcos mais a leste que a gente e todos os modelos não estão batendo muito. Com sorte, conseguiremos sair na frente”, completou a brasileira, campeã olímpica na Rio 2016.

No Mar de Coral, as equipes da Volvo Ocean Race passam no meio da segunda maior barreira de coral do mundo, principalmente na cadeia das ilhas do Pacífico Sul e da Nova Caledônia.

“A cerca de 120 milhas, há um recife no topo da Nova Caledônia”, explicou Dee Caffari (TTOP), a primeira mulher a fazer uma volta ao mundo sem escalas e em solitário.

”Agora até Auckland cada minuto conta. Os nossos adversários que estão atrás de nós vão fazer algo semelhante, mas os que estão mais para oeste vão contornar pelo lado de fora. Teremos que ver quem ganha com esta opção – amanhã saberemos”.

Quase 70 milhas atrás dos líderes, o MAPFRE e o Dongfeng Race Team estão juntos novamente, depois de se terem separado na véspera.

Apesar de estarem atrás com uma distância considerável, nenhuma equipe está fora da regata, pois segundo as previsões há oportunidades para recuperar nos últimos dias da etapa.

”A moral a bordo é boa, e todos esperamos uma oportunidade para recuperar algumas milhas a médio prazo”, disse o navegador do MAPFRE, Juan Vila.

“A frente da Austrália Oriental pode trazer algumas oportunidades, e a passagem para a Nova Zelândia pode não ser tão direta quanto pensamos”.

Leg 6 to Auckland, day 16 on board Turn the Tide on Plastic. 22 February, 2018.

Barcos pagam pedágio nos Doldrums

20/02/2018 19:06
Leg 6 to Auckland, day 14 on board AkzoNobel, Cecile Laguette checks heading, 20 February, 2018.

A falta de vento marcou mais um dia de regata da sexta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, percurso entre Hong Kong e Auckland (Nova Zelândia). Os seis barcos que disputam a prova encontram dificuldades para pegar as melhores rajadas e a tendência é que a situação continue por mais dois dias.

 Novo líder nesta terça-feira (20),  o Turn the Tide on Plastic foi o que mais andou nas últimas 24 horas. Na sua cola, mas um pouco mais a oeste do Pacífico, está o team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael. Outros dois times estão bem próximos dos líderes: Team Brunel e Sun Hung Kai / Scallywag. Primeiros colocados no campeonato, MAPFRE e Dongfeng Race Team estão mais distantes do pelotão da frente!

“Parece que estamos em três matches races diferentes e não sabemos quem vai para as finais, semi-finais ou quem fica com o prêmio de consolação”, disse a comandante do Turn the Tide on Plastic, Dee Caffari.

“Está complicado! Estamos dois dias nesse ritmo, então não tem como dormir’, disse David Witt do Scallywag.

A causa do buraco do vento gigante é uma grande tempestade, chamada de Gita, atualmente situada nano sul da Nova Zelândia que matou os ventos alísios, permitindo que os Doldrums se inchassem em proporções épicas.

Bouwe Bekking, comandante do Team Brunel, acrescentou: “Às vezes pensamos que estamos no melhor esporte que existe, mas em dias como esses, acho que a maioria da equipe pensa que também pode ser um esporte estúpido”.

E ainda faltam 1.500 milhas náuticas para o fim da etapa, que deve ocorrer entre 26 de fevereiro e 1º de março. A falta de vento aumenta o cansaço dos atletas a bordo, pois a todo momento buscam uma melhor rota.

Leg 6 to Auckland, day 14 on board Dongfeng. 20 February, 2018. Waiting the wind for Jeremie Beyou and Kevin Escoffier.