Relembre o único título do Colo-Colo da Libertadores

12/09/2020 17:24

A série “Todo Resultado É Possível”, da Betfair.net, voltou ao ano de 1991 para recordar o único título chileno na história da CONMEBOL Libertadores.

A conquista surpreendente do Colo-Colo sobre o então campeão Olimpia é o tema do oitavo e último episódio, nas vozes dos embaixadores Mauro Cezar e Chico Garcia.

“Aquele título reúne histórias dignas de um roteiro cinematográfico. O Colo-Colo chegou à final após ter eliminado o Boca Juniors, com direito a um cachorro que mordeu as nádegas do goleiro argentino Navarro Montoya, durante uma verdadeira batalha campal nas semifinais”, recordou Chico Garcia.

A classificação para a final já era um feito heróico, mas os chilenos tinham tudo a favor para dar um passo ainda maior. Após um empate duro em 0 a 0 no jogo de ida, em Assunção, em que o goleiro Daniel Morón salvou o Colo-Colo, o Olimpia perdeu o artilheiro Samaniego, envolvido em uma briga de bar na véspera do segundo confronto, em Santiago.

Os mandantes foram para cima e aplicaram um 3 a 0, diante de 65 mil pessoas nas arquibancadas do Estádio Monumental, no dia 5 de junho, com dois gols de Perez, atacante que não havia disputado nenhuma partida daquela edição. O outro foi marcado por Herrera.

Jaime Pizarro, Lizardo Garrido e Raúl Ormeño eram outros destaques da equipe chilena, comandada na época pelo croata Mirko Jozic. Ele se tornou o primeiro técnico não sul-americano a conquistar a Libertadores.

“O futebol chileno jamais havia celebrado um título da competição, o que era uma mágoa para os torcedores das grandes equipes, incomodados com a impossibilidade de chegar ao topo da América. Mas, em 1991, o Colo-Colo fez história. Foi uma campanha surpreendente”, comentou Mauro Cezar.

Campeão chileno em 1990, o Colo-Colo foi convincente já na fase de grupos da Libertadores, quando se classificou em primeiro no grupo formado pela LDU de Quito, Barcelona de Guayaquil e o outro representante chileno, Deportes Concepción. A sequência foi de triunfos em mata-mata nos confrontos com Universitario do Peru, Nacional do Uruguai e o temido Boca Juniors da Argentina.

A série “Todo Resultado É Possível” fez os fãs recordarem oito momentos memoráveis da competição, em que o futebol quebrou prognósticos e mostrou por que é o esporte mais popular do mundo.

A atração da estreia foi o título do Flamengo em 2019, com uma vitória incrível nos minutos finais sobre o River Plate por 2 a 1, em Lima. Em seguida, os embaixadores recordaram o fim da “maldição” das oitavas do Grêmio na Libertadores, com o triunfo sobre o Godoy Cruz (ARG), em 2017; a vitória de virada do Internacional sobre o Chivas Guadalajara (MEX) por 3 a 2 na decisão de 2010; o golaço de Cleiton Xavier que salvou o Palmeiras em 2009; o triunfo do Santos sobre o Colo-Colo na fase de grupos em 2011, que marcou uma reviravolta para a equipe de Muricy Ramalho no caminho até o tricampeonato; a defesa de Cássio que alavancou o Corinthians para a conquista inédita em 2012; e a surpreendente conquista do Once Caldas sobre o Boca Juniors, em 2004.

 

 

Charal vence Desafio Azimut entre os IMOCAs em Lorient

O barco Charal, do francês Jérémie Beyou, foi o vencedor de uma das etapas Défi Azimut, regata oceânica de curta duração com largada e chegada em Lorient, na França.

O velejador, que se prepara para a Vendée Globe em seu IMOCA 60, fez o percurso em  1 dia, 20 horas e 56 minutos.

O vice-campeonato ficou com a britânica Sam Davies, velejadora que já correu a The Ocean Race e a Transat Jacques Vabre, regatas com passagens pelo Brasil.

Os velejadores que correram a prova francesa estão escalados para Vendée Globe, marcada para novembro.

O Charal, um dos mais modernos IMOCA60 do mercado, é apontado como um dos grandes favoritos ao título da volta ao mundo em solitário e sem escalas.

”Sabíamos que ia ser um final muito forte, com o vento diminuindo antes da linha de chegada.  Já perdi outras oportunidades como essas antes e paguei o preço com frequência suficiente na minha vida para saber que tudo isso é um território frágil, mas mesmo assim é bom ganhar”, explicou Jérémie Beyou.

Neste domingo (13), os barcos voltam para uma circunavegação da Ile de Groix.

A regata terá início às 13h.

Veja o resultado completo:

1. Charal (Jérémie Beyou), 1d 20h 56min e 59seg
2. Iniciativas Cœur (Samantha Davies), 2 min e 38 seg atrás do líder
3. MACSF (Isabelle Joschke), 17 min atrás
4. Banque Populaire X (Clarisse Crémer), 23 min e 40 seg atrás
5. PRB (Kevin Escoffier), 36 min e 34 seg atrás
6. Arkéa Paprec (Sébastien Simon), 42 min e 44 seg atrás
7. Seaexplorer – Yacht Club de Monaco (Boris Herrmann), 42 min e 56 seg atrás
8. Apivia (Charlie Dalin), 1h14 e 10 segundos atrás
9. Linkedout (Tomas Ruyant), 1h17 e 41 seg atrás
10. Groupe APICIL (Damien Seguin), 1h33 12 segundos atrás