F-E volta às atenções ao Chile; Nelson Piquet Jr. ainda tenta corrida no Brasil

18/08/2020 16:36

A ABB Formula E terminou sua temporada seis na semana passada com uma série de corridas com portões fechados em Berlim, na Alemanha. E como manda a tradição, todo fim de campeonato, os dirigentes projetam o calendário do ano seguinte, que tem seu início confirmado para 16 de janeiro, em Santiago, no Chile.

O Brasil segue na pauta e ‘namora’ a categoria dos carros elétricos desde seu início, que teve os espanhóis Alberto Longo e Alejandro Agag, além do piloto paulista Lucas Di Grassi como fundadores.

link original – http://collabsports.com.br/2020/08/18/formula-e-projeta-abertura-no-chile-piquet-jr-ainda-tenta-corrida-no-brasil/

Especulado no Rio de Janeiro (RJ) para 2021, o anúncio de um ePrix brasileiro foi adiado, principalmente em função da crise sanitária da COVID-19, que já resultou em mais de 108 mil vítimas até a noite desta segunda-feira (17). Com apoio da família Piquet, em especial de Nelsinho Piquet – o primeiro campeão da F-E, representantes da categoria se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro para fazer a prova na Cidade Maravilhosa.

”Ainda tem vontade do governo de levar essa categoria para o Brasil’, disse Nelsinho Piquet. ”Esse ano estávamos em várias conversas, mas está complicado. O dólar em alta e a pandemia tornaram a situação muito complicada. A Formula E também nem sabe como será o início do próximo campeonato. A gente não sabe quando essa pandemia vai durar, se vai ter vacina ou não”.

Nelsinho Piquet explica que será muito difícil fazer eventos da Formula E nesse momento sem uma vacina. A categoria tem como base correr em centros urbanos para levantar a bandeira da sustentabilidade e dos carros elétricos. A ideia de fazer a prova no Rio de Janeiro (RJ) pode ser interessante, já que o espaço estipulado por Piquet e sua empresa na Barra da Tijuca é amplo, bem parecido com o aeroporto desativado de Tempelhof, na Alemanha, onde ocorreram as seis provas finais da competição.

”O espaço que temos funcionaria muito bem, pois é isolado, parecido com esse [Tempelhof]. A todo mês que passa parece que vai durar mais tempo que a gente acha”, completou o brasileiro.

Por enquanto, o mais perto que o Brasil chegou de realizar uma prova da Formula E foi em 2018, quando a categoria confirmou uma prova em São Paulo (SP), mas foi obrigada a cancelar o acordo. Com isso, Punta de Este, no Uruguai, foi obrigada a se mexer às pressas para realizar uma etapa da F-E. Em entrevistas recentes, o co-fundador Alberto Longo chegou a dizer que a Formula E estaria no País ”ou sim ou sim”!

De olho no Chile

Com o planejamento afetado pela pandemia de COVID-19, os organizadores da categoria dos carros elétricos não cravam todas as datas da temporada sete, que deve começar em 16 de janeiro de 2021, Parque O’Higgins, situado no coração da capital chilena. Nome forte da categoria, Alberto Longo garante que a F-E já está trabalhando com as autoridades do país sul-americano para o evento do ano que vem.

Em 2021, a competição ganha a chancela de Campeonato Mundial dos Carros Elétricos da FIA, que é a entidade máxima do automobilismo mundial.

”Ainda estamos vendo com as autoridades que tipo de evento poderá ser realizado. Mas estamos muito entusiasmados. Recebemos todo o apoio do Prefeito Alessandri e da Ministra do Esporte. Tenho certeza que será um grande sucesso como o que estamos fazendo há três anos, no lugar que consideramos nossa segunda casa”, disse Alberto Longo, cofundador e vice-presidente da ABB FIA Fórmula E.

”Acredito que o fato de termos vindo ao país mais complicado em termos de restrições e protocolos da Covid foi como um teste. Agora sabemos o quão profissional é a equipe e o quão bem tudo foi feito para que aconteçam sem problemas essas seis corridas”.

Seria a quarta prova consecutiva realizada no Chile na ABB Formula E. A categoria já passou por Buenos Aires, na Argentina, e na já citada Punta de Este, no Uruguai.
“Vamos levar para o Chile todo o aprendizado que tivemos nesses nove dias de prova em Berlim. Vamos pôr em prática esse aprendizado para que as pessoas venham à corrida de uma forma saudável e privilegiando a saúde de todos”.

Mais uma data histórica da Libertadores: os 10 anos do bi do Internacional

No dia em que completa 10 anos, a virada dramática do Internacional sobre o Chivas Guadalajara (MEX) por 3 a 2, que garantiu ao Colorado o bicampeonato da CONMEBOL Libertadores, é a atração do terceiro episódio da série “Todo Resultado É Possível”, da Betfair.net. O feito foi analisado pelos embaixadores Mauro Cezar Pereira e Chico Garcia.

O time, que era comandado por Celso Roth, viveu uma noite memorável, protagonizada pelos predestinados Rafael Sóbis, Leandro Damião e Giuliano, autores dos gols da equipe brasileira, no Beira Rio, em Porto Alegre (RS).

O torcedor jamais imaginava presenciar as histórias que cada um deles escreveria naquela noite. Mas, juntos, eles quebraram uma série de prognósticos.

Depois de um triunfo por 2 a 1 no duelo de ida, o Internacional mostrou ansiedade e viu a equipe mexicana abrir o placar, aos 42 minutos do primeiro tempo, com um gol incrível do meia Fabián, que calou o estádio.

“No instante em que Fabián mandou um voleio na área colorada, o torcedor que viu a bola entrando no canto direito de Renan lembrou dos fantasmas do passado. Como nas semifinais da Libertadores de 1989, quando o Internacional recebeu o Olimpia após vencer no Paraguai por 1 a 0. Perdeu por 3 a 2 e caiu nos pênaltis”, lembrou Mauro Cezar.

“Na final de 2010, a rede balançar e os jogadores do Chivas comemorem formaram um cenário de tensão. Eram 42 minutos do primeiro tempo e o time mexicano devolvia a derrota sofrida em Guadalajara por 2 a 1. Era preciso reagir. E foi o que aconteceu, com os tentos de Rafael Sóbis, Leandro Damião e Giuliano”, completou o embaixador da Betfair.net.

Rafael Sóbis, que havia sido herói na conquista da Libertadores de 2006 e retornou ao clube em 2010, vivia uma fase ruim, sem ter marcado nenhum gol até aquela final, e só começou o jogo como titular devido a uma lesão de Alecsandro. Aos 16 minutos da segunda etapa, ele provou mais uma vez ser ídolo e decretou o empate.

“O Inter estava muito confiante. O estádio inteiro se preparava para uma partida protocolar, mas o gol dos mexicanos logo no primeiro tempo deu um susto na torcida. A apreensão era inevitável, até o ídolo Rafael Sóbis ser decisivo na sua segunda final de Libertadores”, afirmou Chico Garcia.

“O gol do atacante abriu o caminho para a virada e, como aquele resultado servia para o Inter, até hoje é considerado o gol do título. E foi mesmo. Eu estava lá e tive a certeza que a partir dali o Inter seria campeão”, destacou o embaixador.

Aquele resultado bastaria, mas o adversário ainda estava vivo. Os corações batiam acelerados. O atacante Leandro Damião, que era um garoto de 21 anos, substituiu Rafael Sóbis, esgotado. O jovem arrancou por 51 metros e disparou contra o goleiro Michel para concretizar a virada, naquela que seria sua primeira partida no torneio.

Aos 44, o talismã Giuliano driblou a defesa adversária e deixou a vitória ainda mais encaminhada. O Chivas descontaria nos acréscimos, com Araujo, mas nada impediria a festa colorada.

 

Libertadores 2020

Na liderança do Grupo E ao lado do rival Grêmio, com uma vitória e um empate, o Internacional volta a jogar na competição continental no dia 16 de setembro, contra o America de Cáli (COL), no Beira Rio, com grandes expectativas.

“O Inter começou muito bem na Libertadores e há muita expectativa pelo trabalho do argentino Eduardo Coudet, campeão argentino pelo Racing e de ótima passagem pelo Rosario Central. O esquema de jogo de muita movimentação tem no sistema ofensivo sua maior qualidade, com Thiago Galhardo, Marcos Guilherme e Paolo Guerrero. Além deles, a aposta está na mais recente contratação: o jovem Yuri Alberto, vindo das categorias de base do Santos. O bicampeão da América promete incomodar e mostrar uma alma Argentina durante o torneio”, comentou Chico.

A série “Todo Resultado É Possível” fará os fãs recordarem oito momentos memoráveis da competição, em que o futebol quebrou prognósticos e mostrou por que é o esporte mais popular do mundo.

A atração da estreia foi o título do Flamengo em 2019, com uma vitória incrível nos minutos finais sobre o River Plate por 2 a 1, em Lima. Em seguida, os embaixadores recordaram o fim da “maldição” das oitavas do Grêmio na Libertadores, com o triunfo sobre o Godoy Cruz (ARG), em 2017.