Da Costa leva o título da ABB Formula E

09/08/2020 17:41

Da Costa termina em segundo, resultado suficiente para conquistar o primeiro título da Fórmula E de sua carreira.

O português Antonio Felix Da Costa é o mais novo campeão da ABB FIA de Fórmula E – temporada 2019-20.

O piloto levou a taça de forma antecipada ao terminar a prova disputada neste domingo no Aeroporto de Tempelhof, em Berlim, na Alemanha, na segunda colocação, garantindo uma dobradinha da equipe DS Techeetah.

A vitória no ePrix foi do francês Jean Eric Vergne, que era o detentor do título do ano passado.

Em sua primeira temporada pela DS TECHEETAH, o piloto português tornou-se apenas o segundo piloto a conquistar três vitórias consecutivas na Fórmula E enquanto superava seu companheiro de equipe e então bicampeão da categoria, Jean-Eric Vergne.

Imediatamente após a corrida, Da Costa disse emocionado: “Estou sem palavras. Obrigado a todos, obrigado DS TECHEETAH por me dar a melhor chance da minha vida.”

Apesar de não ser mais o campeão, Vergne teve motivos para festejar, afinal e contas venceu pela primeira vez nesta temporada e ajudou sua equipe a conquistar pelo segundo ano consecutivo, o título entre as equipes.

O pódio foi completado pelo suíço Sébastien Buemi, da Nissan e.Dams.

 

Como foi a corrida

A primeira fila foi formada pela dupla da DS Techeetah, comprovando o domínio da equipe nessa retomada da Fórmula E em Berlim após a pandemia de COVID-19, onde a equipe venceu duas das três provas realizadas até então e cravou as quatro poles, chegando a um total de cinco consecutivas no campeonato.

Logo atrás de Vergne e Da Costa, veio a dupla da Nissan e.Dams, formada pelo britânico Oliver Rowland e o suíço Sébastien Buemi. O holandês Nyck de Vries (Mercedes Benz EQ) e o brasileiro Felipe Massa (ROKiT Venturi Racing) completaram os seis primeiros, justamente aqueles que disputaram a Super Pole.

O holandês Robin Frijns da Envision Virgin Racing, que largaria na décima posição e por muito pouco não venceu a corrida disputada ontem em Berlim, teve um problema na vbateria de seu carro e não largou.

O adversário mais próximo de Da Costa no Campeonato de Pilotos, o alemão Max Guenther (BMW i Andretti Motorsport) também não teve muita sorte após a vitória de ontem: bateu na traseira da NIO 333 Team do britânico Oliver Turvey e abandonou a prova na primeira volta.

Os cinco primeiros colocados se mantiveram nas mesmas posições nas primeiras voltas, e dez minutos após a largada, a chuva deu as caras no Aeroporto de Tempelhof, mas isso não impediu os pilotos de partirem em busca de melhores posições durante a corrida.

O único momento em que a dupla da DS Techeetah correu grandes riscos, foi quando ambos os pilotos acionaram o MODO ATAQUE pela primeira vez: enquanto Vergne se manteve na liderança, Da Costa caiu para o quarto lugar, mas rapidamente recuperou as posições e logo depois, ultrapassou o companheiro e assumiu a liderança.

A dupla da equipe chinesa trocaram de posições novamente nos 10 minutos finais, e Rowland e Buemi partiram para cima do piloto português, com o suíço ultrapassando seu parceiro e assumindo a terceira colocação por ter mais energia em seu Nissan.

Apesar de pressionar a dupla da DS Techeetah até o a última volta, Buemi nada pôde fazer para evitar a dobradinha da DS Techeetah e principalmente o título de Da Costa, que terminou entre os quatro primeiros em sete das nove provas já disputadas no campeonato.

O piloto de 28 anos e natural de Cascais, em Portugal, se tornou o primeiro campeão da Fórmula E a garantir o título antes da rodada final (com duas corridas de antecedência).

Presente no grid da categoria desde a primeira temporada, mas sempre longe da disputa pelo título – terminou em 13º, 20º e 15º antes de terminar em sexto lugar com a BMW i Andretti Motorsport na temporada passada, o título de Da Costa mostra que há sempre oportunidades iguais para os pilotos na Fórmula E.

E com a Fórmula E se tornando um Campeonato Mundial oficial da FIA na próxima temporada, todos estão de olho na DS TECHEETAH, que agora conta dois campeões em seus carros, além de ser a bicampeã da competição de carros elétricos.

Lembrando que a sexta temporada ainda não terminou: os carros elétricos voltam a correr no Aeroporto de Tempelhof nos dias 12 e 13 de agosto, desta vez em um traçado semelhante ao original, porém com mudanças nas últimas curvas que prometem ainda mais emoção.

Ambas as provas serão transmitidas no Brasil com exclusividade nos canais Fox Sports.

Vitória que embalou Grêmio na Libertadores 2017 completa 3 anos

O desfecho de uma maldição de quatro edições seguidas de eliminações nas oitavas de final da CONMEBOL Libertadores será lembrado pelos torcedores do Grêmio neste domingo (9), no segundo episódio da série “Todo Resultado É Possível”, da Betfair.net.

O triunfo dos comandados de Renato Portaluppi por 2 a 1 sobre o Godoy Cruz (ARG), em Porto Alegre, com uma virada emocionante que abriu caminho para o tricampeonato em 2017, completa três anos nesta data.

”Era um trauma, uma etapa a ser superada e isso incomodava, até porque o clube viveu um período difícil”.

”Foram 15 anos sem títulos além das fronteiras do Rio Grande do Sul. Série incômoda encerrada em 2016 com a conquista da Copa do Brasil, sob a batuta de Renato Portaluppi, que levou o tricolor de volta à maior competição do continente”.

”Em 2017, parecia que a história estava se repetindo, quando o time perdia para o Godoy Cruz por 1 a 0”, lembrou o comentarista Mauro Cezar.

Após uma vitória no duelo de ida por 1 a 0, com gol de Ramiro, o clima no Grêmio era de otimismo com a classificação em casa.

Mas, diante de 38 mil torcedores na Arena do Grêmio, a confiança se transformou em medo logo no início da partida de volta. A sina das oitavas de final ainda tirava o sono dos gremistas.

”O Grêmio vinha de uma maldição nas oitavas de final nos últimos anos. Mesmo vencendo fora, quando sofreu um gol em casa e perdeu a vantagem, toda aquela apreensão tomou conta da Arena em Porto Alegre”.

”A virada reforçou a força daquele elenco, com os gols de Pedro Rocha e a participação fundamental de Lucas Barrios. Foi um sentimento de que naquele ano o desfecho poderia ser diferente”, afirmou Chico Garcia.

Logo no início, o goleiro Marcelo Grohe teve de fazer uma defesa importante.

E a equipe argentina abriu o placar aos 13 minutos, com Javier Correa beliscando a trave, tornando o cenário ainda mais dramático.

O susto deixou o grupo em alerta. Aos 28, Luan, pela direita, testou o goleiro Burián, que deixou a sobra para Lucas Barrios.

Atento, o atacante empurrou para Pedro Rocha selar o empate. A virada veio na segunda etapa, aos 14 minutos, novamente com Pedro Rocha, herói da classificação. Dali em diante, a equipe derrubou o Botafogo, nas quartas, o Barcelona-EQU, na semifinal, e o Lanus-ARG, na decisão.

”O Imortal conseguiu uma reviravolta histórica. Pedro Rocha brilhou com dois gols e decretou o triunfo por 2 a 1, que embalou o elenco para a conquista daquela edição, quebrando uma incômoda escrita”, disse Mauro Cezar.

A série “Todo Resultado É Possível” fará os fãs recordarem oito momentos memoráveis da competição, em que o futebol quebrou prognósticos e mostrou por que é o esporte mais popular do mundo.

A atração da estreia foi o título do Flamengo em 2019, com uma vitória incrível nos minutos finais sobre o River Plate por 2 a 1, em Lima.