Guia da CBVela de retorno às regatas no Brasil

18/07/2020 16:38

A pandemia do Corona Vírus foi anunciada em 11 de março de 2020 pela Organização Mundial da Saúde.

A partir desse dia, várias ações foram tomadas por organizações de saúde de todo o mundo para preservar a segurança e saúde das pessoas. Cada país desenvolveu os seus protocolos.

No endereço eletrônico da World Sailing (https://www.sailing.org/medical/index.php) você poderá encontrar publicações atualizadas em termos médicos e as últimas pesquisas relacionadas ao assunto. Esse guia usa informações publicadas nas Recomendações, chave do planejamento para aglomeração em massa no atual contexto do surto de COVID-19 (Orientação provisória), acessível em: https://www.who.int/publications-detail/key-planning-recommendations-for-massgatherings-in-the-context-of-the-current-covid-19-outbreak.

No caso de haver qualquer restrição a viajantes entre os Estados do Brasil, isso deve ser levado em consideração, quando na realização de eventos a nível regional ou nacional, principalmente quando esses eventos sejam classificatórios para eventos internacionais ou outros nacionais. É importante que em eventos classificatórios, seja garantida a oportunidade de qualquer atleta brasileiro de qualquer estado poder participar. Nos Campeonatos Brasileiros essa condição deve sempre ser garantida pelos organizadores.

Apesar disso, é sugerido que os organizadores alertem os participantes para identificar possíveis infecções, confirmadas ou suspeitas com o Corona Vírus e que as ações de mitigação e isolamento sejam aplicadas, de forma a proteger a saúde dos outros participantes. Junto com os membros do time, os organizadores devem comunicar e cooperar com as autoridades governamentais locais de saúde, para garantir, quando apropriado, que:

  • Os pacientes possam ser transportados nos padrões médicos e retirados do local de competição conforme condições e políticas locais.
  • Os pacientes possam ser isolados.
  • O evento possa continuar se a segurança assim o permitir.
  • Medidas de prevenção foram tomadas.
  • Medidas de desinfecção foram organizadas.

A segurança e saúde dos atletas e de todos envolvidos no evento deve ser prioridade para os organizadores. Estimula-se a visita ao endereço eletrônico da World Sailing, onde existem vários documentos que servem como guia para organizadores, acessível em: https://www.sailing.org/medical/index.php

MEDIDAS PROTETORAS DO COVID-19 PARA OS PARTICIPANTES

Se uma pessoa infectada ou no período de incubação espirrar ou tossir livremente, as gotículas contêm o vírus e podem contaminar tanto diretamente, quanto através do objeto que recebeu as gotículas. Se uma outra pessoa tocar esses objetos e depois levar as mãos ao rosto ou olhos, ela poderá se contaminar.  Dessa forma, é importante que sempre que uma pessoa espirrar ou tossir, que ela coloque um lenço ou o cotovelo flexionado na frente e depois lave com sabão as mãos e braços, esfregando ambos os lados por cerca de 20 seg. Além disso as seguintes medidas devem ser tomadas:

  • Evitar tocar o rosto com as mãos, especialmente a boca, nariz e olhos;
  • Distanciamento social: participantes devem ficar pelo menos 1 metro entre si, principalmente entre aqueles que tem tosse ou resfriado ou tenham ou talvez tenham tido febre; se estiverem muito perto, podem potencialmente respirar nas gotículas, aerossol da outra pessoa;
  • Quando receber comida ou bebidas distribuídas pela organização do evento, sempre manipular com cuidado e individualmente, para evitar contaminação cruzada (p.ex. garrafas de água individuais, comida empacotada etc.);
  • Atletas não devem dividir sabonetes, roupas pessoais e outros itens pessoais;
  • Todos as roupas pessoais de velejar (casacos p.ex.), itens frequentemente tocados (p.ex. maçanetas nos diferentes cômodos, equipamentos de ginástica, entre outros) devem ser desinfetado regularmente e cuidadosamente;
  • Qualquer compartilhamento de equipamentos entre participantes deve ser evitado a todo o custo.
  • O uso da máscara deve ser feito de qualquer forma, ficando obrigatório.
  • Se uma pessoa apresentar os sintomas do COVID-19 como febre, tosse, dores no corpo, a pessoa não deve ir para o local de competição e no caso de estar no local de competição, deve ser isolado dos outros participantes e ser encaminhado para uma unidade médica especializada.

É muito importante a higiene das mãos e de proteger a boca e nariz no momento de espirrar ou tossir, além de fazer uso da máscara.

Mais informações a respeito de medidas protetivas e de prevenção, telefones úteis e ações a serem tomadas, podem ser encontradas no seguinte endereço eletrônico do Ministério da Saúde: https://coronavirus.saude.gov.br/

Se qualquer participante no evento desenvolver febre, tosse ou dificuldade de respiração durante o evento, é fundamental que seja procurada ajuda médica imediatamente e que o mesmo informe à direção do evento sobre essa condição.

Placas de segurança com informações, conforme indicado anteriormente, de prevenção e comportamentos esperados, devem ser colocadas nas instalações, em locais estratégicos e de fácil visualização, para que possam ser vistas por atletas e todos os outros participantes.

Ações de informação e transmissão das medidas protetivas e de prevenção devem ser elaboradas pelos organizadores dos eventos, usando os canais de fluxo de informação do evento, tais como, endereço eletrônico do evento, mídias sociais, e-mail e grupos de comunidades virtuais. Quanto mais informação for divulgada, maior a chance do sucesso.

EVENTOS DE VELA COMO GRANDES AGLOMERAÇÕES

Segundo a OMS, um evento é considerado como “grande aglomeração” se o número de pessoas envolvidas no evento é tão grande que existe o potencial de estressar os recursos de resposta do sistema de saúde no local onde o evento ocorre.

É muito importante que seja considerada a natureza, localização e duração do seu evento, a situação epidemiológica, assim como o número de participantes. Por exemplo, se o seu evento é programado em vários dias com algumas centenas de participantes numa ilha pequena, onde o sistema de saúde público é bem limitado, de forma que essas pessoas poderão estressar esse limitado sistema de saúde, esse evento é considerado um evento de grandes aglomerações. Por outro lado, se um evento com mil pessoas é realizado numa cidade com milhões de habitantes e um sistema de saúde compatível e preparado, pode não ser considerado um evento de “grandes aglomerações”. Por isso é importante antes do evento, entrar em contato com as autoridades de saúde do seu local e se informar em que grau o seu evento é categorizado.

Quando do planejamento e coordenação do evento, o Comitê Organizador deve considerar:

  • Avaliação de risco: o que poderá acontecer e o que está por vir?
  • Vigilância: como saberemos que vai acontecer (reportar)?
  • Resposta: quais ações serão tomadas quando acontecer?

AVALIAÇÃO DE RISCO

Avaliação de risco é um elemento chave no plano de priorizações. É um processo contínuo que deve ocorrer durante todo o processo antes e durante o evento, começando pelo conceito inicial a respeito de guias e terminando somente depois que o evento terminar.

A avaliação de risco deve ser realizada pelo Comitê Organizador levando em consideração as condições locais da situação da pandemia, com os órgãos oficiais do local de competição e seguindo as determinações governamentais e das condições do local de competição. É importante fazer uma análise, considerando a possibilidade de uma ameaça vir acontecer e o impacto no seu evento, não só em termos médicos, mas também em termos econômicos, de viabilidade técnica, de benefícios e preferências sociais/culturais e as ações de mitigação planejadas.

Em geral, eventos de Vela são considerados eventos com risco baixo a muito baixo, principalmente quando não há a participação de espectadores (como é a maioria dos casos de evento de Vela no Brasil). Cada Comitê Organizador deverá fazer sua própria análise de risco, quando achar apropriado.

VIGILÂNCIA

É importante que durante o evento haja um plano para identificar as pessoas com possível potencial de infecção, através de medidas como medição da temperatura corporal, observância de tosse e dificuldades de respiração. Dessa forma, poderá ser feito um relatório diário da situação para a Direção do Comitê Organizador e as medidas preventivas terão uma maior assertividade.

RESPOSTA

São as ações de mitigação que o Comitê Organizador vai tomar para minimizar o contato social como por exemplo não fazer reuniões com os atletas, fazer um quadro de avisos virtual, quando possível fazer audiências de protesto virtual e quando não for possível, usar uma sala maior, com mesas em tamanho suficiente para todos sentarem a uma distância mínima que 1,0 metro, não fazer entrega de prêmios. São importantes ações para limpeza pessoal, como colocar garrafas de álcool gel 70% na área dos barcos e na entrada de qualquer ambiente fechado (Secretaria do Evento), latas de lixo suficientes e com abertura pelo pé, papel para limpar o rosto e mãos e sabonete para lavar as mãos. Além disso, é importante que seja reforçado o pessoal de limpeza de forma que haja limpeza das áreas comuns algumas vezes ao dia.

É sugerido que o local de competição adote com as autoridades locais uma política dos procedimentos no caso de uma pessoa for identificada com os sintomas do COVID-19 como tosse, febre, falta de olfato e dificuldade de respiração. Esse protocolo deve ser passado para todos os funcionários do evento e pessoas ligadas à organização do evento como staff, oficiais de regata e voluntários. A passagem de informações (comunicação) entre todos os envolvidos no evento é fundamental para o sucesso do mesmo.

Antes do evento, informe aos interessados em participar, sobre os sintomas e em caso de apresentar algum dos mesmos, a recomendação é que a pessoa cancele a participação no evento e procure imediatamente orientação de um médico especialista ou das autoridades médicas governamentais de sua cidade.

Termo de responsabilidade

Sugerimos que, se um local de competição se sinta inseguro na realização de um evento, que qualquer participante seja ele atleta, comissão técnica, oficial de regata, voluntário ou pessoal de apoio, assine um Termo de Compromisso, isentando o local de competição, o organizador e qualquer pessoa envolvida na organização, de qualquer responsabilidade em relação ao COVID-19 e suas consequências. Importante envolver a área jurídica da instituição.

PROCESSO DECISÓRIO NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTO NA VELA

Muito importante que haja ampla divulgação do local de competição (quer seja clube, marina, escola de vela, outros) com a direção desse local, contato com as autoridades médicas governamentais locais (normalmente município, mas também estadual) e associados. A decisão de fazer o evento deve ser em conjunto com o de acordo de todas as instâncias dentro das organizações e direção.

No momento de decidir realizar um evento, os organizadores devem levar em conta a possibilidade de vir a ter que adiar ou cancelar o evento e, para tanto, é importante considerar:

– Risco financeiro, no caso de adiamento ou cancelamento, pensar nas consequências, devolução das inscrições, cancelamento de hospedagem, passagens aéreas dos oficiais de regata, convidados, voluntários, staff.

– Comunicação com os participantes e todos os envolvidos

– Opções de nova data para realização

– Possibilidade de cancelamento

– Risco de imagem da instituição

– Momento do adiamento e cancelamento, muitas vezes atrelado às situações colocadas anteriormente

– Contratos com fornecedores

– Patrocinadores: rever os termos de contrato com os patrocinadores e confirmar que todos estão confortáveis com um possível adiamento ou cancelamento do evento.

– Emissão de passagens aéreas e reservas de hotel

Quando for feita a decisão de organizar um evento de vela, as seguintes considerações devem ser levadas em conta:

– Número de participantes: voluntários, oficiais de regata, pessoas de apoio envolvidos, atletas, técnicos e tamanho e características do local de competição.

– Área suficiente para os barcos: tanto em terra quanto na água levando em consideração o distanciamento social (maior distância entre os barcos).

– Hospedagem para oficiais de regata: o local de competição tem os recursos financeiros para colocar todos os oficiais de regata em um hotel em quartos simples. Se for em quarto duplo, os oficiais de regata estão de acordo.

– Hospedagem dos atletas: os hotéis próximos ao local de competição têm condição de receber os atletas, quais os protocolos de prevenção dos hotéis, atendem às necessidades locais.

– Atletas menores de idade: os pais autorizam a participação dos menores de idade, termo de responsabilidade assinados pelos pais, existe necessidade de voluntários que acompanhem os menores de idade.

– Verificação da saúde de todos participantes: para entrar no local de competição: quais testes serão usados, a temperatura será medida, será feito um questionário da condição de saúde e se os participantes tiveram contato com áreas onde houve contaminação.

– Exclusão de competidores: qual a política será adotada pela direção do evento no caso de um atleta ou técnico apresentar os sintomas. Haverá ressarcimento do valor das inscrições.

– Evento de Match Race e Regata de Equipes: é importante que seja garantido a limpeza dos barcos entre as trocas, ou quando possível na programação, minimizar ao máximo a troca de barcos durante um dia de regata. Entre um dia e outro, todo o equipamento tem que ser desinfetado.

– Banheiros e vestiários: como serão limpos os banheiros e vestiários durante o dia, importante colocar uma equipe de limpeza para essa área e outras salas fechadas.

– Grupo de risco: qual o seu plano para participantes, pessoas do staff e voluntários de grupo de risco em termos de proteção e prevenção.

– Isolamento dos sintomáticos: qual o seu plano de ação no caso de alguma pessoa apresentar os sintomas? Como isso será comunicado e essa pessoa não poderá mais entrar no local de competição?

– Aviso e Instruções de Regata: nesses documentos do seu evento é importante serem colocadas todas as informações pertinentes ao que se espera dos participantes, cláusulas de força maior, devolução de inscrição, cancelamento do evento, assinatura do termo de responsabilidade, sistema de quadro de aviso virtual e protestos virtuais.

CONDUÇÃO DAS REGATA E DO EVENTO

  1. Em terra

– Quadro de Avisos: a recomendação é fazer um quadro de avisos oficiais virtual por mensagens de texto, além do oficial físico exigido pelas regras. Cada vez mais esse sistema de quadro virtual está sendo usado. Garantir que todos os participantes estão na lista do quadro virtual. As Instruções de Regata também podem ser distribuídas via digital, basta colocar isso no Aviso de Regata.

– Mastro de sinalização: também para evitar aglomerações, enviar mensagens de texto em um grupo de aplicativo de celular as informações do mastro oficial do evento. Isso pode também estar nas Instruções de Regata.

– Protestos e audiências: possibilitar que os protestos possam ser preenchidos através do sistema virtual e entregues oficialmente para a organização. Caso não haja uma sala grande o suficiente para respeitar o distanciamento entre todos os envolvidos no protesto de 1,0 metro, estimular que as audiências de protesto sejam feitas por modo virtual. Esse procedimento necessita ser colocado no Aviso de Regata e nas Instruções de Regata, sendo, é necessário que seja explicado em detalhes como ocorrerá. No caso de dúvidas a CBVela ou um Oficial de Regata experiente deve ser contatado.

– Resultados: como outros documentos, fazer um quadro virtual para a divulgação dos resultados e informar essa forma de divulgação nas Instruções de Regata.

– Reunião de comandantes: não realizar reunião de comandantes antes do início das regatas. No grupo virtual do quadro de avisos, colocar as informações que seriam passadas na reunião de comandantes e deixar um canal aberto para perguntas e respostas, que serão disponibilizadas para todos os participantes.

– Entrega de prêmios: dependendo da fase de flexibilização das medidas na cidade onde o evento for acontecer, organizar uma entrega de prêmios virtual por aplicativo de reunião virtual. O presencial somente com os ganhadores e respeitando todas as medidas protetivas e de distanciamento colocadas nesse documento.

– Área dos barcos: a sugestão é fazer quando possível, marcações com tape no chão, dividir os espaços para cada barco, garantindo o distanciamento sugerido nesse documento. Colocar voluntários observando se o distanciamento está sendo respeitado e no final do dia organizar a posição de cada barco. No momento de descer e subir a rampa, dividir por classe (bandeira Delta por classe) e organizar a rampa de forma que não haja aglomerações.

  • Na água

– Barcos da Comissão de Regata: levar o menor número possível de pessoas a bordo e que todos sempre usem máscaras. Monitorar o estado de saúde das pessoas que estão na água. Nos barcos de balizador, que normalmente não são muito grandes, levar no máximo duas pessoas a bordo.

– Botes do júri (Regra 42 e regatas com Umpires): conversar com os juízes antes do evento como se sentem em dividir o bote com outro membro do júri. Monitorar as condições de saúde dos membros do júri e se houver necessidade, estar preparado para separar o júri em um bote para cada membro do júri quando for possível. É importante fazer esse gerenciamento. Em relação à regra 42 pensar em não aplicar na água sempre que possível.

– Linha de largada: no momento de determinar o tamanho da linha, sempre optar por uma linha maior do que o recomendado, para que não haja aglomeração de barcos na linha e reforçar com os Gerentes de Regata a política de gerenciamento de regata de largar com uma linha sem grande favorecimento de um lado, diminuindo assim a probabilidade de aglomeração de barcos.

– Barcos de segurança: instruir o pessoal de segurança sobre os procedimentos de proteção e saúde no momento de resgate e apoio aos participantes, com uso máscaras e equipamentos de resgate, como boias salva-vidas, específicos. Manter sempre que possível o distanciamento sugerido nesse documento.

PERGUNTAS, COMENTÁRIOS e ATUALIZAÇÕES

Esse documento será atualizado sempre que novas informações surgirem e a situação evoluir conforme as autoridades públicas. Os organizadores de eventos na vela precisam levar em consideração as condições locais da evolução do COVID-19, das determinações das autoridades de saúde local e as diferentes fases do enfrentamento. Muito importante também levar em consideração a situação médica dos locais de onde os participantes do evento virão e também dos oficiais de regata ou voluntários.

Para maiores informações visitem a página da CBVela, www.cbvela.org.br e também não deixem de visitar as páginas oficiais dos órgãos de saúde de sua cidade ou estado.

Se você tiver perguntas ou sugestões, envie um e-mail para a CBVela: cbvela@cbvela.org.br