19 de fevereiro, Dia da Baleia. Semana de Vela de Ilhabela celebra a data

19/02/2020 13:01

A Semana Internacional de Vela de Ilhabela e o Yacht Club de Ilhabela (YCI) celebram em 19 de fevereiro o Dia Internacional da Baleia.

A data foi definida no ano de 1986, quando a IWC (Comissão Baleeira Internacional) colocou em vigor a moratória global proibindo a caça de baleias.

A ideia era acabar com a matança e o uso comercial, mas a prática segue em alguns países até hoje.

A Semana de Vela de Ilhabela é um dos poucos eventos esportivos do mundo que alerta para a preservação ambiental e principalmente para a baleias.

A raia das regatas é frequentemente dividida com as jubartes e outras espécies que estão em período de reprodução rumo as águas quentes do Nordeste.

Desde 2016, a SIVI registra aparições recordes de baleias na região de Ilhabela e São Sebastião a partir do mês de abril até setembro.

Sobre a data

Segundo Julio Cardoso, especialista em meio ambiente da SIVI e do Yacht Club de Ilhabela, a moratória de 1986 foi um grande avanço e teve início a recuperação de várias espécies de baleias.

”No entanto, o Japão e alguns outros países como a Noruega e a Islândia conseguiram aprovar uma janela onde por todos estes anos seguiriam caçando e matando uma determinada quantidade de baleias para fins científicos”

”Na época do nazismo isto se fazia com seres humanos”.

No ano passado, o Brasil sediou a 67ª Reunião da IWC (Comissão Baleeira Internacional) e a maioria dos países membros aprovou uma proposta que reafirma a moratória de proibição da caça comercial de baleias em águas internacionais e também decidiu não mais aceitar a matança das baleias para fins científicos.

”A ciência hoje tem métodos modernos de estudo que não justifica ter que matar as baleias para estuda-las!”.

”Com isso, o Japão decidiu sair da IWC “em protesto” por não mais poder matar baleias pelo mundo e infelizmente as segue matando, mas apenas confinado em suas águas territoriais”.

”As baleias jubarte sobreviveram a essa matança que quase as extinguiu em nossa região e hoje estão retornando em numero cada vez maior a nossa costa de Ilhabela e São Sebastião”.

 

Francês do IDEC SPORTS bate recorde da Rota do Chá

Segundo publicação do RegataNews nesta manhã, o francês Francis Joyon quebrou o recorde da chamada Rota do Chá, percurso entre Hong Kong e Inglaterra.

A bordo do IDEC SPORT, o velejador e sua equipe formada por Bertrand Delesne, Christophe Houdet, Antoine Blouet e Corentin Joyon fizeram a travessia em 31 dias, 23 horas, 36 minutos e 46 segundos.

Os navegadores franceses quebraram a melhor marca da rota na manhã desta quarta-feira.

A linha de chegada estava na ponte Queen Elizabeth II sobre o Rio Tâmisa.

O recorde anterior era do italiano Giovanni Soldini em seu Maserati.

Eles andaram de 4 dias, 03 horas, 00 minutos e 26 segundos mais rápidos desta vez

Entre Hong Kong e Londres, o IDEC SPORT cobriu 15.873 milhas (mais de 28.000 quilômetros) a uma média de 20,7 nós.

As condições climáticas no Canal e durante a subida do Tamisa foram difíceis, mas não impediram Francis Joyon e a equipe do IDEC SPORT de bater a marca.