Responsável pela IMOCA não está preocupado com a Ocean Race

03/02/2020 22:50

Em entrevista ao site Tips and Shaft, o francês Antoine Mermod garantiu que a IMOCA, classe que ele comanda, está longe de se preocupar com a regara Ocean Race.

A categoria dos 60 pés será usada também na regata de volta ao mundo, que terá a brasileira Itajaí (SC) como cidade-sede pela quarta vez consecutiva.

A IMOCA entrou no calendário da antiga Volvo Ocean Race para a edição 2021-22.

A VO65 segue no start list para a próxima temporada.

Com a Vendée Globe no fim do ano e a Transat Jacques Vabre em 2021, a pergunta feita pelo site especializado em vela foi: como entrará a IMOCA na Ocean Race.

Poucas campanhas foram anunciadas até o momento! A mais garantida de IMOCA é a 11th Hour Racing.

Deixo vocês com a entrevista para a Tips and Shaft sobre a Ocean Race com Antoine Mermond

Você estava falando sobre a Ocean Race. Não ouvimos falar de nenhum novo projeto da Imoca além da 11ª Hour, e não parece haver muito interesse das equipes atuais. Isso é preocupante?

Não. Na França, todos estão se concentrando na Vendée Globe. Isso não impediu algumas equipes de trabalhar no que está por vir, mas há muita coisa acontecendo.

O mesmo vale para projetos fora da França.

As coisas estão mudando na Espanha, no hemisfério sul e em outros continentes, as coisas vão acontecer. Claro que seria mais fácil se houvesse quinze barcos inscritos hoje.

É verdade que é um momento muito frustrante, pois todo mundo espera tanto, mas não estamos preocupados. Hoje estamos no lado escuro da lua, se você gosta no que diz respeito a projetos. É muito cedo para dizer se vai dar certo ou não.

Você mencionou 15 barcos. Esse é o objetivo?

No começo, conversávamos entre 10 e 15 barcos, agora estamos olhando para 8 e 12. Dito isto, existem duas etapas: a primeira terminará no próximo verão (inverno no Brasil), quando saberemos quantos barcos novos haverá e a segunda, imediatamente antes ou depois da  Vendée, quando descobriremos quantos barcos continuarão até The Ocean Race.

O que continuo dizendo é que, para um projeto forte na Vendée Globe, a adição de The Ocean Race não o leva a orçamentos malucos em comparação com uma temporada como a Transat Jacques Vabre.

As dez maiores equipes da Vendée Globe já têm 80% do orçamento à sua disposição, com a possibilidade de obter um retorno extremamente grande sobre o investimento.

É por isso que a parceria com a The Ocean Race é uma estratégia de longo prazo. O primeiro passo é um pouco como uma transição, pois o anúncio do nosso envolvimento com a regata chegou bastante tarde em relação aos projetos na Vendée Globe.

Leia na íntegra a matéria — https://www.tipandshaft.com/en/imoca-en/antoine-mermod-we-are-far-from-being-concerned-about-the-ocean-race/

Vale destacar também a fala de Antoine Mormond sobre as conclusões do Transat Jacques Vabre

”Foi excelente, tivemos 29 barcos no início, o maior número de participantes de uma prova com IMOCA empatada com o Vendée Globe de 2008”.

”O nível de confiabilidade é encorajador, mesmo que as condições da Jacques Vabre não sejam extremas. Do ponto de vista esportivo, houve batalhas por toda a flotilha, incluindo até os projetos “menores” (leia-se com menos grana)”

”Aqui nossos velejadores, nossos engenheiros, nossos estaleiros são referência para o mundo”.

”E não há razão para que nossas principais regatas não tenham apelo internacional. Não podemos ficar satisfeitos por termos apenas interesse e perfil regional ou nacional. É importante, então, continuar nesse caminho de internacionalização. É complicado, mas estamos realizando várias ações conjuntas com a Vendée”.

 

Escolinha de Triathlon vira referência nacional unindo esporte e educação

Crianças e adolescentes têm a oportunidade de treinar a modalidade e ainda de complementarem os estudos.

Natação, ciclismo e corrida. O triathlon é composto por essas três modalidades, mas vai muito além disso. O esporte trabalhado sozinho gera frutos, mas, combinado com a educação, pode formar muito além de campeões na modalidade, ele forma campeões para a vida.

É exatamente esta a missão da Escolinha de Triathlon Formando Campeões, projeto social que iniciou suas atividades em 2015 em Curitiba no Paraná (PR).

Leia mais aqui —  https://onboardsports.net/escolinha-de-triathlon-do-parana-alia-esporte-e-educacao-gratuitos/

O projeto está no seu quinto ano de existência e oferece a crianças e adolescentes da rede pública de ensino a chance de treinar com professores  especializados e todos os equipamentos necessários para a prática do triathlon.

O esporte e educação andam juntos no projeto, que foi idealizado por Juraci Moreira, atleta olímpico e medalhista pan-americano. O esporte auxilia na disciplina, respeito e organização de todos os alunos independente do nível técnico.

“Podemos afirmar que nestes cinco anos de trabalho, o esporte e estudos estão alinhados. Muitos dos atletas antes de entrar no esporte sentiam algumas dificuldades, mas em uma união do Colégio da Polícia e outros colégios junto com pais, professores e técnicos fazemos um trabalho para visar a melhora tanto no esporte como nos estudos”, disse Ricardo Júnior Cardoso, coordenador do projeto.

Atividades sociais/educacionais

A Escolinha iniciou suas atividades em 2020 na última semana e começa o trabalho em conjunto com as aulas escolares já nesta segunda-feira (03).

A formação para a cidadania e orientação para a prática social estão ligadas ao desenvolvimento dessas crianças e adolescentes que tem entre 8 e 16 anos.

“É uma rotina de treinamento, aulas de reforço e estudos individuais. O esforço é para que tenhamos estudos de aprendizado com excelência, tudo isso na busca por reprovação zero”, completou Ricardo.

A Escolinha conta com, além da sede no Colégio da Polícia Militar do Paraná, outros três núcleos abertos em 2019 em parceria com a prefeitura de Curitiba: Boqueirão, CIC e Oswaldo Cruz, todos em Curitiba.

O projeto já revelou vários triatletas, todos com resultados importantes em competições nacionais e internacionais. O objetivo, além de descobrir novos talentos, é usar o esporte como ferramenta de formação e inclusão social.

Formando Campeões

Atualmente, a Escolinha recebe 80 alunos da rede pública de ensino no Colégio da Polícia Militar do Paraná, visando inseri-los em um dos esportes ao ar livre que mais vem se popularizando nos últimos tempos. Outros 120 alunos são atendidos nos núcleos Boqueirão, CIC e Osvaldo Cruz, mantidos pela Prefeitura de Curitiba. As crianças contam com todos os equipamentos necessários e são treinadas por especialistas na modalidade.

Escolinha de Triathlon Formando Campeões foi viabilizada pela Lei de Incentivo ao Esporte, com apoio da Federação Paranaense de Triathlon, do Colégio da Polícia Militar do Paraná e da Prefeitura de Curitiba. Os patrocinadores são Volvo, Eletrolux, Booking.com, Uninter, Astra, Condor, Banco Safra, Thales, Brose e Horizons.

Curta a Fã page – Escolinha de Triathlon – Formando Campeões

J70 entra na lista de barcos da Copa del Rey MAPFRE

A classe J70 figura no Aviso de Regata da 39ª edição da Copa del Rey MAPFRE.

A semana de vela mais famosa do mundo será disputada em Palma de Maiorca, na Espanha, entre os dias 1 e 8 de agosto.

A Copa colocará a  J70 a partir deste ano.

É o monótipo mais numeroso e popular do mundo, com 1.200 barcos fabricados.

Boa parte está na Espanha, país das regatas

No Brasil, a J70 tem a histórica equipe de Maurício Santa Cruz, bicampeã pan-americana e vencedora de eventos internacionais.

A flotilha  ainda é muito competitiva também na Itália, França, Suíça, Grã-Bretanha, Alemanha, Estados Unidos, Argentina, Rússia, Polônia, Holanda e Suécia.

”Desde que começamos em 2015 com essa classe, Palma e a Copa del Rey sempre foram nosso objetivo. Ser capaz de estar na regata de cruzeiros mais importante da Europa e lutar por uma Copa del Rey com um J70 é um desejo de muitos armadores e comandantes de todo o mundo”, disse Guillermo Alonso, representante da Associação de Armadores da classe J70.

Manu Fraga, diretor da Copa del Rey MAPFRE, também comentou:

”É um desafio a mais para todos. Seu transporte terrestre e a numerosa participação possível nos forçarão a colocar um número máximo de participantes dessa classe”.

Com a incorporação do J70, quatro classes competirão na 39 Copa del Rey MAPFRE em tempo real, ou seja, a primeira a cruzar a linha de chegada vence.

A 39 Copa del Rey MAPFRE é organizada pelo Royal Yacht Club de Palma e pela Royal Spanish Sailing Federation, com o patrocínio da MAPFRE e a colaboração institucional do Governo das Ilhas Baleares, da Câmara Municipal de Palma, da Autoridade Portuária das Ilhas Baleares e da Espanha. Federação de Vela das Baleares.

Foto: María Muiña