Barco Hugo Boss decide liberar a quilha

04/11/2019 17:08

A tripulação do Hugo Boss disse nesta segunda-feira (4) que, depois de esgotar todas as opções, decidiu cortar a quilha do seu monocasco IMOCA de 60 pés.

O barco bateu em um objeto não identificado e acabou abandonando a 14ª edição da Transat Jacque Vabre Normandie Le Havre.

”Ontem à noite, Alex e Neal puderam descansar a bordo do Hugo Boss”, disse Ross Daniel, diretor técnico da Alex Thomson Racing.

”Nas primeiras horas da manhã, os skippers retomaram suas tentativas de estabilizar a quilha”.

”Apesar de seus esforços, ficou claro que manter a quilha presa colocaria o barco em grande risco. Com a quilha presa apenas pelo aríete hidráulico e em uma posição instável, havia um sério risco de danos significativos ao casco”.

”Fizemos tudo o que pudemos para preservar a quilha, mas coletivamente determinamos que era muito perigoso mantê-la no lugar”.

”Portanto, com a orientação de nossa equipe em terra, Alex e Neal começaram a cortar o aríete hidráulico para liberar a quilha do barco. Depois de muitas horas, eles tiveram sucesso em seus esforços e a quilha agora não está mais presa ao barco”.

O Hugo Boss havia completado pouco mais de um terço do percurso de 4.350 milhas desta regata em duplas para Salvador (BA).

No ranking das 15H (UTC), o barco mais rápido do grupo foi o 11th Hour Racing de Charlie Enright (EUA) / Pascal Bidegorry (FRA).

O veleiro Charal pode estar na liderança da IMOCA, mas eles estão sentindo o calor que vem por trás dos seus concorrentes, enquanto procuram o melhor ângulo para os Doldrums.

Na noite passada, o 11th subiu duas posições do quinto para o terceiro lugar e estavam apenas uma milha atrás do Apivia.

O 11th Hour Racing percorreu 416 milhas nas últimas 24 horas, 48 a mais que Apivia e 28 a mais que Charal, que está 71 milhas à frente.

Leia o resumo da regata — https://onboardsports.net/barcos-chegam-aos-ventos-alisios/