Data confirmada da Semana de Vela de Ilhabela

31/03/2019 12:28

Edição 2019 do maior evento náutico da América do Sul será de 13 a 20 de julho.

A organização da Semana Internacional de Vela de Ilhabela, formada pelo Yacht Club de Ilhabela (YCI) e Prefeitura de Ilhabela, confirmou a realização das regatas para o período de 13 a 20 de julho.

A principal competição da modalidade no Brasil chega à sua 46ª edição.

Nos últimos anos, o Itajaí Sailing Team participou da prova com seu Soto40.

Uma curiosidade: a equipe sempre a primeira a se inscrever.

A primeira prova será a tradicional Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil no domingo. A regata é a mais longa da competição e tem mais de 65 milhas náuticas.

No mesmo dia, só que para os barcos menores, saem no mesmo horário a Ilha de Toque-Toque por Boreste e a Renato Frankenthal.

As largadas e chegadas são em frente ao píer da Vila, onde a Prefeitura de Ilhabela montará um amplo espaço com uma programação especial com atrações, palestras e workshops. Todas as premiações serão no local!

O tradicional desfile dos barcos antes da regata de abertura está confirmado!

”Um evento desse porte é impossível fazer sem um planejamento prévio. O trabalho já começou no ano passado e agora a gente trata de vários aspectos, dentro e fora d’água”, disse Mauro Dottorri, organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

O comitê organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela se reuniu na sede de São Paulo (SP) neste mês para definir o planejamento final da regata.

O Aviso de Regata, principal documento contendo as regras e detalhes do evento, deve ser anunciado no mês de abril. As classes C-30, HPE25, RGS, Clássicos, ORC, IRC e Bico de Proa serão convidadas.

O processo de inscrição começa nos próximos dias.

Extreme Sailing Series voltara à cena em 2019, mas sem a OC

28/03/2019 11:45

A Extreme Sailing Series invadiu a cena de vela profissional em 2007 e, desde então, mudou a maneira de fazer eventos.

Na água, on-line, ou na TV, o pioneiro formato do Stadium Racing estabeleceu novos padrões na indústria de navegação, abrindo o caminho para quase todos os eventos profissionais de vela que se seguiram.

Em 2019, a marca Extreme Sailing Series deve continuar em uma nova direção, já que os organizadores da OC Sport confirmam que deixarão de administrar o circuito.

A regata esteve no Brasil uma vez em novembro de 2013, em Florianópolis (SC) e contou com um barco misto brasileiro.

Os organizadores da parada da Volvo Ocean Race de Itajaí tentaram trazer o evento para a cidade nas últimas temporadas.

A empresa OC Sports foi a responsável pela campanha do Dongfeng Race Team, campeão da última edição da The Ocean Race.

Detalhes da venda da marca Extreme Sailing Series serão revelados em breve.

The Extreme Sailing Series 2018. Act7. Los Cabos. Mexico
Photo credit – Lloyd Images

”A Extreme Sailing Series tem sido uma parte fundamental do nosso negócio há 12 anos. Quando lançamos a série, decidimos mudar a maneira de ver a vela, estimulada por uma competição de nível internacional”.

 

”Queríamos fazer a diferença no esporte e acreditamos que fizemos isso”, disse em um comunicado, Herve Favre, CEO da OC Sport.

”A marca Extreme Sailing Series tornou-se sinônimo de competição, hospitalidade e produção de mídia de nível internacional”.

”Para que a marca continue, estamos trabalhando há algum tempo em um contrato de Gerenciamento de Compra que estamos muito próximos de finalizar”.

”Isso levará a Série à uma nova direção com uma visão clara e estamos entusiasmados em poder revelar mais detalhes nas próximas semanas sobre o futuro da marca Extreme Sailing Series”.

”No entanto, olhando para o futuro, e embora tenhamos explorado muitos modelos de negócios diferentes, devido a vários sucessos comerciais além do nosso controle nos últimos anos, a difícil decisão foi tomada de que não é mais viável financeiramente para a OC Sport continuar”.

A OC diz ainda que vela continua a ser um esporte chave para a empresa, mas que ”já era hora de mudar nossa estratégia”.

A empresa montou uma base francesa em Lorient chamada “Le HUB by OC Sport”, que oferece uma solução de serviço completo para as campanhas internacionais de navegação offshore.

GC32 Racing Tour 2019

27/03/2019 13:12

O GC32 Racing Tour, competição de vela oceânica com catamarãs (barcos dois cascos), terá cinco etapas em 2019. As regatas ocorrem na Itália, Portugal e Espanha. Falta apenas a prova de 6 a 10 de novembro que não teve local definido.

O circuito é um dos mais prestigiados do mundo e conta com velejadores olímpicos, além de atletas que correram a America’s Cup e Volvo Ocean Race (hoje Ocean Race).

As primeiras regatas serão disputadas de 22 a 26 de maio na Villasimius Cup, na Itália.

A segunda etapa será de 26 a 30 de junho no Mundial de GC32, em Lagos, Portugal. Na sequência, a flotilha embarca para a Copa del Rey MAPFRE, em Palma de Maiorca, na Espanha, no fim de julho. A quarta etapa será lo Lago de Garda, na Itália.

Os barcos GC32 são apontados como um dos mais rápidos e desafiadores do mundo.

A edição 2019 do GC32 Racing Tour terá pelo menos 10 equipes, incluindo as que participaram da Extreme Sailing Series.

Em 2018, o campeão do circuito mundial de GC32 foi o time francês Norauto com três vitórias em cinco etapas. A equipe foi comandada por Franck Cammas, experiente navegador francês com títulos na Volvo Ocean Race Transat Jacques Vabre.

Além de liderar a campanha do país na America’s Cup.

Lembra dele vencendo a stopver de 2012 aqui em Itajaí?

Na sequência ficou o britânico INEOS Team UK e o também francês Zoulou.

Sobre a categoria

Criado em 2014, o GC32 Racing Tour é o circuito original para os catamarans de design único projetados pelo Dr. Martin Fischer, agora Coordenador de Design para o desafio do Luna Rossa para a 36ª America’s Cup.

Esses barcos permitem que velejadores tenham um gostinho do mais recente e mais rápido estilo de navegação.

Em 2017, o GC32 recebeu o reconhecimento oficial da World Sailing, permitindo que seu primeiro Campeonato Mundial fosse realizado em 2018.

A chave para o GC32 Racing Tour é o seu apelo tanto para os donos de barcos quanto para as equipes profissionais com apoio financeiro.

Os locais são escolhidos com a certeza de condições para que os catamarãs voem.

 

 

 

Forever Fish

26/03/2019 17:05

“É uma daquelas coisas que você sempre sonha em fazer … se você tiver sorte o suficiente para ter a chance de fazer uma regata como essa, agarre essa chance. Não é para todos, mas você deve sempre desafiar a si mesmo”.

Com essa frase, a the Ocean Race homenageia o velejador John Fisher.

Em 26 de março de 2018, durante a etapa entre Auckland, na Nova Zelândia, e Itajaí, no Brasil, um acidente a bordo do Sun Hung Kai / Scallywag tirou a vida do britânico John Fisher.

A equipe tentou procurar o atleta que caiu no mar, mas não obteve sucesso!

No post da The Ocean Race, os organizadores do evento mandaram condolências à família e amigos de John.

”Já se passou um ano desde que Fish se foi, mas imagino que para sua família possa parecer que foi ontem. No entanto, a maneira como eles invocaram a força trouxe esperança e inspiração para mim e para toda a família da regata”, disse Richard Brisius, presidente da The Ocean Race.

”Hoje nós honramos o John. Como um marido e pai amoroso. Como filho, irmão e amigo. E como um velejador de nível mundial”.

”Temos orgulho de preservar seu legado, de viver de acordo com seu exemplo e manter seu espírito vivo em nossos corações”.

John Fisher era um homem que foi atrás de seus sonhos e, ao fazê-lo, inspirou outros a perseguir os deles.

Aos 47 anos, ele finalmente teve a chance de viver sua ambição por toda a vida – de correr ao redor do mundo na Volvo Ocean Race como parte da equipe Sun Hung Kai / Scallywag na edição 2017-18.

Durante a regata, John Fisher disse a frase que abriu esse post.

#FOREVERFISH

A batida que causa polêmica na Formula E

25/03/2019 15:37

Antes de escrever sobre a polêmica entre o brasileiro Lucas di Grassi e o holandês Rob Frijns na ABB Fórmula E, o leitor precisa ver o que realmente aconteceu.

A pancada foi no sábado (23) na etapa de Sanya, da categoria dos carros elétricos.

Eram as últimas voltas e valia a sexta colocação

Pois bem,

Furioso, Lucas di Grassi quer penalidade para holandês após ePrix de Sanya. “Você bateu em Buemi e acabou com a minha corrida!”, disse furiosamente o piloto brasileiro da Audi Sport Abt Schaeffler, Lucas di Grassi, ao encontrar o holandês Robin Frijns, da Envision Virgin Racing, momentos depois do ePrix de Sanya.

“Vocês bateram e isso me tirou da corrida – espero que você consiga uma penalidade”, contou o brasileiro.

Minutos antes do final da prova, uma batida entre três carros tirou as chances do brasileiro conseguir um melhor resultado. O suíço Sebastien Buemi, da Nissan e.dams, estava envolvido na colisão com Frijns e di Grassi.

“Isso só me tirou três lugares [na classificação], ou seja, eu perdi oito pontos”, disse di Grassi. “Eu não me importo de quem é a culpa – eu acho que é culpa da Robin e do Buemi – eles colidiram um com o outro e eles se chocaram contra mim.

“Da próxima vez, vou me afastar de Robin. Não havia nada que eu pudesse fazer para evitar isso.” Ansioso para defender sua posição, Robin Frijns reagiu ao brasileiro.

Bom, parecia que tinha terminado ali.

Mas hoje, ao abrir as redes sociais, a gente se depara com um bate-boca virtual entre os pilotos da Formula E.

 

 

Jogos Sul-Americanos de Praia

A vela foi uma das modalidades presentes nos Jogos Sul-Americanos de Praia, disputados em Rosário, na Argentina.

As regatas forma na lagoa El Saco.

O Brasil conquistou quatro medalhas na modalidade

O país subiu no pódio com duas pratas na classe RS:X, com Larissa Schenker (feminino) e Brenno Francioli (masculino).

Os outros dois pódios foram de bronze na classe Laser, com Ricardo Luz (Standard) e Gabriella Kidd (Radial).

Completando a participação brasileira em Rosario 2019, Martin Lowy e Amanda Sento-Sé ficaram em quinto lugar na classe Snipe.

Confira os resultados completos no link abaixo:

https://juegosdeplaya2019.holistor.com.ar/public/resultados-deportes

Os Jogos Sul-Americanos de Praia reuniram 13 modalidades, entre esportes olímpicos e outros disputados na praia, como surfe e handebol de praia.

A paranaense Gabrielle Lemes, da Escolinha de Triathlon Formando Campeões, foi a quarta colocada geral na disputa do Sprint Triathlon.

Com apenas 16 anos, ela enfrentou atletas de elite e sub-23, fez a melhor corrida da prova e foi a primeira da categoria Júnior a cruzar a linha de chegada.

“Foi uma prova de recuperação. Saí da água entre a oitava e a décima colocação e fiquei no segundo pelotão da bike. Fui retomando algumas posições e saí da transição para a corrida já em sexto. Fiz uma corrida muito forte e consegui terminar em quarto lugar”, conta Gabrielle.

O quarteto brasileiro com Pedro Boff, também da Escolinha, Giovanna Lacerda e Luiz Shianti, e Gabrielle também competiu em Rosário, ficando em quarto.

 

Troféu Princesa Sofía terá mais de 1.200 atletas em Palma de Maiorca

24/03/2019 21:29

Princesa Sofía Iberostar vai à 50ª edição e será disputada de 29 de março a 6 de abril com mais de 1.200 atletas inscritos nas classes olímpicas. São 65 países com representantes.

As regatas em Palma de Maiorca, na Espanha, devem contar com 20 brasileiros divididos nas classes RS:X (prancha á vela), Laser, Finn, 470, 49er e Nacra17.

Nove dos dez atuais campeões olímpicos competirão em Maiorca, inclusive a dupla brasileira de 49erFx formada por Martine Grael e Kahena Kunze.

Como de costume, as classes Laser Standard e Radial registraram o maior número de inscrições.

De fato, as inscrições foram encerradas há algumas semanas, mas o Comitê Organizador está considerando a possibilidade de estender a cota de entrada para que todos os velejadores possam participar do Trofeo Princesa Sofía Iberostar.

São quatro brasileiros na categoria, liderada pelo bicampeão olímpico Robert Scheidt, que voltou à vela olímpica em 2019 depois de aposentadoria. Bruno Fontes e João Pedro de Oliveira estarão em Maiorca. No Radial, a única representante é Gabriella Kidd.

Estreia da Giovanna Prada

Estreante do Troféu Princesa Sofía, a atleta Giovanna Prada, que corre na RS:X, espera ganhar ainda mais experiência internacional e seguir a tradição olímpica do pai Bruno Prada. 

”Estou em Porto Alegre (RS) em treinamento. O importante no Princesa Sofía é melhorar minha largada e alguns ajustes de popa (vento). Meu objetivo principal deste ano é o Youth World Championship, em julho, em Gdynia na Polônia”, disse Giovanna Prada, que tem uma série de eventos internacionais de RS:X .

”Ter meu pai como conselheiro é muito bom…ele já viveu tudo que eu estou vivendo e ajuda na minha preparação em todos os sentidos”.

O velejador Bruno Prada, atualmente um dos melhores proeiros do mundo na classe Star, tem duas medalhas olímpicas: prata em Pequim 2008 e bronze em Londres 2012.

Bruno também está no comitê organizador da Semana Internacional de Vela de Ilhabela, que será de 13 a 20 de julho, em Ilhabela (SP).

Lista de brasileiros no Troféu SAR Princesa Sofía Iberostar

Bruna Martinelli (RS:X)
Giovanna Prada (RS:X)
Gabriella Kidd (Laser)
Bruno Fontes (Laser)
João Pedro Souto de Oliveira (Laser)
Robert Scheidt (Laser)
Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan (470)
Geison Mendes e Gustavo Thiesen (470)
João Bulhões e Isabel Swam (Nacra 17)
Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino (Nacra 17)
Jorge Zarif (Finn)
Pedro Lodovici (Finn)
Martine Grael e Kahena Kunze (49er FX)
Marco Grael e Gabriel Borges (49er)

O evento Troféu SAR Princesa Sofía Iberostar é organizado pelo Clube Náutico S’Arenal, o Clube Marítimo San Antonio de la Playa, o Real Club Náutico de Palma e as federações de vela Baleares e Espanhola.

É o primeiro evento principal da temporada olímpica europeia.

A expectativa é que mais de 850 barcos estejam nas raias de Palma de Maiorca.

Como içar um multicasco com mastro de 35 metros?

23/03/2019 13:03

Duas semanas depois de ter lançado seu novo trimarã para os principais desafios da temporada, o francês Thomas Coville colocou o multicasco Sodebo Ultim’ na água. 

O barco voador foi projetado e construído para dar a volta ao mundo em solitário e a quebra do recorde.

O Sodebo Ultim’ tem 31 metros de comprimento e 21 de largura.

O processo de colocar o barco na água envolveu vários profissionais, inclusive Coville.

Para se ter uma ideia, só o mastro tem 35 metros, o que exigiu um equipamento maior ainda para içar da terra pra água.

O trimarã foi construído na Multiplast, em Vannes, na França.

 

Veja o processo

Thomas Coville é o atual campeão da Transat Jacques Vabre na categoria dos Ultim’.

Em 2017, o Sodebo (antigo multicasco dele) cruzou a linha de chegada em primeiro lugar em Salvador, na Bahia.

Em 2015, em Itajaí, o a versão anterior do barco ficou em segundo lugar.

Sodedo Ultim’ em números:

Comprimento: 31 m
Largura: 21,20 m
Altura do mastro: 35 m
Corda do mastro: 1,20 m
Velas de superfície máx. contra-vento: 444 m²
Vistas de área máxima até o solo: 663 m²

O objetivo de Coville

O francês Thomas Coville quer dar a volta ao mundo em solitário a bordo do trimarã (barco com três cascos) em 40 dias.

Ele já tem o recorde, que é de 49 na versão antiga do Sodebo…

A construção do veleiro durou 18 meses e excedeu as cifras de 10 milhões de euros.

Nesses quase dois anos de construção, mais de 450 fornecedores moldaram o barco de carbono.

 

 

 

Documentário mostra velejador que driblou o câncer e foi campeão olímpico

22/03/2019 10:25

A ESPN e a companhia aérea Avianca apresentaram o documentário El padre del viento (o pai do vento), que retrata a façanha do atleta Santiago Lange.

O velejador argentino superou um câncer um ano antes da Rio 2016 e conseguiu levar a medalha de ouro na classe NACRA ao lado de Cecília Carranza.

O vídeo de quase 30 minutos conta toda a história que envolveu a cura da doença no pulmão, o tratamento na Espanha e a campanha olímpica até o pódio.

Participam do documentário todos os envolvidos na história de superação de Lange, como os filhos Yago e Klaus, a parceira Cecília e o treinador Cole Parada.

”Eu queria começar uma nova vida, virar a página. Eu era um homem saudável, esportista…Me cuido. Como bem. Eu não bebo álcool. Eu nunca fumei”.

“Por que isso está acontecendo comigo?”, Perguntei a mim mesmo. Depois: “Por que eu?” Então, o câncer se tornou um desafio, não uma doença. Eu estava em uma tempestade no meio do mar e não pude sair do barco. Uma realidade que tinha que ser vivida”, disse Santiago Lange.

Santiago Lange é provavelmente o maior velejador da história da Argentina.

O atleta é dono de três medalhas olímpicas.

Além do ouro na NACRA em 2016, o argentino foi bronze na Tornado em Atenas 2004 e Pequim 2008 na classe Tornado.

Lange é campeão mundial, medalhista pan-americano e teve participações na Volvo Ocean Race e America’s Cup.

 

Norueguês manda construir navio enorme para tirar plástico dos oceanos

21/03/2019 20:54

O milionário norueguês Kjell Inge Røkke decidiu dedicar parte de sua fortuna à construção do maior navio do mundo dedicado à limpeza dos oceanos.

O REV (Research Expedition Vessel) terá 181 metros de comprimento e será usado para investigar e remover o plástico dos oceanos.

O barco coletará cerca de cinco toneladas de plástico por dia e depois as reciclará.

Kjell Inge Røkke, que detém quase 67% da frota offshore e exploração de petróleo do grupo Aker ASA, foi considerado pela Forbes como um dos homens mais ricos da Noruega.

Para o empresário, que começou sua carreira como pescador, esta é uma maneira de retornar ao mar o que ele lhe deu.

De acordo com as informações disponíveis no site da REV Ocean, a embarcação deverá ser lançada em 2021 e incorporar pesquisadores de todo o mundo para reunir mais conhecimento, criar mais conscientização, desenvolver novas soluções sustentáveis ​​e coletar lixo plástico.

Terá capacidade para transportar 60 pesquisadores e uma equipe de 40 técnicos para explorar o fundo do mar.

Para chegar ao plástico, o navio, projetado pelo arquiteto naval Espen Oeino, usa várias dezenas de sensores e outros equipamentos de última geração, e todo o material coletado será reciclado.

Projetado para ter emissões muito baixas, o navio é composto por laboratórios, salas de aula, auditórios e um veículo subaquático, que também participará das investigações.

A poluição do plástico, que foi tema de regatas como Volvo Ocean Race, assusta pesquisadores e ambientalista.

Eventos esportivos estão cada vez mais sustentáveis, assim como a ABB Fórmula E e a nova corrida estilo Paris Dakar de carros elétricos, a Extreme-E.