Famoso navio St Helena vira base de nova corrida elétrica

21/02/2019 16:31

A Extreme-E, corrida com utilitários esportivos elétricos (SUVs) off-road,  será disputada nos pontos mais inóspitos do planeta, como a floresta amazônica, Himalaia, deserto do Saara, ilhas do Índico, entre outros.

Além disso, os competidores terão o navio Royal Mail Ship – Santa Helena como base de apoio.

Uma espécie de paddock flutuante.

Durante anos, a RMS St. Helena serviu a pequena ilha de  mesmo nome e sua população.

Agora, a embarcação parte para essa nova empreitada, totalmente remodelada!

”O St Helena é um navio especial, pois conecta a ilha ao resto do mundo. Nós vamos usar agora de base. Sem pegada de carbono, sem poluir o meio ambiente.  Queremos transformar o navio no novo RV Calypso, usado por Jacques Cousteau em suas expedições”, contou Alejandro Agag, organizador do evento e também CEO da Fórmula E.

RMS St Helena era um navio de carga (transportando também passageiros) que servia ao território ultramarino britânico de Santa Helena.

Era uma das quatro únicas embarcações do mundo que ainda carregavam o status de Royal Mail Ship.

Os moradores locais, incluindo a imprensa local, costumam chamá-la de RMS, para não confundi-la com a própria ilha.

 

St Helena na Extreme-E

O Santa Helena será, literalmente, a garagem navegante dos carros do Extreme-E, um Rali Dakar com SUVs elétricas.

Servirá também como base de apoio e pesquisa para ajudar no combate à poluição do meio ambiente

A competição está marcada para 2021 e tem o brasileiro Gil de Ferran como coordenador principal. 

A competição vai destacar não apenas os veículos elétricos, pilotos de alto nível e tecnologias avançadas – mas, crucialmente, os desafios enfrentados por cada ecossistema.