Classe HPE 25 segue como um das mais numerosas da Semana de Vela de Ilhabela

26/06/2018 21:29
Disputa dos HPE25 (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

A classe HPE 25 está confirmada na Semana de Vela de Ilhabela 2018, marcada para o período de 20 a 28 de julho. Com 61 barcos construídos, a categoria é muito procurada pelos velejadores brasileiros e deve levar a maior parte de sua flotilha de monotipos para as regatas no litoral norte paulista.

O atual campeão da HPE 25 em Ilhabela é o Ginga, uma das tripulações mais entrosadas da categoria. Campeonatos estaduais, nacionais e outras competições, incluindo a Copa Suzuki, colocam a classe no calendário de provas.

Velejadores medalhistas olímpicos como Robert Scheidt e Bruno Prada sempre participam das regatas ao lado dos amadores.

Em 2018, a tripulação argentina do Gualicho del Sur alugou um barco para disputar o evento. A equipe geralmente participa de provas em categorias de barcos maiores e agora estreia no HPE 25. ”Pelo que sei, o HPE 25 é um barco ágil, mas não para atletas. É possível de alugar também!”, disse Gustavo Raiberti.

Pajero (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

O Gualicho del Sur terá outros três argentinos correndo: Cecilia von Reichenbach, Josefo Serra e Federico Asnaghi.”Esperamos ter uma regata divertida e sem a regra do rating. Em Ilhabela, certamente teremos bom clima e provas interessantes, melhor do que o de La Plata, uma cidade vizinha de Buenos Aires”, completou Gustavo Raiberti.

Outra equipe que vai correr de HPE 25 é o Mussulo Angola Cables. Comandada pelo médico angolano|brasileiro José Guilherme Caldas, a tripulação se dividirá em dois barcos na Semana de Vela. Para a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, o Mussulo usado será o Bavaria 55, por se tratar de uma regata de longo percurso. Já nas demais provas do calendário, o veleiro escolhido será o HPE 25.

”As regatas de percurso menor são difíceis para um Bavaria 55, um barco grande, pesado e que demora muito para retomar velocidade. Vamos apostar as fichas na Alcatrazes, somente. Mas esse ano vamos correr de HPE 25 com uma tripulação de Salvador. Já estamos treinando em regatas do Circuito Baiano para a Semana de Vela de Ilhabela”, disse José Guilherme Caldas. Os parceiros dele serão Leo Chicourel, Rafael Martins e Beto Vita.

Ginga (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

Ouça o PODCAST com José Guilherme Caldas

O time do Mussulo Angola Cables fará um treino intensivo em julho com um especialista na categoria HPE 25. ”Realmente será uma coisa diferente. Faz anos que não faço vela em barcos menores. Será importante para eu e o Leo Chicourel treinarmos para regatas em duplas, como a Transat Jacques Vabre”.

Sobre a HPE 25

A HPE 25 foi idealizada por Eduardo Souza Ramos e Felipe Furquim. Após criação do projeto pelo argentino Javier Soto Acebal, a construção do primeiro barco da Classe HPE 25 foi consolidada nas dependências de uma fábrica automobilística no interior de São Paulo.

”Eu queria um barco simples, moderno, veloz, divertido, acessível e versátil. E o HPE 25 superou as minhas expectativas”, disse o velejador Eduardo de Souza Ramos ao site oficial da categoria.

A categoria tem um ranking próprio chamado de Gil Souza Ramos, que contará com a maior premiação já oferecida na história da vela nacional. O vencedor levará um HPE25 novo fabricado pela RIO STAR!

O evento final será no Iate Clube do Rio de Janeiro, entre 10 e 11 de novembro de 2018, uma semana antes do brasileiro da classe. O vencedor deve, obrigatoriamente, entregar o seu HPE 25 para receber o prêmio conforme regulamento.

Mais informações aqui

Mussulo (FOTO | Aline Bassi | Balaio de Ideias)

A Semana de Vela de Ilhabela conta com outras duas classes de design único: C-30 e HPE30.

As inscrições seguem abertas e os velejadores devem fazer o processo exclusivamente por meio do site www.svilhabela.com.br.

Veja a lista de pousadas

O evento ocorre no Yacht Club de Ilhabela e chega à sua 45ª edição com as seguintes classes convidadas: ORC, IRC, BRA RGS, Clássicos, C-30, HPE30, HPE25 e Bico de Proa. Será realizado em paralelo o Campeonato Brasileiro de C-30 e a Regata por Equipes.

José Guilherme e Leo (FOTO | Flávio Perez | On Board Sports)

Saiba como o Dongfeng Race Team ganhou a Volvo Ocean Race mais apertada da história

24/06/2018 19:16
Leg 11 from Gothenburg to The Hague. Finish at The Hague. 24 June, 2018.

A Volvo Ocean Race 2017-18 só foi decidida nos últimos metros deste domingo (24). Com MAPFRE, Team Brunel e Dongfeng Race Team praticamente empatados antes da largada, o vencedor da 11ª etapa seria o campeão. E a regata foi muito parelha nas mais de 700 milhas.

E o chinês Dongfeng Race Team conquistou o título ao vencer a última regata, percurso de Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda).

O time vermelho ganhou a 11ª etapa com o tempo de 3 dias, 3 horas e 22 minutos. O segundo lugar nesta perna ficou com o team AkzoNobel e o terceiro como o MAPFRE.

O barco comandando pelo francês Charles Caudrelier pegou um caminho diferente dos demais perto das zonas de exclusão. A estratégia deu certo e eles foram campeões.

“Não estávamos em uma posição tão boa, mas confiamos em nossa escolha e pressionamos”, disse Charles Caudrelier. “Os outros não nos seguiram, nós acreditamos e vencemos. Sempre confiamos uns nos outros. Ninguém pensou que íamos vencer esta última etapa, mas eu tive um bom pressentimento”.

A decisão, no entanto, não surtiu efeito no curto prazo. O barco caiu na tabela depois da nova rota, mas no domingo pela manhã, com menos de 100 milhas para o fim.

”Sabíamos que inicialmente ficaríamos para trás e que, se desse certo, seria apenas no final. O último relatório de posição do domingo nós estávamos a 27 milhas do final e eles tinham 20 milhas de vantagem. Parecia perdido, mas eu fiz um cálculo e vi que dava. Acordei todo mundo e aceleramos”, completou Charles Caudrelier.

O Brasil pode comemorar parte do título. A holandesa Carolijn Brouwer se considera brasileira por ter morado em Niterói (RJ) e Belo Horizonte (MG) por mais de uma década. Ela e a francesa Marie Riou são também as primeiras mulheres a vencer a Volvo Ocean Race.

Competição apertada

O resultado foi o mais apertado da história de 45 anos da regata de Volta ao Mundo. O vice-campeão MAPFRE e o terceiro colocado Team Brunel começaram a perna dividindo a liderança.

O barco Dongfeng Race Team somou ao todo 73 pontos, incluindo a bonificação extra por ter percorrido mais milhas em menos tempo no acumulado das 11 etapas. O MAPFRE fez 70 e o Team Brunel 69. O AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, terminou o campeonato em quarto lugar. Na sequência ficaram Vestas 11th Hour Racing, Turn the Tide on Plastic e SHK | Scallywag.

O MAPFRE do campeão olímpico espanhol Xabi Fernández ficou em terceiro na perna 11, o que colocou a equipe em segundo lugar no geral. Mas a armada ibérica queria o ouro!

“Está sendo difícil pra gente”, admitiu Xabi Fernández. “Nós navegamos muito bem durante todo o campeonato e nesta perna também, então, naturalmente, estamos um pouco decepcionados. Ficamos muito, muito próximos desta vez, mas não foi o suficiente. Por isso, temos que dizer parabéns ao Dongfeng, que navegou um pouco melhor que nós”.

O comandante do Team Brunel, Bouwe Bekking, não conseguiu ser campeão depois de oito tentativas com um final em casa, na Holanda.

“Terceiro lugar, ainda no pódio, acho que podemos ter muito orgulho disso como um time”, disse Bouwe Bekking. ”Achamos que tínhamos feito a escolha certa (para ir mais longe da costa) e esperávamos uma mudança de vento. Chegou 90 minutos mais tarde. Temos que parabenizar Dongfeng e MAPFRE por seus resultados”.

A Volvo Ocean Race 2017-18 teve 11 etapas e uma passagem pelo Brasil. Itajaí (SC) recebeu os barcos vindos dos mares do sul em abril deste ano. A campeã olímpica Martine Grael esteve presente em todas as pernas a bordo do team AkzoNobel.

Dongfeng Race Team é o campeão da Volvo Ocean Race 2017-18

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, arrivals. Dongfeng Race Team wins Leg 11 to take overall victory in Volvo Ocean Race 2017-18. 24 June, 2018.

A Volvo Ocean Race conheceu, neste domingo (24), o campeão da temporada 2017-18. O chinês Dongfeng Race Team conquistou o título ao vencer a última etapa da competição, percurso de 700 milhas entre Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda).

O resultado foi o mais apertado da história de 45 anos da regata de Volta ao Mundo. O vice-campeão MAPFRE e o terceiro colocado Team Brunel começaram a perna dividindo a liderança na tabela. Os chineses tinham um ponto a menos.

O barco Dongfeng Race Team somou ao todo 73 pontos, incluindo a bonificação extra por ter percorrido mais milhas em menos tempo no acumulado das 11 etapas. O MAPFRE fez 70 e o Team Brunel 69. O AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, terminou o campeonato em quarto lugar.

Mas foi nas milhas finais no mar holandês que o Dongfeng Race Team fez a diferença. A estratégia dos franceses Charles Caudrelier e Pascal Bidegorry deu certo na aproximação a Haia. A equipe conta também com a holandesa Carolijn Brouwer, que fala português e morou no Brasil por mais de uma década.

O Dongfeng Race Team ganhou a 11ª etapa com o tempo de 3 dias, 3 horas e 22 minutos. O segundo lugar nesta perna ficou com o team AkzoNobel e o terceiro como o MAPFRE.

Mais informações nas próximas horas.

Campeão da Volvo Ocean Race será definido neste domingo

23/06/2018 19:24
Leg 11, from Gothenburg to The Hague, day 03. Heli LIVE as the fleet blast south, eyes set on The Hague. 23 June, 2018.

A manhã deste domingo (24) definirá o campeão da Volvo Ocean Race 2017-18. A regata entre Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda) é a última da temporada. O título está entre três equipes: MAPFRE, Dongfeng Race Team e Team Brunel. Quem chegar em primeiro é o campeão.

O MAPFRE lidera provisoriamente com o Dongfeng Race Team poucas milhas atrás. A diferença do primeiro ao sétimo não é maior do que 20 milhas.

A disputa é apontada como a mais apertada da história de 45 anos da Volta ao Mundo. Na última edição, por exemplo, o Abu Dhabi Ocean Racing chegou nas etapas finais com o título garantido.

Os barcos descem pela costa da Dinamarca neste sábado (23) e devem lidar com várias zonas de exclusão até a Alemanha. A aproximação a holandesa Haia deve ocorrer na madrugada de sábado.

Na ponta, o MAPFRE pode dar a um barco espanhol o primeiro campeonato da Volvo Ocean Race. O campeão olímpico Xabi Fernández está a cargo da façanha.

“Tivemos um começo ruim, mas depois voltamos muito bem e ficamos presos com Dongfeng o tempo todo. Eu posso ver o bigode de Charles (Caudrelier, comandante de Dongfeng)”, brincou Xabi Fernández.

Apenas dois atletas espanhóis foram campeões, mas com esquipes de outros países. O navegador Joan Vila estava no alemão Illbruck em 2001 e Chuny Bermudez de Castro com Abu Dhabi em 2014-15.

Com chances reais, o chinês Dongfeng Race Team espera definir tudo no sprint. “Eu acho que nós vamos dormir quando chegar a Haia. Nós só temos um pouco mais de um dia para completar e a Volvo Ocean Race. Temos que continuar fazendo de tudo”, contou Pascal Bidégorry.

O comandante Charles Caudrelier já foi campeão da regata, em 2011-12, com o Groupama 4.

Mais atrás, o Team Brunel ainda sonha, mas decisões equivocadas da equipe nos primeiros dias de prova podem ter tirado a chance de Bouwe Bekking, veterano de 8 regatas, ser vencedor.

Há também uma grande batalha na parte de trás da da tabela onde Turn the Tide on Plastic e SHK / Scallywag lutam até o fim pelo sexto lugar para evitar a lanterna.

A previsão de chegada em Haia aponta entre 9h e 13h de domingo

Todas as informações atualizadas minuto a minuto estão disponíveis em www.volvooceanrace.com.

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, day 3 on board AkzoNobel. 23 June, 2018.

Classificação geral da Volvo Ocean Race após 10 etapas

1. MAPFRE – 65 pontos

2. Equipe Brunel – 65 pontos

3. Dongfeng Race Team – 64 pontos *

4. team AkzoNobel – 53 pontos

5. Vestas 11 horas de corrida – 38 pontos

6. SHK / Scallywag – 30 pontos

7. Turn the Tide on Plastic – 29 pontos

* Um ponto adicional por ter feito mais milhas em menos tempo durante toda a prova

** Se houver empate na classificação geral, a Série In-Port servirá como desempate. O MAPFRE foi o campão das regatas costeiras

Um mês para a Semana de Vela de Ilhabela

22/06/2018 18:46

As regatas da 45ª Semana de Vela de Ilhabela começam a ser disputadas em 21 de julho, com as provas de percurso longo tradicionais de abertura do evento como Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, Ilha de Toque-Toque por Boreste e Renato Frankenthal.

A principal competição náutica da América do Sul reunirá barcos das classes ORC, IRC, BRA RGS, Clássicos, C-30, HPE30, HPE25 e Bico de Proa e vai até 28 de julho.

Realizada tradicionalmente no primeiro fim de semana da Semana de Vela de Ilhabela, a regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil levará para a água no sábado os barcos das classes ORC, IRC, BRA-RGS A e B e RGS SILVER. Os veleiros contornam a ilha de Alcatrazes, considerada um refúgio de vida silvestre. A regata de percurso longo tem mais de 50 milhas de distância.

No mesmo horário da regata de Alcatrazes, os barcos das classes C-30, HPE 30, Bico de Proa, Clássicos e BRA-RGS C disputarão a Regata Ilha de Toque-Toque por Boreste. É uma prova mais curta e rápida por estar mais perto de terra e dentro do canal.

Já os HPE25 encerrarão o dia de competições com a Regata Renato Frankenthal.

Com nível internacional, o campeonato receberá atletas olímpicos e pan-americanos e amadores. A organização e comissão de regatas também contam com profissionais chancelados pela autoridade máxima da vela mundial.

”As provas são muito técnicas em todas as categorias. Mesmo sendo um grande encontro da vela nacional, nossa equipe está preparada para que o resultado dentro d’água seja justo. Os árbitros têm experiência em competições nacionais e internacionais”, disse Cuca Sodré, presidente da comissão de regatas.

O desfile dos barcos da Semana de Vela de Ilhabela está programado para ocorrer no sábado, 28 de julho, último dia de regatas da competição. O evento será aberto ao público, que poderá assistir a passagem de todos os veleiros participantes do campeonato.

Com mais de 10 anos na produção oficial da Semana de Vela de Ilhabela, a Full Time Eventos está em campo trabalhando para definir as melhores pousadas, restaurantes e toda logística no Yacht Club de Ilhabela para atender os participantes.

Veja a lista de pousadas

”Temos uma equipe trabalhando em Ilhabela e preparando toda a estrutura para as regatas no Yacht Club Ilhabela. É uma competição de nível internacional, que exige muita dedicação e responsabilidade de todos do Comitê Organizador. Além de velejadores, nós recebemos suas famílias e amigos. É também um período de férias de inverno e muitos turistas frequentam a ilha”, disse Vanessa Lombardi, produtora da Semana de Vela de Ilhabela.

As inscrições seguem abertas e os velejadores devem fazer o processo exclusivamente por meio do site www.svilhabela.com.br.

O evento ocorre no Yacht Club de Ilhabela e chega à sua 45ª edição com as seguintes classes convidadas: ORC, IRC, BRA RGS, Clássicos, C-30, HPE30, HPE25 e Bico de Proa. Será realizado em paralelo o Campeonato Brasileiro de C-30 e a Regata por Equipes.

Regata apertada entre Dongfeng Race Team e MAPFRE

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, day 02. LIVE coverage as the fleet round the Aarhus Fly-By mark. 22 June, 2018.

A regata final da Volvo Ocean Race 2017-18 tem uma disputa acirrada entre Dongfeng Race Team e MAPFRE. As duas equipes estão navegando próximas nesta sexta-feira (22) ainda nas águas da Escandinávia.

A perna 11 liga Gotemburgo (Suécia) a Haia (Holanda) e definirá o campeão da temporada. Uma bóia obrigatória em Aarhus (Dinamarca) teve de ser contornada pelas equipes.

MAPFRE, Team Brunel, que ficou pra trás, e Dongfeng Race Team têm chances de título. O vencedor da etapa leva 8 pontos contra 6 do segundo, por exemplo.

O resultado pode ser histórico para os neozelandeses Blair Tuke e Peter Burling, que estão a bordo de MAPFRE e Team Brunel, respectivamente. Os kiwis podem faturar a chamada tríplice coroa da vela, com os títulos dos Jogos Olímpicos, America’s Cup e Volvo Ocean Race.

“A flotilha se afastou um pouco e não conseguimos aproximar. Espero que a gente alcance os líderes novamente”, afirmou Peter Burling do Brunel.

O comandante Bouwe Bekking acrescentou: “Não navegamos bem durante a tarde e isso está pesando agora”.

O ETA (previsão de chegada) indica o domingo (24) pela manhã.

Todas as informações atualizadas minuto a minuto estão disponíveis em www.volvooceanrace.com

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, day 02. LIVE coverage as the fleet round the Aarhus Fly-By mark. 22 June, 2018.

Classificação geral

1. MAPFRE – 65 pontos

2. Equipe Brunel – 65 pontos

3. Dongfeng Race Team – 64 pontos *

4. team AkzoNobel – 53 pontos

5. Vestas 11 horas de corrida – 38 pontos

6. SHK / Scallywag – 30 pontos

7. Turn the Tide on Plastic – 29 pontos

Segunda etapa da Copa Suzuki em Ilhabela reúne 40 barcos

21/06/2018 20:09

A Copa Suzuki, tradicional evento que antecede a Semana de Vela de Ilhabela, reuniu 40 barcos nos últimos dois fins de semana no litoral norte de São Paulo. A segunda etapa é usada pelas equipes para fazer os últimos testes antes das regatas de julho, marcadas para o período de 20 a 28.

As regatas tiveram características distintas nos dois fins de semana. No primeiro, vento de leste e sol com provas no lado leste do Canal de São Sebastião. Já no segundo, o vento gelado de sul levou os barcos para uma regata de percurso dentro do canal. São as mesmas categorias da Semana de Vela de Ilhabela na Copa Suzuki.

”São regatas muito disputadas e iguais as de julho na Semana de Vela de Ilhabela. A única diferença é que não tem a regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, por ser mais longa. Os velejadores compareceram em grande número, mesmo em um final de semana de jogo do Brasil na Copa do Mundo”, disse Cuca Sodré, organizador e presidente da Comissão de Regatas dos dois eventos.

Algumas equipes também aproveitaram as provas para estrear os novos barcos e chegar prontas para o evento de julho. ”Correr a Copa Suzuki em Ilhabela é extremamente importante e valioso. A tripulação ainda está se adaptando às regulagens do nosso novo barco. Tivemos a oportunidade de comparar a nossa performance com as outras equipes”, contou Bayard Umbuzeiro Neto, do Inaê 40. ”O Beneteau 40.7 se mostrou bastante eficiente”.

Lars Muller, do My Boy, também comentou a etapa em Ilhabela. ”O evento é fundamental para uma boa participação na Semana de Vela. Primeiro para averiguação das condições da embarcação e sua preparação, eventual recebimento de velas novas que precisam de adaptação e eventuais manutenções, em segundo lugar para ir fechando a tripulação que irá participar da competição”.

A próxima edição da Copa Suzuki está marcada para os dias 25 e 26 de agosto e 1º e 2 de setembro!

Inscrições

Continuam abertas as inscrições para a Semana de Vela de Ilhabela 2018 – maior regata da América do Sul. O processo é feito exclusivamente por meio do site www.svilhabela.com.br.
O acesso ao sistema de inscrições estará disponível até 15 de julho de 2018. O valor do pagamento da taxa de inscrição do veleiro será definido no momento da inscrição.

Vale lembrar que o simples cadastramento no sistema de inscrições não garante nenhuma faixa de valor e a inscrição só será efetivada após o depósito bancário e envio do comprovante para o e-mail: eliete@fulltime-eventos.com.br

Etapa final da Volvo Ocean Race começa na Suécia

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, start day. 21 June, 2018.

A última etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 teve início na manhã desta quinta-feira (21) em Gotemburgo (Suécia). A perna decidirá o campeão da temporada. O espanhol MAPFRE e o holandês Team Brunel estão empatados com 65 pontos. O chinês Dongfeng Race Team tem um a menos! A regata final terá mais de 700 milhas com contorno de bóia em Aarhus (Dinamarca).

O sprint de Gotemburgo para Haia teve o Dongfeng Race Team com melhor desempenho no início, mas a regata pelo Mar do Norte ainda está em aberto. Os times estão subindo para a Dinamarca antes de retomar o rumo para a Holanda.

“Estou animado e é o tipo de etapa que eu realmente gosto”, disse Charles Caudrelier do Dongfeng Race Team. ”Estamos prontos para a luta e sabemos que será uma grande disputa”.

A previsão indica que os barcos devem chegar em Haia até o domingo (24).

”É uma decisão incrível com três barcos disputando o título. Todos têm as mesmas chances! Cobrir um barco no mar já é difícil, imagina dois. Então vamos fazer a nossa regata”, disse o campeão olímpico Xabi Fernández, comandante do MAPFRE. A equipe espanhola tem vantagem do desempate por ter vencido o campeonato paralelo das regatas locais.

O Team Brunel de Bouwe Bekking é a equipe que vem com melhor desempenho nas últimas regatas. Venceu três das últimas quatro etapas. ”Acreditamos que podemos vencer. É a minha oitava volta ao mundo! Acredito que podemos vencer os dois barcos vermelhos”.

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, day 01 on board MAPFRE. 21 June, 2018.

Há outra batalha por classificação! O SHK / Scallywag de David Witt tem um ponto de vantagem sobre o Turn on Tide on Plastic de Dee Caffari. A briga é pela sexta colocação.

”A perna será a mais rápida, gerindo as transições, tendo as velas certas, fazendo as escolhas certas”, disse Charles Caudrelier. “É um teste completo. Teremos todos os tipos diferentes de ângulos de vento”.

O caminho da 11ª etapa leva as embarcações para oeste, para fora das ilhotas que estão perto de Gotemburgo, antes de virar para o norte e seguir para uma bóia na costa da Noruega. Depois tem um mergulho para sul para rondar uma bóia perto da cidade dinamarquesa de Aarhus.

Numerosas opções táticas estão em jogo durante toda a etapa, com a previsão do tempo prometendo ventos fortes no começo e condições mais leves perto do final no domingo.

Classificação Geral das In-Port Series da Volvo Ocean Race, após a 10ª regata

1. MAPFRE – 65 pontos

2. Team Brunel – 65 pontos

3. Dongfeng Race Team- 64 pontos *

4. team AkzoNobel – 53 pontos

5. Vestas 11th Hour Racing – 38 pontos

6. SHK / Scallywag – 30 pontos

7. Turn the Tide on Plastic – 29 pontos

*Um ponto adicional será concedido à equipe com o melhor tempo na conclusão da prova em Haia. Atualmente, o Dongfeng ganharia este ponto.

** Se houver empate na classificação geral da prova no final das etapas, as In-Port Race Series serão usadas como desempate.

Legends

Também começa nesta quinta-feira (21) a regata The Legends.

Para comemorar a história da prova, 12 lendários barcos que participaram em sete das anteriores edições, reuniram-se para uma regata histórica. Eles partem de Gotemburgo até Haia.

A cobertura completa pode ser acompanhada aqui https://www.facebook.com/legendsrace2018/

Leg 11, from Gothenburg to The Hague, Day 1 on board Brunel. Bouwe bekking leaves Gothenburg. 21 June, 2018.

Três equipes disputam o título da Volvo Ocean Race 2017-18

20/06/2018 20:39
Gothenburg stopover. Skippers Press Conference. 20 June, 2018.

A temporada da Volvo Ocean Race 2017-2018 está na reta final. Nesta quinta-feira (21), começará a última etapa da competição, que ainda não tem um campeão definido. MAPFRE e Team Brunel, ambos com 65 pontos, e Dongfeng Race Team com 64 estão, têm chances de título!.

Será a primeira vez, em 45 anos de história da Volta ao mundo, que o campeonato será definido na última etapa. A perna, que possui 700 milhas de distância, será entre Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda). Na prática, quem chegar em primeiro leva.

Nesta quarta-feira (20), véspera da prova final, os comandantes se reuniram em entrevista coletiva em Gotemburgo. Sobre o equilíbrio da competição, o comandante do barco Dongfeng Race Team, Charles Caudrelier, disse que está ansioso e confiante para conquista da Volvo Ocean Race.

“É incrível ver três barcos com o mesmo número de pontos. Todos merecem vencer. Estamos animados e prontos. Agora cabe a nós nos esforçarmos e chegar em Haia como campeões”, disse o francês.

Já Xabi Fernández, do MAPFRE, falou um pouco da pressão que o barco tem, já que foi a equipe liderou a competição por mais tempo. “É uma situação incrível. Estou feliz por já estar entre os três barcos da frente. Nós temos uma missão: temos que vencê-los”.

Sobre o Team Brunel, vale destacar a recuperação do barco, que estava em sexto lugar na perna de Auckland, na Nova Zelândia, e conseguiu saltar para segunda posição. “Estamos na briga. Nas últimas etapas fomos os melhores. Agora estou em casa. Moro na Dinamarca há mais de 25 anos. Temos todos os ingredientes para vencer”, disse o Bouwe Bekking, do Team Brunel.

A briga também está na boa na parte de baixo da tabela. SHK/Scallywag está na penúltima colocação com 30 pontos, um a mais que o lanterna Turn The Tide on Plastic. A definição da posição final dos dois barcos também só será definida em Haia, no fim da competição.

Team Brunel vence na Suécia; Volvo Ocean Race está empatada

14/06/2018 22:38
Leg 10, from Cardiff to Gothenburg, arrivals. 14 June, 2018.

O Team Brunel foi vencedor da décima etapa da Volvo Ocean Race, percurso de 1.300 milhas entre Cardiff (País de Gales) e Gotemburgo (Suécia). Na noite desta quinta-feira (14), a equipe de Bouwe Bekking completou a prova em 4 dias, 5 horas e 12 minutos. O MAPFRE finalizou em segundo lugar, um pouco mais de um minuto atrás – 4 dias, 5 horas e 13 minutos.

“Não fizemos escolhas diferentes e vencemos. Não relaxamos, pois estávamos pouco à frente”, contou Bouwe Bekking.

O team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, ficou em terceiro lugar, com 4 dias, 5 horas e 32 minutos de regata. Na sequência chegaram Dongfeng Race Team, Turn The Tide on Plastic e Vestas 11th Hour Racing.

O resultado embola a classificação Volvo Ocean Race 2017-18. MAPFRE e Team Brunel estão empatados agora na liderança com 65 pontos. O MAPFRE leva vantagem no desempate!

”Agora só precisamos vencer a etapa em Haia. Vamos dar nosso melhor”, disse Bouwe Bekking ainda a bordo do Team Brunel nas águas de Gotemburgo.

Se o campeonato terminasse hoje, o MAPFRE seria o campeão. A equipe espanhola lidera as In-Port Race Series, que valem como desempate.

Quarto colocado em Gotemburgo, o Dongfeng Race Team tem 64 pontos, incluindo o ponto extra por ter percorrido mais milhas em menos tempo na Volta ao Mundo.

“Eu imagino que para todos os fãs da regata será uma última etapa muito divertida. Vamos dar tudo o que temos, vamos tentar ganhar a etapa ou mais na frente dos outros dois”, citou Charles Caudrelier, do Dongfeng Race Team.

Porém a decisão fica para a última etapa. A largada da perna entre Gotemburgo (Suécia) e Haia (Holanda) será no domingo (21). A prova de 700 milhas terá um contorno obrigatório em Aarhus (Dinamarca).