Barco SHK / Scallywag chega a Itajaí e agora corre contra o tempo

19/04/2018 19:17
Itajai Stopover. SHK/Scallywag arrives in Itajai. 19 April, 2018

O barco SHK / Scallywag chegou nesta quinta-feira (19) na cidade de Itajaí (SC), a menos de dois dias da largada para a oitava etapa da Volvo Ocean Race 2017-18. A equipe abandou a prova após perder o britânico John Fisher caído no mar e não foi localizado. O barco ficou dias parado na costa oeste do Chile e só terminou a travessia nesta tarde.

O público da Vila da Regata recebeu a equipe com aplausos e emoção. Os tripulantes dos outros barcos foram ao píer ajudar no desembarque. “Foi incrível a quantidade de ajuda que recebemos das outras equipes”, disse a velejadora Annemeike Bes. “É uma ótima sensação que tantas pessoas estão nos apoiando.”

Agora, o time de Hong Kong corre contra o tempo para deixar tudo pronto para a largada rumo a Newport, Rhode Island, na tarde de domingo (22).

Neil Cox, o chefe do estaleiro da Volvo Ocean Race, diz que tem sua equipe de engenheiros está pronta para trabalhar contra o relógio e fazer com que Scallywag largue com o restante da flotilha.

“Temos toda a força de trabalho do The Boatyard dedicada a trabalhar nesse barco”, disse Cox. “Também temos fornecedores no local para nos ajudar com determinadas tarefas”.

O português António Fontes, integrante do Scallywag, estava com a equipe de terra na hora do desembarque já dando início aos reparos.

”A principal dificuldade para o time foi o abalo psicológico. Era o membro mais velho da equipe, visto como um pai pelos demais atletas”, disse Fontes. ”Fomos bem recebidos pelos demais velejadores e por Itajaí”.

O barco não vai disputar a In-Port Race, marcada para sexta-feira (20). A regata vale como desempate ao final do campeonato.

Itajai Stopover. SHK/Scallywag arrives in Itajai. 19 April, 2018

Legado da Volvo Ocean Race: Itajaí é a primeira da América do Sul a assinar compromisso de mares limpos

Itajai Stopover. Signing the UN Clean Seas pledge. 18 April, 2018.

A cidade de Itajaí (SC) foi a primeira da América do Sul a assinar um compromisso das Nações Unidas visando a limpeza dos mares. O objetivo da ação é reduzir a poluição do plástico nos oceanos, uma bandeira da Volvo Ocean Race e da ONU.

A carta foi assinada na tarde desta quarta-feira (18) durante um seminário que reuniu especialistas, cientistas e atletas, como a brasileira Martine Grael, campeã olímpica e velejadora desta edição da regata de Volta ao Mundo.

”Eu velejo desde cedo e nas competições eu acompanho a situação dos mares. No Rio de Janeiro, onde eu treino, vejo plástico quase todos os dias na Baía de Guanabara e fiquei impressionada com a quantidade de plástico fora da costa durante a competição”, disse Martine Grael, integrante do team AkzoNobel.

Os números são alarmantes! Segundo dados da Volvo Ocean Race em paralelo com as Nações Unidas, um caminhão cheio de plástico é despejado nos oceanos a cada minuto.

E tem mais: oito milhões de toneladas de plástico, como garrafas, embalagens e outros tipos de lixo, entram nos mares a cada ano. Aproximadamente 51 trilhões de pedaços microscópios de plástico, pesando 269,000 toneladas.

Isso é quase a mesma coisa do que 1.345 baleias azuis adultas. É estimado que por volta de 2050, terá mais plástico do que peixes nos oceanos do mundo.

O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, se inspirou a se inscrever na campanha da ONU depois de visitar a Nova Zelândia durante a escala da Volvo Ocean Race. Em Auckland, o governo da Nova Zelândia assinou a campanha também. Até agora, mais de 70.000 pessoas de 42 países se comprometeram a reduzir o problema.

”Tenho orgulho de Itajaí ser a primeira cidade do Brasil a assinar a campanha do Meio Ambiente das Nações Unidas. Pretendemos enviar a mensagem clara de que é essencial tomar medidas para enfrentar o problema da poluição plástica. É uma luta que todos os municípios, cidades e das pessoas”, contou o prefeito Morastoni ao lado de Fernanda Altoé Daltro, ativista-chefe do Meio Ambiente da ONU no Brasil.

Johan Salén, vice-presidente da Volvo Ocean Race, estava no evento e disse que Itajaí mostra liderança em liderar a ação. ”Por indivíduos, empresas, ONGs, governos e cidades como Itajaí, trabalhando juntos, podemos encontrar soluções inovadoras para educar, inovar e deixar um legado duradouro que ajudará a resolver esse problema do plástico”.

Silvia Mirpuri, parceira principal do Programa de Sustentabilidade da Volvo Ocean Race, Fundação Mirpuri, também falou no evento. ”Durante séculos, as pessoas têm considerado o oceano como uma fonte inesgotável de comida, e um conveniente local de despejo, muito vasto para ser afetado por qualquer coisa que fazemos. Nós estamos errados”.

O Brasil assinou a campanha CleanSeas da ONU em setembro de 2017. O projeto também está sendo apoiado pela equipe de regata Turn the Tide on Plastic na volvo Ocean Race.

Itajai Stopover. Signing the UN Clean Seas pledge. 18 April, 2018.