Triplo empate na saída dos Doldrums

11/01/2018 20:37
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, Day 10 onboard Turn the Tide on Plastic. Always on the lookout for floating logs in the water – amazing we hit several large tree’s flaoting in the ocean. Photo by Brian Carlin/Volvo Ocean Race. 11 January, 2018.

A etapa entre Melbourne e Hong Kong da Volvo Ocean Race segue cada vez mais equilibrada. Faltando uma semana para o término da quarta perna, os sete barcos seguem com chances de vitória. Nesta quinta-feira (10), três equipes se destacaram ao deixar a calmaria dos Doldrums, área de ventos fracos e inconstantes próxima à Linha do Equador.

Vestas 11th Hour Racing, Dongfeng Race Team e team AkzoNobel – que tem a brasileira Martine Grael – foram os primeiros a sair do Doldrums e pegar rajadas mais rápidas. O calor de quase 50 graus e a falta de ventos foram cruéis com os atletas desde o início da semana.

“Foram 24 horas incríveis”, disse o velejador norte-americano Mark Towill, integrante do Vestas 11th Hour Racing. “Foi muito quente e muito complicado, mas nos colocamos em uma boa posição e estamos felizes.  Foi um esforço incrível por parte do time. Estamos ansiosos para outra noite emocionante e para alcançar os ventos alísios com uma brisa estável”.

O Vestas 11th Hour Racing é o líder no relatório enviado na tarde desta quinta-feira, mas a diferença é inferior a uma milha náutica. Literalmente empate técnico triplo!

“Ontem à noite tivemos muito trabalho a bordo, nas melhores condições dos Doldrums com chuvas que exigiram uma mudança constante de velas e manobras”, disse o navegador espanhol Joan Villa, integrante do MAPFRE. O barco espanhol está em quarto por enquanto.

A previsão de chegada em Hong Kong será em 17 de janeiro. Ao todo a quarta etapa tem quase 6 mil milhas náuticas.

Etapa tem novo líder e diferença pequena entre os seis mais bem colocados

08/01/2018 18:09
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 06, the beautiful blue waters of the Coral Sea on full display from the air above Vestas 11th Hour. Photo by Amory Ross/Volvo Ocean Race. 07 January, 2018.

A quarta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 é marcada pelo equilíbrio entre os barcos que navegam rumo a Hong Kong. O placar desta segunda-feira (8) indica pequena vantagem do novo líder, o Vestas 11th Hour Racing, para o sexto colocado, o Team Brunel, que é de menos de 10 milhas náuticas.

Os barcos Turn the Tide on Plastic, team AkzoNobel, MAPFRE e Dongfeng Race Team seguem no bloco principal na altura das ilhas Salomão, ainda na Oceania. A alternância de posições deve continuar nos próximos dias, já que os barcos se aproximam da zona de calmaria dos Doldrums. A chave para o sucesso está na rapidez das equipes em se livrar dessa área de ventos inconstantes.

“Nós ainda não atravessamos os Doldrums, então há muito por vir, muitas oportunidades não só para nós, mas também para os outros barcos”, disse o comandante do MAPFRE, Xabi Fernández.

O MAPFRE que lidera a classificação geral chegou a assumir a liderança, que estava quase desde o início da etapa, em 2 de janeiro, nas mãos do Dongfeng Race Team. Mas nenhum nem o outro está na ponta nesse momento rumo ao norte.

“Estivemos nesta situação antes, na segunda e na terceira etapa, ficamos atrás do Dongfeng e tentamos pegá-los o tempo todo, e agora está acontecendo novamente, sabemos que eles são uma equipe muito forte, eles já mostraram isso”, comentou o medalhista olímpico espanhol.

As próximas 36 horas podem determinar o pódio da etapa, apesar do fato de que ainda há mais de 3 mil milhas para o fim. A perna entre Melbourne e Hong Kong tem quase 6 mil milhas náuticas e é disputada pela primeira vez na história da Volvo Ocean Race. A previsão de chegada aponta entre 16 e 17 de janeiro.

“Todos nós tivemos a oportunidade de liderar! Você só precisa da tática e da nuvem certa”, contou o velejador do Vestas 11th Hour Racing, Tom Johnson.

O Team Brunel, sexto colocado no momento, passou por um susto nesta madrugada. “O vento mudou instantaneamente e, antes de sabermos, estávamos em uma situação ruim”, revelou o comandante Bouwe Bekking. “Uma grande onda nos atingiu tão perto que as faíscas voaram pelo mastro. O Roma [Kirby], que estava no leme do barco, deitou no convés apenas por causa do impacto do ruído brutal”.

Nenhum dos atletas ficou ferido e, milagrosamente, os componentes eletrônicos de seu barco também permaneceram intactos.

Dongfeng é o primeiro a contornar Santa Ana

07/01/2018 20:19
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 07 on board Dongfeng. Photo by Martin Keruzore/Volvo Ocean Race. 07 January, 2018.

O barco chinês Dongfeng Race Team foi o primeiro a contornar a ilha de Santa Ana, que fica no arquipélago de Salomão, ponto mais a leste da quarta etapa da Volvo Ocean Race. Neste domingo (7), o time comandado pelo francês Charles Caudrelier abriu pequena vantagem para os adversários MAPFRE, team AkzoNobel e Vestas 11th Hour Racing. A diferença entre eles segue pequena no trajeto entre a australiana Melbourne e Hong Kong.

A regata está cada vez mais difícil com os ventos variando de fraca para forte intensidade nas águas da Oceania. Atenção redobrada também para os corais e recifes dessa região. Antes de continuar para norte aproveitando os ventos fracos dos Doldrums, os barcos são obrigados a passar pelo chamado way point de Santa Ana. As próximas 48 horas vão ser um grande desafio.

“Nós vamos ter que estar muito atentos”, disse Simon Fisher, navegador do Vestas 11th Hour Racing, barco que ocupa a quarta colocação provisória. “Esperamos grandes mudanças nas próximas 24 horas”. O MAPFRE, que estava em terceiro, conseguiu passar o AkzoNobel da brasileira Martine Grael.

Agora o ataque será contra o Dongfeng Race Team. “Será um progresso lento, mas tivemos uma boa regata até agora”, disse Rob Greenhalgh a bordo do MAPFRE. “Será uma prova com poucas nuvens para enfrentar”.

A previsão de chegada em Hong Kong continua entre 16 e 17 de janeiro. O MAPFRE lidera o campeonato da Volvo Ocean Race.

Volvo Ocean Race: regata equilibrada na Oceania

06/01/2018 23:31

Líderes Dongfeng Race Team e team AkzoNobel já olham adversários no retrovisor depois de vantagem confortável no Mar de Coral.

Perna da Volvo Ocean Race entre Melbourne e Hong Kong deve ter mais 10 dias.

 

A flotilha passa nesse momento na linha de Vanuatu e Nova Caledônia.

O próximo ponto chave da quarta etapa será contornar Salomão e outras pequenas ilhas do Pacífico.

“Teremos uma provável junção da flotilha. Pode ser um reinício da etapa e para isso precisamos estar prontos à medida que a batalha para os novos ventos alísios começa”, contou o navegador do Vestas 11th Hour Racing, Simon Fisher.

Os atletas precisam ficar atentos no radar ao número muito grande de recifes. Nessa região também entra os chamados Doldrums, zona com ventos inconstantes perto da Linha do Equador.

“Estamos trabalhando duro na regata, que passou de ser técnica para uma prova de linha reta. Estamos todos muito tranquilos e satisfeitos com o desempenho”, disse Simeon Tienpont, skipper do AkzoNobel.

A previsão do tempo para os próximos dias indica que o vento deve cair de velocidade, o que pode trazer ainda mais equilíbrio para a quarta etapa da regata de Volta ao Mundo.

Líderes abrem vantagem na quarta etapa da Volvo Ocean Race

04/01/2018 19:27
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 03 on board AkzoNobel. Photo by Sam Greenfield/Volvo Ocean Race. 03 January, 2018.

As equipes Dongfeng Race Team e team AkzoNobel – que tem a brasileira Martine Grael como tripulante – ampliaram a liderança na quarta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, perna disputada entre a australiana Melbourne e Hong Kong.

Os dois barcos optaram por navegar mais distantes da costa e conseguiram nas últimas 24 horas abrir mais de 30 milhas de vantagem para o restante dos times que disputam a prova de Volta ao Mundo.

Com estratégia parecida, o Turn the Tide on Plastic assumiu o terceiro lugar. As outras quatro equipes, incluindo o MAPFRE – líder do campeonato, optaram por velejar mais coladas à costa australiana e percorreram menos milhas nesta quinta-feira (4).

“Agora temos uma grande diferença entre nós e o grupo do MAPFRE e Vestas 11th Hour Racing”, disse o francês Franck Cammas, do Dongfeng. “Nós ficamos felizes com nossas escolhas ontem. Pensamos sobre o risco antes de fazer, mas deu certo. Isso é bom para a confiança da equipe”.

Perto do Dongfeng Race Team, o barco de Martine Grael velejou um pouco mais rápido que os líderes no início da manhã desta quinta-feira pelo Mar de Coral.

“A questão agora é se a gente consegue continuar mantendo distância. Me sinto feliz por competir bem contra Dongfeng e MAPFRE”, contou Chris Nicholson, do AkzoNobel.

Embora ainda seja no início do percurso de quase 6 mil milhas náuticas até Hong Kong, esses pequenos avanços de Dongfeng e AkzoNobel podem surtir efeito no final. A previsão de chegada no porto asiático indica 17 de janeiro em diante.

2018 começa com quarta etapa da Volvo Ocean Race

02/01/2018 19:55

Olá, pessoal

Feliz 2018

Ano de muitas regatas e futebol (ninguém é de ferro, né?)

E a Volvo Ocean Race deu start para sua quarta etapa hoje de madrugada

 A perna da australiana Melbourne até Hong Kong terá 5.600 milhas náuticas e deve durar aproximadamente 15 dias.
Líder da classificação geral da regata de Volta ao Mundo, os espanhóis do MAPFRE foram os primeiros na Port Phillip Bay, mas os outros times seguem colados.
“A perna será muito difícil e haverá muitas opções em aberto”, disse o comandante do MAPFRE, Xabi Fernández.
“Vamos dar tudo desde o início. O barco e a equipe estão em ótima forma, conseguimos ter um bom descanso e estamos prontos”.
Nas primeiras horas de prova, o Vestas 11th Hour Racing também chegou a liderar. O Dongfeng Race Team pagou uma penalidade após a largada, mas se recuperou. A flotilha enfrentou condições difíceis na saída da baía de Melbourne, com um forte vento de sul contra a maré.
A etapa entre Melbourne e Hong Kong é a chance do team AkzoNobel, que tem a brasileira Martine Grael, ganhar posições. A equipe ocupa a sexta colocação no geral e na última etapa ficou na última posição por problemas no barco.
”Eu não sei o que esperar de resultado, só sei que a tripulação nunca esteve mais pronta para ir pra água. Está todo mundo com vontade de tirar um resultado bom. Tem uma energia positiva na equipe. Acho que vai dar boas coisas”, disse Martine Grael.
As outras três etapas foram vencidas por Vestas 11th Hour Racing (Leg 1) e MAPFRE (Leg 2 e Leg 3).
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, start. Photo by Ainhoa Sanchez/Volvo Ocean Race. 02 January, 2018.