Gêmeos dominam brasileiro de Optimist

17/01/2018 17:47
Competição ocorreu em Salvador/BA, Foto: Peu Fernandes

A classe Optimist é de introdução à modalidade vela e pode ser disputada entre crianças e adolescentes de 7 a 15 anos.

Os gêmeos Leonardo Crespo e Mathias Crespo, ambos do Rio de Janeiro (RJ), entraram para a última das 12 regatas do evento para decidir entre eles o título. Com um segundo lugar na prova final, Leonardo passou o irmão na classificação geral.

Leonardo Crespo fez 64 pontos e Mathias Crespo 61. A medalha de bronze na categoria juvenil do Brasileiro de Optimist ficou com Pedro Madureira, também do Rio de Janeiro.

”Achei um campeonato bem legal e muito divertido. Isso é o que importa”, contou Leonardo Crespo, do Iate Clube do Rio de Janeiro. ”Não tem uma rivalidade entre a gente. Até na regata final a gente falou sobre a raia e trocou ideias”.

O irmão Mathias disse que só descobriu na véspera que estavam empatados. ”Eu nem pensei em ir pra água e marcar ele. Só pensei em velejar bem! Foi isso”.

O pai dos gêmeos, Maurício Crespo, estava feliz com o desempenho dos filhos, que também ajudaram o Iate Clube do Rio de Janeiro a faturar o troféu por Equipes e o prêmio de melhor flotilha do Brasileiro de Op. ”Não esperava isso nem nos meus melhores sonhos. Foi um momento ímpar da minha família e marcante”.

No feminino, o título ficou com Nina Pessoa, de Niterói (RJ). ”Estou muito feliz com a conquista. Foi muito legal competir com todos. As meninas me deram trabalho. Agora quero seguir na vela, quem sabe um dia disputar uma olimpíada e seguir os passos da Martine Grael”, disse a garota de 13 anos do Clube Naval Charitas.

O campeonato foi disputado no Yacht Clube da Bahia, que nos últimos três meses sediou eventos importantes da modalidade, como o Norte Nordeste, Copa Brasil e agora o Brasileiro.

”O YCB tem 82 anos e foi fundado para fomentar os esportes náuticos, principalmente a vela. Mas para a gente crescer e disputar com os clubes do País, faltava alguma coisa. Na nossa gestão entramos no Comitê Brasileiro de Clubes. Conseguimos fazer convênios para investir na vela e na natação. Esses recursos nos permitem trazer os melhores profissionais e levar nossos velejadores pra disputar competições internacionais”, contou Marcelo Sacramento, comodoro do Yacht Clube da Bahia.

O evento contou com mais de 170 crianças e adolescentes em Salvador.

A edição 2019 deverá ocorrer em Ilhabela (SP). O Optimist, também conhecido como OP, já revelou nomes de peso da vela mundial, como Robert Scheidt, Martine Grael e André Fonseca.

Líder da quarta etapa da Volvo Ocean Race entra em modo invisível

Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 16 David Witt looks on and wonders if the dream might become a reality on board Sun Hung Kai/Scallywag. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 16 January, 2018.

As últimas milhas da quarta etapa da Volvo Ocean Race, entre Melbourne e Hong Kong, prometem mexer com a cabeça dos velejadores das sete equipes que disputam a regata. O Sun Hung Kai / Scallywag, líder da perna, entrou em modo invisível e seus movimentos não podem ser vistos pelos adversários por 24 horas. Faltam menos de 800 milhas náuticas para o encerramento da prova de quase 6 mil milhas náuticas e o barco de Hong Kong tinha vantagem na liderança para o Vestas 11th Hour Racing. A previsão de chegada dos barcos é na sexta-feira (19).

O Sun Hung Kai / Scallywag deve cruzar entre Taiwan e as Filipinas antes de acelerar rumo à vitória em casa. Como existem algumas áreas de pouco vento que devem ser evitadas, a equipe escolheu sumir do mapa. As horas anteriores a este ponto devem decidir o vencedor.
“Para mim, a maior preocupação é daqui para as Filipinas”, disse o comandante do barco de Hong Kong, David Witt. “Depois de beirar Filipinas para Hong Kong será bastante fácil. Se não tivermos perdas nas próximas horas, ninguém nos alcançará. Daremos tudo para ser a primeira equipe de Hong Kong a vencer em Hong Kong.
O Dongfeng Race Team também adotou o modo sigilo e não será visto por um dia inteiro. A equipe está na segunda colocação da classificação geral, atrás apenas do MAPFRE.
“Parece que Scallywag tem a regata sob controle, se nada acontecer, é claro! Bom para eles … e também para os fãs locais! Tenho certeza que haverá muitas celebrações”, disse o comandante do MAPFRE, Xabi Fernández.
O Vestas 11th Hour Racing, que ocupa o segundo lugar, abriu um espaço de 70 milhas entre eles e a equipe da AkzoNobel, que ocupa o terceiro lugar na classificação desta quarta-feira (17). O Akzonobel tem a brasileira Martine Grael.
Enquanto os barcos não chegam, e principalmente o Sun Hung Kai / Scallywag, a Vila da Regata de Hong Kong foi aberta nesta quarta-feira. A parada será no Kai Tak Runway Park. Mais de 12.500 estudantes locais visitarão a Race Village durante o período.