HGC In-Port Race em Hong Kong é vencida pelo Team AkzoNobel

27/01/2018 20:25
Hong Kong Stopover. HGC In-Port Race Hong Kong. 27 January, 2018.

O team AkzoNobel venceu, neste sábado (27), a HGC In-Port Race Hong Kong em disputada regata entre bóias nas águas de Kowloon Bay. A equipe da brasileira Martine Grael ganhou pela primeira vez uma prova costeira, que faz parte do calendário da Volvo Ocean Race 2017-18.

A equipe holandesa travou uma disputa com o Dongfeng Race Team durante a regata. Os chineses chegaram em segundo lugar e o Team Brunel, também da Holanda, em terceiro.

O vento durante a regata variou de 6 a 10 nós, mas a instabilidade e uma forte corrente dificultaram as decisões dos táticos.

“Fizemos uma regata fantástica e muito emocionante. O plano era fazer nossa própria prova, mas foi bem difícil pelas condições de vento e corrente”, disse o líder do team AkzoNobel, Simeon Tienpont.

O Vestas 11th Hour Racing não participou da regata deste sábado. A equipe está fazendo reparos no barco após colidir um um pesqueiro no fim da quarta etapa da regata de Volta ao Mundo.

Os barcos voltam a competir neste domingo (28) em Hong Kong. A Around Hong Kong Island Race faz parte do programa de regatas para a parada asiática. A largada será às 1h30 (Horário de Brasília) e prova pode ser acompanhada ao vivo pelo site www.volvooceanrace.com.

Os resultados deste fim de semana vão se juntar para formar a pontuação final da In-Port de Hong Kong.

Hong Kong sedia duas regatas costeiras da Volvo Ocean Race

26/01/2018 17:56
Hong Kong practice race on board Sun Hung Kai/Scallywag. 25 January, 2018.

O fim de semana será de regatas em Hong Kong, onde o circo da Volvo Ocean Race está instalado. Neste sábado (27), os barcos disputam a HGC In-Port Race, evento tradicional nas etapas e que vale como desempate na classificação geral da Volta ao Mundo.

Além da in-port, os times voltam à água no domingo (28) para a Hong Kong Island Race Around, uma prova ao redor de Hong Kong.

Os resultados das duas regatas serão combinados e marcados como um evento para a classificação geral das In-Ports, que tem como líder o espanhol MAPFRE.

Dongfeng Race Team tem um ponto atrás e o Team Brunel completa o pódio.

O Sun Hung Kai / Scallywag terá a torcida dos fãs em Hong Kong. O barco foi o vencedor da quarta etapa, que saiu de Melbourne, na Austrália, e terminou em Hong Kong.

Enquanto isso, o Vestas 11th Hour Racing anunciou que não participará das regatas costeiras de Hong Kong neste fim de semana e na quinta etapa de Hong Kong a Guangzhou.

A equipe está coordenando os reparos necessários em seu barco causados ​​por uma colisão com um pesqueiro antes do fim da quarta perna.

Como acompanhar a HGC In-Port de Hong Kong:

Acesse www.volvooceanrace.com para ver ao vivo a transmissão a partir de 2h50 (Horário de Brasília)

No Facebook Live: faremos a mesma retransmissão através da web; no entanto, você pode visitar nossa página para definir um lembrete e não perder.

Siga-nos no Twitter: estamos no @volvoooceanrace … e compartilharemos a ação ao vivo, além de mostrar o melhor conteúdo das equipes, patrocinadores e fãs da regata. Acesse também o live.twitter.com/volvooceanrace e tweet com #volvooceanrace.

Baixe o nosso aplicativo: é completamente novo, está cheio de conteúdo excelente e se encaixa no seu celular. Para obter o aplicativo oficial Volvo Ocean Race, entre na App Store ou no Google Play para fazer o download.

Tabela da Volvo Ocean Race In-Port Race Series

1. MAPFRE – 19 pontos
2. Dongfeng Race Team – 18 pontos
3. Team Brunel – 13 pontos
4. Vestas 11th Hour Racing – 12 pontos
5. team AkzoNobel – 11 pontos
6. Sun Hung Kai / Scallywag – 6 pontos
7. Turn the Tide on Plastic – 5 pontos

Primeiro pódio de muitos! Martine Grael e AkzoNobel em terceiro em Hong Kong

20/01/2018 00:39

A equipe da campeã olímpica na Rio 2016 completou o percurso de quase 6 mil milhas náuticas entre Melbourne (Austrália) e Hong Kong na noite desta sexta-feira (19) no Brasil, já manhã na Ásia, local da chegada.

O time fez o trajeto em 17 dias, 21 horas e 6 minutos. A etapa foi vencida pelo Team Sun Hung Kai / Scallywag, que fechou a quarta perna da Volvo Ocean Race em 17 dias, 4 horas e 30 minutos. Em segundo ficou o Dongfeng Race Team, que fez em 17 dias, 17 horas e 18 minutos.

”Foi uma das pernas mais divertidas. No começo a gente teve muita disputa, com os barcos sempre no visual até passar da Linha do Equador. O tempo inteiro, de dia, de noite, com binóculo. Foi super competitiva e isso divertiu bastante”, contou a brasileira Martine Grael. ”Depois de uma terceira perna muito dura com uma quebra, foi muito bom chegar em Hong Kong com o pódio”.

Leg 4, Melbourne to Hong Kong, arrivals. 20 January, 2018.

Barco de Hong Kong vence quarta etapa e faz a festa em casa

19/01/2018 17:58
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, arrivals. 19 January, 2018.

O barco Team Sun Hung Kai / Scallywag foi o vencedor da quarta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, prova disputada entre Melbourne (Austrália) e Hong Kong. A equipe ‘da casa’ completou, nesta sexta-feira (19), o percurso de quase 6 mil milhas náuticas em 17 dias, 4 horas e 30 minutos.

A equipe, comandada pelo australiano David Witt, teve de se superar para ficar com o primeiro lugar e fazer a festa dos fãs locais na chegada. Durante o percurso, a tripulação viveu o drama com a queda do também australiano Alex Gough ao mar após uma manobra. O velejador foi resgatado em poucos minutos sem arranhões e o Team Sun Hung Kai / Scallywag acelerou para fechar em primeiro.

”A gente tinha um plano e fizemos o planejado. Algumas vezes dá certo, outras não. Dessa vez deu!”, disse o comandante David Witt. ”Fomos a última equipe a entrar na disputa e leva mais tempo pra gente saber como as coisas funcionam. Todas as equipes precisam de confiança e nessa etapa conseguimos com decisões acertadas. O objetivo é continuar a melhorar”.

A equipe de Hong Kong acelerou para a vitória após a passagem pela calmaria dos Doldrums. Antes praticamente todas as equipes estiveram na frente por pelo menos algumas horas. Na reta final, o Team Sun Hung Kai / Scallywag adotou o modo invisível para tentar evitar um ataque dos adversários.

“Fiquei realmente impressionado com a maneira como corremos nos últimos dois dias. Tivemos uma liderança bastante grande e, em seguida, sem culpa nossa, cerca de dois terços dela perdemos”, contou David Witt.

O resultado da etapa quatro deve embolar o campeonato, já que o Dongfeng Race Team deve ser o segundo colocado ainda nesta sexta-feira (19). Com isso, o barco chinês diminuirá em pelo menos três pontos a vantagem do MAPFRE, atualmente o quinto na etapa. Hoje a vantagem espanhola está em seis.

Depois de Vestas 11th Hour Racing e Dongfeng Race Team, o próximo a cruzar a linha de chegada será o team AkzoNobel. da brasileira Martine Grael.

Gêmeos dominam brasileiro de Optimist

17/01/2018 17:47
Competição ocorreu em Salvador/BA, Foto: Peu Fernandes

A classe Optimist é de introdução à modalidade vela e pode ser disputada entre crianças e adolescentes de 7 a 15 anos.

Os gêmeos Leonardo Crespo e Mathias Crespo, ambos do Rio de Janeiro (RJ), entraram para a última das 12 regatas do evento para decidir entre eles o título. Com um segundo lugar na prova final, Leonardo passou o irmão na classificação geral.

Leonardo Crespo fez 64 pontos e Mathias Crespo 61. A medalha de bronze na categoria juvenil do Brasileiro de Optimist ficou com Pedro Madureira, também do Rio de Janeiro.

”Achei um campeonato bem legal e muito divertido. Isso é o que importa”, contou Leonardo Crespo, do Iate Clube do Rio de Janeiro. ”Não tem uma rivalidade entre a gente. Até na regata final a gente falou sobre a raia e trocou ideias”.

O irmão Mathias disse que só descobriu na véspera que estavam empatados. ”Eu nem pensei em ir pra água e marcar ele. Só pensei em velejar bem! Foi isso”.

O pai dos gêmeos, Maurício Crespo, estava feliz com o desempenho dos filhos, que também ajudaram o Iate Clube do Rio de Janeiro a faturar o troféu por Equipes e o prêmio de melhor flotilha do Brasileiro de Op. ”Não esperava isso nem nos meus melhores sonhos. Foi um momento ímpar da minha família e marcante”.

No feminino, o título ficou com Nina Pessoa, de Niterói (RJ). ”Estou muito feliz com a conquista. Foi muito legal competir com todos. As meninas me deram trabalho. Agora quero seguir na vela, quem sabe um dia disputar uma olimpíada e seguir os passos da Martine Grael”, disse a garota de 13 anos do Clube Naval Charitas.

O campeonato foi disputado no Yacht Clube da Bahia, que nos últimos três meses sediou eventos importantes da modalidade, como o Norte Nordeste, Copa Brasil e agora o Brasileiro.

”O YCB tem 82 anos e foi fundado para fomentar os esportes náuticos, principalmente a vela. Mas para a gente crescer e disputar com os clubes do País, faltava alguma coisa. Na nossa gestão entramos no Comitê Brasileiro de Clubes. Conseguimos fazer convênios para investir na vela e na natação. Esses recursos nos permitem trazer os melhores profissionais e levar nossos velejadores pra disputar competições internacionais”, contou Marcelo Sacramento, comodoro do Yacht Clube da Bahia.

O evento contou com mais de 170 crianças e adolescentes em Salvador.

A edição 2019 deverá ocorrer em Ilhabela (SP). O Optimist, também conhecido como OP, já revelou nomes de peso da vela mundial, como Robert Scheidt, Martine Grael e André Fonseca.

Líder da quarta etapa da Volvo Ocean Race entra em modo invisível

Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 16 David Witt looks on and wonders if the dream might become a reality on board Sun Hung Kai/Scallywag. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 16 January, 2018.

As últimas milhas da quarta etapa da Volvo Ocean Race, entre Melbourne e Hong Kong, prometem mexer com a cabeça dos velejadores das sete equipes que disputam a regata. O Sun Hung Kai / Scallywag, líder da perna, entrou em modo invisível e seus movimentos não podem ser vistos pelos adversários por 24 horas. Faltam menos de 800 milhas náuticas para o encerramento da prova de quase 6 mil milhas náuticas e o barco de Hong Kong tinha vantagem na liderança para o Vestas 11th Hour Racing. A previsão de chegada dos barcos é na sexta-feira (19).

O Sun Hung Kai / Scallywag deve cruzar entre Taiwan e as Filipinas antes de acelerar rumo à vitória em casa. Como existem algumas áreas de pouco vento que devem ser evitadas, a equipe escolheu sumir do mapa. As horas anteriores a este ponto devem decidir o vencedor.
“Para mim, a maior preocupação é daqui para as Filipinas”, disse o comandante do barco de Hong Kong, David Witt. “Depois de beirar Filipinas para Hong Kong será bastante fácil. Se não tivermos perdas nas próximas horas, ninguém nos alcançará. Daremos tudo para ser a primeira equipe de Hong Kong a vencer em Hong Kong.
O Dongfeng Race Team também adotou o modo sigilo e não será visto por um dia inteiro. A equipe está na segunda colocação da classificação geral, atrás apenas do MAPFRE.
“Parece que Scallywag tem a regata sob controle, se nada acontecer, é claro! Bom para eles … e também para os fãs locais! Tenho certeza que haverá muitas celebrações”, disse o comandante do MAPFRE, Xabi Fernández.
O Vestas 11th Hour Racing, que ocupa o segundo lugar, abriu um espaço de 70 milhas entre eles e a equipe da AkzoNobel, que ocupa o terceiro lugar na classificação desta quarta-feira (17). O Akzonobel tem a brasileira Martine Grael.
Enquanto os barcos não chegam, e principalmente o Sun Hung Kai / Scallywag, a Vila da Regata de Hong Kong foi aberta nesta quarta-feira. A parada será no Kai Tak Runway Park. Mais de 12.500 estudantes locais visitarão a Race Village durante o período.

Velejador da Volvo Ocean Race cai na água, mas é resgatado

15/01/2018 19:04
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 13 Big speeds and lots of water over the deck on board Sun Hung Kai/Scallywag. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 18 January, 2018

A edição 2017-18 da Volvo Ocean Race teve seu momento de maior preocupação  até o momento. Neste domingo (14), durante a quarta etapa da regata – entre Melbourne e Hong Kong – o australiano Alex Gough caiu no mar e foi minutos depois resgatado pela sua tripulação do Sun Hung Kai/Scallywag.
O incidente ocorreu durante uma mudança de vela feita pelo barco de Hong Kong, que lidera provisoriamente a etapa quatro. O vento era de 15 a 20 nós.
O barco entrou em modo resgate e a ação para colocar Alex Gough a bordo novamente durou sete minutos.
“Eu estava no leme quando aconteceu . Fizemos tudo rápido e ele está em segurança agora. Isso mostra como é difícil ver alguém num mar desses. Mesmo num dia de sol. Não gostaria ter fazer isso à noite e com muito vento”, disse o comandante David Witt.

VEJA O VÍDEO AQUI

O velejador que caiu no mar não vestia roupa de segurança, como os coletes normalmente usados em regatas oceânicas.
“Eu fui tolo, mas tive sorte de os caras me resgatarem  rapidamente”, disse Alex Gough.
A manobra de resgate custou alguns minutos e milhas para o barco líder da etapa. O segundo lugar está com o AkzoNobel, da brasileira Martine Grael.

Faltam menos de 2 mil milhas para a chegada em Hong Kong. Os barcos devem concluir a Regata em 19 de janeiro

Sun Hung Kai/Scallywag acelera para Hong Kong

Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 14 David Witt and Grant Wharington on board Sun Hung Kai/Scallywag. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 15 January, 2018.

Mesmo após ter um tripulante na água após o incidente, o Sun Hung Kai/Scallywag segue com vantagem na liderança da quarta etapa da Volvo Ocean Race, percurso entre Melbourne e Hong Kong. No placar desta segunda-feira (15), o barco de Hong Kong segue com mais de 70 milhas náuticas para o segundo colocado, o Vestas 11th Hour Racing. A previsão para a linha de chegada está em 19 de janeiro.

A estratégia de cortar caminho pelas Ilhas Salomão foi fundamental para a equipe que, mesmo com o incidente com o tripulante Alex Gough, segue com distância confortável! Nas 24 horas anteriores, o Scallywag acelerou ainda mais fazendo 504,7 milhas, 25 milhas a mais do que o Vestas 11th Hour Racing.

“Alguns dias atrás perdemos milhas e por isso tentamos algo diferente”, explicou John Fisher, tripulante do Scallywag. “Durante o último dia, esta opção começou a dar frutos. É muito positivo não estar na parte de trás da flotilha, mas sabemos que tudo pode mudar. Hong Kong é a nossa cidade, por isso para nós obter um bom resultado seria muito bom”.

O time do MAPFRE, que lidera a competição, vê com bons olhos uma possível vitória de Hong Kong para deixar os chineses do Dongfeng Race Team mais distantes.

“[Uma vitória para o Scallywag] seria boa para eles, mas também para nós”, disse Rob Greenhalgh. “Com um ponto de bônus disponível para o ganhador da etapa, o melhor para nós era que Vestas e Dongfeng não vencessem”.

Os ventos alísios de nordeste agora dominam a subida para Hong Kong, limitando as opções táticas disponíveis para as equipes.

Bloom e DiCaprio prestigiam ABB Fórmula E

13/01/2018 10:16
MARRAKECH, MOROCCO – JANUARY 13: Orlando Bloom drives a Formula E racing car at the ABB FIA Formula E Marrakech E-Prix on January 13, 2018 in Marrakech, Morocco. Pic Credit: Dave Benett

Os atores Orlando Bloom e Leonardo DiCaprio participaram da terceira corrida da temporada da ABB Fórmula E, que está sendo realizada em Marrakesh, em Marrocos. O E-Prix será disputado neste sábado (13), mas na véspera, Orlando Bloom teve contato direto com os carros elétricos, ganhando dicas preciosas do líder do campeonato, o compatriota Sam Bird. O ator guiou um dos carros, que atingem 0-100 km / h em 3 segundos, com uma velocidade máxima de 225 km / h.

“Eu definitivamente levei o carro até o limite”, disse Bloom. “É uma corrida com muita adrenalina, é brilhante”.

Orlando Bloom comemorou em Marrocos seu aniversário de 41 anos. Ele ganhou um bolo de aniversário com a forma de um carro da Fórmula E.

MARRAKECH, MOROCCO – JANUARY 12: Orlando Bloom (C) blows out the candles of his birthday cake as father Colin Stone and friends Scott Campbell, Andres Faucher and FIA Formula E CEO Alejandro Agag look on at Orlando Bloom’s birthday party with ABB FIA Formula E Championship at Hotel Amanjena on January 12, 2018 in Marrakech, Morocco.
Pic Credit: Dave Benett

Mas por trás das comemorações, a razão da visita do ator foi alertar para as mudanças climáticas. “Acompanho o campeonato desde que começou, queria vir e assistir uma corrida ao vivo por algum tempo. A tecnologia que eles estão desenvolvendo com os carros na pista hoje está se movendo em um ritmo muito rápido e terá um impacto no meio ambiente”.

Orlando Bloom continuou: “As baterias dos carros elétricos normais hoje não são mais um problema, então agora é saber sobre a infra-estrutura e as estações de carregamento. Então, se você imaginar que você pode carregar seu carro em casa o mais rápido possível, você pode carregar um carro da Fórmula E, então o efeito decisivo é incrível”.

A terceira etapa será na tarde deste sábado (13) com transmissão do canal Fox Sports.

Confira mais imagens aqui:

Previsão de chegada da quarta etapa aumenta após ventos fracos

12/01/2018 21:13
Leg 4, Melbourne to Hong Kong, day 11 Spirits are high as we make good progress towards the home port on board Sun Hung Kai/Scallywag. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 12 January, 2018.

A quarta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18  é uma das mais complicadas para as equipes na passagem pelos Doldrums, área de pouco vento entre os hemisférios.

Os sete barcos, que sobem para Hong Kong desde Melbourne, já deixaram essa região e cruzaram a Linha do Equador, depois de sofrerem os efeitos de muito calor e falta de vento, tradicionais por lá.

Agora um pouco mais rápidos, os barcos se espalham no Pacífico Norte. A flotilha nesta sexta-feira (12) está na altura da Micronésia e a previsão de chegada em Hong Kong passou para 19 de janeiro. Justamente por causa dos efeitos das calmarias dos Doldrums.

A liderança da quarta etapa esteve nas mãos de praticamente todas as equipes. Agora os próximos anfitriões estão em primeiro, o Sun Hung Kai / Scallywag. O barco adotou uma estratégia mais a leste dos demais seis concorrentes. A etapa já teve outros líderes, incluindo o team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael, e o Dongfeng Race Team, que esteve a frente por mais tempo até agora!

“As condições foram bem difíceis. O vento mediu de quatro a 11 nós e mudamos todo o peso do barco de lado. Quando terminamos, mudou tudo e tornamos a levar tudo pra o outro lado. É um verdadeiro baile”, disse Carolijn Brouwer, do Dongfeng. “Estamos lá atrás, mas na realidade pode mudar. Fomos mais a norte e o primeiro a acelerar nos ventos alísios terá boa vantagem”.

A quarta etapa novamente cruzou a Linha do Equador e como manda a tradição, os velejadores que nunca passaram por esse trecho são batizados pelo Rei Netuno. Dessa vez foram Sam Newton, do Brunel, Hannah Diamond, do Vestas 11th Hour Racing, Bleddyn Mon e Bernardo Freitas, do Turn the Tide on Plastic e Trystan Seal, do Scallywag.