Brasileiros parados na Transat Jacques Vabre

07/11/2017 15:18

O segundo dia da Transat Jacques Vabre foi bastante complicado para os velejadores que disputam a regata de 8 mil quilômetros entre Le Havre, na França, e Salvador, na Bahia. Os fortes ventos e o mar pesado jogaram contra as equipes na passagem pela Baía de Biscaia e na saída do Canal da Mancha. Um dos veleiros afetados foi o Mussulo 40 Team Angola Cabales, do brasileiro Leonardo Chicourel e do angolano José Guilherme Caldas. O concorrente ao título da Class40 foi obrigado a interromper a regata por horas para instalar um equipamento chamado estação de vento, que havia dado problema na madrugada desta terça-feira (7).

”Está tudo bem! Vamos ter de esperar mais algumas horas até a estação chegar”, disse José Guilherme Caldas direto de Camaret, cidade que fica na região da Bretanha, na França.

Outro veleiro também parou em Camaret. A dupla Catherine Pourre e Benoit Hochart, do barco Eärendil, reparou um problema na vela e retomou a prova. O Esprit Scout (Marc Dubos e Jacques-Arnaud Seyrig) e o Gustave Roussy (Sylvain Pontu e Christophe Rateau) que pareciam ter o mesmo caminho dos brasileiros resolveram seguir para oeste, em direção a Salvador.