Mastro do MAPFRE quebra em treinamento 

31/03/2017 05:09

O MAPFRE teve um problema na noite desta quinta-feira na Espanha, quando a equipe treinava.  O mastro da embarcação quebrou na distância de  sete milhas a Sudoeste da ilha de Ons (Pontevedra) com  25 nós de vento e ondas de quatro metros de altura. O mastro se rompeu abaixo da primeira cruzeta.

Pablo Arrarte, chefe de turno e capitão do MAPFRE, falou sobre o fato. “No momento não temos uma causa de porque quebrou. Nós vamos ter que analisar os dados e as peças danificadas para tirar uma conclusão. A navegação era tranquila no momento”.
A tripulação não sofreu qualquer dano e, depois de verificarem que tudo estava bem e que não houve danos a bordo, começaram duas horas de trabalho duro para recuperar o controle do barco e as partes quebradas do mastro e velas.
O protocolo de emergência foi ativado imediatamente, e por razões de segurança foi avisado a guarda costeira, que se manteve à espera de notícias do barco espanhol. No momento que a tripulação conseguiu recuperar o controle do barco foi informado aos serviços de emergência de que o navio poderia voltar a Sanxenxo por conta própria.

Valeu, Thiago Pereira

30/03/2017 03:31

Amigos do DIARINHO

Hoje a Onboardsports é uma agência referência no esporte olímpico brasileiro graças a ajuda de um dos maiores atletas de todos os tempos: Thiago Pereira. O atleta acaba de anunciar sua despedida das piscinas após 20 anos defendendo a seleção.

A minha admiração por esse ídolo começou antes mesmo de ser assessor de imprensa dele. Como jornalista da Rádio Eldorado, fiz a cobertura do Pan 2007, quando ele despontou para o País. Mas eu já acompanhava seus feitos e ouvia, mesmo que pela TV, os gritos de Vai, Thiago proferidos por sua mãe Rose

Não tenho como esquecer desses anos de trabalho diário, aprendizado e muitas entrevistas….Hoje bate o orgulho de dever cumprido.

Abaixo o release que disparei pra imprensa nessa manhã, mas o sentimento está no texto acima. Vamos ao oficial:

O medalhista olímpico Thiago Pereira anunciou, nesta quarta-feira (29), durante a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico, seu adeus da natação após mais de 20 anos como atleta. O nadador de Volta Redonda (RJ) é o maior vencedor da modalidade na história do Brasil, com medalhas em todos os principais eventos nacionais e internacionais da natação. A prata olímpica em Londres 2012, o recorde de pódios em Jogos Pan-Americanos – com 23 medalhas, três medalhas em mundiais de longa, além das inúmeras conquistas locais falam por si só.

”Me sinto realizado. Ás vezes com 15, 16 anos a gente não sabe onde vai chegar, mas hoje olho para trás e bate aquela sensação de que realmente valeu a pena. A gente abre mão de muita coisa, encontros familiares, festas e na maioria das vezes a gente não chega lá. O esporte é uma carreira dura e difícil, então a pergunta é: Por que fazemos isso? Por que praticamos todos os dias essa emoção que é viver os centésimos entre o toque na placa e o olhar no placar, que nos separa de um sonho. São as melhores sensações do mundo. Isso sem falar nas amizades construídas durante todo esse período, não só no Brasil mas em todo o mundo. Antes de mais nada me sinto muito feliz pois sei que fiz o meu melhor. Agora estou disposto para enfrentar os próximos desafios e que venham as batalhas”, disse o nadador.

Fora das piscinas, Thiago Pereira tem uma atuação destacada, sendo vice-presidente da comissão de atletas da FINA (Federação Internacional de Natação), integrante do comitê da ODEPA (entidade que administra o esporte na América) e pioneiro na realização de clínicas de natação de alto-rendimento. O medalhista olímpico lembra ainda que se aposenta das competições e não da natação.

”A natação vai ser minha vida pra sempre. Meu objetivo a partir de agora será contribuir para o fomento da natação competitiva. Algumas coisas já estão acontecendo, como o Thiago Pereira Swim Camp (com três edições já feitas) e o Troféu Thiago Pereira. Venho também me preparando para dar palestras. Além disso, pretendo levar a mensagem de que nadar salva vidas. Muitas das pessoas não sabem, mas, o Brasil é o terceiro país com o maior número de mortes por afogamento, ficando atrás do Japão e da Rússia. Por isso, vou seguir trabalhando forte para ajudar meu país à diminuir esse índice”

A trajetória

O nadador mais completo da história da natação brasileira começou sua carreira em Volta Redonda, sua cidade natal, defendendo o Clube dos Funcionários. Sempre incentivado pela mãe Rose Vilela, o garoto disputou em 1998 seu primeiro campeonato oficial com um bronze nos 100 m livre (1min11). Em 2002, já defendendo o Minas Tênis Clube, Thiago obteve suas primeiras medalhas no Troféu Maria Lenk, antigamente chamado de Troféu Brasil. Prata nos 200 m medley (2min06s33), 400 m medley (4min33s06) e 200 m peito (2min18s84). Em 2003, o atleta faturou seu primeiro título nacional absoluto: ouro nos 400 medley (4min24s74). Ele nunca mais perdeu a prova que anos mais tarde seria a da prata olímpica!

A sua primeira participação em Jogos Pan-Americanos foi em Santo Domingo 2003 com duas das 23 medalhas que ganhou. A estreia de Thiago Pereira em Mundiais de longa foi em Barcelona 2003. Um ano depois, ele se classificou pra olimpíada de Atenas 2004, chegando até a Rio 2016 em todas as finais dos 200 m medley. Thiago foi campeão mundial piscina curta em Indianápolis 2006 nos 200 medley.

Mas foi a prata olímpica em Londres 2012, batendo nada mais nada menos que Michael Phelps, o momento mais importante de sua carreira. ”Foi a realização de um sonho, uma medalha que tanto merecia saiu em 2012 naquele 400 m medley, a prova mais difícil de todas”.

Thiago Pereira nadou pela última vez no Troféu José Finkel 2016 na piscina do Clube Internacional de Santos, mas foi na final olímpica da Rio 2016 que o atleta fechou sua trajetória de sucesso na modalidade. Foi contra o maior atleta olímpico de todos os tempos, Michael Phelps, que o brasileiro rivalizou até a última virada. Ele confessa que ouvir os gritos de Vai, Thiago durante os 200 m medley da Rio 2016 foi um dos momentos mais emocionantes de sua carreira.

”Foi muito especial competir em casa com o apoio da torcida. Após a prova, o Michael Phelps disse nunca ter visto aquilo. Arrepia só de lembrar. Faria tudo outra vez, não me arrependo de nenhuma decisão. Entrei para derrotar o Phelps, pois sempre nadei para vencer. O esporte é assim”, ressalta Thiago.

As conquistas de Thiago Pereira

* 724 medalhas somadas de 1998 à 2016
* Maior vencedor brasileiro e sul-americano de provas da Copa do Mundo da FINA (38 vitórias)
* 12º maior vencedor de provas na Copa do Mundo da FINA (38 vitórias)
* Rei da Copa do Mundo de 2010 e único latino americano a conquistar o título
* Brasileiro com o maior número de vitórias (12) em provas de Grand Prixs dos Estados Unidos
* Maior medalhista brasileiro em competições internacionais – 34 medalhas entre Mundiais (piscinas Curta e Longa), Jogos Olímpicos, Jogos Pan-Americanos e Pan Pacífico
* Maior medalhista da história dos Jogos Pan-Americanos entre todos esportes e países (23 medalhas)
* Segundo maior medalhista de ouro da história dos Jogos Pan Americanos atrás apenas do ginasta cubano Erick Lopez – 15 medalhas de ouro.
* Por duas vezes o maior medalhista brasileiro em Jogos Pan-Americanos com o recorde de 8 medalhas numa mesma edição, no Rio 2007 e em Guadalajara 2011.
* Único brasileiro finalista olímpico quatro vezes na mesma prova (200 m medley).
* Nadador brasileiro com mais finais individuais olímpicas (6 finais).
* Maior vencedor da história de uma mesma prova no Troféu Maria Lenk, os 400 medley por 13 anos consecutivos.
* Único nadador brasileiro medalhista em campeonatos nacionais absolutos nos quatro estilos.
* Segundo maior vencedor da natação no Prêmio Brasil Olímpico (três vezes).
* Bicampeão do Prêmio Brasil Olímpico como melhor atleta do ano.
* Swimmer of the Year pela Swimming World Magazine em 2007.
* Recordista mundial 100 medley em piscina curta em 2007.

Um ídolo na França! E não é no futebol

29/03/2017 09:46

Fala pessoal,

Hoje escrevo sobre a Vendée Globe, uma regata que transforma seus velejadores em ídolos na França. Nessa temporada, um tal de Chacal botou tudo pra quebrar.

O francês Armel Le Cléac’h foi o vencedor da tradicional regata de volta ao mundo em solitário, sem escalas e sem assistência, que terminou em janeiro deste ano. O resultado histórico, com direito a recorde do percurso, deu estatus de ídolo ao velejador. Na França, as regatas em solitário são muito valorizadas, com ampla cobertura de mídia e patrocinadores. Por isso, o Chacal, como é chamado Armel Le Cléac’h, não parou. “Estou gradualmente retornar à terra”, disse o velejador em entrevista ao jornalista Olivier Bourbon.

”Estou entendendo aos poucos o que fiz! Foi algo notável. Também entendi o impacto da Vendée Globe sobre o público e a mídia. A regata foi seguida por um monte de gente. O interesse tem crescido consideravelmente. Ganhar muda as coisas, sou tratado diferente. As pessoas me reconhecem na rua agora (risos)”.
No dia 19 de janeiro, Armel Le Cléac’h ganhou a oitava edição da Vendée Globe após 74 dias, 3 horas e 35 minutos a bordo do VIII Banque Populaire, um IMOCA60. Ele bateu em quase quatro dias o recorde anterior, estabelecido em 2012/2013 pelo também velejador francês, François Gabart: 78 dias, 2 horas, 16 minutos e 40 segundos. A Vendée Globe teve sua primeira edição em 1989. Em 2016/17, a regata bateu recorde de participantes com 29 IMOCA 60 largando de Sables d’Olonne, na França.

Velejadores do MAPFRE analisam as mudanças na Volvo Ocean Race

28/03/2017 09:01

O veleiro MAPFRE será mais uma vez o representante da Espanha na regata Volvo Ocean Race, que começa em outubro de 2017. Três integrantes da equipe falaram das mudanças da edição 2017-18, que incluem mais mulheres a bordo e um percurso com mais milhas pelos mares do sul (os mais difíceis do planeta). Os escolhidos para analisar as mudanças e também falar do que esperam para o time foram Neal McDonald (diretor esportivo e de performance), Pablo Arrarte (chefe de turno) e “Ñeti” Cuervas-Mons (proeiro e capitão).

Sobre o novo percurso

Ñeti: É muito mais difícil do que as edições anteriores, pois navegamos mais pelos mares do Sul. Além disso, o percurso ainda tem a passagem pelos Doldrums do Pacífico, que é complicada também. No geral, o percurso é duro e emocionante, apresentando todos os tipos de condições.

E o novo sistema de pontuação?

Ñeti: As etapas mais complicadas dos mares do Sul – Cidade do Cabo até Melbourne e Auckland até o Brasil – pontuam dobrado. Isso implica que temos que ser competitivos nessas etapas e saber encontrar equilíbrio para não se arriscar e não quebrar. Equilíbrio será importante para saber acelerar e ficar na frente no final de cada etapa.

Pablo: Vamos ter etapas com pontuação dobrada. Isso nos obriga a cuidar muito do barco, sem quebrar e estar pelo menos no pódio. Se a gente aguentar nessas etapas, e fazer o restante bem, vamos brigar pelo título.

A regra para fomentar a vela feminina

Neal: Já navegamos com algumas meninas e vendo como podemos tirar o melhor dessa regra. É uma regata oceânica e o processo é o mesmo, com homens e mulheres.

Ñeti: Acho legal essa regra para facilitar a entrada das velejadoras na regata. Eu já fui favorecido com a obrigação da entrada de tripulantes com menos de 30 anos na Volvo Ocean Race. Isso me colocou aqui. A única coisa que pega é que estão reduzindo o radicalmente o número de tripulantes e fechando as portas para atletas.

Qual é a mudança que mais te agrada?

Neal: É navegar mais pelos mares do Sul. É legal voltar a navegar mais pelo hostil Oceano Antártico. Pra mim essa é a grande atração.

Pablo: Por fim, vamos correr mais tempo pelos mares do Sul, onde todos sabemos que faz muito frio, tem ondas grandes, temporais e muito vento. Cuidar do barco nessas condições será muito importante, pois vamos passar dias por lá.

Ñeti: Não passar pelo Estreito de Malaca e atravessar essas calmarias.

A Volvo Ocean Race é?

Neal: Uma mistura de aventura e competição no mais alto nível. Dar a volta ao mundo sempre é uma aventura, mas para mim é uma regata profissional. Quem faz que realmente fazer.

Neti: Sempre foi uma regata offshore por excelência. Desde pequeno foi um sonho correr. Nunca pensei que ia fazer quatro edições. Ela se converteu em forma de vida.

Os momentos mais difíceis da regata? 

Ñeti: Por um lado, é a navegação nos mares do Sul com frio, vento e ondas. Chegar ao Cabo Horn é sempre difícil, assim como a passagem pelo Índico. Por outro lado, toda a área das ilhas dos trópicos com possibilidade de furacões, tufões ou condições de vento muito complicadas. Cada parte do planeta tem as suas complicações e se você adicionar o fato de que todos os barcos estarão próximos, a pressão aumenta!

O segredo para vencer é…

Ñeti: A preparação! Que inclui o trabalho anterior e os treinamentos duro. Por sorte, desta vez a gente começou com mais tempo e temos uma equipe forte.

Neal: Temos um barco one-design! As velas são todas iguais, os barcos são os mesmos e o desafio é dar a volta ao mundo em primeiro. A nossa regata começou dois meses atrás e só faltam seis para a largada. Já selecionamos os atletas, treinamos, etc… Todas essas coisas são mais importantes este ano do que eram no passado.

Confirmado recorde de francês Idec Sport na vela oceânica

27/03/2017 12:27
O velejador francês Francis Joyon, que comanda o barco Idec Sport, foi confirmado como recordista mundial de navegação ao redor do globo. O Idec Sport concluiu o Troféu Júlio Verne, nome referência à obra A Volta ao Mundo em 80 Dias, terminou o desafio em fevereiro deste ano em 40 dias, 23 horas, 30 minutos e 30 segundos. A marca anterior era de 45 dias, 13 horas, 42 minutos e 53 segundos, estabelecido em 2012 por uma tripulação liderada pelo francês Loic Peyron, a bordo do Maxi Banque Populaire V. O time foi formado por Francis Joyon, Alex Pella, Bernard Stamm, Clément Surtel, Gwenolé Gahinet e Sébastien Audigane.
O Conselho Mundial de Vela ratificou o resultado do Maxi Catamarã (multicasco) nesta semana. Outras marcas foram definidas e confirmadas na mesma travessia. Joyon e seu time navegaram por 7 dias, 21 horas, 13 minutos e 31 segundos da Tasmania até o cabo Jorn. Outro recorde intermediário foi a passagem pela Linha do Equator na ida e na volta do desafio: deu ao todo 29 dias, 9 horas, 10 minutos e 55 segundos.
Dar a volta ao mundo em solitário ou por equipes continua sendo a maior façanha na modalidade. Regatas como a Volvo Ocean Race, Clipper e Vendée Globe agitam de temporada em temporada esse mercado de regatas.

Prestigiada regata levará 400 barcos às águas da rainha da Inglaterra

Hoje escrevo sobre uma das regatonas mais famosas e procuradas pelos velejadores profissionais de todo o mundo: a Rolex Fastnet Race. A prova ocorre de dois em dois anos no Reino Unido, organizada pelo Royal Ocean Racing Club. São 608 milhas náuticas (1,126 km), saindo de Cowes, na Ilha de Wight, até chegar em Plymouth.

Sua importância é tão grande, que as 340 inscrições (limite do evento) foram atingidas em menos de cinco minutos. Isso mesmo. O processo foi aberto em janeiro e tudo se acabou rapidinho. A largada da Fastnet será em 6 de agosto.

O legal dessa edição é que os barcos inscritos na Volvo Ocean Race farão a prova. Faz parte da regra do evento de Volta ao Mundo.

© Rolex/Kurt Arrigo

Paranaense tem melhor início na sua carreira de triatleta

26/03/2017 22:32

Os resultados de Eduardo Lass (Tradener) no início da temporada de 2017 do triathlon deixam o paranaense motivado para chegar ao topo da modalidade já neste ano. Depois do vice-campeonato do Sesc Triathlon Caiobá na semana passada, o atleta subiu ao pódio do tradicional Rio Triathlon, que ocorreu neste domingo (26), no Rio de Janeiro (RJ). Eduardo Lass brigou pelas primeiras colocações durante toda prova e terminou em quarto lugar.

”Os resultados de 2017 estão cada vez melhores em comparação às temporadas anteriores. Tive uma evolução importante em todos os fundamentos, mas na corrida, que fecha as provas, estou me sentindo muito melhor do que antes. O objetivo é seguir treinando forte em Curitiba e competindo os principais eventos da modalidade”, disse o atleta beneficiado pela lei do incentivo ao esporte.

No Rio Triathlon, prova de 1,5 km de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida pelo Recreio dos Bandeirantes, Eduardo Lass (Tradener) fechou em 1 hora, 53 minutos e 56 segundos. O vencedor foi Fábio Carvalho (1 hora, 50 minutos e 15 segundos). “Foi uma das melhores provas que já disputei em termos de organização. Foi também muito disputada da natação até a corrida. O Fábio conseguiu escapar no ciclismo e saiu vencedor da disputada. Consegui ficar entre os primeiros lugares durante toda a prova, mostrando que estou no caminho certo”. O paranaense volta a competir no próximo fim de semana em Vargas, na Venezuela, na Copa Pan-Americana de Sprint Triathlon. Na etapa de fevereiro, em Havana, Cuba, Eduardo Lass foi o oitavo.

Eduardo Lass começou no triatlo aos 11 anos de idade e mesmo novo acumulou títulos importantes nas categorias de base, como os de campeão do Troféu Brasil e do Brasileiro Olímpico, além de duas medalhas de ouro e duas de prata em competições na França. Integrante da Seleção Brasileira de Triathlon por 4 anos consecutivos, está disputando os principais eventos nacionais e internacionais. O atleta de 24 anos é patrocinado pela Tradener Comercialização de Energia.

Mais informações sobre Eduardo Lass no site: www.eduardolass.com
Veja as fotos do triatleta no Instagram: @eduardolass
Curta a fan page oficial do atleta: www.facebook.com/eduardolass.triatleta

Sandro Dias Tour em Itajaí

Já ouviu falar do Mineirinho Sandro Dias, né? Então, naa próxima semana, de 29 à 31 de março, o hexacampeão mundial de skateboard vertical estará em oito cidades de Santa Catarina apresentando sua nova marca de tênis Dual Footwear, pensada e desenvolvida para fazer a diferença no universo dos praticantes da modalidade e seus seguidores. Itajaí faz parte do roteiro na próxima sexta, na Édem Praia Brava. Sandro Dias fará uma sessão de autógrafos por lá.

Ao todo, nove lojas serão visitadas durante os três dias de Tour. Oito vezes medalhista dos X Games, Sandro Dias estará disponível para autógrafos, distribuição de brindes e sessões de skate.
Confira a programação completa:

QUARTA-FEIRA (29/03)

Drop Shop
Sessão de Autógrafos: das 12 às 13h
Rua Tenente João, 2605, Bom Retiro – Joinville (SC) / Tel: (47) 3437-7848
www.facebook.com/DropsktShop www.instagram.com/dropsktshop

Santa Fé
Sessão de Autógrafos: das 16 às 17h
Av. Santa Catarina, 118, Sl 02, Centro – Barra Velha (SC) / Tel: (47) 3456-3447
www.facebook.com/mix.barra

Spirit Walker
Sessão de Autógrafos: das 18 às 19h.
Av. Prefeito José Juvenal Mafra, 55, Centro – Navegantes (SC) /tel: (47) 3319-4170
www.facebook.com/SpiritWalkerSurfSkateShop
www.instagram.com/spiritwalkersurfskateshop/

QUINTA-FEIRA (30/03)

Ladeira SA
Sessão de Autógrafos: das 12 às 13h
Rua Benjamin Constant, 1799, Escola Agrícola – Blumenau (SC) / (47) 3237-2853
www.facebook.com/Loja-Ladeira-SA-1504829746452959
www.instagram.com/ladeirastreet/

Spirit Walker
Sessão de Autógrafos: das 15 às 16h
Rua Kurt Hering, 231, Centro – Blumenau (SC) / (47) 3037 7554
www.facebook.com/SpiritWalkerSurfSkateShop/
www.instagram.com/spiritwalkersurfskateshop/

Life
Sessão de Autógrafos: das 18 às 19h
Av. Consul Carlos Renaux, 141, Centro – Brusque (SC) / (47) 33350 5481
www.facebook.com/lifeskate.boards
www.instagram.com/lifeskateboardss

SEXTA-FEIRA(31/03)

Black Bird Store
Sessão de Autógrafos: das 12h às 13h
Av. Nereu Ramos, 473, LJ 02, Centro – Piçarras (SC) / (47) 99273 4905
www.facebook.com/rootsskateandpeace
www.instagram.com/blackbirdstoree/

Ng Sports
Sessão de Autógrafos: das 16 às 17h
Av. Vereador Manoel José dos Santos, 1144, LJ 04, Centro – Bombinhas (SC) / (47) 3393 7752
www.facebook.com/negrinisports/
www.instagram.com/negrinisports/

Édem Praia Brava
Sessão de Autógrafos: das 18 às 19h
Rua Renato Melin, 530, Praia Brava – Itajaí (SC) / (47) 3407 2323
www.facebook.com/edempraiabrava/
www.instagram.com/edempraiabrava/

Sandro Dias tem 41 anos e é skatista profissional desde 1995. Referência do skate nacional e internacional, o atleta foi o primeiro no mundo a completar a manobra conhecida como “900º” em uma competição.

Entre suas principais conquistas estão seis títulos mundiais pela World Cup Skateboarding (2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2011); o tricampeonato europeu (2001, 2003 e 2005); seis campeonatos brasileiros de skate vertical; oito medalhas conquistadas durante a história dos X Games; e o recorde mundial de aéreo mais alto num halfpipe com a marca de 4,20 metros conquistado em 2008.

Um projeto de sucesso no esporte brasileiro!

25/03/2017 10:07

Desde maio de 2015, o Colégio da Polícia Militar do Paraná é a base do projeto Escolinha de Triathlon Formando Campeões (veja o vídeo), que recebe diariamente 35 alunos da rede pública de ensino, visando inseri-los em um dos esportes ao ar livre que mais vem se popularizando nos últimos tempos.

As crianças de Curitiba (PR)  contam com todos os equipamentos necessários e são treinadas por especialistas na modalidade. As atividades respeitam a grade escolar e faixa etária de cada atleta mirim.

A Escolinha de Triathlon Formando Campeões foi viabilizada pela Lei de Incentivo ao Esporte, com apoio da Federação Paranaense de Triathlon e do Colégio da Polícia Militar do Paraná. Os patrocinadores são Condor, Grupo Astra e Santana Financeira.

Itajaí Sailing Team recebe prêmio de campeão da Copa Brasil de Vela

A equipe do Itajaí Sailing Team recebeu, nesta quinta-feira  (23), o prêmio da Copa do Brasil de Oceano 2016. A equipe peixera venceu o tradicional evento na classe IRC, uma das regras da modalidade mais usadas no mundo. “O ITS sempre manteve a regularidade e isso fez toda a diferença, o que garantiu o título nacional, até então inédito na vela catarinense”, disse Alexandre Santos, coordenador do time

O barco escolhido para o projeto que leva o nome da cidade é um Soto 40. A equipe participou das principais competições da vela oceânica do País no Sul, Sudeste e Nordeste. Foi campeão estadual da categoria IRC, venceu a Regata Marejada e ficou em 2º lugar na Regata Santos Rio. Outro pódio rolou na Semana de vela de Ilhabela