Semana de Vela de Ilhabela 2019 será de 13 a 20 de julho

03/08/2018 10:23

A organização da Semana de Vela de Ilhabela já começa a trabalhar para a edição 2019 do maior evento náutico da América do Sul.

A data da competição no ano que vem está definida! Será de 13 a 20 de julho no Yacht Club de Ilhabela (YCI).

O campeonato de 2018 terminou no último sábado (28) com números expressivos. Foram 120 barcos espalhados em oito classes diferentes. A Semana de Vela de Ilhabela foi marcada por recordes e provas apertadas.

A expectativa para 2019 é aumentar o número. Fora d’água, a Race Village, sucesso levando milhares de pessoas ao centro histórico de Ilhabela com shows e atrações culturais, está garantida.

A Semana de Vela de Ilhabela é um dos eventos esportivos do País mais tradicional e já realizou 45 edições desde 1972.

”Conseguimos unir os três players e realizar um campeonato de excelência em Ilhabela. Yacht Club de Ilhabela, Prefeitura e os próprios velejadores mantiveram a tradição do evento, referência esportiva no Brasil e na América do Sul. O objetivo para 2019 é levar mais barcos para a raia”, disse o velejador e diretor do YCI, Mauro Dottori. ”Foi uma festa muita bonita e o tempo ajudou também”.

Veja o resumo do último dia de regatas

O grande campeão deste ano foi o Crioula, que além dos títulos Sul-Americano, Ilhabela Cup e da Semana de Vela de Ilhabela (classes IRC e ORC), bateu a marca histórica da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil.

”Tivemos condições de velejada lá fora e aqui dentro. Chegar até Alcatrazes com bastante mar e vento foi muito bom e a gente fez o recorde. Conquistamos todos os títulos e estamos satisfeitos”, disse o atleta olímpico Samuel Albrecht, tático do Crioula.

O Torneio por Equipes foi vencido pelo CIZ formado pelo trio San Chico(ORC) Inaê 40 (IRC) e Zeus (RGS).

Os campeões

BDP A – Tranquilo II
BDP B – Cambada 1
Clássicos – Madrugada
HPE25 Geral – Ginga
HPE25 Silver – Espetáculo
C-30 – Caiçara U.V.Line
IRC Geral – Asbar IV
IRC A – Crioula
IRC B – Asbar IV
ORC Geral – Crioula
ORC A – Crioula
ORC B – Mad Max
ORC e IRC – Crioula
RGS Geral – Rainha Empresta Capital
RGS A – Zeus
RGS B – BL3
RGS C – Rainha Empresta Capital
Multicascos – Mente Sã

Sul-Americano – Crioula

Brasileiro de C-30 – Caiçara U.V.Line

Recordista e campeão geral: Crioula domina Semana de Vela de Ilhabela 2018

28/07/2018 21:53

O barco gaúcho Crioula (Eduardo Plass) sagrou-se o grande campeão da 45ª Semana de Vela de Ilhabela. A equipe do Veleiros do Sul teve o melhor desempenho nas categorias ORC e IRC nas oito regatas realizadas ao longo da semana. O título foi decidido apenas neste sábado (28), em duas provas acirradas na Ponta das Canas, com vento forte e muito sol no litoral norte paulista.

Depois de escrever o seu nome na história do evento, com o recorde absoluto da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil (6h01min42), o Crioula acumulou o título do Sul-Americano de ORC e IRC, disputado em paralelo, com as regatas valendo pontos para ambos os torneios, e os títulos das duas categorias na Semana de Vela de Ilhabela.

“Tivemos uma sequência longa de regatas, começando com a etapa de Punta del Este do Sul-Americano de ORC e terminando hoje, com o encerramento da Semana de Vela de Ilhabela. Conseguimos fazer uma média muito boa de resultados. Nesta edição, pudemos velejar muitos dias no canal de São Sebastião, uma área que nos obriga a praticar a tática, e aprendemos muito”, destacou o velejador olímpico Samuel Albrecht.

Na soma das classes ORC e IRC, o Mad Max (Julián Somodi) ficou com o vice-campeonato. Presença constante no evento, o veleiro veio especialmente da Argentina para a Semana de Vela de Ilhabela, e celebrou os resultados deste sábado.

“Largamos muito bem na primeira regata e ficamos bem na frente junto com os barcos grandes. Nem sei o que aconteceu com os outros barcos menores, que ficaram uns oito minutos para trás. A segunda regata também foi boa, desfrutamos muito” conta Julián Somodi. “Foi uma semana ótima, apenas cansativa. No ano passado eu corri com um HPE30 emprestado, e desta vez trouxe o meu barco de lá. É uma viagem pesada, e agora para voltar teremos o vento contra”.

Disputa apertada na RGS

A 45ª Semana de Vela de Ilhabela foi considerada uma das melhores da história pelos velejadores, pelas condições climáticas que possibilitaram vários dias de disputa no Canal de São Sebastião. O equilíbrio foi a marca da competição para a maioria das categorias, e com os RGS não foi diferente.

Em suas três divisões e no geral da RGS, a disputa seguiu apertada até o final. Três barcos estavam empatados na primeira posição: Zeus (Paulo Moura), Rainha Empresta Capital (Leonardo Pacheco) e Xiliki (Leonardo Leal). Com uma vitória e um segundo lugar nas duas regatas deste sábado (28), o Rainha Empresta Capital levou a melhor e ficou com o título.

“Tudo podia acontecer, e isso tornou a competição mais emocionante. Também tivemos bom vento todos os dias e conseguimos fazer todas as regatas programadas, muitas vezes no canal de São Sebastião e em dois dias na Ponta das Canas, o que é ótimo para nós, que somos daqui de Ilhabela”, comentou o comandante do Rainha, Leonardo Pacheco. “Os barcos menores têm mais dificuldade com ventos fortes, e nós sofremos bastante no começo da semana, quando tivemos rajadas de mais de 20 nós”.

Equilíbrio na C-30

Uma das disputas mais equilibradas da Semana de Vela de Ilhabela foi a da classe C-30, formada por barcos iguais de 30 pés. Pelo menos quatro veleiros foram para a raia, neste sábado (28), com chances de conquistar o título. O Caiçara UV.Line (Marcos O. Cesar) foi o vencedor. A equipe também levou na véspera o Brasileiro da categoria

Muito perto do título, o Caballo Loco abriu a raia com vitória na primeira regata, mas terminou a competição com o quarto lugar. O comandante Mauro Dottori, diretor de Vela do Yacht Club de Ilhabela, organizador do evento, comentou os resultados da semana.

“Minha expectativa é sempre de medo. Se vai dar certo ou não. Nos estávamos com um pouco de receio por conta da situação do país, de não termos muitas pessoas e coisas desse tipo. Eu acho que São Pedro ajudou, né?! Nós não tivemos nenhum problema de organização e ,acima de tudo, muitos participantes. Então, para nós, foi lindo. São Pedro participou. Tivemos algumas regatas aqui perto do canal, o que deu para aproximar o público da competição. Acredito que foi muito bonito. Para nós, o balanço é extremamente positivo para animar a fazer a próxima, a 46. A organização teve praticamente zero problemas. Na água, o Cuca e o pessoal fizeram ótimo trabalho”, destacou.

Ginga 100%

Com vitória em todas as oito regatas disputadas, o Ginga manteve a hegemonia na classe HPE25 e conquistou o quinto título da Semana de Vela de Ilhabela. Tida como equipe a ser batida, o segredo da tripulação para se manter no topo por tanto tempo é o entrosamento e o controle emocional, de acordo com o comandante Breno Chvaicer.

“A equipe vem sendo mantida há muitos anos, todos treinando bastante juntos. Chegamos num ponto em que um sabe o que o outro quer dizer só no olhar. É uma relação muito duradoura”, explicou Breno. “E, depois de tantos anos, não temos conflitos a bordo. Tudo o que tínhamos que discutir já discutimos. O importante para a gente é manter uma boa manutenção do barco e a calma a bordo, sempre.”

Multicascos estreia em Ilhabela

A grande novidade da 45ª Semana de Vela de Ilhabela foi a estreia da classe Multicascos. Seis catamarãs dividiram a raia com os tradicionais veleiros presentes na competição. A briga foi acirrada entre os três primeiros colocados, que se alternaram na liderança desde o começo da semana. Após as duas regatas deste sábado (28), o Mente Sã (Gilberto Camargo) ficou com o título, seguido por Maré XX (Benoit Joufflineau) e Flying Soul (Mauro Ribeiro).

Os campeões

BDP A – Tranquilo II
BDP B – Cambada 1
Clássicos – Madrugada
HPE25 Geral – Ginga
HPE25 Silver – Espetáculo
C30 – Caiçara U.V.Line
IRC Geral – Asbar IV
IRC A – Crioula
IRC B – Asbar IV
ORC Geral – Crioula
ORC A – Crioula
ORC B – Mad Max
ORC e IRC – Crioula
RGS Geral – Rainha Empresta Capital
RGS A – Zeus
RGS B – BL3
RGS C – Rainha Empresta Capital
Multicascos – Mente Sã

Campeões da Semana de Vela de Ilhabela serão definidos neste sábado

27/07/2018 21:39

Vencedores do Brasileiro de C-30, do Sul-Americano de IRC e ORC e da regata Renato Frankenthal serão premiados nesta sexta

Para o Fit to Fly Maserati (Eduardo Mangabeira), a briga é pelo segundo lugar, após a realização de apenas uma regata na raia da HPE25. “O Ginga está muito na frente. E com a regata de hoje, conseguimos abrir uma boa vantagem para o terceiro lugar. Isso foi ótimo para nós. Agora precisamos defender nossa posição”, disse o tático Alexandre Paradeda. “A classe HPE mudou um pouco a característica. A flotilha é muito forte mas acabou se dividindo um pouco, alguns barcos ficaram na represa de Guarapiranga. Mesmo assim, o nível dos competidores está muito alto. A tripulação do Ginga, vencedor de todas as regatas, está muito entrosada. Para chegar ao nível deles, precisamos manter a tripulação e treinar muito.”

A disputa também está muito equilibrada nas três divisões da RGS. O Xiliki (Leonardo Leal), líder na RGS C, tem a missão de superar o Zeus (Paulo Moura) e o Rainha Empresta Capital (Leonardo Pacheco), todos com chances de conquistar o título neste sábado (28).

“Amanhã será o grande dia. As tripulações do RGS são bastante preparadas e sabem tirar do barco o seu melhor. Já esperávamos esse equilíbrio, e tivemos a felicidade de ter tido bons resultados no começo da competição. A disputa está bastante acirrada e amanhã não podemos errar. Vai ganhar quem errar menos”, destacou Leonardo Leal.

Caiçara é campeão brasileiro de C-30

As duas regatas disputadas nesta sexta-feira decidiram o Campeonato Brasileiro de C-30, disputado em paralelo à Semana de Vela de Ilhabela, com as regatas valendo pontos para os dois eventos. Em busca do vento, que soprava de leste com 8 nós, os velejadores foram para a Ponta das Canas. A disputa no lado norte da ilha favoreceu quem conseguiu tirar a máxima velocidade do barco, com a brisa fraca de apenas 4 nós no final da tarde. O Caiçara (Fábio Pillar) teve o melhor desempenho e consagrou-se campeão.

“A classe C30 é sempre muito disputada, os barcos andam exatamente iguais. Por isso as regatas se decidem realmente nas escolhas, nas táticas, nos posicionamentos, nas manobras, e os resultados vão se alternando. Se olhar a súmula, você verá que ninguém tem um domínio pleno. É muito gostoso de velejar assim, melhor do que velejar com rating, uma condição em que os barcos chegam uma hora na frente e perdem na correção dos tempos”, analisou o comandante Fábio Pillar.

Sul-Americano de ORC e IRC

As regatas desta sexta-feira (27) também coroou o Crioula (Eduardo Plass), recordista da regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, como campeão sul-americano de ORC e IRC. O campeonato paralelo reuniu tripulações brasileiras, argentinas e chilenas e foi realizado simultaneamente à Semana de Vela de Ilhabela, com as regatas valendo pontos para os dois eventos.

Os vencedores do Sul-Americano de ORC e IRC e do Brasileiro de C-30 serão premiados nesta sexta-feira (27) à noite, no Race Village. A cerimônia premiará também o campeão da regata Renato Frankenthal. A tradicional prova de percurso longo, normalmente realizada na abertura da Semana de Vela de Ilhabela, foi cancelada devido aos ventos fortes do sábado (21). Para a disputa, foi considerada a regata realizada na quarta-feira (25), vencida pelo Ginga.

Volvo Ocean Race: IMOCA e VO65 juntos na edição 2021-22

A próxima edição da Volvo Ocean Race, marcada para o período de 2021-22 contará com duas classes de barcos, a IMOCA 60 e a VO65.

Cada categoria tem suas características distintas, e a inclusão de ambas significa que a Volta ao Mundo será mais aberta para atletas e projetistas decidirem a melhor opção.

As equipes competirão em barcos dentro de suas próprias classes com premiações diferentes!

O IMOCA 60 é um dos mais usados no mundo para travessias pelo mundo, incluindo a Vandée Globe e Transat Jacques Vabre.

Os VO65 foram usados nas duas últimas edições da Volvo Ocean Race.

A de 2017-18, vencida pela Dongfeng Race Team, foi a mais apertada dos 45 anos de história do evento.

Três barcos foram pra última etapa com chances de título. Além disso, os VO65 bateram todos os recordes de milhas percorridas em 24 horas.

“Ao abrir a próxima edição para o IMOCA 60 e o VO65, pretendemos atrair os melhores velejadores, projetistas e equipes do mundo para enfrentar o desafio de competir ao redor do planeta”, disse Johan. Salén, co-proprietário do evento. ”A introdução do IMOCA 60 traz um elemento de design e engenharia para a prova e nos mantém na vanguarda!”.

A próxima edição da prova terá início em Alicante, na Espanha, em setembro / outubro de 2021, e terminará na Europa em maio / junho de 2022.

“Desde a mais recente edição, concluída no mês passado, temos trabalhado duro para definir a evolução da regata em 2021″, disse o co-proprietário Richard Brisius.

“Nossa prioridade é permanecer fiel aos valores centrais do evento à medida que avançamos. Queremos promover uma regata sustentável em todo o mundo, que será uma competição implacável e estimulante entre as equipes”.

Regata no canal marca disputa da Semana de Vela de Ilhabela

26/07/2018 22:02

Os veleiros em disputa na 45ª Semana de Vela de Ilhabela trocaram as habituais regatas barla-sota, entre boias, por uma regata de médio percurso mais ao sul da ilha, nesta quinta-feira (26). Tudo para aproveitar ao máximo a entrada do vento acelerado pelo canal de São Sebastião, com rajadas de até 15 nós (cerca de 28 km/h).

A correnteza foi a vilã do dia, fazendo com que a regata fosse decidida em pequenos detalhes. Na classe Bico de Proa, a experiência e a técnica contou pontos para as equipes. O Seu Pimenta, que trocou de barco este ano, comemorou o trabalho bem feito. A equipe de Flávio Farkouh estreia mais uma vez um barco novo em Ilhabela. Em 2016, a tripulação correu num veleiro de 17 toneladas de aço e de lá pra cá vem trocando de veleiro, cada vez mais rápido!

“Foi fácil. Corremos atrás do Tranquilo e fizemos a regata certa, os bordos certos”, disse o comandante Flávio Farkouh. “Vamos fazer a nossa regata e buscar a vitória.”

A 45ª Semana de Vela de Ilhabela atraiu de volta equipes que fazem parte da história da competição, caso do Futuro, de André Rovaroto. O veleiro de Ubatuba participou de pelo menos 12 edições da competição, e retornou a Ilhabela após uma ausência de dois anos.

“Fiquei curioso com a competição deste ano. E tivemos uma regata emocionante, hoje”, comemorou o comandante. “Acordamos em primeiro lugar, e tínhamos que defender essa boa colocação. Nos organizamos de uma maneira bem técnica para que pudéssemos chegar nesse objetivo. Graças a essa organização, tivemos um bom êxito.”

Ginga busca o quinto título da Semana de Vela na HPE25

Os HPE25 tiveram duas regatas realizadas na raia montada exclusivamente para a classe, do outro lado do canal de São Sebastião. Com 100% de aproveitamento, o Ginga (Breno Chvaicer) busca o pentacampeonato da Semana de Vela e é o barco a ser batido.

“Tivemos um bom dia, com sol e vento não muito forte. A raia estava muito bem montada, e conseguimos passar bem todas as boias”, contou Breno Chvaicer. “Temos tido vento toda a semana, condições boas para velejar. Ainda é cedo para pensar nos resultados, muita coisa pode acontecer. Mas estamos indo bem.”

Top Rank garante luta de Esquiva Falcão pelo título mundial em 2019

O brasileiro Esquiva Falcão já está em Kissimmee (EUA) para sua 21ª luta como profissional. O medalhista olímpico enfrenta o mexicano Jonathan Tavira no próximo sábado (28). A luta será transmitida pelo Canal Combate, às 23h.

Nesta quinta-feira (26), o atleta capixaba participou da coletiva de imprensa junto com os outros destaques do card principal do Kissimmee Civic Center. O main event será Christopher Diaz (Porto Rico) vs Masayuki Ito (Japão) pelo título júnior dos leves da WBA.

O destaque da coletiva de imprensa foi a fala do CEO da Top Rank, promotora das lutas de Esquiva Falcão. Bob Arum garantiu que o brasileiro vai disputar o cinturão dos médios em 2019. ”Ele (Esquiva) é um dos lutadores mais populares do Brasil…Agora, em algum momento do próximo ano, ele vai disputar o título”.

Vídeo da coletiva de imprensa em Kissimmee

Ryota Murata, detentor do título da WBA, tem evitado enfrentar o capixaba pelo cinturão dos médios (até 72kg). Mas a Top Rank garantiu que a luta será feita em nove meses, caso os dois vençam seus próximos oponentes.

Depois da luta de sábado, em caso de vitória, o brasileiro faz o co-main event (segunda luta principal) do combate de Ryota Murata no MGM Grand ou Mandalay Bay em 20 de outubro. O staff de Esquiva Falcão já trabalha com a possibilidade da luta contra Ryota Murata desde o início de 2018, mas o japonês tem evitado o combate.

”Todas as lutas que se aproximam do cinturão são importantes e duras. Sempre entro preparado na luta com foco no adversário e não no cinturão. Minha regra é: entrou, lutou e ganhou. Com o passar dos anos estou entrando ainda mais concentrado nas lutas. Estou ficando mais experiente também”, disse Esquiva Falcão, invicto na carreira.

Regatas do canal exigem mais estratégia dos velejadores na Semana de Vela de Ilhabela

Ventos fortes marcaram a quarta-feira (25), dia de estreia para a classe HPE25 no calendário de provas

O sol voltou nesta quarta-feira (25), espantando a frente fria dos primeiros dias da Semana de Vela de Ilhabela. Com ventos de até 16 nós soprando do sul, a raia foi montada no Canal de São Sebastião, próximo da costa, dando ao público a oportunidade de acompanhar as regatas de perto, na orla e no Yacht Club de Ilhabela.

As condições do tempo exigiram mais estratégia das 120 equipes inscritas nas manobras e na escolha do percurso, principalmente para evitar o baixio, zona rasa e com menor correnteza.

As regatas foram um bom teste para as equipes vindas de outros estados, sem tanta familiaridade com a raia do litoral norte paulista, caso do Zeus Team (Inácio Vandresen), de Santa Catarina. O veleiro foi o vencedor da segunda prova do dia, na classe C-30.

“Nós velejamos aqui bem menos que alguns competidores, e a raia é diferente da de Florianópolis, ainda mais com esse vento sul. Mas já estamos no terceiro dia de disputas, começamos a pegar um pouco mais de manha e vamos chegando”, contou Eduardo Metz, proeiro do Zeus.

O veleiro é o terceiro entre os C-30, com apenas dois pontos de desvantagem para o Caiçara (Marco de O. Cesar), empatado no primeiro lugar com o Loyal Red Nose (Marcelo Massa), barco que volta à raia depois de ausência de dois anos.

A categoria tem seu campeonato brasileiro disputado em paralelo com a Semana de Vela de Ilhabela, com as regatas valendo pontos para as duas competições, até sexta-feira (27).

A maré forte dividiu as flotilhas dos barcos maiores, equilibrando a disputa da ORC e da IRC. As duas categorias terão no final um campeão geral.

“Tivemos vento constante durante a tarde. Na primeira regata, uma parte da flotilha escolheu o lado mais próximo da orla de Ilhabela. Na segunda, aqueles que foram por São Sebastião foram favorecidos. Estamos na expectativa de um bom resultado”, comentou Ralf Rosa, comandante do Maximus.

HPE25 estreia na Semana de Vela

Os fortes ventos na abertura da Semana de Vela de Ilhabela impediram a realização da tradicional regata Renato Frankenthal, com os HPE25. A flotilha estreou nesta quarta-feira (25) e, para compensar, a comissão de regatas organizou três regatas numa raia exclusiva, mais afastada do Canal de São Sebastião, do outro do baixio.

O Ginga (Breno Chvaicer), que busca o pentacampeonato, venceu as três regatas do dia e disparou na liderança. O Take Ashauer (Marcos Ashauer) e Fit To Fly (Eduardo Mangabeira) vêm na sequência com o mesmo número de pontos.

Na véspera, os barcos correram a Ilhabela Cup, que não valeu pontos para a Semana de Vela de Ilhabela.

Regatas para todos os gostos na Semana de Vela de Ilhabela

25/07/2018 11:42

Depois de duas provas de percurso, equipes foram testadas regata entre boias, com mais manobras. Ilhabela Cup conheceu seus campeões.

A Semana de Vela de Ilhabela tem em seu calendário quase 100 regatas programadas somando todas as oito classes. Com várias opções de raias, dentro e fora do canal de São Sebastião, os velejadores são testados em provas de longo e médio percurso, além das de barla-sota, que são regatas entre boias.

Dependo das condições do vento, a organização monta as boias em um lado da ilha paulista. Nesta terça-feira (24), com uma nova entrada de frente fria e ventos na direção sul variando de 15 a 20 nós, foram realizadas duas provas para todas as classes.

”Ilhabela concentra esse número expressivo de barcos por ter várias opções de regata. Tem prova no lado leste com muito sul, no canal com muita corrente, regatas de percurso com bastante vento e outras mais. É um dos melhores lugares para a prática da modalidade”, explicou Marcelo Gusmão, representante do Brasil em Atlanta 1996 e comandante do Itajaí Sailing Team.

”É um excelente lugar para se velejar e a Semana de Vela tem opções diferentes de regatas longas, conhecidas como costeiras e que são bacanas pela geografia da ilha. Tem opções de percurso médio e as regatas de barla-sota, que foram as de hoje. ”, disse Juninho de Jesus, velejador do Loyal Red Nose. ”O objetivo principal da Ilhabela Cup pra gente foi testar muitas coisas no C-30 e a tripulação”.

As regatas desta terça-feira serviram para definir também os campeões da Ilhabela Cup, uma competição dentro da Semana de Vela de Ilhabela.

Na C-30, o vencedor foi o Caiçara UV Line (Marco de O.Cesar). A equipe fechou a disputa com duas vitórias no dia. “Nossa tripulação está afinada, há dois anos competimos com os mesmos velejadores e temos muita sintonia nas manobras”, definiu Flávio Goulart, do Caiçara. “O dia foi muito bom para nós, com o vento sul no canal de São Sebastião. Conseguimos manter uma velocidade constante, e isso faz diferença em condições como a de hoje, com mais vento.”

Na HPE, o Take Ashauer foi ameaçado pelo Ginga, mas levou a melhor. O adversário venceu as duas regatas do dia, porém não foi suficiente pra passar.

Na ORC e IRC, o grande bicho-papão até agora é o Crioula. O barco do atleta olímpico Samuel Albrecht teve o melhor desempenho no acumulado dos pontos e foi o ganhador da Ilhabela Cup. O Crioula também vem de um recorde histórico. O veleiro do Rio Grande do Sul obteve no último sábado (21) a melhor marca da história na regata Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil com 6 horas, 1 minuto e 42 segundos.

Na RGS, o Xiliki (Leonardo Leal) é o destaque. Vencedor da regata Ilha de Toque-Toque por Boreste, o barco foi o campeão da categoria na Ilhabela Cup, com um segundo e um terceiro lugar nas regatas.

Entre os clássicos, o Áries III (Diogo Aguiar / Amadeu Bueno) foi o campeão da Ilhabela Cup. O Seu Pimenta (Flávio Farkouh) foi o vencedor na Bico de Proa A, enquanto o Cambada-1 (Luiz Fernando Giovannini) conquistou o título na Bico de Proa B. A classe Multicascos não correu a Ilhabela Cup.

Nesta quarta-feira (25), dia parcialmente nublado com rajadas do sudoeste fraco no canal (6 nós) e leste também fraco no norte da ilha (9 nós).

Semana de Vela de Ilhabela premia vencedores das tradicionais regatas de abertura

24/07/2018 17:19

A Cerimônia de premiação dos vencedores da Semana de Vela de Ilhabela será na Race Village a partir de 20h

A cerimônia de premiação dos vencedores das regatas de abertura da 45ª Semana de Vela de Ilhabela será realizada nesta terça-feira (24), a partir de 20h, na Race Village, montada no centro histórico de Ilhabela.

A Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil conheceu no último sábado seu novo recordista. O Crioula fez a melhor marca para as 55 milhas com o tempo de 6 horas, 1 minuto e 42 segundos. A equipe, além de Fita Azul (barco que chega primeiro) foi a vencedora no tempo corrigido nas categorias ORC e IRC.

Marcada por ventos fortes e mar pesado, a regata teve ainda o Team Mussulo Angola Cables com melhor desempenho na RGS. Depois de vencer a principal regata de percurso da Semana de Vela de Ilhabela, parte da tripulação trocou o tradicional Bavaria 55 e a classe RGS pelo HPE 25.

Nesta segunda-feira (23), o quarteto formado por José Guilherme Caldas, Leo Chicourel, Rafael Martins e Beto Vita participou das primeiras provas da Ilhabela Cup, competição paralela à Semana de Vela de Ilhabela.

”Nós corremos de HPE 25 em algumas regatas de Salvador (BA) e treinamos para a Semana de Vela de Ilhabela”, disse José Guilherme Caldas. ”O evento é uma grande oportunidade de correr com os melhores do Brasil. Nós decidimos correr de HPE 25 e tirar o melhor resultado possível, mas dentro de nossas limitações. Queremos aprender! É impossível andar na frente de quem está há muitos anos correndo nessa classe”.

O destaque da Toque-Toque, outra regata de percurso longo que abre a competição todos os anos, foi o Madrugada (Niels Rump). O tradicional barco brasileiro mede na Clássicos e também será homenageado no palco da Race Village.

O estreante Sirius 4 (Aziz Constantino) faturou na Bico de Proa, o Maré xx (Benoit Joufflineau) na Multicascos e o Xiliki (Leonardo Leal) na RGS C.

As regatas de abertura da Semana de Vela de Ilhabela para a classe C-30 também não foram realizadas em função do mal tempo. A categoria tem limite de até 25 nós de vento. No sábado (21), os ventos passaram dessa marca.

Resultados

Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil

ORC e IRC
1. Crioula (Samuel Albrecht)
2. Maximus (Ralph Rosa)
3. Boto V (André Sobral)

RGS A e B
1. Mussulo III (José Caldas) – RGS A
2. Libertas (Clauberto Andrade) – RGS A
3. BL3 (Pedro Rodrigues) – RGS B

Ilha de Toque-Toque por Boreste

Clássicos
1. Madrugada (Niels Rump)
2. Vendetta (Marcelo Faro)
3. Beiramar (Marco A. Aleixo)

Bico de Proa
1. Sirius 4 (Aziz Constantino) – BDP A
2. Newport (Ruy Mendes Vita) – BDP B
3. Seu Pimenta (Flávio Farkouh) – BDP A

Multicascos
1. Maré xx (Benoit Joufflineau)
2. Brasuka (Wellington)
3. Mente Sã (Gilberto R. Camargo)

RGS C
1. Xiliki (Leonardo Leal)
2. Prozak (Márcio Finamore)
3. Rainha (Leonardo Pacheco)

 

Depois de vitória na Alcatrazes, Team Mussulo Angola Cables muda de classe e corre de HPE 25

23/07/2018 22:22

O Mussulo Angola Cables está envolvido em um novo desafio na vela nacional. Depois de vencer a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, no último sábado (21), parte da tripulação trocou o tradicional Bavaria 55 e a classe RGS pelo HPE 25.

Nesta segunda-feira (23), o quarteto formado por José Guilherme Caldas, Leo Chicourel, Rafael Martins e Beto Vita participou das primeiras provas da Ilhabela Cup, competição paralela à Semana de Vela de Ilhabela.

Os barcos são totalmente diferentes em relação ao tamanho, velocidade e tripulação. O Bavaria 55 é um barco maior e feitos para regatas de percurso, com menos manobras. Já o HPE é menor e feito para regatas entre boias.

”Nós corremos de HPE 25 em algumas regatas de Salvador (BA) e treinamos para a Semana de Vela de Ilhabela”, disse José Guilherme Caldas. ”O evento é uma grande oportunidade de correr com os melhores do Brasil. Nós decidimos correr de HPE 25 e tirar o melhor resultado possível, mas dentro de nossas limitações. Queremos aprender! É impossível andar na frente de quem está há muitos anos correndo nessa classe”.

As regatas da Semana de Vela de Ilhabela que valem pontos para o maior evento da América do Sul voltam a partir de quarta-feira (25). A primeira prova foi adiada, justamente a Renato Frankenthal, no sábado. A organização decidiu não fazer a regata de percurso por causa dos fortes ventos.

Em 2017, José Guilherme Caldas e Leo Chicourel correram a Transat Jacques Vabre em duplas. A travessia é de Le Havre, na França, e Salvador, no Brasil. Em 2019, o Mussulo 40 Team Angola Cables deve competir a regata transatlântica novamente.

Resultados
Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil

RGS A e B
1. Mussulo III (José Caldas) – RGS A
2. Libertas (Clauberto Andrade) – RGS A
3. BL3 (Pedro Rodrigues) – RGS B
4. Sargaço (Matheus Silva) – RGS A