Home Opinião Salário e inflação

Salário e inflação

Pensamento do dia:
“Paciência e perseverança têm o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem”. (John Quincy Adams)

Aumentar os salários não adianta nada se imediatamente o preço de tudo sobe numa escalada ainda maior que a inflação. Aumentos de passagem de ônibus, luz e telefone. No supermercado, fica cada vez mais difícil encher o carrinho sem estourar o orçamento. Ainda que o salário mínimo fosse de R$ 1 mil, o preço de tudo seria tão mais caro que esse aumento não valeria nada.

Salário mínimo
Após o indecente reajuste de salário que os parlamentares deram a si mesmos, falta-lhes a autoridade moral necessária para defender os interesses do povo na questão do salário.

Insegurança no país
Graças à nossa legislação e à morosidade da Justiça que milhares de criminosos estão à solta. É inadmissível que criminosos condenados a longas penas por vários crimes sejam beneficiados por progressão de pena. Dizem os juízes que apenas cumprem a lei. Será mesmo que eles são tão obrigados assim a seguir a letra fria da lei em detrimento da população ordeira?

Oposição é necessária
Todos os que estão descontentes com os governos petistas estão ansiosos para que a oposição – PSDB, DEM, PPS – assuma seu papel no cenário político. A oposição na democracia tem um papel de contrapeso à situação. Ambas são fundamentais, complementam-se. A democracia inexiste na ausência do jogo entre situação e oposição.

Tiririca ‘perdidão’
Após 10 dias na Câmara Federal, o deputado Francisco Everardo Oliveira Silva se confessou perdido. Não é o único perdido. Aliás, ele não o único que não se encontrou. Enquanto estiver “perdidão” não há o risco de ações ligadas à corrupção, lavagem de dinheiro e outras.

Perda de tempo no Congresso
Mais uma vez, parlamentares se movimentam para tentar elaborar e aprovar uma reforma política. No Senado, uma comissão especial tratará do assunto. Tudo indica que a iniciativa será, novamente, perda de tempo e esforço político. Embora seja inegável que o sistema partidário-eleitoral poderia ser beneficiado por algumas atualizações, é curioso notar como, a cada legislatura ou escândalo, a reforma aparece como panaceia para solução dos problemas políticos do país.

Socorro
Não se passaram nem dois meses de governo, e o ex-presidente Lula já se sentiu obrigado a prestar socorro a sua pupila e sucessora, Dilma Rousseff. Lula chamou de oportunistas os dirigentes sindicais que forçam a barra por um aumento do salário mínimo para R$ 580, no lugar de R$ 545. As palavras do ex-presidente expressam o tamanho do problema da presidente.

Os sindicalistas
E seus apoiadores no Congresso são todos da base parlamentar de Dilma. Que eles lhe estejam causando problema e tenham chances de, com a ajuda de uma boa parte do PMDB e de outros partidos, barrar a proposta do governo para o salário mínimo é um indicador do quanto a sustentação da presidente é delicada, apesar da extensa maioria que seu governo tem no Senado e na Câmara.

Defensivos importados
A enxurrada de defensivos agrícolas asiáticos que tomou conta do Brasil nos últimos 10 anos começa a preocupar as indústrias do setor. O temor é que os baixos custos dos produtos, vindos especialmente da China e da Índia, desestimulem a produção no Brasil e levem a um processo de desindustrialização do setor nacional.

Situação
“Há 30 anos, 80% dos defensivos tinham produção nacional e apenas 20% eram importados. Hoje, essa proporção é exatamente oposta, ou seja, temos uma elevada dependência dos produtos que vêm de fora do país”. Nesse cenário, a evolução registrada para as compras feitas da China, Índia e Argentina são as que mais se destacam.

Compartilhe: