Home Colunistas Psicologia ao seu alcance Como conquistar um grande amor – vontade

Como conquistar um grande amor – vontade

Aqui está mais um artigo da série “COMO CONQUISTAR UM GRANDE AMOR”. Hoje escreverei sobre vontade, garra, tesão de realizar as atividades, tanto sozinho quanto em casal. Anteriormente tratei do compromisso, ética, iniciativa e criatividade. Todos pontos importantes para conquistar e manter um bom relacionamento. Porém aqui vou um pouco mais a fundo. Pois percebo que há pessoas que, por serem estudadas e/ou terem um maior conhecimento da vida, sabem da importância de tomar iniciativa, mas é comum fazerem sem cuidado e sem o prazer de estar realizando. E essa falta de tesão é sentida pelo outro. Parece que está fazendo como se fosse um favor, e me refiro a qualquer coisa, desde afazeres da casa, um passeio, preparar uma comida ou mesmo ao fazer sexo. O que falta: vontade. Vontade de construir, de viver o prazer de concluir e de entregar. Falta orgulho de si, das conquistas, de se dar o direito de ter prazer.
Essa falta de vontade não está ligada nem à condição financeira, nem às dificuldades da vida. É claro que as condições em que a pessoa se encontra influenciam, podem entristecer, desanimar, cansar. Mas não estou falando de situações circunstanciais. Me refiro ao padrão de não ter tesão, garra. Aqui também não entra a depressão, que é um problema que precisa ser abordado num outro momento. Esse texto aborda as pessoas que se preocupam em serem comprometidas, éticas, criativas no namoro, mas não cativam. São certinhas, mas não conquistam; porém olham ao redor e veem outras pessoas conquistando e arrebatando amores, mesmo sem o cuidado que elas têm. Ficam inconformadas com essa constatação, mas no fundo sabem o que lhe falta: brilho! Aquele algo a mais que emana através da empolgação, da vontade. Por que não tem esse quê a mais?
Podem ter vários motivos, mas vou destacar um que vejo importante. Muitas pessoas nessa condição foram educadas para não viverem o orgulho. Como se sentir orgulho fosse algo ruim, que não deveriam externalizar. Porém é o orgulho que traz segurança psicológica à pessoa e ela se reconhece como capaz de realizar. Relembre sua vida! Busque vivências que você se orgulhe, traga esse sentimento para o seu relacionamento e passe a agir com vontade, com tesão. Seja feliz. Isso é fácil de fazer sozinho? Infelizmente não! Se não conseguir, procure ajuda de um psicólogo.


Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

Flavio Melo Ribeiro

Psicologia ao seu alcance
Flávio é psicólogo formado pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1988. Especialista na área clínica pelo Conselho Regional de Psicologia e Especialista em Gestão de Empresa pela Universidade Federal de Santa Catarina.
Compartilhe: