Orgulho?

O prefeito da Maravilha do Atlântico, Fabrício Oliveira (PSB), esteve reunido com comerciantes, moradores do Calçadão e forças de segurança

Em pronunciamento na quinta-feira na tribuna da piramidal casa do povo, o vereador seguidor dos preceitos brizolistas, Nikolas Reis, descascou pra cima do governo, falando em ilegalidades, irregularidades e debulhando graves acusações contra parte da equipe do prefeito barbudinho, Volnei Morastoni (PMDB). Ui!

Zum-zum-zum
É de conhecimento de quem acompanha a política peixeira que a oposição e até mesmo a situação se sentem constrangidas pela presença de um ou outro no governo. Nos corredores pipocam desde a farra dos cargos a amantes, parentes e chegados do exterior, até capangas e leões de chácara que estariam ameaçando qualquer um que resolva divergir do governo da Vila Operária.

Será?
Talvez, o pronunciamento de Nikolas tenha sido motivada por todo esse descontentamento político que se amplia na base e fora dela. Não é segredo para ninguém que excelências excelentissímas da base do governo têm sido vistas tecendo duras críticas ao prefeito e a seu filho, barbudinho júnior Thiago Morastoni, lascando que tão misturando o público com o familiar e privado.

Bolsas de estudo
Nikolas usou como sustentação da falação o anúncio pelo Thiago Morastoni e por seu vice carregador de piano, o meio-careca, Fabrício Marinho (PPS), de cortes nos recursos assegurados pela Lei Orgânica de sua autoria para disponibilização de bolsas de estudo.

Pior hora
O governo escolheu a pior hora para promover esses cortes de direitos sociais, pois na contramão de vários prefeitos brazucas e catarinas, tem ostentado o que parece ter ultrapassado as 750 nomeações em cargos comissionados, contratação de amigos por 300 mil reais entre outras contradições.

Politicamente incorreto
Não distante dessa realidade, o processo político do governo nasceu em crise quando meteram a colher, intervindo na eleição da mesa diretora da piramidal. Naquele evento, abriu-se várias rupturas políticas e instalou-se um toma lá da cá medonho.

SINE…
Transformaram o início da gestão numa espécie de SINE eleitoral, onde se formatou um governo esperando as eleições de 2018, distribuindo-se prêmios e convocando ao próximo pleito, colocando a agenda social e política da city peixeira abaixo da lista de prioridades.

Faltou oxigênio
Com toda essa confusão, grupos se formaram com todos os tipos diferentes de objetivos, numa ameaça constante do salve-se quem puder, comum apenas em anos de encerramento de mandatos e não nos primeiros meses, ignorando a política pública de base, onde a discussão deveria estar sendo pautada por demandas sociais.

Nem te ligo
A bolsa de estudo é um exemplo de que não há por parte do governo nenhum aceno no sentido de se gastar menos do que se arrecada, ou reduzir gastos com privilégios para manter direitos sociais. Aí não tem jeito, quando o povo berra, a política desanda.

Comissão Especial
Na próxima terça-feira (17) a piramidal casa do povo deve votar o projeto de Resolução nº 1/2017, que cria a Comissão Especial de Transporte Coletivo. Farão parte da comissão os vereadores Edson Lapa (PR), Marcelo Werner (PCdoB), Murilo Pereira (PP), Robison Coelho (PSDB) e Rubens Angioletti (PSB).

Avaliar e propor
A comissão será formada com o objetivo de avaliar, estudar e propor um novo modelo licitatório para o transporte público. O prazo para conclusão dos trabalhos e apresentação do relatório final é de 60 dias, prorrogáveis pelo mesmo período.

Vistoria de final de semana
Neste sábado de manhã, o prefeito Fabrício Oliveira (PSB) de BC, vai pessoalmente verificar, junto com abobrões da prefa, o que mais pode ser melhorado no Calçadão da Avenida Central, como nova sinalização, demarcação de pista de rolagem dos automóveis dos moradores, além de ordenamento de mesas e cadeiras. Medidas que visam revitalizar o local tradicional.

A eterna vigilância
Para Fabrício, o bom funcionamento do Calçadão depende do cumprimento das regras estabelecidas de comum acordo com os que moram e frequentam o local. Isso para contemplar o espaço para todos e coibir excessos que levam a brigas e confusões que acabam comprometendo a imagem da cidade. Tudo funcionando nos conformes, a tendência é o horário do comércio se estender até mais tarde. Que é o que os comerciantes esperam.

Avaliação
Reunião na sexta-feira entre Fabrício, moradores e comerciantes do Calçadão e representantes das forças de segurança pública, avaliou o resultado das medidas implementadas naquela via, como proibir as caixas de som e as televisões que os bares botavam na rua e que atazanavam a vida dos moradores do entorno até altas horas, e limitação do horário de atendimento até uma hora da manhã.

JC
JC é colunista político do Diarinho, o jornal que todo mundo lê, até quem diz que não. A missão do socadinho escriba é disseminar a discórdia, provocar o tumulto e causar o transtorno, para o bem da coletividade.
Compartilhe: